Arquivo do autor:Sergio Neto

Spurs (2) @ (4) Thunder – Sonho adiado

 99×113

Não foi dessa vez. O San Antonio Spurs viajou até a casa do adversário com a permanência nos playoffs em jogo, mas acabou perdendo para o Oklahoma City Thunder por 113 a 99, nessa quinta-feira (12), e deu adeus à temporada 2015/2016 da NBA. O oponente pega agora o Golden State Warriors na final da Conferência Oeste, que começa na próxima segunda, enquanto os texanos entram de férias. Vamos aos destaques do jogo.

O encontro de duas gerações de lendas (NBA/Getty Images)

O jogo

Antes do jogo, todo torcedor dos Spurs já estavam com o coração na mão de tanta apreensão. E não era para menos. O duelo valia a sobrevivência na pós-temporada. O inicio de jogo foi até que empolgante, mas o alvinegro não conseguiu administrar a vantagem que construiu, e logo o Thunder recuperou a diferença. De 16 a 10 para os Spurs, o quarto terminou em 25 a 19, com dez pontos para Kevin Durant. Na segunda parcial, veio o apagão. O time de San Antonio fez apenas 12 (isso mesmo, DOZE) pontos em todo o período, enquanto o adversário fez 30. Foi a menor pontuação da equipe texana no primeiro tempo nestes playoffs. Essa corrida foi crucial para o resultado final. A intensidade dos mandantes não foi igualada.

Até o fechamento deste resumo, ainda não havia qualquer definição a respeito do futuro de Tim Duncan e Manu Ginobili. Segundo o site do canal SporTV, emissora responsável pela cobertura da NBA no Brasil, o ala-pivô não definiu seu futuro e evita falar sobre o assunto.

“Eu vou ver isso depois que sair daqui. Ver como a vida fica”, explicou The Big Fundamental.

O que fica

Leonard foi o principal destaque no decorrer da temporada (NBA/ Getty Images)

A derrota dói em todos os torcedores e fãs da franquia de San Antonio, principalmente aqueles que estão com a equipe em qualquer situação. Mas, aos que se mostram mais críticos, fica aqui um apelo: não se deixem levar pela série realizada contra o Thunder. Muito pelo contrário. O Spurs fez uma campanha histórica ao longo da temporada 2015/2016, e esse é o principal fator que se deve levar em consideração ao analisar o campeonato que ficou para trás.

Inicialmente, a equipe foi bastante reformulada em comparação ao elenco que levou o anel na temporada 2013/2014. Nomes como Cory Joseph, Marco Belinelli e Tiago Splitter são alguns jogadores que tiveram sua importância naquele título, mas quis o destino que não permanecessem mais com a camisa alvinegra. A base se manteve com Tim Duncan, Tony Parker, Manu Ginobili, Danny Green, Kawhi Leonard, Patty Mills e Boris Diaw. E outros reforços importantes chegaram, como David West, Kyle Anderson, Jonathon Simmons, Boban Marjanovic e, principalmente, LaMarcus Aldridge, novo astro da franquia texana.

Esse último chegou com status de astro. E suas contribuições foram à altura. Além de ficar perto de sua família, o ala-pivô escolheu ser treinado por Gregg Popovich com o objetivo de conquistar um inédito anel no fim de tudo. Infelizmente, o sonho não se concretizou (ainda). Mas, apesar dos veteranos não produzirem como antes, as novas caras provaram que podem muito bem carregar o piano quando alguns se aposentarem. Uma prova disso foi a dupla Leonard-Aldrige, que assumiu a responsabilidade nesta temporada e nos mostrou boas perspectivas para o futuro – principalmente o ala, que chegou a ouvir gritos de MVP diversas vezes. Algo animador para quem acompanha a evolução do atleta desde sua chegada.

Mills, Diaw e West podem muito bem também contribuir para que o Spur continue em alto nível quando a aposentadoria de Duncan, Ginobili e Parker chegar. Ainda tem os mais jovens que, pouco ou não, contribuíram bastante no decorrer da temporada. Anderson teve um pouco mais de participação, mas Simmons e até Marjanovic mostraram que não estão ali só para compor elenco. Prova disso: o jogo contra o Miami Heat em que ambos se destacaram.

