Gasol e Lee recusam cláusulas de renovação com o Spurs

A manhã terça-feira (20) trouxe surpresas para os torcedores do San Antonio Spurs. Segundo Adrian Wojnarowski, do site The Vertical, o pivô Pau Gasol decidiu não exercer a opção de renovação de contrato com a franquia para a temporada 2017/2018 da NBA. Além disso, de acordo com Tom Orsborn, do jornal americano San Antonio-Express News, o ala-pivô David Lee fará o mesmo e se tornará agente livre irrestrito assim como o pivô espanhol.

Pau Gasol, Tony Parker e David Lee conversam no banco durante um jogo de pré-temporada em Outubro de 2016 (Reprodução: Edward A. Ornelas /San Antonio Express-News).

Gasol, Tony Parker e Lee conversam durante jogo (Edward A. Ornelas/San Antonio Express-News)

A diferença entre os dois é que Gasol pretende permanecer no Spurs, diminuindo seu salário e assinando por vários anos para facilitar a busca por reforços ou a manutenção de peças importantes como Patty Mills e Jonathon Simmons. Por outro lado, a intenção de Lee é buscar um melhor salário, uma vez que o ala-pivô vem de boa temporada.

Em 64 partidas na última temporada regular, sua primeira com a camisa do Spurs, Gasol teve médias de 12,4 pontos e 7,8 rebotes em 25,4 minutos por exibição. Nos playoffs, o pivô espanhol obteve médias de 7,7 pontos e 7,1 rebotes em 22,8 minutos por jogo.

Lee, por sua vez, fez 79 partidas na temporada regular, que também marcou sua primeira campanha pelo Spurs, e teve médias de 7,3 pontos e 5,6 rebotes em 18.7 minutos por exibição. Nos playoffs, registrou médias de 4,1 pontos e 3,8 rebotes em 16,3 minutos por jogo.

Stashes do Spurs #1 – Adam Hanga

Por Gabriel Andrade*

Assim como na temporada passada, voltamos aqui para falar sobre os jogadores que o San Antonio Spurs drafta e deixa em desenvolvimento na Europa. O objetivo é fazer uma análise contextual, sobre sua situação em seu clube, as habilidades que oferecem e seu provável encaixe como jogador da franquia texana. Para começar a série de matérias, o primeiro escolhido é Adam Hanga, considerando o principal stash do alvinegro no Velho Continente.

ADAM HANGA

Altura: 1,99 metros

Envergadura: 2,02 metros

Idade: 28 anos

Posição listada: Ala

Clube: Baskonia

Situação contratual: Agente Livre nesta offseason

Médias na Liga ACB: 11,9 pontos, 4,0 rebotes, 2,4 assistências, 1,3 roubos, 0,6 tocos, 47.2% FG, 32,5% 3PT e 78% FT em 28,2 minutos por compromisso.

Médias na Euroliga: 10,5 pontos, 4,4 rebotes, 2,4 assistências, 1,3 roubos, 0,7 tocos, 44.9% FG, 33,6% 3PT e 66,7% FT em 28 minutos por compromisso.

Adam Hanga, ao centro, em meio à defesa adversária (Reprodução/eurohoops.net)

Contexto profissional

Adam Hanga vem fazendo sua segunda temporada como ala titular do Baskonia, um dos três principais clubes da Espanha, semifinalista de Euroliga na temporada 2015/2016 e que caiu nas quartas de finais da atual temporada. Na liga nacional, vai se encaminhando para segunda semifinal seguida, tido como favorito para avançar para a final do torneio.

