Arquivo da categoria: Análises

As primeiras impressões sobre Brandon Paul

O San Antonio Spurs teve uma offseason sem muitas contratações de impacto, mas cheia de rumores. Os principais boatos eram sobre armadores: Chris Paul, Derrick Rose e até mesmo Kyrie Irving tiveram seus nomes especulados na franquia texana. Porém, com o início da temporada, nenhum grande nome da posição foi anunciado, e o único reforço vindo de fora do Draft na armação era Brandon Paul, jogador desconhecido que até então atuava na Turquia.

San Antonio Spurs v Sacramento Kings

Brandon Paul pode se tornar uma importante peça na rotação (Reprodução/nba.com/spurs)

Ao chegar no Texas, Paul trouxe consigo dúvidas para a torcida do Spurs. Seu jogo parecia pouco desenvolvido, principalmente no ataque, e para piorar a situação o armador veio para o lugar de Jonathon Simmons, que em dois anos com o time virou um xodó dos torcedores devido à sua história, ao seu estilo atlético de jogar e às suas boas exibições nos últimos playoffs.

Porém, Gregg Popovich é excelente em observar talentos para o seu sistema coletivo e discreto, e com Paul não foi diferente. Apesar de não possuir muito talento ofensivo, o armador tem um arremesso de três pontos excelente e espaça a quadra, dando liberdade para LaMarcus Aldridge e Kawhi Leonard operarem no garrafão. Na temporada, em sete partidas, tem quase 64% de aproveitamento nos chutes de longa distância. Apesar de poucas tentativas, 11 no total, a mecânica e confiança do jogador indicam o grande potencial no fundamento.

A área de destaque de Paul é a defesa. Essa foi a característica que mais chamou a atenção de Popovich. Sua raça e dedicação na marcação são muito importantes para o sistema do time. Apesar de poucos jogos, o técnico aproveitou bem o armador no período em que ele esteve em quadra. O reforço já foi responsável pela marcação de DeMar DeRozan, Kyle Lowry e Kyrie Irving. A estratégia do treinador é incorporar seu novo jogador ao time com o tempo em situações onde a equipe tenha que impedir a qualquer custo seus adversários. E ao pedir para seu comandado marcar grandes nomes, Pop busca acostumar o camisa #3 ao ritmo de jogo e à pressão de combater as principais estrelas da liga profissional americana de basquete.

Apesar de pouco tempo de temporada, Paul aproveitou seu tempo em quadra, e aos poucos, conquista a confiança de Popovich. Durante a temporada, o armador deve trabalhar em seu arremesso e em sua defesa para se tornar um confiável “3&D”. Com sua característica, o jogador tem potencial para se tornar um importante jogador no sistema do Spurs.

Comparações com Simmons são inevitáveis, mas Paul tem um potencial ofensivo maior graças ao seu arremesso, e sua defesa já é melhor que a do ex-camisa #17. Só faltam mais chances.

Resta à torcida esperar para ver a evolução ou a decadência do armador, afinal, sete jogos é uma amostra muito pequena para conclusões definitivas. Mas os sinais são promissores.

Anúncios

Spurs manda Tony Parker para a G-League

O San Antonio Spurs anunciou na manhã dessa quarta-feira (26) que o armador Tony Parker irá integrar a lista de jogadores inscritos para participar do training camp do Austin Spurs, time da G-League, a liga de desenvolvimento da NBA, filiado à franquia texana.

Machucado, Parker vai treinar em Austin (Reprodução/nba.com/spurs)

O armador sofreu uma lesão no tendão do quadríceps da perna esquerda ainda nos playoffs da temporada passada e só voltou a participar de treinos com contato neste mês. A intenção é que Parker apenas participe dos treinos em Austin e não chegue a jogar pela G-League.

É esperado que Parker, por conta do longo período em que ficou afastado, participe dos treinamentos apenas para recuperar sua forma física. O armador, porém, deve retornar à equipe apenas no fim de novembro, pois Popovich não quer agravar a lesão. Por isso, o técnico pretende esperar a recuperação total do tendão da perna esquerda do francês.

