Arquivos do Blog

Reconstruindo o Spurs – As alas

Nesta sexta-feira (6), darei continuidade ao Reconstruindo o Spurs, série especial de colunas que preparei para falar sobre o elenco do San Antonio Spurs e sobre possíveis movimentações da franquia texana nesta offseason. Após analisar os armadores do plantel, chego às posições 2 e 3, as alas.

Neste ano, Gregg Popovich usou dois jovens talentosos como titulares e dois veteranos vindo do banco de reservas, o que, durante a temporada regular, ajudou a equipe a apresentar um bom basquete durante 48 minutos. No entanto, nos playoffs, alguns desses jogadores sentiram a pressão das partidas importantes e caíram de produção. Veja a análise completa deste panorama a seguir.

‘Tios’ em meio à garotada

1) O elenco

Manu Ginobili – Membro do Big Three texano, Ginobili foi prejudicado por contusões e só conseguiu jogar 34 das 66 partidas do Spurs na temporada regular, apresentando médias de 12,9 pontos (52,6% FG, 41,3% 3 PT, 87,1% FT) e 4,4 assistências em 23,3 minutos por exibição. Porém, na final da Conferência Oeste, contra o Oklahoma City Thunder, o ala-armador mostrou sua importância para a equipe e passou a anotar 18,5 pontos (44,8% FG, 33,8% 3 PT, 85,7% FT) por partida. Vale lembrar que o argentino tem contrato válido até o fim da próxima temporada.

Kawhi Leonard – Fazia tempo que um novato não causava impacto tão positivo em San Antonio. Nem mesmo George Hill, queridinho assumido de Gregg Popovich, foi titular nos playoffs em sua primeira temporada com o Spurs. Leonard se destacou por sua habilidade defensiva e ainda por cima foi melhorando seu arremesso até se tornar uma ameaça sólida do perímetro. Na última temporada, o ala assumiu a vaga no quinteto titular após a saída de Richard Jefferson e apresentou médias de 7,9 pontos (49,3% FG, 37,6% 3 PT, 77,3% FT) e 5,1 rebotes em 24 minutos por noite.

Stephen Jackson – É incrível como o Capitão se sente à vontade no Texas. O ala chegou nas últimas semanas da temporada regular na troca que enviou Jefferson para o Golden State Warriors e, aos poucos, foi encontrando seu papel na rotação do Spurs. Até que, nos playoffs, Jackson se tornou um dos principais nomes do time de San Antonio, apresentando médias de 11,8 pontos (65,7% FG, 68,0% 3 PT, 88,9% FT) e dois rebotes em 23,7 minutos por exibição na série contra o Thunder. Ainda tem mais um ano de contrato.

Danny Green – Principal surpresa do elenco texano na última temporada, Green saiu do fim do banco para ganhar a vaga de ala-armador titular após a contusão de Ginobili e tomou conta da posição, apresentando médias de 10,3 pontos (46,3% FG, 46,3% 3 PT, 81,4% FT) e 3,5 rebotes em 24,4 minutos por partida. Por isso, o jogador, que é agente livre restrito neste verão, despertou o interesse de Boston Celtics e Utah Jazz. No entanto, o atleta sentiu o peso dos playoffs, e, na pós-temporada, seus números caíram para 7,4 pontos (41,8% FG, 34,5% 3 PT, 70% FT) e 3,2 rebotes em 20,5 minutos por jogo. Mesmo assim, o Spurs, que tem o direito de igualar qualquer oferta feita pelo camisa 4, afirmou que pretende mantê-lo.

Gary Neal – Após uma animadora temporada de novato, Neal foi, na minha opinião, prejudicado em 2011/2012. Isso porque o atleta teve de ser deslocado para a função de armador reserva depois da aposentadoria de T.J. Ford, já que Cory Joseph se mostrou imaturo para a NBA. Em relação a seu primeiro campeonato na liga profissional americana, os números do camisa 14 sofreram ligeiro aumento: de 9,8 para 9,9 pontos e de 1,2 para 2,1 assistências por partida. Em compensação, o aproveitamento nos arremessos caiu de 45,1% para 43,6% e os rebotes, de 2,5 para 2,1 por jogo. No entanto, Neal segue sendo um jogador barato: o Spurs pode mantê-lo por pouco mais de US$ 850 mil na próxima temporada.

