Spurs (7-13) @ Pistons (6-12) – Temporada Regular

San Antonio Spurs @ Detroit Pistons – Temporada Regular

Data: 01/12/2019

Horário: 19h00 (Horário de Brasília)

Local: Little Caesars Arena

Onde assistir: NBA League Pass

Cotação no Apostas Online: Spurs 2,40 @ Pistons 1,62 (favorito)

Dois dias depois de vencer o Los Angeles Clippers de Kawhi Leonard, o San Antonio Spurs cai na estrada para enfrentar o Detroit Pistons. O alvinegro viajou sem LaMarcus Aldridge, que ficou no Texas tratando uma lesão muscular. Ainda machucado, Chimezie Metu deve ser mais uma baixa, o que encurta a rotação de garrafão de Gregg Popovich. Os mandantes, por sua vez, terão elenco completo à disposição.

Clique aqui e compre seus ingressos para o jogo

PG – Derrick White

SG – Bryn Forbes

SF – DeMar DeRozan

PF – Rudy Gay

C – Jakob Poeltl

Fique de Olho – Destaque defensivo da vitória sobre o Clippers, Jakob Poeltl terá sua importância aumentada com a ausência de Aldridge, principalmente contra um adversário que utiliza Blake Griffin e Andre Drummond como titulares. Até aqui, na temporada, o pivô do Spurs tem médias de 5,6 pontos, 5,8 rebotes e 1,2 tocos em 17,5 minutos por exibição. Esses números se transformam em 6,8 pontos, 7,2 rebotes e 2,2 tocos em 24 minutos por partida contando apenas os cinco jogos em que o austríaco fez parte do quinteto inicial do alvinegro.

PG – Langston Galloway

SG – Bruce Brown

SF – Lune Kennard

PF – Blake Griffin

C – Andre Drummond

Fique de Olho – Do ala-pivô que completava pontes aéreas de Chris Paul no Clippers ao completo comandante do ataque do Pistons. Evoluindo ano após ano, Blake Griffin tem médias de 19,7 pontos, 5,1 rebotes e 3,3 assistências em 30 minutos por exibição nos sete jogos que fez na temporada após se recuperar de lesão. Com a ausência de Aldridge, deve enfrentar marcadores mais leves, como Rudy Gay e Trey Lyles.

Spurs (7-13) x Clippers (14-6) – Alívio

107×97

Após perder para o Minnesota Timberwolves, o San Antonio Spurs voltou para às quadras na noite dessa sexta-feira (29) e anulou completamente o Los Angeles Clippers, vencendo por 107 a 97. Um resultado que mostrou muita coisa animadora na parte defensiva e um ataque que apostou bastante no coletivo. Vamos, a seguir, aos destaques da partida.

San Antonio Spurs v. Los Angeles Clippers

DeRozan teve mais uma boa atuação e foi o líder de rebotes do Spurs (Reprodução/NBA.com/Spurs)

Defesa aparecendo

O time texano precisava mostrar resultados defensivos, porque ofensivamente estava bem, e finalmente isso aconteceu. Limitando o Clippers a aproveitamento de apenas 39% nos arremessos de quadra, ficou bem mais fácil bater de frente com um dos melhores elencos da liga. Paul George (2-11 nos arremessos de quadra) e Kawhi Leonard (8-23 nos arremessos de quadra) mostraram como foi bom o trabalho do Spurs na marcação, que anulou os dois principais jogadores do time adversário.

White neles

17 pontos e 71% de aproveitamento nos arremessos de três pontos. Derrick White foi fundamental contra o Clippers com uma apresentação consistente demais. Em vários momentos, principalmente em momentos de aperto, o armador trouxe o Spurs de volta ao jogo.

Domínio no perímetro

O Spurs conseguiu se destacar nos arremessos de três pontos, fundamento que não é bem o forte da equipe. Foram 14 bolas do tipo convertidas em 36 tentadas, enquanto o Clippers acertou 12 de 33. Esse foi outro ponto que ajudou o time ao sair com o triunfo. Defesa forte e artilharia do perímetro é sempre uma boa combinação.