Na equipe, Hanga é o segundo com mais minutos, atrás só do armador ex-Brooklyn Nets Shane Larkin e bem à frente de outros ex-NBA com Tornike Shengelia (ex-Chicago Bulls e Brooklyn Nets), Rodrigue Beaubois (Ex-Dallas Mavericks), Chase Budinger (Ex-Minnesota Timberwolves e Brooklyn Nets), Andre Bargnani (Ex-Toronto, Brooklyn Nets e New York Knicks) e Nicolas Laprovíttola, que jogou parte da temporada pelo Spurs e, a fim de informação, registra 12 minutos por jogo, chegando a ficar atrás do brasileiro Rafa Luz na rotação.

Em termos de concorrência na posição em que joga, Hanga divide minutos com Chase Budinger, Jaka Blazic e o jovem lituano Tadas Sederkerskis, podendo atuar ao mesmo tempo em quadra que ambos. No geral, tem grande vantagem em minutos.

Em termos de impacto, quando Hanga sai de quadra, o Baskonia é pior em oito pontos por 100 posses de bola no Net Rating (saldo de cesta por 100 posses), liderando a equipe.

Sua função no clube é geralmente a de defender o ala mais perigoso adversário, fazer a defesa de cobertura (e por isso marca pouco armadores), correr em transição, cortar sem a bola, ser criador secundário e eventualmente arremessar de três pontos.

Perfil físico

Em termos de altura e envergadura, o húngaro não possui medidas lá muito chamativas, mas são o suficiente para jogar como ala e ala-armador na NBA, as posições em que mais atua. Considerando seu físico, o que mais impressiona é sua capacidade atlética. Supera sua envergadura mediana com um conjunto explosão, agilidade lateral, capacidade de salto e primeiro passo de elite. Não existe jogador mais atlético que Hanga na Europa. Por conta de sua velocidade em quadra aberta, explosão, passada larga e instintos, é bastante usado em transição, seja ele mesmo carregando a bola do ataque para a defesa com finalizações rápidas ou enterradas, seja sem a bola para receber um passe:

Também por conta da capacidade atlética acima da média, o ala húngaro é usado em cortes sem a bola. Além do físico, é bastante inteligente lendo movimentações e enxergando espaços na defesa adversária para conseguir bandejas ou enterradas livres:

Por ser um jogador explosivo e de grande alcance vertical, possui jogadas desenhadas para que receba passes por cima do aro para finalizar com enterradas ou bandejas. Ajuda o fato de que Hanga não é apenas bom fisicamente, como também possui ótimas mãos para completar bandejas no ar caso o passe não seja executado com a precisão ideal:

Defesa

Após ser o favorito para ganhar o prêmio de melhor defensor da Euroliga na temporada 2015/2016 e acabar não recebendo, Hanga garantiu o prêmio na atual temporada, mesmo sem ser o favorito desta vez. Sua defesa de perímetro é destaque na Europa e muito tem a ver com seu físico, claro, mas também com disciplina.

Possui instintos de antecipação aguçados para atacar linhas de passe ou fazer eventuais coberturas nas jogadas de garrafão antes que recebam uma assistência ao redor do aro. Feita a roubada, Hanga já acelera em transição e conquista pontos fáceis daí:

Sem a bola, o jogador usa de seus pés rápidos e de sua ótima movimentação por entre bloqueios para contestar chutadores puros, que possuem bastante dificuldade em saírem livres de suas movimentações. Por vezes, pode faltar uma envergadura mais chamativa para contestar adversários que conseguem arremessar em movimento com maior facilidade, embora normalmente o stash do Spurs compense com seu atleticismo:

Além do mais, seus pés rápidos e força corporal fazem com que seja difícil atacá-lo em infiltrações. O mais comum é que Hanga force um contestado chute de meia distância ou dê um toco lá no alto. Além disso, é um defensor de cobertura fantástico, com ótimo raciocínio e QI para rotacionar, caso outros jogadores façam dobras, e contestar pivôs.

