Arquivos do Blog

A volta de George Hill a San Antonio…

Saudades...

O jogo deste sábado (31) em San Antonio vale muito mais do que uma simples vitória em busca do topo da Conferência Oeste. O adversário, o Indiana Pacers, trará consigo um jogador que foi embora e que deixou saudades. Será a primeira partida de George Hill com a camisa de sua nova equipe em San Antonio.

Hill foi recrutado na primeira rodada de 2008. Era um total desconhecido e muitos o colocavam como provável escolha de segundo round. Vindo da pouco tradicional IUPUI, o camisa 3 teve impacto imediato e em pouco tempo se tornou o “queridinho” do técnico Gregg Popovich. Sua garra e vontade de vencer impressionavam. A torcida, tanto lá nos EUA quanto aqui no Brasil (sentíamos isso nos comentários feitos no blog), adoravam o jogador. Gostavam mesmo; era como se ele fosse o atleta favorito de quase todos.

Agora entra a parte em que vocês perguntam: por que ele foi trocado se tinha tanta importância para o time? Bem, essa é uma pergunta difícil de responder. Até hoje vejo as pessoas reclamando da troca, pois George Hill era, depois de Tim Duncan, Manu Ginobili e Tony Parker, uma peça praticamente intocável. Se ele for bem no duelo de logo mais, com certeza vai ter gente criticando, dizendo que ele jamais deveria ter saído, mas isso é normal…

Voltando ao assunto, eu tenho a minha própria tese sobre essa polêmica toda. Por ser muito bom, o armador era a única peça de troca valiosa e “dispensável”. Escrevo dispensável entre aspas porque negociar Duncan, Parker ou Ginobili era – e é – algo absolutamente fora dos planos. Ou seja, George era muito bom, o melhor depois dos intocáveis e aquele que mais despertava interesse das outras franquias.

Além disso, o San Antonio Spurs tinha uma grande carência defensiva. Mas Hill era um bom defensor, certo? Certíssimo! Ele era ótimo marcando individualmente, mas era muito baixo para tomar conta de atletas maiores, como Kevin Durant, por exemplo. Lembro de duelos interessantes entre George Hill e Kobe Bryant. O camisa 3 era implacável contra o astro do Lakers, mas pecava quando tinha de tomar conta de alguém mais alto.

Gregg Popovich e R.C. Buford viram em Kawhi Leonard o novo Bruce Bowen, conversaram com o Indiana Pacers (que tinha a 15ª escolha no Draft de 2011) e resolveram bancar a aposta. Na noite do recrutamento, Hill já sabia que seria enviado de volta à sua terra natal. “O Coach Pop explicou a natureza do negócio, o que eu respeitei, explicou que fazer aquilo seria muito difícil e que ele se sentia muito mal. Ao mesmo tempo, disse que era algo que era necessário para o bem da franquia. Foi difícil de engolir, mas desde o primeiro dia ele foi honesto comigo”, disse o jogador, que tentou dar uma prévia de como será reencontrar esse passado recente pela primeira vez. “Será meio estranho. Vou me divertir. Será bom ver todo mundo novamente e ver todos sorrindo, mas ao mesmo tempo vai ser emocionante porque sinto falta desses caras. Nós criamos uma unidade, mas temos de entender que a NBA é um negócio. Vamos jogar como em uma partida normal de temporada regular e nos divertir”, concluiu.

A nós, torcedores, resta desejar o melhor futuro possível para George Hill (menos contra o Spurs, claro). Um atleta que sempre foi muito aplicado e íntegro durante todo o tempo que esteve em San Antonio. Abaixo, uma última imagem para ficar na história. Quem lembra desse lance?

Uma última imagem pra ficar na história...

