Arquivos do Blog

O triste fim de Leandrinho Barbosa

Uma das mais sérias dificuldades que pode afetar um atleta é o crescimento indiscriminado de seu ego. Milhões na conta, fama, mulheres; tudo isso colabora para que o salto cresça e a distância para o chão e a realidade também, criando um espaço no qual cair é muito perigoso. Leandrinho Barbosa parece estar cada vez mais desequilibrado no salto em que subiu após ter tido duas ou três temporadas significativas na NBA.

Barbosa já foi o melhor jogador que o Brasil produziu na entressafra olímpica entre 1996 e 2012. Chegou com méritos à NBA e ficou conhecido logo de cara pela história de simplicidade, resumida na ida aos treinos de bicicleta – ganhou inclusive um carro do astro Steve Nash. Vieram as boas partidas no Phoenix Suns, quando vinha do banco para colocar fogo nos jogos com sua velocidade e pontaria até que bem afiada. Nesse período, foi nomeado o melhor sexto homem da liga e viu sua desgraça começar junto com seu auge.

Os bons tempos de Leandrinho no Phoenix Suns são um passado cada vez mais distante

Os bons tempos de Leandrinho no Suns são um passado cada vez mais distante

Os tempos de boas temporadas regulares e playoffs dignos do Suns acabou e o conto de fadas de Leandrinho também. Algumas lesões não muito significantes e o ala-armador já não via em suas mãos o poder de incendiar partidas. Nash continuou, Amare Stoudemire saiu, o técnico Mike D’Antoni também e a magia daquela equipe que só atacava e não ganhou nada de significativo já não existia mais. Mas o ego do brasileiro já estava inflado.

Paralelamente à ascensão e à queda de Leandrinho em Phoenix, a seleção brasileira começava um trabalho de reestruturação. Uma obra na qual o coordenador – ou técnico – Rubén Magnano deixou clara sua intenção de formar um grupo e esquecer os dogmas brasileiros da individualização do basquete, centralizados na figura de Oscar. E nesse período Barbosa não defendia o Brasil por estar mais preocupado com a NBA, escolha pessoal e que não pode ser questionada. Mas que evidentemente o fez sair perdendo.

Eleito por ele mesmo como “craque” na NBA, Leandrinho chegou à Seleção para assumir, em sua cabeça, um protagonismo que não haveria de ser dele. Em um grupo que se comportava como grupo, Barbosa perdeu espaço e não soube se colocar em seu lugar na equipe. Tentou bolas impossíveis e lembrou os tempos em que o Brasil jogava para que um jogador só decidisse. Tomou bronca pública de Magnano e queimou mais sua imagem.

De volta à realidade da NBA, Leandrinho deixou o Suns antes mesmo de voltar à seleção e foi para o Toronto Raptors. Lá seria mais protagonista. Não conseguiu. Foi mal e não rendeu nada, virou quase que um problema para a franquia canadense. O fundo de seu poço foi o momento em que foi trocado para o Indiana Pacers por uma escolha de segundo round no draft. Mas o poço parecia ter em seu fundo uma mola: em Indianapolis, o brasileiro poderia tentar brilhar de novo.

Mais uma vez, ele não conseguiu. No melhor time do Pacers desde a aposentadoria de Reggie Miller, Leandrinho mais uma vez deixou de brilhar. Fez um jogo ou outro bom, nada que justificasse o investimento na renovação de seu contrato, que expirou ao fim da última temporada. Virou agente livre. Chegamos em setembro e ele ainda não tem um time na NBA. A pré-temporada está batendo na porta. Alguns sites dos Estados Unidos afirmam que o jogador quer ganhar US$ 6 milhões por temporada e gostaria de um contrato de pelo menos três anos.

Será que alguém ainda aposta suas fichas em Leandrinho?

3 pontos

– A presença de Leandrinho na Seleção é quase desnecessária. Muito mais válido ter um norte-americano como Larry focado e fechado com o grupo do que um jogador que quer aparecer mais que todo mundo.

– Scott Machado é um norte-americano com sangue brasileiro. Nasceu e cresceu lá, mas os pais são daqui. Já demonstrou ter talento e vontade de defender o Brasil. Se tiver a cabeça no lugar e aceitar o crescimento gradual na NBA, poderá ser bem importante em 2016.

– Nosso blogueiro Lucas Pastore colocou as possíveis chegadas de mais dois brasileiros à NBA. Um deles é Scott, o outro Rafael Hettsheimeir. Gostaria que o segundo ficasse mais tempo na Europa e amadurecesse seu jogo. Seria importante para ele e para a Seleção.