Em termos de versatilidade defensiva, sua capacidade atlética e tamanho permitem que marque qualquer posição do perímetro, de armadores a alas. Para jogadores de garrafão, pode ficar encarregado de stretch-fours puros por ser ágil o suficiente para defender o pick and pop, dobrar e recuperar, mas não tem tamanho e envergadura para contestar alguns mais altos (como Kristaps Porzingis e Channing Frye), e o mesmo vale para jogadores com ataque orientado para o poste baixo. Até faz bom trabalho usando de força e fundamentos para tentar ceder o mínimo de espaço, mas precisaria ser mais longo para contestar alas-pivôs e pivôs de costas para a cesta. No geral, seu arsenal deve ser traduzido em trocas no perímetro.

No mais, joga com energia, se esforça em bolas perdidas e não foge de rebotes no tráfego.

Ataque em meia quadra

Fora das ações em transição e em cortes, Hanga é um atleta bastante limitado em meia quadra, ainda que tenha expandido seu jogo recentemente. Nesta temporada, vem sendo usado cada vez mais como criador secundário e atingiu seu melhor número da carreira em assistências. Graças a seu atleticismo, consegue ganhar vantagem em bloqueios e situações de pick and roll. Também dá bastante passes decisivos em contra-ataque e não é alguém que prende a bola, sabendo executar o passe extra assim como Greg Popovich gosta. Na NBA, é provável que não domine muito a bola por conta do controle de bola rudimentar, que não tem jogo de meia distância ou dribles avançados de mudanças de direção. Assim, acaba cometendo erros de execução e não tem uma taxa de assistências por desperdício chamativa.

Em todos os jogos de Hanga que vi para fazer análise, apenas um lance seu em jogadas de pick and roll terminou em cesta que não fosse bandeja ou enterrada – este floater:

No geral, quando recebe a bola em mãos para atacar, geralmente é após um handoff ou pick and roll secundário, em que se aproveita de bloqueio antecipado para usar de seu atleticismo como vantagem para atacar a cesta, utilizando sua ótima capacidade de finalizar ao redor do aro para fazer pontos fáceis, embora pouco use a mão esquerda. Em caso de jogadas isoladas, Hanga só é acionado caso for atacar pivôs que caíram nas trocas de marcação, já que é muito mais veloz que a maioria dos que encontra na Europa.

Seu ponto fraco está no arremesso. Hanga atingiu sua melhor marca em bolas tentadas nesta temporada (cinco por jogo), mas seu aproveitamento é nada mais que medíocre. O ponto de lançamento é baixo e a mecânica é relativamente lenta. Também possui uma tendência de jogar seu corpo para trás em certas tentativas e não mostrou muito alcance para a linha da NBA. Existe uma evolução constante, mas não é um chutador dinâmico, capaz de pontuar após o drible com consistência ou arremessar em movimento. Por vezes até hesita. Pode converter, ao menos, bolas livres da zona morta, sempre comuns para alas do Spurs.

Encaixe

Ala-armador/ala atlético, enérgico, bom defensor, bom infiltrador e com flashes de criador secundário. Podemos falar de Hanga, mas é basicamente o que temos sobre Jonathon Simmons. Aos 28 anos, é difícil dizer que o baskonista vá evoluir muito. Suas habilidades são mais condizentes com a de role player enérgico, para fazer um banco atlético ao lado de Simmons, Davis Bertans e quem mais seguir no Spurs, caso não apostem logo em Dejounte Murray para vaga de armador reserva se não renovarem com Patty Mills.

Contratualmente, sua situação é perfeita: agente livre nesta temporada e com declarado interesse em assinar nesta offseason com Spurs, algo que parece ser mútuo. Caso a franquia texana consiga desenvolver seu arremesso, algo que ajudaria bem na NBA do espaçamento de quadra, é bem capaz de conseguir um papel até maior com o tempo na rotação de Popovich. Se não, é plenamente visto como uma peça útil de toda forma.