James Anderson – O jovem jogador, que pode atuar nas posições 2 e 3, sempre mostrou potencial na defesa e, principalmente, nos arremessos de três pontos. Porém, quando era novato, foi atrapalhado por uma lesão que o tirou de quase toda a temporada. Em seu segundo campeonato, teve a chance de virar titular após a lesão de Ginobili, mas não correspondeu e acabou no fim do banco em um elenco recheado de alternativas para o perímetro. Agora, provavelmente está de saída – o Spurs tinha a opção de mantê-lo por mais um ano, mas preferiu deixá-lo virar agente livre. Nesta temporada, Anderson disputou 51 das 66 partidas do time de San Antonio e apresentou médias de 3,7 pontos (37,9% FG, 27,9% 3 PT, 75,0% FT) e 1,5 rebotes em 11,8 minutos por exibição.

2) O Draft

Com somente uma escolha no tradicional recrutamento de calouros – que, por sinal, era a 59ª e penúltima – o Spurs selecionou um ala-armador que deve reforçar o elenco para a próxima temporada. Será mais um achado da franquia? Conheça-o melhor a seguir:

Marcus Denmon – Atuando em sua quarta e última temporada no basquete universitário por Missouri, Denmon apresentou médias de de 17,7 pontos (46% FG, 40,7% 3 PT, 89,6% FT) e cinco rebotes em 34,6 minutos por noite. Relatórios de olheiros feitos antes do Draft elogiavam a eficiência para pontuar, a habilidade defensiva e a inteligência do jogador em quadra, mas alertavam para sua baixa estatura para atuar na posição 2. Por isso, seu estilo é comparado ao de Eddie House. O atleta deve formar dupla de armação com Joseph na Summer League, que começa a ser disputada no próximo dia 13.

3) Na Europa

Nos Drafts dos últimos anos, o Spurs adquiriu o direito de três alas que atuam no Velho Continente. No entanto, até aqui, parece que nenhum deles reforçará o elenco já para a próxima temporada. Mesmo assim, conheça-os melhor a seguir:

Adam Hanga – Selecionado pelo Spurs na 59ª escolha do Draft de 2011, Hanga acaba de terminar sua primeira temporada no basquete espanhol atuando no Assignia Manresa. O jogador, que pode atuar nas posições 2 e 3, apresentou médias de 7,8 pontos (39,7% FG, 27,0% 3 PT, 67,0% FT) e 2,4 rebotes em 21 minutos por jogo. Aos 23 anos de idade, o húngaro foi observado pela comissão técnica da franquia texana nesta offseason.

Davis Bertans – Com apenas 19 anos de idade, o letão, que pode atuar nas posições 3 e 4, é uma das principais apostas para o futuro do Spurs. Nesta temporada, o jogador se transferiu para o Partizan, da Sérvia, e atuou em 26 partidas na competitiva Liga Adriática, apresentando médias de 3,6 pontos (41,0% FG, 36,2% 3 PT, 66,7% FT) e 1,3 rebotes em pouco menos de 14 minutos por partida. Assim como Hanga, Bertans também foi observado pela comissão técnica da franquia texana nesta offseason.

Viktor Sanikidze – Selecionado pelo Atlanta Hawks na 42ª escolha do Draft de 2004 e em seguida trocado para o Spurs, o georgiano, que pode atuar nas posições 3 e 4, chegou a despertar, neste ano, o interesse da franquia texana, que mandou uma equipe para observá-lo na Europa. No entanto, o atleta deve ficar ao menos mais uma temporada no Velho Continente. No último Campeonato Italiano, atuando com as cores do Virtus Bologna, Sanikidze apresentou médias de 12 pontos (48,1% FG, 30,4% 3 PT, 63,7% FT) e 10,9 rebotes em 32,4 minutos por exibição.

4) No mercado

Por enquanto, o Spurs foi atrás de três alas nesta offseason: Nicolas Batum, que eu considero uma ótima alternativa, Rashard Lewis, que poderia ser útil se topasse um salário razoável, e Josh Howard, que acho que não tem muito a acrescentar ao time. Confira outros que podem acabar virando opção para o time texano:

Grant Hill – O Spurs já tentou contratá-lo na última offseason. Então, porque não tentar de novo desta vez? Hill é a cara do Spurs – veterano, com bom comportamento, boa defesa e arremesso mortal do perímetro. Pode ser uma excelente reposição caso Green deixe San Antonio. Na última temporada, atuando pelo Phoenix Suns, o ala apresentou médias de 10,2 pontos e 3,5 rebotes por noite. Se tornou agente livre irrestrito no último dia 1º.