Então, agora é ter calma. Não é justo apedrejar ninguém, nem dizer que tal jogador não serve. Não é disso que é feito o torcedor da franquia de San Antonio. A temporada foi histórica. Foi apenas uma derrota em casa! E ainda para o time que desbancou o Chicago Bulls de 1995/1996. O jogo segue. O show continua. A torcida e o apoio serão sempre os mesmos. O sonho do sexto anel foi apenas adiado! #GoSpursGo #RaceforSix

Férias

Querendo ou não, o Spurs agora entra de férias. Mas a cobertura do time pentacampeão da NBA continua! Ainda tem muita água pra rolar, como Draft, trocas, notícias, rumores e, principalmente, a possível convocação de Kawhi Leonard e LaMarcus Aldridge para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro a serviço da seleção norte-americana. Por isso, contamos com vocês, leitores, para que o blog continue ativo na offseason.

Destaques da Partida

San Antonio Spurs

Kawhi Leonard – 22 pontos, nove rebotes, cinco assistências e três roubos de bola

Tim Duncan – 19 pontos e cinco rebotes

LaMarcus Aldridge – 18 pontos, 14 rebotes e duas assistências

Oklahoma City Thunder

Kevin Durant – 37 pontos, nove rebotes e duas assistências

Russell Westbrook – 28 pontos e 12 assistências

Steven Adams – 15 pontos e 11 rebotes

Andre Roberson – 14 pontos e sete rebotes

Spurs (2) @ (3) Thunder – Semifinal do Oeste

San Antonio Spurs vs Oklahoma City Thunder – Semifinal da Conferência Oeste

Data: 12/05/2016

Horário: 21h30 (Horário de Brasília)

Local: Chesapeake Energy Arena

Na TV: SporTV 2

Após perder de novo em casa pra o Oklahoma City Thunder, o San Antonio Spurs volta à casa do adversário para tentar igualar a série e levar a decisão para o jogo 7. Para o alvinegro, é tudo ou nada para manter viva a chance de classificação para a final da Conferência Oeste.

Confrontos na série (2-3)

30/04/2016 – Spurs 124 x 92 Thunder

Um verdadeiro atropelamento. Com 38 pontos e seis rebotes de LaMarcus Aldridge, o Spurs não tomou conhecimento do Thunder e venceu o primeiro jogo da série, no AT&T Center.

02/05/2016 – Spurs 97 x 98 Thunder

LaMarcus Aldridge deu novo show no AT&T Center, com 41 pontos, 8 rebotes e três assistências, mas dessa vez o Thunder levou a melhor após fim conturbado.

06/05/2016 – Spurs 100 @ 96 Thunder

Em dia decisivo de Kawhi Leonard, que anotou 31 pontos, 11 rebotes – um deles fundamental na reta final – e três assistências, o Spurs venceu em Oklahoma e retomou o mando.

08/05/2016 – Spurs 97 x 111 Thunder

Além de estar em péssimo dia, o Spurs viu Kevin Durant fazer partida fora do comum. Foram 41 pontos, que garantiram a vitória a um Thunder que soube punir os erros do alvinegro.

10/05/2016 – Spurs 91 @ 95 Thunder

A derrota no jogo 5 complicou de vez a situação do Spurs. Agora, é preciso vencer dois jogos, sendo um deles em Oklahoma. Destaque para os 35 pontos, 11 rebotes e nove assistências de Russell Westbrook pelo Thunder e 26 pontos para Kawhi Leonard pelo alvinegro.

PG – Tony Parker

SG – Danny Green/Manu Ginobili

SF – Kawhi Leonard

PF – LaMarcus Aldridge

C – Tim Duncan

Fique de Olho – Com a série em risco, talvez o que o Spurs mais precisa é de some nasty. E Manu Ginobili talvez seja exatamente quem pode oferecer isso vindo do banco. Ok, ele não é um dos cestinhas do time, mas sua liderança e experiência podem fazer a diferença. Se tudo der errado, pode ser a última noite em que o veremos vestindo a farda texana.

PG – Russell Westbrook

SG – Andre Roberson

SF – Kevin Durant

PF – Serge Ibaka

C – Steven Adams

Fique de Olho – Stephen Curry foi eleito MVP da temporada de forma unânime, mas há quem acredite que Russell Westbrook merecesse pelo menos alguns votos. E não é para menos. O armador quebrou o recorde de triple-doubles durante a fase de classificação e, na última partida, quase fez mais um quando computou 35 pontos, 11 rebotes e nove assistências.

