Green, Splitter e troféu da NBA vêm ao Brasil

O fim de semana será especial para os fãs do San Antonio Spurs no Brasil. Em ação promovida pela NBA, o ala-armador Danny Green e o pivô Tiago Splitter estarão no país, assim como o troféu Larry O’Brien, entregue ao campeão da liga profissional americana.

Green e Splitter estarão no Brasil (Lucy Nicholson/Reuters)

O principal evento vai acontecer em Barueri, na Grande São Paulo, nos dias 2 e 3. Green estará presente nos dois dias, assim como as dançarinas do Cleveland Cavaliers e o mascote do Atlanta Hawks. Clique aqui e saiba mais sobre o evento.

Splitter estará em Barueri no domingo para mostrar o troféu para o público paulista. Um dia antes, o pivô brasileiro vai exibir o Larry O’Brien no Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, onde a Seleção Brasileira vai enfrentar a Argentina como parte de sua preparação para a Copa do Mundo de basquete, que será disputada entre 30 de agosto e 14 de setembro, na Espanha.

Em homenagem à guerreira – parte 1

Vestiario Feminino

Depois de 16 anos de WNBA, Becky Hammon anunciou nesta semana que se aposentará das quadras ao fim da temporada. Quem acompanha basquete feminino sabe o significado dessa jogadora, não somente para o San Antonio Stars, mas também para toda a modalidade. Por isso, o Vestiário Feminino vai apresentar nas próximas semanas textos especiais sobre a carreira dessa que é um dos principais nomes do esporte da bola laranja.

Inspiradora um dos poucos adjetivos que definem Becky Hammon e sua carreira (Arte: Linda Estepe)

“Ser inspirado é ótimo. Inspirar é incrível” (Arte: Linda Estepe)

Essa que escreve essa coluna dominical é meio suspeita para falar sobre Hammon e tudo o que a envolve. Confesso que minha torcida para o Stars começou depois de vê-la jogar. Eu já torcia para o San Antonio Spurs e saber que ela estava na franquia “feminina” da equipe texana apenas me deixou mais à vontade.

Hammon é um exemplo não só em questão de estilo jogo. Ela é um espelho não somente para garotas que sonham em ser jogadoras de sucesso, mas para qualquer pessoa que tem um sonho e enfrenta circunstâncias adversas.

Nascida em Rapid City, no estado de South Dakota, uma região sem muita tradição no basquete, Hammon não teve as melhores oportunidades para chegar à carreira profissional. Com a Steven High School, chegou até a final estadual e perdeu para a escola Mitchell, quando marcou 29 dos 35 pontos de seu time.

Considerada a melhor atleta de sua cidade, Becky Hammon foi capa da previsão de um jornal local para a temporada tanto do futebol americano quanto do basquete feminino da Stevens High School em 1994 (Arquivo)

Considerada a melhor atleta de sua cidade, Becky Hammon foi capa da previsão de um jornal local para a temporada tanto do futebol americano quanto do basquete feminino da Stevens High School em 1994 (Arquivo)

Mesmo com a média de 26 pontos por jogo em seu último ano do ensino médio, não conseguiu uma bolsa para uma universidade da primeira divisão da NCAA. Foi a Colorado State University que a acolheu. Na faculdade, bateu a maioria dos recordes, que são mantidos até hoje.

Depois de quatro anos na CSU e de ter levado a instituição a um Sweet Sixteen da NCAA, Becky acabou não sendo draftada no evento de escolha da WNBA de 1999. Uma equipe, porém, decidiu dar uma chance para aquela jovem de uma instituição sem tradição no universitário, o New York Liberty.

Seu primeiro contrato como profissional foi assinado em 12 de maio de 1999, um dia depois de seu aniversário. Na franquia nova-iorquina passou oito temporadas e se tornou um dos principais nomes do basquete feminino. Apenas em 2007 foi enviada para o San Antonio – à época Silver – Stars por meio de uma troca no Draft daquele ano.