Destaques da partida

San Antonio Spurs

DeMar DeRozan – 17 pontos, 9 rebotes e 5 assistências

LaMarcus Aldridge – 17 pontos, 8 rebotes e 7 assistências

Derrick White – 17 pontos, 3 assistências e 3 rebotes

Patty Mills – 13 pontos

Los Angeles Clippers

Kawhi Leonard – 19 pontos, 7 rebotes e 7 assistências

JaMychal Green – 16 pontos e 8 rebotes

Montrezl Harrell –12 pontos e 7 rebotes

Patrick Beverley – 10 pontos e 5 rebotes

Spurs (6-13) x Wolves (10-8) – Deprimente

101×113

Sem resposta para o desempenho ruim que vem apresentando, o San Antonio Spurs segue com um dos começos de temporada mais deprimentes da sua história recente. Nessa quarta-feira (27), a equipe texana recebeu o Minnesota Timberwolves e perdeu para o adversário pelo placar de 113 a 101, chegando à sua 13ª derrota nos primeiros 19 jogos que fez no campeonato. Vamos, a seguir, aos destaques do confronto.

Atuação de Aldridge não foi o bastante (Reprodução/nba.com/spurs)

Sem ajuda

Os dois maiores astros do Spurs tiveram atuações honestas contra o Wolves. LaMarcus Aldridge anotou 22 pontos e seis rebotes em 33 minutos, convertendo dez dos 19 arremessos de quadra que tentou. DeMar DeRozan, por sua vez, deixou a quadra com 20 pontos, sete rebotes, cinco assistências e duas roubadas de bola, acertando oito dos 16 arremessos de quadra que tentou. Mas a equipe fez somente cinco cestas de três pontos em 29 tentativas, registrando péssimo aproveitamento de 17,2% no fundamento.

Após o jogo, DeRozan admitiu que o Spurs tem problemas defensivos e que o time está se perdendo deste lado da quadra. “Estamos sendo pegos na rotação, não ajudando o próximo. Precisamos ajudar uns aos outros. Os caras são bons demais nessa liga para a gente depender de um jogador para parar outro”, disse o ala-armador, que recentemente deletou todo o conteúdo de seu Instagram. A ação gerou rumores de troca, mas o camisa #10 minimizou e disse que fez isso somente porque odeia redes sociais.

Esperança?

No terceiro período, o Timberwolves recebeu três faltas técnicas seguidas por reclamar da arbitragem. Ali começou uma corrida do Spurs surpreendentemente comandada por Lonnie Walker, que não vinha recebendo minutos relevantes de Gregg Popovich, mas foi acionado e correspondeu. O alvinegro chegou a assumir a liderança ao fazer 92 a 91, mas os visitantes responderam com sete pontos seguidos e não olharam mais para trás. Ao menos, o segundanista foi elogiado pelo treinador ao fim da partida.

Fim da freguesia

O Spurs não perdia para o Wolves no AT&T Center desde o dia 17 de abril de 2013, quando Andrew Wiggins ainda estava no colegial. Neste meio tempo, o alvinegro venceu o adversário 11 vezes em sua casa. A campanha do time texano como mandante na temporada é historicamente ruim: são somente quatro triunfos em dez partidas.

Destaques da partida

San Antonio Spurs

LaMarcus Aldridge – 22 pontos e 6 rebotes

DeMar DeRozan – 20 pontos, 7 rebotes, 5 assistências e 2 roubos de bola

Lonnie Walker – 11 pontos

Rudy Gay – 10 pontos, 11 rebotes e 4 assistências

Minnesota Tiimberwolves

Andrew Wiggins – 26 pontos, 8 rebotes e 2 tocos

Karl-Anthony Towns – 23 pontos, 14 rebotes e 6 assistências

Keita Bates-Diop – 16 pontos e 4 rebotes

Josh Okogie – 11 pontos, 8 rebotes e 3 assistências

Gorgui Dieng – 10 pontos, 5 rebotes e 4 assistências

Jarrett Culver – 10 pontos e 5 assistências

Uma proposta de rotação pata o Spurs

Com apenas seis vitórias nos primeiros 18 jogos do campeonato, o San Antonio Spurs faz início de temporada historicamente ruim na era Gregg Popovich. A campanha abaixo da crítica já faz com que rumores de troca apareçam e com que torcedores cobrem mudanças imediatas no plantel. Mas será que não é possível obter um melhor desempenho com o elenco atual do alvinegro?