Spurs (1) @ Thunder (1) – Fim conturbado

 97×98

Dois dias depois de vencer o primeiro compromisso contra o Oklahoma City Thunder com facilidade, o San Antonio Spurs finalmente passou sufoco em um duelo de playoff na temporada 2015/2016. A equipe texana perdeu o segundo duelo da série contra o adversário nessa segunda-feira (2) pelo placar de 98 a 97, mesmo jogando AT&T Center. Com um apagão no primeiro quarto e um fim de duelo bastante conturbado, o alvinegro agora cai na estrada para a disputa dos dois próximos confrontos. Confira, a seguir, como foi o embate:

LaMarcus Aldridge foi o cestinha da partida com 41 pontos (NBA/Getty Images)

O feitiço contra o feiticeiro

Se o início do jogo 1 foi explosivo de um lado, o 2 foi completamente o oposto. Irreconhecível, o Spurs chegou a perder por 17 a 4 na etapa inicial. Gregg Popovich pediu tempo mais de uma vez. Trocou quase o time todo, e até Boban Marjanovic entrou logo no primeiro quarto. Mas, as coisas só foram começar a melhorar mesmo quando Manu Ginobili veio para a partida. O argentino contribuiu com sete pontos vindo do banco, o que ajudou a colocar a equipe no jogo. A essa altura, Russell Westbrook já tinha 14 pontos só no primeiro quarto.

O jogo só começou a esquentar mesmo para os texanos na volta dos vestiários. A troca de cestas era a toada, com o Thunder tentando ampliar a vantagem e o Spurs tentando virar. Foi no fim do terceiro período que Danny Green encaixou duas bolas de três seguidas e começou a reação texana. Em meio a uma maratona de pontos dos mandantes e com o adversário zerado, graças à forte defesa do time de San Antonio, o jogo seguia para o tudo ou nada na última parcial. E assim foi. Enquanto o tempo passava, as duas equipes trocavam pontos, ora ampliavam, ora diminuíam. Até que, restando apenas 13 segundos, após três lances livres certos de LaMarcus Aldridge, o jogo ficou com apenas um ponto de vantagem para a equipe de Oklahoma. Após um lance polêmico envolvendo Dion Waiters e Manu Ginobili, o alvinegro roubou a bola no meio de quadra, mas desperdiçou um ataque de três contra um. Com isso, a partida se encerrou com gostinho de quero mais (talvez por conta dos juízes).

Aldridge teve atuação digna de MVP (NBA/Getty Images)

Irreconhecíveis

Normalmente, este é um tópico para elogiar a atuação de Kawhi Leonard e LaMarcus Aldridge, já que são sempre os dois atletas que se destacam pelo Spurs nos jogos. Desta vez, no entanto, este item tem um lado positivo e o outro negativo. Começando pelas más notícias, o ala não fez a partida que se esperava ofensivamente falando. Claro, o jogador contribuiu com 14 pontos, mas demorou muito para pegar no tranco e deixou a desejar quando o time precisava de produção no ataque. Na defesa, obviamente não há reclamações sobre seu desempenho. Mas do outro, faltou um pouco mais do craque que estamos acostumados a ver.

Agora a surpresa boa: claro, Aldridge. O ala-pivô ainda não havia jogado em nenhum quarto período nos playoffs, tamanha sua contribuição nas etapas anteriores. Mas, com alguns jogadores bem abaixo do nível, foi obrigado a tirar o agasalho e ir para a quadra. Sorte do Spurs. O camisa #12 dez sua melhor partida desde que chegou a San Antonio e anotou 41 pontos, 22 deles no primeiro tempo.

No primeiro jogo da série, Aldridge já havia sido irretocável nas bolas do perímetro. No jogo 2 então, não tinha pra ninguém: nem Enes Kanter, nem Serge Ibaka e nem Steven Adams seguravam o ala-pivô. Teve até bola de três. E mais! Em um dos momentos mais dramáticos do jogo, recebeu longe da cesta, fingiu o arremesso e, por um descuido do congolês, recebeu a falta na linha dos três pontos. Foi para o lance livre e converteu os três, claro. Isso resultou no pedido de tempo do Thunder e, consequentemente, no lance mais polêmico da noite.

Foi uma atuação de MVP de Aldridge. Somando estes dois jogos diante Thunder na semifinal da Conferência Oeste, o ala-pivô tem 79 pontos, 14 rebotes, quatro assistências e quatro tocos em 73 minutos. Tirando uma média, são 36 minutos jogados com 39,5 pontos, sete rebotes, duas assistências e dois tocos. Seria ele a chave para derrotar os rivais?