Spurs (35-14) vs Pacers (30-20) – Temporada Regular

San Antonio Spurs vs Indiana Pacers – Temporada Regular

Data: 31/03/2012

Horário: 21h30 (Horário de Brasília)

Local: AT&T Center

Contrariando o rótulo de elenco envelhecido e decadente, o San Antonio Spurs passou invicto por uma série de cinco jogos em seis dias seguidos contra Dallas Mavericks, New Orleans Hornets, Philadelphia 76ers, Phoenix Suns e Sacramento Kings. Agora, depois de dois dias de decanso, a equipe texana volta a jogar em casa, após dos triunfos longe do Texas, e recebe o encardido Indiana Pacers, quinto colocado na Conferência Leste. Será o único duelo entre os dois times na temporada regular.

San Antonio Spurs

PG – Tony Parker

SG – Danny Green

SF – Kawhi Leonard

PF – DeJuan Blair/Boris Diaw

C – Tim Duncan

Fique de Olho – Boris Diaw chegou com moral a San Antonio. No último jogo, o ala-pivô roubou os minutos que costumam ser de Matt Bonner e até arriscou duas bolas de três – errou as duas, é verdade. Ainda se adaptando à equipe texana, o francês tem médias de 2,4 pontos, 3,6 rebotes e duas assistências em 17,8 minutos por jogo desde que chegou.

PG – Darren Collison/George Hill

SG – Paul George

SF – Danny Granger

PF – David West

C – Roy Hibbert

Fique de Olho – O Spurs vai bem, obrigado, mas George Hill era o xodó da torcida na última temporada e deixou saudades. O jogo marcará o retorno do armador – que tem médias de 9,4 pontos, 2,8 rebotes e 2,1 assistências em 23,9 minutos por jogo nesta temporada – a San Antonio.

Spurs pode entrar para a história da NBA por motivo inusitado

Nervoso desse jeito, Hill foi o último "Spur" a ser eliminado de uma partida por faltas

O San Antonio Spurs está próximo de entrar para a história da NBA por um motivo inusitado. A franquia pode ser a primeira da história a terminar uma temporada sem ter nenhum jogador eliminado por faltas.

Pois é, quem ainda tem aquela imagem de que o Spurs é um time “sujo” pode começar a rever os conceitos. Dá só uma olhada nas estatísticas abaixo referentes à temporada atual.

Faltas por jogo: 17,2

Jogadores desqualificados: 0

Faltas flagrantes: 1

Faltas técnicas: 7

Os texanos lideram a liga nos dois primeiros quesitos citados. O San Antonio Spurs é o time que menos comete faltas por partida, o que menos faz faltas flagrante (empatado com outros cinco) e o segundo que menos tem faltas técnicas no currículo (o Cleveland Cavaliers é o primeiro, com apenas três).

Para se ter uma ideia, o último jogador do Spurs a ser desqualificado nem está mais em San Antonio. Foi George Hill, durante a série contra o Memphis Grizzlies nos últimos playoffs. Interessante, né?

E mais…

Splitter está bem, mas Popovich será cauteloso ao colocá-lo em quadra

Tiago Splitter - San Antonio SpursO brasileiro Tiago Splitter ficou de fora das últimas quatro partidas por conta de dores nas costas. Apesar disso, o pivô assegura que está bem. “Eles (os médicos) disseram que o músculo sofreu apenas um espasmo. É um problema simples”, disse ele, após a partida contra o Sacramento Kings.

Gregg Popovich, no entanto, será cuidadoso ao colocar o jogador em quadra. “Estamos sendo realmente cautelosos com o Tiago porque as dores se estenderam por um longo período”, explicou. Em Sacramento, Splitter marcou sete pontos e pegou seis rebotes em pouco mais de 14 minutos.

Chegou a hora de Tiago Splitter!

Mestre e discípulo lado a lado (Foto: Spurs Nation)

O brasileiro Tiago Splitter sofreu para se adaptar a San Antonio. Foi uma mudança drástica para ele. A cultura norte-americana é muito diferente da cultura brasileira e ainda mais distinta da cultura espanhola (onde Splitter atuava antes de ir para a NBA). Além disso, as dificuldades para se adequar ao sistema de Gregg Popovich e ao estilo de jogo ianque também foram evidentes.