Jeff Green -É bem verdade que contratar o jogador seria uma aposta arriscada, já que Green perdeu toda a última temporada por conta de um problema cardíaco. Mas confesso que o jogador é um de meus prediletos desta lista. Sua boa capacidade defensiva e, principalmente, sua precisão nos arremessos de três pontos o tonrariam um bom substituto para Green, com um bônus: ele pode atuar improvisado como ala-pivô, o que daria mais uma alternativa interessante de small-ball para Pop, que já conta com Leonard e Jackson. O ala é agente livre irrestrito.

Shannon Brown – Outro que jogou no Phoenix Suns na última temporada. Brown, que tem uma boa defesa e um atleticismo acima do comum, poderia servir como peça de reposição caso Neal ou Green deixem o time. Na última temporada, o ala-armador, que é agente livre irrestito na offseason, apresentou médias de 11 pontos e 2,7 rebotes por jogo.

Anthony Parker – Mais um com a cara do Spurs. Parker se credencia a ser uma boa contratação para a equipe texana por ser veterano, com bom comportamento, por ter uma boa defesa de perímetro e, principalmente, por ter um arremesso preciso da linha de 3 pontos. Por isso, o jogador, que é agente livre irrestrito nesta offseason, poderia ocupar tanto a vaga de Neal quanto a de Green. Na última temporada, atuando pelo Cleveland Cavaliers, o ala-armador apresentou médias de 7,2 pontos e 2,7 rebotes por exibição.

Anúncios

Bertans participará de treinos individuais em San Antonio

Como se pode perceber, Bertans é bem jovem!

Depois de ser eliminado na final da Conferência Oeste, o San Antonio Spurs tem trabalhado pesado pensando no futuro.

Para a próxima temporada, a franquia texana já tem dois reforços engatilhados – o armador francês Nando De Colo e o ala-pivô esloveno Erazem Lorbek. Além disso, o ala-armador húngaro Adam Hanga, selecionado na segunda rodada do último Draft, tem treinamentos agendados em San Antonio.

Outra escolha de segundo round, o ala Davis Bertans, da Letônia, também participará de treinos individuais na cidade texana – pelo menos é o que informa o site Apollo.

“Ninguém me disse ainda o que será feito nesses treinamentos, mas farei tudo o que me pedirem”, disse o jogador. “Sei que muitos atletas devem participar, já que a temporada deles acabou de terminar”, completou.

Bertans ainda mencionou que o Spurs enviou representantes para visitá-lo desde que ele foi draftado, no ano passado. “Saímos para jantar, conversamos sobre basquete e sobre a vida em geral. Além disso, a franquia é conhecida por tratar seus atletas igualmente – seja você o Tony Parker ou uma jovem escolha de segunda rodada”, finalizou.

Aos 20 anos, Davis Bertans acabou de firmar um contrato de três anos com o time sérvio KK Partizan – um dos clubes mais populares do basquete europeu. Na última temporada da Liga Sérvia, ele registrou boas médias de 5,1 pontos e 1,8 rebotes em pouco mais de 11 minutos por partida.

Caras Novas?

O Draft de 2012 não promete grandes expectativas para os torcedores do San Antonio Spurs. Na troca que trouxe Stephen Jackson para San Antonio e enviou Richard Jefferson para o Golden State Warriors, o time texano mandou sua escolha de primeiro rodada para a equipe californiana. Com isso, sobrou apenas a tardia escolha de segundo round do Spurs, que seria a 57ª escolha se a temporada regular terminasse hoje. Esqueça então a possibilidade da franquia selecionar um jogador de grife ou do qual tenhamos muitas informações. A equipe de San Antonio deve manter sua política de selecionar algum jogador desconhecido, que não tenha impacto imediato e possa se desenvolver jogando em alguma liga de menor expressão ou na D-League – a liga de desenvolvimento da NBA.

De Colo e Lorbek: Caras novas no San Antonio Spurs?

De Colo e Lorbek: caras novas no San Antonio Spurs?