Becky Hammon começou sua carreira no New York Liberty, onde sua vida profissional decolou (Facebook)

Becky Hammon começou sua carreira no New York Liberty, onde sua vida profissional decolou (Facebook)

E é nesse Stars que tantas alegrias conhecemos com essa “baixinha”. Foi em 2007 que a franquia chegou pela primeira vez aos playoffs, com um time memorável. Perdeu para o Phoenix Mercury logo na primeira rodada, e o time do Arizona terminou como o campeão da temporada. Mas o ano de ouro mesmo foi 2008.

Com uma campanha extraordinária de 24 vitórias e dez derrotas e o primeiro lugar da Conferência Oeste, San Antonio chegou à Final, quando perdeu para o Detroit Shock.

Em 2011, Hammon recebeu uma de suas maiores honras da carreira. Foi escolhida entre as 15 melhores jogadoras de todos os tempos da WNBA no 15º aniversário do campeonato. A ala-armadora foi contemplada junto a Sue Bird, Tamika Catchings, Cynthia Cooper, Yolanda Griffith, Lauren Jackson, Lisa Leslie, Ticha Penicheiro, Cappie Pondexter, Katie Smith, Dawn Staley, Sheryl Swoopes, Diana Taurasi, Tina Thompson e Teresa Weatherspoon.

Becky Hammon foi escolhida uma das 15 melhores jogadoras da WNBA de todos os tempos, junto a nomes lendários da liga (WNBA.com)

Becky Hammon foi escolhida uma das 15 melhores jogadoras da WNBA de todos os tempos, junto a nomes lendários da liga (WNBA.com)

Continua na próxima semana…

Seleção Brasileira inicia preparação para o Mundial

A Seleção Brasileira masculina de basquete se apresentou para começar a preparação para o Mundial da modalidade, que será disputado na Espanha, entre 30 de agosto e 14 de setembro. A equipe nacional disputará oito partidas até o torneio, começando pelo por um “minicampeonato” que começa no dia 31/07, no Rio de Janeiro.

DSC_0023_seleção editada

Recém campeão pelo Spurs, Splitter é indispensável para o Brasil (Foto: Caio dos Reis)

Na coletiva de imprensa realizada na tarde desta segunda-feira (21) em São Paulo, o técnico Rubén Magnano e a comissão técnica apresentaram os jogadores que irão representar o Brasil no Mundial na Espanha. Os convocados são Marcelinho Huertas (Barcelona), Larry Taylor (Bauru), Leandrinho Barbosa (sem clube), Marcelinho Machado (Flamengo), Marquinhos (Flamengo), Alex Garcia (Bauru), Anderson Varejão (Cleveland Cavaliers), Nenê Hilário (Washington Wizards), Guilherme Giovannoni (Brasília) e Tiago Splitter (San Antonio Spurs).

A seleção nacional começa sua preparação com o Desafio Super BRA de Basquete. A competição, que será realizada no Rio de Janeiro entre os dias 31 de julho e 2 de agosto, conta com três países: Brasil, Argentina e Angola. Os jogos serão transmitidos ao vivo pelos canais SporTV (os três dias) e TV Globo (somente o jogo do dia 2). No primeiro dia do torneio, o duelo será entre Brasil e Angola, às 20h. No dia seguinte, às 14h, o jogo é entre Argentina e Angola e, por fim, Brasil e Argentina atuam às 10h da data final, encerrando a competição.

DSC_0083_editada

Tiago Splitter falou com exclusividade para o SB (Foto: Caio dos Reis)

Dando continuidade ao aquecimento, o Brasil participa do Torneio das Três Nações, que será realizado entre os dias 8 e 10 de agosto em Buenos Aires, na Argentina. Os países participantes serão novamente Brasil e Argentina, mais a seleção do México. O jogo do dia 8 será às 20h30, entre Brasil e Argentina. No dia 9, Argentina e México entrarão em quadra às 20h e finalizando, Brasil e México se encontrarão no último dia, às 18h30. Depois desta competição, o Brasil fará um jogo amistoso em Chicago contra os donos da casa no dia 16 de agosto.

