Arquivos do Blog

Spurs (26-8) @ Bucks (16-14) – Sétima seguida!

117×110https://i2.wp.com/i884.photobucket.com/albums/ac50/glaglauber/Logos%20NBA/MilwaukeeBucks.jpg

O San Antonio Spurs confirmou o bom momento que atravessa e, nesta quarta-feira (2), venceu o Milwaukee Bucks, por 117 a 110. O triunfo fora de casa foi o sétimo seguido do time na temporada – a maior sequência entre todas as 30 equipes da NBA atualmente. Apesar do placar apertado no final, o jogo foi tranquilo e amplamente dominada pelos texanos.

Tim Duncan: o mito! (Gary Dineen/NBAE/Getty)

Sempre ele!

Não me canso de repetir o quão espetacular está sendo a temporada de Tim Duncan. E o veterano de 36 anos fez mais uma partida sensacional. Arrasador desde o início, Timmy encerrou a partida com números dignos de um MVP: 28 pontos, 13 rebotes, seis assistências e três bloqueios. Não é a toa que o nome do ala-pivô esteja presente nas discussões sobre o melhor jogador do campeonato.

Big Three afiado

Além de Duncan, as outras duas peças do Big Three também foram muito bem. Manu Ginobili começou lento, mas depois engrenou, encaixando ótimos passes. Tony Parker também sofreu no início, mas aos poucos conseguiu encontrar espaços para suas infiltrações características. O trio foi tão importante que os três jogadores foram os únicos a ultrapassar a barreira dos dez pontos – o francês e argentino anotaram 23 e 16, respectivamente.

Parker deu muito trabalho para a defesa adversária (Gary Dineen/NBAE/Getty)

Ele voltou…

A partida marcou o retorno de Gary Neal após pouco mais de uma semana afastado. Recuperado da contratura na panturrilha direita, sofrida na vitória sobre o Dallas Mavericks no dia 23 de dezembro, o camisa #14 anotou sete pontos, convertendo um arremesso do perímetro e duas bolas de média distância em 13 minutos jogados. Com isso, quem acabou perdendo espaço na rotação foi Nando De Colo, que só saiu do banco quando a partida estava decidida e ficou em quadra apenas por um minuto.

Sem descanso

Vencendo por quase 20 pontos, Gregg Popovich planejava dar descanso aos seus astros no último quarto e iniciou o período com uma formação reserva em quadra. Mas com bolas de 3 de Mike Dunleavy e com Brandon Jennings inspirado, o Bucks encostou em poucos minutos. Quando a diferença chegou  a sete pontos, o treinador foi obrigado a recolocar seus principais jogadores em quadra para garantir a vitória.

Funcionou, mas com isso três dos cinco titulares permaneceram em quadra por pelo menos 30 minutos: Tim Duncan (34), Tony Parker (36) e Danny Green (30). Ginobili também perdeu alguns momentos de descanso e atuou por 27 minutos.

Déjà vu?

Com isso, aumentam ainda mais as chances de Popovich poupar atletas para o jogo desta quinta, contra o New York Knicks, também fora de casa. A siutação é muito parecida com a do episódio que rendeu uma multa ao San Antonio Spurs por preservar quatro jogadores no confronto contra o Miami Heat, dia 29 de novembro. Assim como o jogo contra LeBron James e companhia, a partida contra os nova-iorquinos também será a segunda de um back-to-back (dois jogos em duas noites seguidas). Outra coincidência é o jogo ser realizado em uma quinta-feira, dia de transmissão em rede nacional norte-americana pela TNT. O que Pop vai fazer?

Destaques da partida

San Antonio Spurs

Tim Duncan – 28 pontos, 13 rebotes, 6 assistências e 3 tocos

Tony Parker – 23 pontos e 11 assistências

Manu Ginobili – 16 pontos e 6 assistências

Milwaukee Bucks

Brandon Jennings – 31 pontos e 5 assistências

John Henson – 20 pontos (10-11 FG) e 9 rebotes

Mike Dunleavy Jr. – 19 pontos

Anúncios

Spurs (46-16) vs Lakers (40-24) – Incontestável!

https://i1.wp.com/l.yimg.com/a/i/us/sp/v/nba/teams/20080123/80x60/sas.gif121×97

O San Antonio Spurs recebeu, nesta sexta-feira (20), o Los Angeles Lakers para o terceiro jogo entre as equipes na temporada. E se o último confronto disputado em solo texano deixou uma impressão ruim e uma dúvida pairando no ar, dessa vez Tim Duncan e companhia trataram de acabar com ela e massacraram o rival por 121 a 97. A partida marcou o retorno de Kobe Bryant ao time angelino, após sete partidas fora.