Logo, o atleta que for selecionado muito provavelmente também não irá receber minutos na rotação texana. Mas isso não quer dizer que não teremos caras novas em San Antonio na próxima temporada. O Spurs possui uma penca de jogadores que foram selecionados ao longo dos anos e jogam no continente europeu e que podem vestir o uniforme preto e prata na temporada 2012/2013. Dedicamos este espaço para analisarmos o desempenho atual de cada jogador e as possibilidades de defender o San Antonio Spurs na temporada vindoura.

Nando de Colo
Posição: Armador
Equipe Atual: Power Eletronics Valencia

Selecionado com a 59ª escolha do Draft de 2009, Nando de Colo é um dos bons prospectos que o San Antonio Spurs possui e tem altas possibilidades de vestir o uniforme preto e prata na próxima temporada. Maduro, o armador francês, de 24 anos, tem realizado partidas consistentes pelo Valencia, acumulando médias de 13,6 pontos e 2,8 assistências na Liga Espanhola, a ACB, e 11,3 pontos e 3,7 assistências na Eurocopa, liga na qual sua equipe chegou à final, mas foi derrotada pelos russos do BC Khimki. Atualmente, no quadro de estatísticas da ACB, De Colo é o nono jogador que mais pontua (13,5 pontos por jogo) e o sexto com mais roubadas de bola (1,45). O armador tem seu contrato com o Valencia expirando no meio deste ano e já manifestou seu desejo de chegar à NBA após o fim do vínculo. Pesa na decisão do jogador a possibilidade de jogar ao lado de Tony Parker e Boris Diaw – companheiros na seleção francesa. Por atuar tanto na posição 1 como na 2, Nando De Colo poderia ser uma peça útil na rotação do Spurs. Vale lembrar que o armador já concedeu uma entrevista para o Spurs Brasil.

Erazem Lorbek
Posição: Ala-pivô
Equipe atual: FC Regal Barcelona

Erazem Lorbek é um dos melhores jogadores de um dos melhores times fora da NBA. O grandalhão, que teve seus direitos vinculados ao Spurs na troca que enviou George Hill para Indiana, sabe pontuar de diversas partes da quadra, além de ter um arremesso confiável de média e longa distância (aproveitamento de 40,4% em tiros de três pontos). Pela ACB, apresenta médias de 11,6 pontos e 4,2 rebotes. Já na Euroliga, suas médias sobem para 13,8 pontos e 4,7 rebotes. O atleta já não é mais nenhum garoto e, aos 28 anos, pode ter sua última chance de jogar na NBA. Notícias recentes têm dado como certa a vinda do pivô para a equipe texana. Mesmo não sendo um exímio defensor, Lorbek poderia ser uma adição interessante para o Spurs, e ajudaria a suprir uma das maiores carências da equipe: o garrafão.

Adam Hanga
Posição: Ala-armador
Equipe atual: Asignia Manresa

O húngaro, que foi selecionado com a 59ª escolha do último Draft e até já concedeu entrevista para o Spurs Brasil, vem em uma crescente pela sua equipe e tem ganhando destaque na Liga ACB. Após um período de adaptação à equipe e à liga, Hanga já é um dos principais jogadores do Assignia Manresa. Atlético e com boa estatura (2,04 m) para um jogador de perímetro, suas enterradas e tocos se tornaram presença frequente nos vídeos de melhores jogadas da rodada. Hanga é o quarto atleta que mais rouba bolas na liga espanhola. Além disso, registra médias de 7,6 pontos e duas assistências por partida, e é o segundo jogador de sua equipe que mais bloqueia os adversários (0,7 por partida). É improvável que Adam Hanga esteja defendendo a equipe texana na próxima temporada: o atleta ainda precisa trabalhar seu arremesso de três pontos (aproveitamento de 24% na temporada) e seu jogo defensivo, mas já mostrou ser um jogador aplicado e com potencial para se desenvolver. Vale a pena manter o olho nele!