Por fim, a seleção brasileira participa do Torneio Internacional na Eslovênia, dos dias 21 a 23 de agosto. Os jogos do primeiro dia serão: Brasil x Lituânia e Eslovênia x Irã.

No dia 22, os confrontos são Irã x Lituânia e Brasil x Eslovênia. Dando fim à competição, Irã x Brasil e Eslovênia x Lituânia encerram a preparação para o Mundial.

Recém campeão da NBA, o brasileiro Tiago Splitter falou com exclusividade para o Spurs Brasil sobre a experiência que pode acrescentar à seleção nacional sendo o primeiro brasileiro campeão da liga profissional americana de basquete.

“Eu acho que a melhor coisa que eu posso trazer é a mentalidade de jogar em coletivo, como um time, e esquecer às vezes o “eu”. Fazer de tudo para ganhar o jogo, sem pensar no individual”, avaliou o pivô do alvinegro de San Antonio.

Splitter ainda explicou como foi perder as finais para o Miami Heat na temporada anterior ao penta e o que mudou no time para que o quinto título texano viesse.

“A derrota foi uma grande motivação pra nós aquele jogo e aquela bola do Ray Allen (jogo 6). Então, tudo isso mostra que os detalhes no basquete são muito importantes. Um rebote, um lance livre, um passe errado, podem afetar. Cada coisa pode afetar o jogo de basquete e isso foi o que nós tiramos de lição daquele jogo”, revelou.

O pivô catarinense de 29 anos de idade está desde 1999 na seleção brasileira e irá disputar a sua 16ª temporada vestindo a camisa verde e amarela. Nas Olimpíadas de Londres em 2012, Splitter totalizou 65 pontos e 32 rebotes em seis jogos disputados.

E tem mais: Tiago Splitter ainda mandou um recado para os leitores do blog:

Dia de festa

Vestiario Feminino

Neste sábado (19), o Jogo das Estrelas da WNBA aconteceu em Phoenix, na casa do Phoenix Mercury. Leste e Oeste se encontraram em duelo eletrizante, com direito a prorrogação e placar parelho. Nessa festa, o San Antonio Stars tinha uma representante, Danielle Robinson.

Danielle Robinson fez parte do elenco do Oeste do All-Star Game da WNBA (Phoenix Mercury)

Danielle Robinson fez parte do elenco do Oeste do All-Star Game da WNBA (Phoenix Mercury)

Com atuação discreta de 13 minutos e seis pontos, a armadora do time texano começou irreconhecível, mas depois passou a ter uma representação maior no jogo. Apesar da baixa pontuação, teve uma bela jogada após cruzar toda a quadra com a bola e marcar dois pontos com uma bandeja realizada entre duas adversárias.

O Jogo das Estrelas deste ano foi, de fato, especial. Com um dos melhores elencos, contou com uma surpresa inesperada. Shoni Schimmel, a novata do Atlanta Dream, surpreendeu a todos com sua atuação de 29 pontos. Foi eleita a MVP do duelo especial.

Outro nome especial foi o de Érika de Souza. Essa, não pelo seu rendimento no jogo, mas pelo que representa para o basquete brasileiro e para a WNBA. Substituindo Elena Delle Donne, a pivô foi titular do elenco do Leste e anotou oito pontos.

Elenco do Leste, campeão do All-Star Game da WNBA (Phoenix Mercury)

Elenco do Leste, campeão do All-Star Game da WNBA (Divulgação/Phoenix Mercury)

A presença do Jogo das Estrelas na cidade de Phoenix foi muito importante, pois esse é um local onde o basquete é fortemente presente, tanto na NBA quanto na WNBA. Na liga feminina, especialmente, a franquia tem feito por merecer. Com a melhor campanha do Oeste (18 vitórias e 3 derrotas), o esquadrão comandado por Sandy Brondelo tem um dos elencos mais fortes do campeonato e uma das torcidas mais apaixonadas dos Estados Unidos.