Os treinos serão no AT&T Center durante a sequência de quatro jogos fora de casa do Spurs.

Parker irá para a sua 18ª temporada na NBA. Na carreira, o armador possui médias de 16,2 pontos e 5,8 assistências por exibição, além de possuir um prêmio de MVP das Finais.

Com Dejounte Murray, o futuro é agora

A torcida do Spurs está acostumada com Tony Parker comandando a equipe, afinal, desde 2001 o francês está no elenco, quase sempre como armador titular. O jogador já venceu quatro títulos e foi eleito o jogador mais valioso das finais em 2007, no tetracampeonato dos texanos. Assim, nos playoffs de 2016, foi difícil ver o ídolo sair carregado da quadra com uma grave lesão.

Dejounte Murray em ação contra o Wolves (Reprodução/nba.com/spurs)

Com a nova temporada, foi anunciado que Parker estaria fora até novembro, e isso provocou um aparente problema para o técnico Gregg Popovich. Com a ausência do camisa nove, quem assumiria a sua função no time? Patrick Mills é um bom reserva, mas nunca vingou como armador titular, e todos os outros possíveis nomes não possuem experiência. Porém, o empecilho rapidamente se mostrou passageiro, pois o treinador nomeou o segundanista DeJounte Murray como armador principal da equipe de San Antonio.

Apesar de uma insegurança surgir entre a torcida durante a pré-temporada, o jovem rapidamente se mostrou a escolha certa. O atleta treinou durante toda a offseason e melhorou em muito seu jogo. Murray sempre foi conhecido como um bom slasher, ou seja, como um jogador com habilidade de entrar na defesa e finalizar próximo a cesta. Mas nas primeiras partidas, o armador mostrou a confiança para arremessar e inclusive acertou algumas tentativas, algo positivo e que certamente irá fazer a marcação ser mais forte, facilitando as infiltrações.

É função do armador saber o momento certo de envolver cada um de seus companheiros, identificar possíveis mismatches e garantir que todos se posicionem corretamente em quadra. Durante as duas primeiras partidas, Murray mostrou uma visão de jogo e liderança acima das expectativas para um garoto tão novo e com tão pouca experiência, um sinal promissor.

O Spurs é um time defensivo, costuma deixar seus oponentes com menos de 90 pontos e é adepto do estilo mais “chato” do basquete: técnico e com marcação sufocante. E Murray chega para contribuir nessa área. Ao contrário de Parker, considerado um defensor abaixo da média, o segundanista mostrou uma enorme evolução e soube marcar seus oponentes nos momentos um contra um, além de ler bem as rotas de passe e possuir uma grande envergadura, que facilita nos roubos de bola e na hora de contestar arremessos de seus adversários.

Murray mostrou enorme evolução, aprendeu com seus colegas e se tornou um jogador perfeito para o Popovich. Um armador coletivo, que faz o passe certo, evoluiu como líder e é bom defensor, podendo ser excelente. Apesar dos poucos jogos, a tendência é a manutenção dessas atuações. Se isso acontecer, pode ser a primeira vez de Parker como reserva.

O futuro promete, e Murray mostrou ser parte dele. Só resta esperar para saber quando o armador irá definitivamente se tornar o titular e líder da equipe. A posição e o legado de Parker estão a salvo, pois seu substituto superou expectativas nos primeiros jogos e deve evoluir ainda mais, para a alegria de Popovich do Spurs e da torcida do alvinegro texano.

Análise do elenco I: Os armadores

A offseason está finalmente no fim, e o San Antonio Spurs anunciou nessa segunda-feira (25) a lista de jogadores que irão participar de sua pré-temporada. No total, 19 atletas estarão nos treinos, com a esperança de impressionar e garantir vaga no elenco de Gregg Popovich.

Dejounte Murray em ação pelo Spurs na última temporada (USA Today Sports)

Para analisar os jogadores, será feita uma divisão, e primeiro serão analisados os armadores. Esse é o setor mais inchado do Spurs, sem dúvidas, e muitos torcedores se perguntam sobre a necessidade de tantos atletas para a mesma posição. No total, são nove nomes na lista, divididos em quatro armadores “principais” e cinco alas-armadores.