* Gabriel Andrade é um blogueiro de basquete que tenta a vida como scout. Me siga no Twitter para análises sobre Basquete Europeu, NBA e Prospectos de draft e acompanhe meu blog no Medium, onde falo bastante de prospectos internacionais, Euroliga, NBA e de vez em quando Mock Drafts com Pokemons e poemas com o pivô Nikola Jokic.

Dedmon recusa opção de renovação e vira agente livre

O elenco do San Antonio Spurs sofreu sua primeira baixa após a eliminação para o Golden State Warriors. Segundo o site americano Pounding the Rock, o pivô Dewayne Dedmon rejeitou sua opção de renovação unilateral com a franquia e virou agente livre irrestrito.

Dewayne Dedmon com LaMarcus Aldridge (Reprodução/nba.com/spurs)

Após apresentar médias de 5,1 pontos e 6,5 rebotes em 17,5 minutos na temporada em sua primeira campanha com o Spurs, Dedmon abriu mão de renovar com o alvinegro por um ano e US$ 3 milhões. Agora, ele pode negociar com qualquer franquia – incluindo a texana.

A informação foi dada em primeira mão por Shams Charania, do Yahoo! Sports.

O Spurs ainda terá de lidar com mais decisões para a próxima temporada. Pau Gasol e David Lee têm a opção de renovar unilateralmente com o Spurs por, respectivamente, cerca de US$ 16,2 milhões e US$ 2,3 milhões. Patty Mills, Manu Ginobili e Joel Anthony são agentes livres irrestritos – o argentino pode se aposentar. Jonathon Simmons tem uma qualifying offer, o que da à franquia o direito de igualar as propostas feitas por ele. Além disso, Bryn Forbes tem contrato não garantido e pode ser dispensado a qualquer momento sem custos adicionais.

Spurs e Chris Paul teriam “interesse mútuo”

Poucos dias após a derrota para o Golden State Warriors, já começam a surgir rumores a respeito da montagem do elenco do San Antonio Spurs para a temporada 2017/2018. De acordo com reportagem da NBC Sports, a franquia texana tem interesse na contratação do armador Los Angeles Clippers, que também vê um possível acerto com bons olhos.

Chris Paul e Kawhi Leonard: Que tal juntos? (Andrew D. Bernstein/NBAE via Getty Images)

A informação surgiu em um podcast de Zach Lowe, da ESPN americana. De acordo com o jornalista, entre os rumores sobre Paul, este parece real. No entanto, há curiosidade para saber como um acerto seria possível com a situação salarial do alvinegro.

Para a próxima temporada, Pau Gasol, Dewayne Dedmon e David Lee têm a opção de renovar unilateralmente com o Spurs por, respectivamente, cerca de US$ 16,2 milhões, US$ 3 milhões e US$ 2,3 milhões. Patty Mills, Manu Ginobili e Joel Anthony são agentes livres irrestritos – o argentino pode se aposentar. Jonathon Simmons tem uma qualifying offer, o que da à franquia o direito de igualar as propostas feitas por ele. Além disso, Bryn Forbes tem contrato não garantido e pode ser dispensado a qualquer momento sem custos adicionais.

Paul tem uma cláusula em seu contrato que o permite sair do seu contrato, que pagaria cerca de US$ 24,3 milhões na próxima temporada, e se tornar agente livre irrestrito. Por isso, o armador provavelmente teria de abrir mão de muito dinheiro para assinar com o Spurs.

Spurs (0) x Warriors (4) – Adeus

115×129

Nessa segunda-feira (22), o San Antonio Spurs perdeu em casa para o Golden State Warriors por 129 a 115 e se despediu da temporada com o vice-campeonato da Conferência Oeste, sendo varrido da final pela equipe californiana. A partida pode ter marcado a despedida de Manu Ginobili, que pensa em se aposentar. Vamos, a seguir, aos destaques do jogo.

De um craque para outro: valeu! (Reprodução/facebook.com/Spurs)

Obrigado, lenda!