Ryan Richards
Posição: Ala-pivô
Equipe atual: Sem Equipe

No Draft de 2010, o Spurs utilizou sua 49ª escolha para selecionar Ryan Richards, ala-pivô britânico de 2,16m. Richards começou a atual temporada vinculado à equipe espanhola do Gran Canaria, mas estava inativo em virtude de uma lesão. Antes de sequer de atuar pelo time, o jogador assinou com o Lugano Tigers, líder da liga suíça de basquete. Lá, registrou médias de 11,2 pontos e 6,7 rebotes até misteriosamente pedir para ser dispensado. As habilidades e fraquezas de Richards ainda são incógnitas, já que pouco se pêde ver do seu basquete. Mas pelo pouco observado, o britânico deu mostras de ter um jogo ofensivo refinado, e a sua defesa e sua leitura de jogo são aspectos nos quais o atleta precisa trabalhar. O nome de Ryan Richards apareceu numa pré-lista convocatória do Reino Unido para os jogos Olímpicos deste ano, em Londres. Se realmente for convocado, é uma boa oportunidade para observar seu potencial. Dificilmente veremos Richards jogando pelo Spurs na próxima temporada. Mesmo estando sem equipe, o jogador ainda não está pronto para a NBA. Se não receber nenhuma proposta vantajosa de alguma equipe europeia, creio que seria uma alternativa interessante ele disputar a D-League pelo Austin Toros, equipe filiada ao San Antonio Spurs.

Davis Bertans
Posição: Ala
Equipe atual: KK Partizan

Davis Bertans foi selecionado pelo Spurs no último Draft com a 42ª escolha, que originalmente pertencia ao Indiana Pacers mas veio para o Spurs na troca que enviou George Hill para lá. O ala, que também já concedeu entrevista ao Spurs Brasil, tem 2,08m e apenas 19 anos de idade, e, por ser ainda muito jovem e cru, tem recebido pouco tempo de quadra nas equipes pelas quais passou. Na atual temporada, Bertans começou jogando pela equipe eslovena do Union Olimpija, onde atuou algumas partidas com Danny Green até que o locaute da NBA terminasse. Lá, o ala não apresentou bom desempenho e teve um aproveitamento nos arremessos muito baixo na Euroliga. Bertans recebeu o buyout e foi jogar na equipe rival, o KK Partizan, onde recebeu alguns minutos a mais e melhorou seu aproveitamento nos arremessos. Como dito anteriormente, Bertans ainda é muito jovem e precisa desenvolver seu jogo, por isso o ala deverá passar mais algumas temporadas no velho continente. Mesmo ainda sendo cedo para se tirar conclusões, Bertans já mostrou ter muito potencial no seu arremesso, algo incomum para um jogador do seu tamanho.

Viktor Sanikidze
Posição: Ala
Equipe atual: Virtus Bologna

Sanikidze foi selecionado pelo Spurs em 2004, com a 42ª escolha do Draft. O ala georgiano de 26 anos construiu uma carreira sólida na Itália, e já expressou desejo de continuar em sua equipe na próxima temporada, o que torna um pouco improvável a vinda do atleta para o Spurs. Mesmo assim, se viesse, Viktor Sanikidze poderia ajudar o Spurs num fundamento que a equipe por vezes mostrou deficiência: os rebotes. O jogador registra médias de 10,6 ressaltos por exibição, algo incrível para o basquete europeu e para alguém que joga na posição três. Além disso, Sanikidze registra médias de 12,2 pontos por partida com um aproveitamento de 48% em seus arremessos.

Robertas Javtokas
Posição: Pivô
Equipe atual: Zalgiris Kaunas

Selecionado com a 55ª escolha do Draft de 2001, o pivô de 32 anos é um jogador que provavelmente nunca vestirá as cores do San Antonio Spurs. Javtokas dificilmente irá querer trocar a Lituânia, seu país natal, para tentar a sorte em ganhar alguns poucos minutos na NBA.

Análise dos novos jogadores

Andei meio ausente do blog nos últimos meses por motivos particulares, mas pretendo voltar aos poucos com notícias, colunas e tudo mais (estava no ritmo do locaute, na verdade). Vou aproveitar essa oportunidade para comentar um pouco sobre os novos jogadores do Spurs – os que chegam já na próxima temporada e os que devem vir ao longo dos próximos anos.

Estamos diante do futuro?

Kawhi Leonard

Todos sabiam que o San Antonio Spurs estava disposto a quase tudo para reformular parte de seu elenco. O que quase ninguém esperava, no entanto, era envolver o queridinho George Hill na brincadeira. Queridinho porque Gregg Popovich já falou por mais de uma vez que Hill era seu atleta preferido. Mas caramba, se o cara faz tanta diferença assim, trocá-lo é um bom negócio?