O pouco tempo em quadra em sua primeira temporada revoltou muitos brasileiros. Nossa mídia, totalmente parcial, criticava sem motivos o treinador. Alguns diziam que ele tinha algo contra brasileiros, que estava velho, passado para o basquete, essas baboseiras infundadas dos ultranacionalistas por aí. Pouca gente se lembrou (claro, nunca acompanharam o Spurs de perto) que Popovich é conhecido por dar pouca “corda” aos novatos, preferindo lapidá-los no primeiro ano. Foi assim com inúmeros bons jogadores, desde os mais antigos, como Manu Ginobili, aos mais recentes, como George Hill.

Mas isso ficou no passado. A realidade agora é outra. Primeiro porque San Antonio vive uma carência bem grande no setor – o que facilita o lado do brasileiro. Segundo porque Splitter agora é um “veterano”. Mesmo sem ter feito uma pré-temporada (por conta do locaute), o pivô já conhece melhor a cidade, o sistema de jogo e também seus companheiros. “Me sinto em casa aqui”, disse ele recentemente ao Spurs Nation. “É diferente quando você é o novato e tem de aprender tudo. Agora eu já sei quase tudo”, completou o brazuca, fazendo referência às adversidades encontradas na última época.

Os próprios companheiros e adversários de Splitter sabem de suas qualidades e esperam ansiosos por uma grande temporada. “Agora que já o vimos jogar sabemos de seu potencial”. A frase é de ninguém menos do que Tim Duncan, grande líder do San Antonio Spurs. “Estou empolgado para vê-lo em quadra nos ajudando”, pontuou Timmy. Quem também é só elogios ao brasileiro é o rival Luis Scola, amigo particular do camisa 22. “Todos precisam de um tempo (para se adaptar)”, opinou o astro argentino. “Ainda acho que ele será um grande jogador na NBA. Tiago tem bons movimentos de costas para a cesta e é muito bom no que faz”, pontuou Scola.

Splitter concorda e sabe que pode fazer muito para auxiliar o time. “Acho que posso ajudar de diferentes maneiras – jogando de costas para a cesta, cavando faltas”, disse. “Esse era meu jogo na Europa e sou capaz de fazer o mesmo aqui”, finalizou.

O brasileiro está certo. Com mais tempo de quadra e com a confiança de todos, essa temporada tem tudo para ser uma das melhores de sua carreira. Ele deverá brigar pela titularidade com o também jovem DeJuan Blair. Acho Blair bom jogador, mas ele ainda tem muito a aprender – sobretudo na parte defensiva. Por outro lado, Splitter é mais maduro, mais experiente, foi MVP na Europa e tem uma grande bagagem internacional. É possível que Popovich comece 2011/2012 com DeJuan Blair no quinteto inicial, ainda mais agora que ele está mais magro e parece mais focado em seu trabalho. Tiago ganhará seu espaço aos poucos, naturalmente, e tenho certeza que ele será muito importante na temporada regular e também nos playoffs.

No Twitter, jogadores do Spurs alfinetam Lakers

Danny Green: that shit was dirty!

O Los Angeles Lakers foi humilhado pelo Dallas Mavericks na semifinal da Conferência Oeste e perdeu a linha. Lamar Odom, melhor reserva da temporada, foi expulso após falta em Dirk Nowitzki, enquanto Andrew Bynum deu uma cotovelada criminosa em J.J. Barea e também foi para o chuveiro mais cedo.

O jogo sujo dos angelinos gerou comentários dos mais variados no Twitter – a maioria deles negativos. George Hill, armador do San Antonio Spurs, foi um dos primeiros a se manifestar contra a truculência dos atletas californianos. “No final das contas ninguém quer perder, mas o modo como você aceita a derrota é a chave de tudo. Pensei que o Lakers teria mais caráter”, comentou o jogador, que trocou farpas com Kobe Bryant durante uma partida da temporada regular.

O ala Danny Green embarcou na do companheiro e também teceu comentários na rede social: “Pelo menos vá na bola, cara”, disse ele, sobre a cotovelada desleal do pivô do Lakers. “Você pode fazer uma falta dura de playoff e continuar sendo um jogador limpo. Aquilo foi uma sujeira”, finalizou.