Spurs segundo os números: Os armadores

Por Matheus Gonzaga, do Layups & Threes

Dejounte Murray

Dejounte Murray (Reprodução/nba.com)

Dejounte Murray começou a temporada cercado de grandes expectativas, já que havia se tornado o jogador mais jovem a ir para um time de defesa da temporada em 2017/2018 (antes de perder toda a temporada 2018/2019 por uma lesão no joelho). O armador do San Antonio Spurs não teve tanto sucesso quanto alguns esperavam no último ano, mas passou longe de ir mal: jogou em média 25,9 minutos em 66 partidas (58 como titular), tendo 10,9 pontos por jogo, 46% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 37% em bolas de três (mas tentando menos de duas por jogo) e 80% em lances livres. Além disso, registrou médias por jogo de 5,8 rebotes 2º da equipe), 411 assistências (2º) e 1,7 roubadas de bola (1º do time e 9º da liga).

A maior questão sobre Murray é sua efetividade no ataque: o Spurs teve Offensive Rating de apenas 109,2 com ele em quadra, enquanto o número sobe para 111,4 com ele no banco, uma diferença significativa, mas não gigante. Vale ressaltar que isso não está apenas associado ao desempenho do armador, mas também aos jogadores com quem ele costuma a jogar junto.

Nesse lado ofensivo, sua maior dificuldade foi enquanto playmaker principal da equipe. Por um lado, sua razão de assistências para turnover foi bem digna e similar à de jogadores como Goran Dragic e De’Aaron Fox. Porém, por outro, quando Murray está em quadra sem Demar DeRozan (ou seja, quando Murray é o ball handler principal do Spurs) o Offensive Rating da equipe cai para péssimos 105,4. Novamente, vale dizer que isso não se deve apenas ao jovem, mas parece indicar que talvez seja melhor utilizá-lo como um condutor de bola secundário do que como armador principal.

Um ponto que corrobora com isso é seu desempenho arremessando após conduzir um pick-and-roll: conseguiu apenas 0,75 pontos por posse finalizando, número bem ruim e que mostra várias dificuldades para ele enquanto armador.

O arremesso também sempre foi um ponto questionável, mas o jogador demonstrou evolução nesse ponto na última temporada: ele dobrou seu volume de bolas de 3 (ainda que continue baixo) e teve boa eficiência, que foi ainda melhor se considerarmos o aproveitamento do armador em Catch & Shoot Threes: 41%, número muito bom. Caso Murray consiga manter essa porcentagem subindo o volume, isso provavelmente vai melhorar muito seu impacto ofensivo no Spurs.

Na meia distância, Murray é um bom arremessador: acerta 46%, número bom para a jogada, mas que não justifica que ele tente tantas bolas do tipo. Sob um viés de eficiência, seria melhor que direcionasse essas bolas para o perímetro.

O ponto mais preocupante do jogo ofensivo do armador e que reflete suas dificuldades armando é a finalização perto à cesta: o jovem acertou apenas 39,6% dos chutes na floater range, número bem ruim, e 55% dos arremessos na área restrita, o que revela dificuldades em executar arremessos no aro. A título de comparação, esse desempenho na área restrita é o 12º pior da NBA dentre os 102 jogadores com 200 ou mais tentativas na região. Esses números servem como prenúncio e estão diretamente relacionados a uma outra questão: sua dificuldade para bater para dentro.

Murray acerta apenas 44,1% de seus arremessos infiltrando, o que o coloca perto do percentil 25% da liga dentre os jogadores com 200 ou mais tentativas (isto é, ele só tem aproveitamento melhor que apenas 25% deles). Por outro lado, o armador cria muito bem para os companheiros na jogada, tendo o dobro de assistências do que de turnovers na mesma (16º da NBA inteira nessa razão).

Defensivamente, Murray se destaca: acho que o matchup mais notório dele é o contra James Harden, no qual ele cedeu apenas 0,77 pontos por arremesso do Barba (já considerando lances livres que com faltas) ao ceder apenas 16% de FG, um número incrível e segunda maior marca da NBA, atrás apenas de Lu Dort. O jovem também teve muito sucesso marcando nomes como Donovan Mitchell e Paul George e anulou diversos armadores não estrelas, como Jordan Clarkson, Lonzo Ball e Emmanuel Mudiay, que sofreram muito na mão do jogador do Spurs. Por outro lado, ele não foi bem marcando alguns dos melhores armadores da NBA, como Chris Paul e Damian Lillard.

No geral, Murray parece ter potencial para ser um guard stopper de elite, já sendo bom e tendo tudo para se tornar um dos melhores jogadores da liga em dificultar a vida de armadores adversários.

Um outro ponto relevante associado a isso é que o armador é um excelente defensor de isolação (o que explica os números contra Harden). Nas 48 posses de 1 contra 1 que o armador defendeu, ele cedeu apenas 0.75 pontos por posse. O jovem também teve sucesso (mas menos brilhante) ao marcar pick and rolls, handoffs e fazendo closeouts. Por outro lado, ele sofreu um pouco para correr atrás de arremessadores em corta-luzes, mas trata-se de uma falha bem pontual.

No geral, Murray é um jogador que já é um excelente defensor e tem um potencial muito grande para se tornar ainda melhor, possivelmente um dos melhores marcadores de armadores de toda a liga. No ataque, ele não parece ter a habilidade de ser um condutor de bola principal, sofrendo para conduzir pick and rolls, infiltrar e criar o seu arremesso. Por outro lado, caso o desenvolvimento de seu arremesso se confirme, isso se soma à sua capacidade de passar bem em drives e permite que ele seja usado como um ball handler secundário: parcialmente como um condutor de bola e parcialmente como um arremessador.