A resposta é sim! Por mais que o Hill seja um cara bacana, dedicado e ótimo defensor, às vezes é preciso fazer pequenos sacrifícios em nome de algo maior. Ninguém gostaria de negociá-lo, essa é a verdade, mas foi um movimento necessário, um legítimo sacrifício.

Vocês devem estar pensando: bom, para se livrar de um baita cara como o Hill, os dirigentes do Spurs devem ter trazido alguém pra lá de promissor. É verdade. Por mais que eu tenha visto o Kawhi Leonard apenas em vídeos, o que mais me impressionou foi o montante de críticas positivas que ele recebeu da mídia especializada norte-americana. Lembro-me de uma matéria (acho que da ESPN) em que nove dos dez comentaristas questionados sobre a troca afirmavam que R.C. Buford e companhia fizeram um bom negócio. Se os caras que realmente acompanham o dia-a-dia do basquete americano aprovaram em massa a transação, quem sou eu para falar o contrário.

Leonard chega ao Spurs para preencher um espaço vazio desde a saída de Bruce Bowen. Coincidentemente, desde que Bowen foi embora, Gregg Popovich nunca mais acertou o time. Falta aquele marcador insano que, além de grudar no melhor jogador adversário, ainda mata duas ou três bolinhas de três no ataque. Pensávamos que esse cara poderia ser o Richard Jefferson, mas em pouquíssimo tempo ele virou um estorvo sem fim, tanto que todos em San Antonio querem sua cabeça.

Na próxima temporada, Jefferson deverá ter minutos limitados. Apesar do altíssimo salário, o ala deverá jogar seus 15 minutos por noite – e olhe lá. Provavelmente ele ficará mofando no banco até o fim de seu contrato. Para piorar, nenhuma equipe que se preze aceitará negociar com o Spurs se continuarem insistindo em empurrá-lo goela abaixo. Ninguém é bobo e os engravatados texanos deveriam saber disso antes de pagarem uma bolada por um atleta que pouco mostrou em seu primeiro ano em San Antonio.

Bela foto!

Corey Joseph

A vinda de Corey Joseph mostra que o Spurs já havia planejado a troca de George Hill antes mesmo da noite do Draft. Joseph, segundo os especialistas norte-americanos, tem basicamente as mesmas características do seu antecessor – boa defesa e um bom chute de longa distância, além de um senso de liderança diferenciado.

É bom saber que houve um planejamento e que nada foi feito de forma precipitada. Caso contrário, poderíamos ter Tony Parker como titular e um Jacque Vaughn da vida como suplente imediato. Nós já passamos por isso recentemente, e quem acompanha o time há algum tempo sabe como é desgastante ter um armador limitado como primeiro reserva.

O que nós esperamos do Corey Joseph é que ele consiga desenvolver seu basquete da mesma maneira que o George Hill. É bom ressaltar que, quando desembarcou em San Antonio, o ex-número três era um total desconhecido vindo de uma universidade menos conhecida ainda. Joseph, por outro lado, vem de uma escola mais tradicional e conseguiu um bom trabalho por lá (isso é animador).

Novo Nowitzki ou novo Bonner?

Davis Bertans

No meu ponto de vista, a grande cartada da patota de R.C Buford foi adquirir esse Davis Bertans na noite do Draft. Antes do recrutamento, muitos diziam que a equipe havia prometido selecioná-lo com a escolha de primeira rodada.

O Draft foi passando, passando, passando, e quando chegou a vez do Spurs o escolhido foi Corey Joseph. Mais algumas escolhas passaram e nada de Bertans ser selecionado. A angústia do jovem só terminou quando a vez dos texanos chegou novamente.

Vindo do pouco representativo basquete da Letônia, Bertans é uma das grandes promessas do basquete europeu. Alguns o comparam com Dirk Nowitzki, embora eu ache que isso seja um pouco exagerado. Assisti alguns vídeos dele e também uns poucos jogos do recente Mundial Sub-19. Davis é claramente talentoso e tem um ótimo arremesso de longa distância. Podemos dizer que ele até tem um estilo semelhante ao Dirk Nowitzki, mas ainda é MUITO cedo para comparar.

Como todo jovem, Bertans ainda é cru – tenta arremessos precipitados e é bem inconstante, algo que tempo e experiência felizmente podem corrigir. A tendência é que ele fique na Europa por mais uns três ou quatro anos antes de fazer o esperado salto para a NBA. Em San Antonio, esperam que ele consiga desenvolver seu basquete no Velho Continente a ponto de se tornar uma estrela por lá. Particularmente, acho que há grandes chances disso acontecer. Como vocês podem perceber, estou bastante esperançoso com esse cara.