Anúncios

A mulher de malandro

Em 21 dias, Magnano anuncia os convocados para as Olimpíadas

Respeitável público,

A presença de Nenê e Leandrinho em Londres é pule de dez. Embora o técnico da seleção, o argentino Rúben Magnano, faça mistério, a dupla que se recusou a atuar no Pré-Olímpico de Mar del Plata, alegando as mais esfarrapadas desculpas, estará em solo bretão defendendo a camisa canarinho. A lista oficial sai no próximo dia 17 e, de acordo com o misterioso treinador, antes disso nenhuma palavra será dada sobre o assunto. Mesmo assim, Magnano se entrega quando diz que ninguém é dispensável, num claro indício de que pretende contar com o que considera força máxima em Londres, incluindo aí os dois jogadores que atuam na NBA.

Mas a situação pode ser um pouco mais complexa. Não faz muitos dias, o presidente da CBB, Carlos Nunes, veio a público e bancou Nenê e Leandrinho entre os 12 convocados. O desvario e o anti-profissionalismo dos nossos cartolas estão longe de me surpreender, então uma declaração desnecessária e que não deveria partir de quem partiu é o menos grave neste imbróglio. O caso pode ser mais grave: penso que a decisão de tê-los em Londres pode não ter partido de Magnano, que já não fala a mesma língua dos manda-chuvas da CBB. Óbvio que isso não passa inicialmente de uma especulação, mas faz certo sentido se pensarmos que Magnano enfrentou o mesmo problema quando treinava a seleção da Argentina. Na ocasião, o ala Marcelo Nicola e o armador Juan Espil pediram dispensa de um simples Campeonato Sul-Americano e jamais tiveram outra oportunidade com o técnico. Tudo bem que Nicola e Espil não tinham importância alguma para os argentinos, tal como Nenê e Leandrinho têm para as aspirações brasileiras em Londres. Contudo, Magnano é um treinador rigoroso e vencedor o suficiente para mandar às favas quem bem entender. Outro fato que chama a atenção é que o treinador andou meio fora de cena, leia-se ausente da cena basquetebolística nacional, algo raro desde que assumiu a prancheta em Pindorama. Pode ser uma coincidência, talvez ele tivesse mesmo muitos problemas a resolver em seu país, mas até que se prove o contrário…

Há alguns meses escrevi aqui que não gostaria de estar na pele do treinador na hora de fazer a convocação. Continuo sem ter uma opinião formada, mas tendo pro lado que apostaria nos que classificaram o Brasil em Mar del Plata, deixando de fora a dupla que no momento mais difícil preferiu pular fora do barco. Para alguns, isso poderia minar desde já uma possível briga por medalha, como se com Nenê e Leandrinho esta fosse quase que uma certeza absoluta. Sou avesso a nacionalismo, logo usar expressões como “amor à pátria” me soa como sentimental demais e não contribue para o bom debate, mas acho que os garotos – alguns já nem tão garotos assim – que garantiram a vaga merecem estar na Inglaterra. É difícil que aconteça, impossível, não: imaginem os dois desertores convocados e pelo menos um deles declinando o chamado de Magnano. Estaríamos assumindo o grotesco papel da mulher de malandro, aquela que tanto apanha e não larga o marido. Em outras palavras, uma autêntica vergonha histórica e que, infelizmente, corre o risco de acontecer.

Spurs (43-8) @ Raptors (14-38) – Temporada Regular

San Antonio Spurs @ Toronto Raptors – Temporada Regular

Data: 09/02/2011

Horário: 22:00 (Horário de Brasília)

Local: Air Canada Centre

Menos de 24 horas depois de vencer o Detroit Pistons, o San Antonio Spurs entra em quadra no Canadá para enfrentar o Toronto Raptors. O time texano alcançou a terceira vitória em quatro jogos e continua com a melhor campanha da NBA. Após o retorno do ala-pivô Matt Bonner, o time texano está sem desfalques. O Raptors é o vice-lanterna da Conferência Leste; apenas à frente do recordista de derrotas consecutivas da história da Liga, o Cleveland Cavaliers.

Confrontos na Temporada (1-0)

19/01/2011 – Spurs 104 vs. 95 Raptors

O Spurs alcançou a 16ª vitória consecutiva em seus domínios, comandado pelo cestinha Manu Ginobili, com 22 pontos, e por um duplo-duplo de DeJuan Blair, 21 pontos e 11 pontos.

Foto em nba.com

San Antonio Spurs

PG – Tony Parker

SG – Manu Ginobili

SF – Richard Jefferson

PF Tim Duncan

C – DeJuan Blair

Fique de Olho Um dos pivôs mais baixos da NBA, DeJuan Blair mostra que altura nem sempre é tudo para se ter sucesso debaixo da cesta. Na partida anterior, contra o Detroit Pistons, anotou 18 pontos e 12 rebotes.

Foto em nba.com

PG – Jose Calderon

SG – DeMar DeRozan/Leandro Barbosa

SF – Sonny Weems

PF – Amir Johnson

C – Andrea Bargnani

Fique de OlhoO ala-armador brasileiro se adaptou bem à sua nova casa, sendo peça importante do time, mas vem tendo alguns problemas físicos. No seu retorno, no último jogo contra o Milwaukee Bucks, Leandrinho fez oito pontos.