Arquivo do autor:Gabriel Melloni

A magia de Orlando

Seguindo a série de análises das equipes de maior destaque na NBA, darei espaço na minha coluna de hoje ao Orlando Magic.

A equipe da Flórida já vinha crescendo nos últimos tempos. Depois de obter a pior campanha da NBA na temporada 2003-04, com apenas 21 vitórias, a franquia selecionou o jovem pivô Dwight Howard. Foi quando começou a ascensão.

Mesmo com o crescimento, o Orlando bateu na trave nas duas temporadas seguidas (2004-05 e 2005-06), conseguindo voltar aos playoffs apenas na de 2006-07, na última vaga do leste. A equipe melhorou ainda mais no ano seguinte, conseguindo a terceira colocação em sua conferência. Mas ainda assim, não foi páreo para equipes mais preparadas, como Boston e Cleveland.

Para esta temporada, a equipe ficou ainda melhor. Conta com a colaboração do armador Jameer Nelson, com médias de 17.1 pontos e 5.3 assistências; do ala-pivô Rashard Lewis, 19.3 pontos e 6 rebotes; além do ala Hedo Turkoglu, que vem contribuindo com 17.2 pontos por jogo.

Claro que todos eles têm colaborado com a equipe, mas a principal estrela e motivo pelo qual o Magic está nesta confortável situação é o super pivô Dwight Howard. Com médias de 20 pontos, 13.8 rebotes e 3.17 tocos por jogo, Howard está sendo peça chave para tornar o Orlando uma das melhores equipes da NBA. Com 34 vitórias e 10 derrotas, a franquia tem hoje o quarto melhor desempenho da temporada, atrás apenas de Celtics, Cavaliers e Lakers, e deve chegar com muito mais força aos playoffs do que nos últimos anos. Boston e Cleveland que se segurem, porque o Orlando vem para brigar.

Kobe x LeBron

A temporada continua e na última semana dois grandes concorrentes ao título que contam com os principais candidatos a MVP se enfrentaram. Lakers e Cleveland travaram o principal embate da rodada que homenageia Martin Luther King. Mais do que uma simples partida, esse encontro promovia o duelo de Kobe e LeBron, os dois maiores jogadores da NBA na atualidade. Fãs e especialistas não têm dúvidas quanto à qualidade de ambos, mas quando o assunto é “quem é o melhor?” há uma divisão.

No entanto, Bryant parece já ter assumido uma posição em relação a isso. Antes da partida, afirmou que James era o MVP da temporada até o momento. O camisa 24 da equipe de Los Angeles declarou: “Ele está jogando um basquete incrível e sou um de seus grandes fãs. James fez a melhor primeira metade de temporada e hoje seria o merecedor do prêmio de MVP, não tenho dúvidas.”

Os dois têm apresentado um basquete de altíssima qualidade e sem dúvida o prêmio estaria bem entregue para ambos. Mas infelizmente só um pode ganhar. No duelo entre as equipes lideradas por eles, no último dia 19, deu Lakers.  No entanto, o cestinha da partida foi LeBron: 23 pontos contra 20 de Bryant. Nas estátisticas da temporada, James também leva vantagem. São 27.6 pontos; 7.2 rebotes e 6.6 assistências, contra 27 pontos, 5.6 rebotes e 5.1 assistências de Kobe.

A disputa ainda está em aberto, inclusive para outros atletas, mas fazia algum tempo que dois jogadores não se destacavam tanto dos outros como fazem estes dois nesta temporada. A briga está boa e quem tem a ganhar com isso é só o basquete. Jogadores com qualidade acima do normal e líderes em quadra nunca são demais para a NBA.

Ascenção e queda

Queridos leitores; após algumas semanas de ausência devido a viagens de fim de ano com a família, estou de volta. Agradeço aos meus companheiros que me cobriram durante este tempo e peço desculpas a vocês pelo meu período distante.

Durante as últimas semanas, duas franquias tomaram o noticiário da NBA e foram assunto para os fãs de basquete. Uma por seu ótimo retrospecto e invencibilidade em casa e a outra por sua queda vertiginosa e inexplicável. É claro que eu estou falando dos dois principais candidatos ao título da conferência leste, Boston e Cleveland.

O atual campeão da NBA não consegue repetir as grandes atuações do começo de temporada, quando conseguiu uma série de 19 jogos invicto. Desde a rodada do Natal, quando foi derrotado pelos Lakers, o time não se achou mais e perdeu sete dos últimos 11 jogos. A crise é tão grande que até os antes “intocáveis” Ray Allen, Paul Pierce e Kevin Garnett estão sendo questionados. Segundo os fãs, os três estariam cansados devido à idade e produzindo pouco ofensivamente. Até o treinador da equipe, Doc Rivers, criticou seus jogadores, dizendo que a atitude em quadra precisa ser mudada e os arremessos de longa distância aprimorados.

O que ninguém consegue enteder mesmo é o motivo dessa queda. Não houve troca de jogadores ou contusões que pudessem afetar o rendimento da equipe. Pierce, Allen e Garnett estão presentes em todos os jogos. Será apenas uma má fase ou só o início de uma queda? Se serve de consolo para os fãs dos Celtics, a equipe venceu suas últimas duas partidas, ambas contra o Toronto.