Murray e DeRozan em ação contra o Lakers; dupla não tem funcionado (Reprodução/nba.com/spurs)

Pop começou o ano com Dejounte Murray, Bryn Forbes, DeMar DeRozan, Trey Lyles e LaMarcus Aldridge formando seu quinteto titular. Recentemente, resolveu retomar o time que começava os jogos na temporada passada, sacando o armador e o ala-pivô e promovendo as entradas de Derrick White e Jakob Poeltl. Além disso, tem dado mais minutos a DeMarre Carroll, o que tira tempo de quadra de Marco Belinelli.

As mudanças tentam atacar dois problemas graves facilmente identificáveis. O primeiro deles é a defesa, costumeiramente um ponto forte dos times de Pop. O Spurs permitiu 115,3 pontos por jogo a seus adversários, sexta pior marca da NBA. As equipes que enfrentam o alvinegro marcam 113,8 pontos a cada 100 posses de bola, o que faz com que a equipe texana tenha a quinta pior defesa da liga.

Parte disso se dá graças à ausência de especialistas em defesa de perímetro na rotação. Na última parcial que fez do Spurs, o site NBA Math mostrou um pouco o tamanho do problema.

O gráfico mostra o resultado de cada jogador do Spurs em estatísticas avançadas dos dois lados da quadra. Quanto mais para direita um atleta aparece, melhor é seu desempenho ofensivo na temporada. Quanto mais para cima, melhor seu desempenho defensivo.

Em outras palavras, Bryn Forbes, Patty Mills e Marco Belinelli são os três piores defensores do Spurs na temporada segundo as métricas avançadas do site. O australiano compensa sendo o melhor jogador ofensivo do elenco desde o início do campeonato. Então, fica aqui a primeira proposta: trocar definitivamente os outros dois por Lonnie Walker e DeMarre Carroll na rotação.

O segundo problema claro do Spurs é a falta de compatibilidade de alguns dos seus principais jogadores. Murray, DeRozan e Aldridge funcionam melhor com a bola nas mãos e, juntos no time titular, não conseguiram fazer com que a equipe fluísse. Segundo o site oficial da NBA, o alvinegro ficou 238 minutos com os três em quadra nesta temporada e sofreu 71 pontos a mais do que marcou neste recorte. É o pior saldo de qualquer combinação de três jogadores do elenco. Assim, não é de se espantar que o armador tenha virado reserva.

O mesmo vale para combinações entre dois desses três atletas. O Spurs jogou 518 minutos com DeRozan e Aldridge juntos e sofreu 81 pontos a mais do que marcou. Com Murray e DeRozan juntos, são 264 minutos e saldo negativo de 83 pontos. Com Murray e Aldridge juntos, são 262 minutos e saldo negativo de 87 pontos. São as três piores marcas de qualquer dupla do alvinegro na temporada.

Será que separar Murray dos dois astros é a melhor solução? Eu particularmente acho que não. O armador tem como pontos fortes a defesa e os rebotes, mas não é um playmaker. Não tem criatividade e não combina com a movimentação de bola da segunda unidade, hoje capitaneada por Patty Mills e Rudy Gay.

Dos três, Aldridge é claramente quem joga melhor sem a bola. Tem 34,5% de aproveitamento nos arremessos de três pontos, contra 22,2% de Murray. Em estatística que assusta, DeRozan tentou apenas quatro bolas do perímetro na temporada e errou as quatro. Além disso, o ala-pivô se destaca no trabalho sujo. Pegou 37 rebotes de ataque na temporada, segunda melhor marca do elenco, perdendo apenas para os 41 de Poeltl. Se destaca também na proteção do aro, limitando os adversários a aproveitamento de 54,8% nos arremessos dados a menos de seis pés da cesta, ficando atrás somente dos 50% de Poeltl e dos 52% de Carroll no plantel. Por fim, é um dos melhores de toda a NBA em abrir espaço para companheiros pontuarem om corta-luzes.

Em outras palavras, Aldridge é o menos indicado para ser isolado dos outros dois. E as pistas dadas acima mostram que talvez esse papel caiba para DeRozan. Murray aparece no gráfico do NBA Math como melhor defensor do elenco na temporada, o que pode torná-lo mais adequado para um papel reduzido. Enquanto isso, o ala-armador dá 4,6 assistências por jogo, contra 4,3 do armador, e seu desempenho abaixo da crítica na defesa e nos arremessos do perímetro mostra que ele não tem muita utilidade quando não está com a bola em mãos. Então, que tal deixar o camisa #10 no comando da segunda unidade?