Quem vence os dois primeiros…

… vence a série? Não necessariamente. Porém, é preciso haver calma, pois o confronto ainda está bem aberto. Analisando em retrospecto, no último título do Spurs, em 2014, também houve uma série contra o Thunder, e os texanos começaram ganhando por 2 a 0. Resultado: anel no fim do ano. O inverso também já aconteceu. Em 2012, foi o adversário que saiu com 2 a 0 sobre os texanos e acabou indo para a final contra o Miami Heat, mas ficou com o vice.

A série está em 1 a 1. O que isso quer dizer? Absolutamente nada. Sim, foi a segunda derrota no AT&T Center em toda a temporada. Mas isso não significa que acabou a vantagem. Muito pelo contrário. Resta ao Spurs agora recuperar-se desta derrota em casa e treinar para que mais deslizes como no primeiro quarto do jogo 2 não aconteçam.

Destaques da Partida

San Antonio Spurs

LaMarcus Aldridge – 41 pontos, 8 rebotes e 3 assistências

Kawhi Leonard – 14 pontos e 7 rebotes

Manu Ginobili – 11 pontos e 3 rebotes

Oklahoma City Thunder

Russell Westbrook – 29 pontos, 10 assistências e 7 rebotes

Kevin Durant – 28 pontos, 7 rebotes e 4 assistências

Steven Adams – 12 pontos e 17 rebotes

Enes Kanter – 12 pontos e 8 rebotes

Serge Ibaka – 12 pontos e 5 rebotes

Spurs (1) @ Thunder (0) – Semifinal do Oeste

San Antonio Spurs @ Oklahoma City Thunder – Semifinal da Conferência Oeste

Data: 02/05/2016

Horário: 22h30 (Horário de Brasília)

Local: AT&T Center

Na TV: SporTV 2

Após vencer o primeiro jogo com facilidade, o San Antonio Spurs recebe novamente o Oklahoma City Thunder pelas semifinais da Conferência Oeste. O enredo do primeiro duelo foi inesperado, já que a equipe texana simplesmente dominou a partida desde o pulo bola até o instante final. A razão disso foi a forte defesa imposta pelo alvinegro, que surpreendeu o oponente, deixando-o perdido em quadra. Desta vez, a história pode ser diferente.

Confrontos na série (1-0)

30/04/2016 – Spurs 124 x 92 Thunder

Após varrer com facilidade o Memphis Grizzlies na primeira fase dos playoffs, todos acreditavam que, contra o Thunder, o alvinegro não teria tanta moleza assim. Grande engano. O oponente, mesmo com time completo, pouco pôde fazer para furar a forte defesa texana. LaMarcus Aldridge foi quase perfeito nos arremessos e garantiu 38 pontos e seis rebotes.

PG – Tony Parker

SG – Danny Green

SF – Kawhi Leonard

PF – LaMarcus Aldridge

C – Tim Duncan

Fique de Olho – LaMarcus Aldridge teve um desempenho que beirou a perfeição contra o Thunder no primeiro jogo da série. Foram 38 pontos e 18 arremessos certos em 23 tentados ao longo do confronto. O ala-pivô não se intimidou pela forte defesa do adversário Serge Ibaka – muito pelo contrário. Com uma das suas melhores atuações com a camisa alvinegra, o astro nem sequer esteve em quadra no último quarto da partida.

PG – Russell Westbrook

SG – Andre Roberson

SF – Kevin Durant

PF – Serge Ibaka

C – Steven Adams

Fique de Olho – Kevin Durant, ao fim da pós-temporada, será o Free Agent mais cobiçado do mercado. E, mesmo tendo sido engolido pela defesa aplicada por Kawhi Leonard, o ala quase chegou a um triple-double no primeiro jogo da série, com 16 pontos, oito rebotes e seis assistências. Agora, após o balde de água fria no começo das semifinais, o ala pode mostrar serviço e agradar (ainda mais) às equipes que sonham em ter o craque no plantel.

Spurs (2) vs Grizzlies (0) – Partiu Tennessee!