Ei, te conheço de algum lugar! (Lorbek à esquerda)

Erazem Lorbek

O esloveno Erazem Lorbek vem daquele mesmo pacote que trouxe Kawhi Leonard para o Texas. Trata-se de um jogador rodado, mas a dúvida que fica é: quando ele virá para a NBA? Bem, a verdade é que Lorbek talvez nunca pise no AT&T Center. Isso porque ele é querido na Espanha, mais especificamente no milionário Barcelona, e tem proposta para ficar por lá até 2013. Eu até gostaria que ele viesse já na próxima temporada, mas temos que ser realistas: acho o negócio bem complicado e, se fosse apostar, diria que ele ficará na Europa.

Nada além de promessa

Adam Hanga

R.C Buford chutou o balde ao recrutar o armador Adam Hanga. O atleta vem de uma escola ainda menos tradicional que Davis Bertans – a Hungria. Assim como Lorbek, o armador talvez nunca pise em solo americano para jogar basquete – seguirá o caminho de outros tantos que foram draftados e permaneceram na Europa por longos anos, como é o caso de Robert Javtokas e Viktor Sanikidze.

Por outro lado, Hanga parece determinado. Recentemente, ele esteve em San Antonio e parece ter agradado a todos por lá. Por vídeos, trata-se de um atleta interessante, mas ainda bem cru. Caso consiga uma boa equipe nos próximos anos e desenvolva seu jogo, tem chances de se juntar ao elenco texano em cerca de quatro ou cinco anos. Mas nutrir esperanças nesta aposta é loucura. Como disse, é só uma aposta.

Para concluir

Como vocês podem perceber, fiquei satisfeito com os movimentos recentes do San Antonio Spurs no draft. Fico triste pela saída do George Hill, que era um grande cara, mas penso que grandes equipes tem que pensar à frente. A aposta em jovens jogadores pode dar errado? Claro! Mas pelo menos tentaram alguma coisa. Com a mesma equipe que tínhamos na última temporada, as chances de título eram muito pequenas. Faríamos uma boa campanha na fase regular, mas na hora do “vamo ver” seríamos eliminados novamente.

Bertans joga bem, mas Letônia está eliminada

É, não deu... (Foto: FIBA/Divulgação)

O Mundial Sub-19 acabou mais cedo do que o planejado para a Letônia. Os donos da casa perderam nesta terça-feira para a Polônia por 86 a 78 e, embora ainda tenham mais um jogo para realizar, não têm mais chances de classificação para as quartas de final.

Nem mesmo o bom desempenho de Davis Bertans foi suficiente para levar os letões à vitória. O jogador, selecionado pelo San Antonio Spurs no último Draft, deixou a quadra com um double double, 16 pontos e 11 rebotes, sendo o segundo cexstinha e o principal reboteiro da equipe.

Ao todo, Bertans permaneceu em quadra por 30 minutos até sair eliminado com cinco faltas. Neste período, tentou sete arremessos do perímetro e converteu três, mesmo números dos arremessos de dois pontos.

A Letônia volta a entrar em quadra nesta quarta, às 13h, quando enfrenta a Rússia. A partida tem influência direta na classificação do Brasil. Caso os letões superem os russos, os brasileiros, que pegam a Argentina na última rodada, estarão automaticamente classificados para as quartas de final.

E mais…

Spurs está de olho em Omri Casspi

http://nbastatsmanager.files.wordpress.com/2008/12/casspi-omri.jpgSegundo o jornalista Marc Stein, da ESPN norte-americana, o San Antonio Spurs não desistiu da contratação do israelense Omri Casspi, recentemente trocado para o Cleveland Cavaliers. Os texanos já teriam consultado o time de Ohio sobre a possibilidade de adquirí-lo para a próxima temporada.

Está não é a primeira vez que o nome de Casspi aparece em boatos relacionados ao Spurs. Pouco antes do Draft, rumores davam conta que por pouco o time de San Antonio e o Sacramento Kings, ex-equipe do ala, não fecharam uma troca envolvendo o israelense e o armador Tony Parker.

Parece que a paciência com Richard Jefferson acabou mesmo…