Já os fãs dos Cavaliers estão rindo à toa. A equipe segue invicta em casa nesta temporada e vai passando por cima de seus adversários sem encontrar muitas dificuldades. LeBron James segue jogando demais e dando show. Mo Williams e Delonte West continuam marcando seus pontinhos. Varejão pegando rebotes e sendo importante na defesa. Nem a falta de Zydrunas Ilgauskas, machucado, está sendo sentida pelos novos líderes da divisão leste.

A equipe evoluiu muito do ano passado para esse. Alguns jovens jogadores ganharam mais experiência e estão sendo muito importantes para a equipe. Resta saber se na hora dos playoffs esses mesmos jogadores vão conseguir suportar a pressão e ter o mesmo rendimento da temporada regular. Mas se a queda do Boston continuar acontecendo, a equipe de Cleveland pinta como a principal favorita ao título da conferência leste.

Éramos segundo…

Na coluna de hoje darei um tempo na análise dos times de maior destaque nesse começo de temporada para comentar um fato que ocorreu comigo e me fez pensar em algumas coisas.

Nessa semana chegou até mim a informação de que um site especializado na cobertura de basquete estava à procura de estagiários. Antes de mandar meu currículo entrei no endereço para conhecer um pouco do trabalho e saber se me encaixava na função. Logo de cara percebi que pertencia a um grande portal, mas a estrutura e a qualidade se assimilavam muito à do nosso blog. Não me entenda mal leitor, não estou dizendo que nosso blog não tem qualidade. O que me assustou e me fez pensar foi saber que talvez o principal site sobre basquete de um grande portal brasileiro tenha a mesma estrutura de um blog criado por estudantes.

Isso tudo me fez pensar na cobertura dada pela imprensa oficial ao esporte que já foi o segundo na preferência dos brasileiros. Quase não se fala mais de basquete nos grandes veículos de imprensa hoje em dia. Mesmo na TV fechada, em canais como ESPN, por exemplo, o espaço está cada vez menor – basta lembrar que pouco tempo atrás não pudemos assistir às finais da NBA enquanto eram televisionadas emocionantes partidas de pôquer. E pensar que chegamos a ver canais abertos passando jogos, criando programas que falassem do assunto. Atualmente, quase toda a cobertura está nas mãos de blogs de fãs, sem o apoio dos grandes veículos.

É evidente a queda de popularidade do basquete no Brasil. Hoje, a grande maioria dos fãs de esporte elegem o vôlei como segundo em sua preferência. Mas será que a queda na popularidade aconteceu pela má cobertura ou a má cobertura aconteceu pela queda na popularidade? Quem nasceu primeiro? Parece claro que no meio disso tudo o descaso de quem cuida do esporte e a falta de apoio só prejudicam e empurram mais para baixo a notoriedade do basquete.

Creio que a paixão pelo esporte sobreviva por vontade dos fãs, que não desistem de torcer e procurar meios para acompanhar seus times. Mas não seria nada mau ver novamente ginásios lotados e a popularidade do basquete crescendo. Afinal, basquete também é uma paixão dos brasileiros.

Times de destaque, porém…

Na coluna de hoje continuarei analisando os times que têm se destacado nessa primeira parte da temporada. Depois de falar de Lakers, Celtics, Hawks, entre outros, abro espaço para comentar sobre duas franquias que vêm crescendo de produção e figuram entre os destaques da NBA neste ano.

O que esperar de um time que teve aproveitamento de 54.9% na última temporada, não se reforçou com grandes nomes e conta com apenas quatro jogadores com média de pontos acima de dez na atual temporada? Pois é, esse é o atual segundo colocado na conferência leste, o Cleveland Cavaliers. A franquia começou com alguns tropeços na atual temporada, mas se acertou e venceu os últimos nove jogos. Contando com seu principal líder, LeBron James, em grande fase, além de um ótimo trabalho de equipe defensivamente, os Cavaliers têm surpreendido e atropelado seus concorrentes.

Outra equipe que tem aparecido com destaque nesta temporada é o Portland Trail Blazers. Com um elenco jovem, sem medalhões ou grandes craques, o time é o terceiro da Conferência Oeste. Graças às ótimas atuações do ala-armador Brandon Roy, que vem sendo o principal pontuador de equipe com média de 20.8 pontos, além da força demonstrada por Greg Oden, o apoio de LaMarcus Aldridge e o ótimo reserva Rudy Fernandez, o Portland têm surpreendido a todos e pode finalmente voltar aos playoffs neste ano.

Porém, ambas as equipe contam com problemas que podem atrapalhar a sequência de bons resultados. Pelo lado do Cleveland, o principal problema é LeBron James, ou melhor, o fato de ele jogar praticamente sozinho, carregando seus companheiros no ataque. Se não houver maior apoio ofensivo à ele, ficará difícil bater os grandes rivais de conferência, como Boston, Orlando e Detroit.

Já o problema do Portland é outro. Por ser uma equipe muito jovem, formada com jogadores não tão acostumados aos playoffs, o time pode tremer em momentos decisivos. Uma coisa é jogar bem durante a temporada regular. Outra bem diferente é ter capacidade de brilhar na decisão, e isso nenhum jogador do time mostrou ser capaz de fazer ainda.