 94×68

Após vencer o primeiro duelo com o Memphis Grizzlies da série, válida pela primeira fase dos playoffs da Conferência Oeste, o San Antonio Spurs ratificou seu favoritismo ao ganhar também o segundo confronto, noite dessa terça-feira (19), pelo placar de 94 a 68. Agora, os comandados de Gregg Popovich viajam até o Tennessee para jogar, ao menos, mais duas vezes na casa do oponente. Confira abaixo o que de melhor aconteceu no segundo jogo:

Mills, West e Diaw ganharam alguns minutos em quadra (NBA/Getty Images)

Superioridade comprovada

Não é difícil falar sobre a partida dessa terça. Foi o forte elenco dos Spurs contra o catadão dos Grizzlies. Enquanto o time texano tem fortes peças e reposições à altura, com encaixe perfeito à filosofia adotada por Popovich, os adversários possuem um plantel que mostra justamente o oposto de tudo o que o de San Antonio desfruta. É uma equipe organizada contra uma que correu atrás do placar o jogo todo. Coletivo x individual. E é isso o que ilustra justamente a ampla vantagem sobre o oponente. Prova disso foia defesa sólida. Ao fim do primeiro quarto de partida, os visitantes haviam anotado apenas 11 pontos, o que ficaria entre as menores pontuações sofridas pelo alvinegro em uma parcial na temporada regular.

Enquanto o Grizzlies ainda tenta se recompor após perder peças importantes, como Mike Conley e Marc Gasol, para o departamento médico, o Spurs tem suplentes competentes e cirúrgicos para a maioria das situações. Patty Mills, por exemplo, ficou um bom tempo em quadra e jogando muito bem, por sinal, enquanto Tony Parker descansava no banco. O mesmo aconteceu com David West no lugar de Tim Duncan. No opoente, foi chamado Jordan Farmar para o lugar seu astro lesionado. O suplente é um armador que nem na NBA estava e que é responsável por organizar o ataque enquanto ainda se readapta ao nível da liga.

Cogitar uma varrida de 4 a 0 dos texanos é loucura? Claro que não. Resta agora ao Grizzlies contar com a força do fator casa para tentar levar certa vantagem em cima do Spurs. As equipes voltam a se enfrentar nesta sexta-feira, às 22h30 (de Brasília).

Martin foi um dos destaques com dez pontos (NBA/Getty Images)

Fazendo história

Quem acha que Tim Duncan ainda não quebrou recordes demais em sua vitoriosa carreira está enganado. O ala-pivô chegou ao número de 344 partidas de playoffs disputadas. Tal número faz do astro o terceiro atleta que mais disputou a pós-temporada. Caso atue no jogo 3 da série contra os Grizzlies, The Big Fundamental irá igualar a marca do segundo colocado. Porém, o fato de ter estado em quadra não quer dizer que tenha feito um bom jogo. O veterano atuou por 26 minutos e somou apenas três pontos, nove rebotes e quatro assistências.

Outro que também garantiu (mais ainda) seu nome entre um dos maiores jogadores dos Spurs de todos os tempos foi Manu Ginobili. O argentino chegou à marca de 189 jogos em playoffs, igualando a marca de ninguém menos do que Julius Erving, o Dr. J. O ala-armador da equipe de San Antonio esteve em quadra por 14 minutos e somou oito pontos.

Põe os caras, Pop

Como já mencionado antes, Mills ganhou um bom tempo de quadra enquanto Parker descansava. O armador australiano ficou em quadra por 19 minutos e foi o cestinha da partida com 16 pontos e duas assistências, sem falar no exímio aproveitamento nos chutes de três pontos, fator importante para manter a vantagem em diversos momentos.

Mas não é só de Mills que é feito o banco dos Spurs. Com o jogo praticamente ganho, Popovich acionou a “turma do terrão”, e eles não fizeram feio, não deixando a peteca cair no último quarto. Kevin Martin ilustra bem isso. O veterano, que chegou aos Spurs recentemente, vindo do Minnesota Timberwolves, atuou por 17 minutos e anotou dez pontos.

O banco é, depois da defesa, talvez a maior vantagem texana sobre os Grizzlies. Na noite desta terça, os suplentes da equipe de San Antonio foram responsáveis por 56 pontos, enquanto os reservas da equipe adversário anotaram ao todo 32.

Destaques da Partida

San Antonio Spurs

Patty Mills – 16 pontos e 2 assistências

Kawhi Leonard – 13 pontos, 2 rebotes e 2 roubos de bola

LaMarcus Aldridge – 10 pontos e 8 rebotes

Kevin Martin – dez pontos

Memphis Grizzlies

Tony Allen – 12 pontos e 3 rebotes

Zach Randolph – 11 pontos, 12 rebotes e 3 assistências

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 74 outros seguidores