Claro que colocar um jogador com a grife de DeRozan no banco pode causar problemas no vestiário. Também pode tirar sua confiança, já que se trata de um atleta assumidamente frágil psicologicamente. Mas é possível mantê-lo no quinteto titular e substitui-lo cedo, devolvendo-o para a quadra com os arremessadores da segunda unidade.

Assim, o time titular poderia ter Murray puxando contra-ataques em alta velocidade e, no ataque de meia-quadra, teria como premissa acionar Aldridge no poste baixo. A falta de criatividade do armador poderia ser compensada com a presença de playmakers como White e Gay. Seguindo a mesma lógica, Walker poderia ser quem vem do banco de reservas para substituir DeRozan e completar esse quinteto.

A falta de espaçamento seria um problema, que poderia ser compensada caso a defesa funcionasse e Murray, Gay e Aldridge tivessem sucesso brigando por rebotes ofensivos.

Enquanto isso, DeRozan poderia ter um papel semelhante ao que Lou Williams tem no Los Angeles Clippers. O ala-armador da equipe angelina comanda uma segunda unidade baseada no seu entrosamento com Montrezl Harrell nos pick-and-rolls, com arremessadores cercando a dupla. O camisa #10 do Spurs poderia fazer o mesmo com Poeltl, com quem joga junto há quatro temporadas, aproveitando-se do espaçamento que Mills, Carroll e Lyles ofereceriam com suas bolas de três.

Assim, o time titular teria Murray, White, DeRozan, Gay e Aldridge. Walker entraria para substituir DeRozan, que passaria a comandar uma segunda unidade que contaria também com Mills, Carroll, Lyles e Poeltl. Uma abordagem que ao menos minimizaria os evidentes problemas que o Spurs vem apresentando na temporada.

Spurs (6-12) x Wolves (9-8) – Temporada Regular

San Antonio Spurs x Minnesota Timberwolves – Temporada Regular

Data: 27/11/2019

Horário: 22h30 (Horário de Brasília)

Local: AT&T Center

Onde assistir: NBA League Pass

Cotação no Apostas Online: Spurs 1,72 (favorito) x Wolves 2,22

Sem desfalques, o San Antonio Spurs recebe o Minnesota Timberwolves tentando se recuperar de um dos piores começos de temporada de sua história recente. Do lado dos visitantes, Shabazz Napier e Jake Layman são baixas, e Josh Okogie e Treveon Graham são dúvidas.

Clique aqui e compre seus ingressos para o jogo

Confrontos na temporada (0-1)

13/11/2019 – Spurs 114 @ 129 Wolves

Jogando na casa do adversário, o Spurs não foi páreo para o Wolves no primeiro duelo da temporada. DeMar DeRozan, com 27 pontos e cinco rebotes, se destacou pelo alvinegro na ocasião.

PG – Derrick White

SG – Bryn Forbes

SF – DeMar DeRozan

PF – LaMarcus Aldridge

C – Jakob Poeltl

Fique de Olho – Em meio à má fase, Gregg Popovich resolveu retomar o quinteto titular da temporada passada, o que fez com que Derrick White ganhasse a vaga de Dejounte Murray. Até aqui, o armador tem médias de 9,9 pontos e 2,8 assistências em 23,7 minutos por exibição. Esses números se transformam em 9,8 pontos e 3,8 assistências em 27,5 minutos por partida considerando apenas os quatro jogos em que o camisa #4 começou em quadra.

PG – Jarrett Culver

SG – Treveon Graham

SF – Andrew Wiggins

PF – Robert Covington

C – Karl Anthony-Towns

Fique de Olho – Andrew Wiggins faz campanha tão boa que o técnico Ryan Saunders resolveu mover o armador Jeff Teague para a segunda unidade, deixando o comando do ataque do time titular nas mãos do canadense. Até aqui, na temporada, o ala tem médias de 25,2 pontos, 5,2 rebotes e 3,4 assistências em 34,9 minutos por exibição.