Quando o relatório médico informou que Tony Parker, Kawhi Leonard e David Lee estavam fora, ficou claro para o torcedor do Spurs que o jogo tinha enormes chances de ser o último de Ginobili. Depois de sair do banco de reservas em 55 partidas de playoff consecutivas, o argentino fez parte do quinteto inicial ao lado de Patty Mills, Danny Green, Jonathon Simmons e LaMarcus Aldridge. O camisa #20 foi um dos destaques da unidade, deixando a quadra com 15 pontos, sete assistências e três roubadas de bola em 32 minutos.

Após o jogo, Ginobili afirmou que ainda vai decidir se é ou não a hora de se aposentar. Ao deixar a quadra, o argentino ouviu a torcida presente no AT&T Center gritar seu nome repetidas vezes. Kevin Durant, astro do Warriors, foi mais um a se render ao seu talento.

“É um competidor incrível, e é até mais divertido jogar contra ele. Ele foi fenomenal”, elogiou.

E agora?

Apesar das ausências de Parker, Leonard e Lee, a série e a temporada mostraram que o Spurs está bem atrás do Warriors em termos de talento. Por isso, nesta offseason, a franquia texana terá de tomar decisões importantes. Será possível buscar reforços de peso para tentar bater de frente contra os californianos ou será melhor buscar jovens talentosos e desenvolvê-los para quando Stephen Curry e companhia não dominarem mais a conferência?

As movimentações da franquia obrigatoriamente começam pela manutenção do elenco. Além de Ginobili, que pode se aposentar, Patty Mills é agente livre irrestrito e pode negociar com qualquer franquia, assim como Joel Anthony. Jonathon Simmons tem uma qualifying offer, o que dá ao Spurs o direito de igualar qualquer proposta feita pelo ala-armador. Por fim, Pau Gasol, Dewayne Dedmon e David Lee têm a opção de renovar unilateralmente com a franquia por, respectivamente, cerca de US$ 16,2 milhões, US$ 3 milhões e US$ 2,3 milhões.

LaMarcus Aldridge, Kawhi Leonard, Tony Parker, Danny Green, Kyle Anderson, Dejounte Murray e Davis Bertans têm contratos garantidos para a próxima temporada e só saem caso a franquia queira trocá-los. Bryn Forbes, por sua vez, tem vínculo não garantido, o que significa que o Spurs pode dispensá-lo a qualquer momento sem custos adicionais para isso.

Jovens de destaque

Em meio à possibilidade de reconstrução, ao menos o Spurs deixa a série contra o Warriors com boas exibições de dois de seus jovens. Kyle Anderson, que ainda não empolga, ao menos atuou melhor nos playoffs do que na temporada regular e foi o cestinha da despedida, deixando a quadra com 20 pontos, seis rebotes e quatro roubadas de bola em 27 minutos. Dejounte Murray, por sua vez, obteve nove pontos, sete assistências e cinco roubos de bola em 29 minutos. Suas quatro roubadas de bola no primeiro tempo o colocam ao lado de Ginobili como recordistas da franquia no fundamento em metade de um jogo de playoff.

Destaques da partida

San Antonio Spurs

Kyle Anderson – 20 pontos, 6 rebotes e 4 roubos de bola

Manu Ginobili – 15 pontos, 7 assistências e 3 roubos de bola

Pau Gasol – 14 pontos, 9 rebotes e 3 assistências

Patty Mills – 14 pontos, 4 rebotes e 3 assistências

Jonathon Simmons – 13 pontos, 5 rebotes e 4 assistências

Golden State Warriors

Stephen Curry – 36 pontos, 6 assistências e 5 rebotes

Kevin Durant – 29 pontos, 12 rebotes e 4 assistências

Draymond Green – 16 pontos, 8 rebotes, 8 assistências e 2 roubos de bola

Ian Clark – 12 pontos

Klay Thompson – 10 pontos e 6 rebotes