O jogo das Estrelas de 2014 da WNBA contoi com enterrada de Britney Grinner não só durante o treino, mas também no jogo (Phoenix Mercury)

O Jogo das Estrelas contou com enterrada de Britney Grinner não só durante o treino (Divulgação/Phoenix Mercury)

O Phoenix Mercury também já se tornou campeão da WNBA em duas oportunidades (2007 e 2009), ou seja, tem história. Além disso, fora de quadra, é uma das equipes que mais se esforça para levar entretenimento e novidades específicos para o público. O site é completo e as redes sociais da franquia nunca deixam a desejar.

A festa foi bonita. Apesar dos desafios individuais não terem acontecido (desafio de habilidades e de três pontos), o jogo e tudo o que o envolveu foi muito legal. Vale muito a pena para os outros que acontecerem.

Enquanto isso, o Stars teve um único jogo na semana, contra o Tulsa Shock. O placar final foi de 95 a 90 com atuação de destaque por parte de Sophia Young, que marcou 16 pontos e acertou os seus seis arremessos de quadra. Com o resultado, a equipe continua com a terceira colocação da Conferência Oeste.

Na terça-feira, ambos os times se reencontram. Na sexta, o Stars tem o Minnesota Lynx como adversário, seguido do Indiana Fever, em confronto que ocorre no sábado.

Spurs (4-2) vs Wizards (5-0) – Por pouco

94×95

Neste sábado (19), pela Summer League de Las Vegas, o San Antonio Spurs enfrentou o Washington Wizards, em partida que chegou a três prorrogações, e foi derrotado nos segundos finais. Com ótima atuação de Austin Daye, os texanos chegaram a sentir o gosto da vitória, mas uma bola acertada no estouro do cronômetro por Glen Rice Jr. levou o jogo para o tempo extra, no qual o Alvinegro foi derrotado. Vamos aos destaques do confronto:

Spurs não foi páreo para o Wizards (Reprodução/nba.com/spurs)

Os veteranos

Veteranos na NBA, Austin Daye e Jeff Ayres foram colocados à prova na liga de verão. O ala-pivô, que atua na equipe principal do Spurs, não fez um bom campeonato, e tem poucas chances de ganhar mais tempo além do garbage time na rotação do técnico Gregg Popovich. O ala, ao contrário, foi melhorando na sequência do torneio e, após ter pouco tempo durante a última campanha na equipe principal, pode cavar alguns minutos com as atuações que teve neste verão. Vale lembrar que Daye, apesar de pouco utilizado, foi a 15ª escolha do Draft de 2009. Portanto, alguém deve ter visto certo talento no jogador.

Daye foi o destaque do time (Reprodução/nba.com/spurs)

Surpresa inesperada

Nos dois primeiros jogos, ninguém notou, mas, a partir da partida contra o Milwaukee Bucks, ele começou a aparecer. Vander Blue, uma surpresa que poucos esperavam, teve média 11,6 pontos por exibição nos últimos três duelos, sendo um dos cestinhas do time. Ele não será usado na equipe principal do Spurs, mas, graças a essas últimas atuações, pode acabar despertando interesse de outras franquias.

E agora, Pop?

Ainda faltando uma vaga para ser preenchida na equipe principal, e Pop terá uma difícil escolha, Aron Baynes, Bryce Cotton ou nenhum dos dois? Na partida de sábado, o armador foi bem, anotando 16 pontos, distribuindo seis assistências e pegando quatro rebotes. Um nó na cabeça do treinador? Como o Spurs demonstrou interesse no jogador, então é possível dizer que sim.

Destaques da partida

San Antonio Spurs

Austin Daye – 27 pontos e 7 rebotes

Bryce Cotton – 16 pontos, 6 assistências e 4 rebotes

Vander Blue – 13 pontos, 5 assistências e 4 rebotes

DeShaun Thomas – 11 pontos

Washington Wizards

Glen Rice Jr. – 36 pontos e 11 rebotes

Otto Porter – 27 pontos e 5 rebotes

Daniel Theis – 10 pontos e 8 rebotes

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 47 outros seguidores