Parker comemora a vitória com sua dancinha francesa (AP Photo)

Restou alguma dúvida?

Se lembram quando o Spurs foi derrotado pelo Lakers, em San Antonio, tomando um verdadeiro “vareio” nos rebotes, sem Kobe Bryant e com show de Andrew Bynum? Nem faz tanto tempo assim, mas o que se viu em quadra foi completamente diferente desta vez. Se naquela derrota o Spurs permitiu 60 rebotes aos angelinos, desta vez os texanos ganharam a briga lá no alto e ficaram com 42 ressaltos, contra 29 do rival. Bynum, que naquele confronto havia coletado, sozinho, 30 rebotes, desta vez pegou apenas dois.

Três quartos foram suficientes para o trio somar 61 pontos (AP Photo)

O Big Three voltou

Que Duncan, Tony Parker e Manu Ginobili ainda são a base do Spurs, todo mundo sabe. Mas há quanto tempo os três não terminavam uma partida com 20 pontos cada? Já se vão mais de um ano desde 1º de abril de 2011. Com 21 pontos de Duncan, 20 de Parker e outros 20 de Manu, ficou difícil para o Lakers. Os números só não foram maiores porque só Ginobili pisou em quadra no último quarto, e por apenas quatro minutos.

Nem parece o Spurs

Ainda estranho quando vejo o San Antonio Spurs ultrapassando a barreira dos cem pontos. Há alguns anos, a equipe não chegaria a 121 tentos nem se houvessem quatro ou cinco prorrogações. Este, aliás, foi um dos assuntos da última coluna Interferência, de Rafael Proença. Contra o Lakers, o Spurs chegou à contagem centenária restando praticamente oito minutos ainda por jogar. Um desempenho ofensivo espetacular, fruto do ótimo aproveitamento de 61% nos tiros de quadra.

O "fortinho" Diaw, aos poucos, ganha mais relevância na equipe (AP Photo)

Que isso, gordinho? Que isso?

Vou analisar aqui o desempenho dos dois “gordinhos” do time de San Antonio, que vivem momentos opostos. O primeiro é Boris Diaw, que parece estar se soltando. O francês saiu do banco e ficou 24 minutos em quadra, anotando oito pontos e cinco rebotes. Mas mais do que os números, o ala-pivô conseguiu exercer ótima marcação sobre Pau Gasol, limitando o espanhol a apenas quatro acertos em dez arremessos tentados, além de ter atormentado o angelino no ataque, se movimentando por toda a quadra.

O outro é DeJuan Blair, o jovem que chegou arrebentando em San Antonio há duas temporadas e agora parece cada vez mais dispensável. Primeiro perdeu o lugar no time titular para Tiago Splitter, que nos dois jogos contra o Lakers começou em quadra. Agora, perdeu espaço até no banco. Nesta sexta, ficou apenas sete minutos em quadra, todos eles quando o confronto já estava decidido.

 Teimosia

Gregg Popovich é um dos melhores – se não o melhor – técnico da NBA, mas algumas pequenas coisas me irritam no treinador. Uma delas é a sua teimosia em escalar Gary Neal como armador principal nos momentos em que Parker descansa. O camisa 14 é um excepcional arremessador, um dos melhores em toda a liga, mas não é muito inteligente com a bola nas mãos. Armando o jogo, é comum vê-lo se enrolando com marcações um pouco mais pressionadas, ou então forçando chutes em momentos inapropriados, ao invés de acionar seus companheiros. Nos playoffs pode ser um problema. Confiar mais em Patrick Mills pode ser uma alternativa melhor.

Destaques da Partida

San Antonio Spurs

Tim Duncan – 21 pontos e oito rebotes

Tony Parker – 20 pontos e dez assistências

Manu Ginobili – 20 pontos, sete assistências e seis rebotes

Gary Neal – 12 pontos

Los Angeles Lakers

Kobe Bryant – 18 pontos

Andrew Bynum – 17 pontos

Matt Barnes – 14 pontos e cinco rebotes