Os listados como armadores de ofício são Tony Parker, Patrick Mills, Bryn Forbes e London Perrantes. Entre esses quatro, apenas um está com sua situação indefinida: o novato Perrantes, contratado após passar em branco no Draft. Os outros três, por serem veteranos e terem a confiança do técnico, devem estar garantidos no elenco caso não ocorra nada inesperado.

Esse setor não evoluiu, mas também não piorou. Parker, apesar de ter se lesionado, mostrou que ainda tem muita lenha pra queimar e teve boas atuações nos playoffs. Sua importância na temporada regular é menor, já que o francês é bastante poupado. Mills teve mais uma boa temporada e ainda deve comandar a segunda unidade, deixando o jogo mais dinâmico e com ritmo mais rápido. Forbes, mesmo com pouco tempo em quadra, mostrou sinais promissores, possui bom arremesso e tem potencial defensivo; ou seja, se encaixa bem com o sistema.

Os outros cinco jogadores são Derrick White, Dejounte Murray, Danny Green, Manu Ginobili, Darrun Hilliard e Brandon Paul. Os três veteranos devem ter seu lugar garantido, deixando a batalha para os dois novatos. Paul veio da Europa e deve exercer uma função mais defensiva, não possui muita experiência e deve tentar aproveitar ao máximo suas oportunidades. Hilliard deve atuar no Austin Spurs após assinar two-way contract e tem dois anos de bagagem na NBA, ambos atuando pelo Detroit Pistons. Não recebeu muitas oportunidades e deve ser um jogador apenas para compor elenco. Entrar no time parece uma possibilidade distante.

No geral, a posição de armador parece um setor inchado da equipe, mas até o fim da pré-temporada irão acontecer cortes para estabilizar a quantidade de jogadores. Com exceção dos novatos, os componentes são quase os mesmos, e por terem conhecimento prévio do sistema e do estilo de jogo exigido por Popovich, os veteranos devem ter lugar de destaque.

A posição pode parecer uma fraqueza, mas possui atletas versáteis, que podem ser usados dependendo do adversário, para adaptar a defesa ou o ataque do Spurs, visando neutralizar as táticas adversárias. Nas mãos de Popovich essa versatilidade se transforma em vitórias, e por isso o setor deve ser importante para o time texano na próxima temporada.

Para mais análises, curta a Spurs Reports BR no Facebook

Como Joffrey Lauvergne pode render no Spurs?

Por Luís Araújo*

Joffrey Lauvergne terminou a última temporada no Chicago Bulls, passou a maior parte dela no Oklahoma City Thunder e jogou dois anos no Denver Nuggets antes disso. Nestes times, o pivô encontrou rotações congestionadas em seu setor e não teve tanto espaço. Mas não quer dizer que não teve flashes interessantes, capazes de torná-lo uma peça útil para Gregg Popovich.

Lauvergne é um dos reforços do Spurs (Reprodução/nba.com/spurs)

Na temporada passada, por exemplo, em um dos 23 jogos que fez com o Bulls (contando também os playoffs), teve uma atuação de 17 pontos, sete rebotes e três assistências em uma vitória sobre o Detroit Pistons. Ele também acertou sete dos 13 arremessos que tentou, incluindo uma bola de três convertida, e ficou em quadra por pouco mais de 28 minutos.

Um olhar mais atento para essa produção ajuda a entender melhor algumas coisas das quais ele é capaz de fazer, além de dar uma base sobre como o jogador pode se encaixar no Spurs.

Logo no primeiro lance do vídeo, dá para ver Lauvergne trabalhando no pick-and-roll com Jimmy Butler, que viu seu marcador passar por cima do bloqueio e ainda se viu cercado por Andre Drummond, que se preocupou em não deixar o caminho livre para ele infiltrar. Foi isso que abriu a possibilidade para o francês ser acionado e finalizar com a mão esquerda diante de Kentavious Caldwell-Pope, que correu para tentar ajudar a proteger a cesta.

Não é difícil imaginar esse tipo de coisa acontecendo no Spurs. Em um time que deixa bastante a bola nas mãos de Kawhi Leonard para iniciar jogadas usando bloqueios de pivôs, Lauvergne pode ser bem explorado e entregar bons resultados nestas oportunidades.

O segundo lance do vídeo mostra uma cesta decorrente de rebote de ataque, algo que também faz parte das principais virtudes do francês. Em seguida, ele cavou falta que o levou a cobrar dois lances livres após receber passe longe da cesta, observar Drummond sair correndo para contestar e botar a bola no chão para driblar. Essa capacidade de fazer o corte também é uma coisa muito boa que ele consegue fazer contra oponentes menos ágeis, mas que só funcionou neste caso porque seu marcador o considerou uma ameaça no chute de média distância.

É justamente um chute de média distância que ele aparece acertando no lance seguinte, aproveitando-se da preocupação que Butler causou na defesa ao entrar no garrafão, fazendo com que Drummond corresse para proteger a cesta. Estatisticamente, Lauvergne ainda não tem um arremesso de fora do garrafão que possa ser considerado extremamente confiável. O potencial para que isso seja uma arma poderosa no seu leque ofensivo existe, e até é possível vê-lo pegando fogo vez ou outra, mas os resultados em linhas gerais ainda variam.

Na sequência do vídeo, Lauvergne faz outra cesta após colocar a bola no chão para driblar o pivô adversário, produz uma com a mão direita a partir do post-up e finaliza uma bola embaixo da cesta depois de Butler mais uma vez atrair a marcação do adversário.

Por fim, um pick-and-pop com Paul Zipser que termina com uma bola de três. É aí que vem mais um potencial interessante no jogo de Lauvergne: há sinais claros de desenvolvimento nos arremessos de longe nos últimos meses. Não dá para saber ao certo como serão os próximos passos, mas dá para criar alguma animação com o que vem acontecendo até agora.

Em suma, além desta questão dos chutes de média e longa distância, Lauvergne é um pivô que sabe o que fazer com a bola nas mãos, seja buscando o corte contra rivais mais lentos ou encaixando bons passes – algo que sempre é muito valioso para quem vai jogar para Popovich. Mas o melhor dele parece ser mesmo sem a bola nas mãos, aproveitando a boa mobilidade para correr a quadra em contra-ataques e a inteligência para se deslocar e cortar para a cesta em momentos precisos. Não é à toa que o pick-and-roll é um dos seus pontos mais fortes.

Sobre isso, aliás, vale a pena também observar essa atuação ainda pelo Nuggets, em jogo contra o Sacramento Kings em fevereiro de 2016. Lauvergne saiu do banco para produzir 22 pontos e sete rebotes em 25 minutos, convertendo dez dos 14 chutes que tentou – incluindo, novamente, um de três. Teve chute de média distância, bola de três e finalizações depois de colocar a bola no chão. Mas o grosso da produção veio mesmo a partir do pick-and-roll.

Defensivamente, Lauvergne também é bom reboteiro. Não dá muitos tocos e não chega a ser um grande protetor do aro, mas é um marcador sólido no um contra um. Além disso, a boa mobilidade o permite se virar bem longe da cesta nas vezes em que for arrastado para reagir a bloqueios. Pelo que mostrou até agora, parece capaz e disciplinado o bastante para se encaixar bem a um sistema defensivo que tem sido um dos melhores da liga já há alguns anos.

Esse conjunto de habilidades nos dois lados da quadra tornam Lauvergne uma aposta mais do que válida. Jogando para um técnico como Popovich e em uma organização como o Spurs, nem chegaria a ser uma surpresa enorme se ele atingisse um nível mais alto nesta trajetória na NBA.

* Especialista no Chicago Bulls, Luís Araújo é dodo do Triple-Double, um dos melhores blogs sobre basquete do Brasil. É possível virar assinante por vários valores e receber conteúdo especial sobre o esporte, além de participar de promoções para brindes exclusivos.