Para finalizar, uma curiosidade: Murray foi o jogador que mais se locomoveu em quadra em média em toda a NBA, correndo 52 metros por minuto.

Derrick White

Derrick White (Reprodução/celebion.com)

O caso de Derrick White é curioso: o jogador é considerado parte do young core do Spurs, mas na realidade já tem 26 anos, estando mais perto da idade de Bryn Forbes (27 anos e não considerado parte dos jovens do elenco) do que de jogadores como Lonnie Walker, Keldon Johnson e Dejounte Murray. Por outro lado, o camisa #4 é o mais completo desses jogadores. Vamos aos números básicos: nos 68 jogos que jogou (apenas 20 como titular), o armador teve médias por partida de 24,7 minutos, 11,3 pontos (46% FG e 37% 3PT, em cerca de 3 tentativas por jogo), 3,5 assistências, 3,3 rebotes e 0,9 tocos, sendo o líder da NBA entre guards na categoria.

Na bolha, White foi o jogador do Spurs que mais evoluiu, tendo médias por jogo de 18,9 pontos, cinco assistências, 4,3 rebotes e 0,6 tocos. Manteve um aproveitamento de quadra similar (45.5%) e teve uma grande alteração em seu jogo: arremessando oito bolas de três por partida (quase três vezes mais que antes), ele acertou 39,3%, marca excelente considerando o volume. Claro que se trata de uma amostra pequena, mas esses números indicam que o armador talvez tenha potencial para ser mais que um bom jogador complementar.

Falando de aspectos mais específicos, White sabe cuidar bem da bola: tem uma razão de assistências por turnovers de 2,71, estando entre os 10% melhores da liga. Por outro lado, nos minutos sem DeRozan, o Offensive Rating do Spurs com o camisa #4 em quadra cai.

Por outro lado, o ponto mais forte ofensivo de White pode indicar um potencial para ele ser um armador primário: sua capacidade de infiltrar é incrível. O armador está entre os vinte melhores da liga tanto finalizando quando passando nessa situação, algo importantíssimo para um condutor primário na NBA moderna.

Esses números em drives são curiosos pois, no geral, White não é o melhor finalizador no aro: conseguiu poucos arremessos na área restrita e acertou aproximadamente 58,8% dos mesmos. Por outro lado, na floater range ele se sai bem: dentre jogadores com 100 ou mais tentativas, o camisa 4 teve o oitavo melhor aproveitamento da liga inteira (51,4%), além de estar por volta do percentil 70% de toda a NBA em percentual de faltas cavadas nas drives (7,7%). Esses dois fatores explicam o sucesso do jogador do Spurs finalizando nas infiltrações mesmo não sendo o jogador mais imponente fisicamente.

A capacidade de criação de White também passa por ele saber operar um pick and roll: ele tem 1 ponto por posse na jogada, número apenas ok no vácuo, mas extremamente bom considerando que finalizações de ball handlers não tendem a ser tão eficientes nesta jogada. Ele foi o décimo primeiro finalizador mais eficiente na jogada em toda a NBA (mínimo de 200 tentativas), tendo estado logo à frente de lendas como LeBron James e James Harden.

Quanto ao arremesso de três pontos, o perfil de White antes da bolha era bem claro: bom arremessador de catch and shoot em baixo volume (39% em duas tentativas por partida), mas que não arremessa bem do do drible e nem costuma a tentar esses chutes (32% em uma tentativa por partida). em Orlando, como já dissemos, o armador arriscou muito mais bolas do perímetro, mas essa mudança se deu principalmente nos arremessos de catch and shoot. O camisa #4 manteve volume semelhante em pull ups tentados e não foi eficiente (tentou um total de 11 na bolha e acertou apenas três).

Por outro lado, em arremessos de “pegar e arremessar”, houve uma mudança drástica: White teve 45 tentativas totais nas suas sete partidas (subindo de duas para mais de seis a cada jogo) e converteu 19 delas, com ótimo aproveitamento de 42,2%. Esses números, por mais que a amostra seja pequena, me parecem possíveis de manter: a eficiência e o perfil dos arremessos do jogador não parecem ter mudado tanto, aparentemente ele apenas foi mais agressivo com as tentativas ao receber a bola, além de ter convertido ligeiramente melhor os chutes.

A defesa é também um ponto forte de White. O primeiro ponto que chama atenção obviamente é sua capacidade de cavar faltas de ataque: o jogador do Spurs foi o segundo (empatado com Montrezl Harrell) que mais o fez em toda a liga, com um total de 30, atrás apenas de Kyle Lowry, com 34. Curiosamente, 11 dessas 30 faltas que White cavou foram nos sete seeding games que o camisa #4 jogou em Orlando, o que indica que talvez se trate de um aspecto que está em desenvolvimento e que pode melhorar ainda mais.

Entretanto, a defesa de White não se resume apenas a atrair charges: o jogador se saiu extremamente bem marcando diversas estrelas da liga. Limitou Damian Lillard a 0,96 pontos por arremesso, Luka Doncic a 0,97 e Russell Westbrook e James Harden a 0,85, algo que indica que ele também é um guard stopper, assim como Murray.  Por outro lado, o armador sofreu principalmente ao marcar Chris Paul e Devin Booker.

Mas defesa não é só sobre marcar estrelas: em geral, White é ótimo marcando ball handlers: cedeu 0,84 pontos por posse defendendo em um contra um e 0,92 combatendo armadores em pick and roll. Por outro lado, seus números marcando ações como handoffs e spotups foram bem medianos, algo que indica que o jogador se sai melhor como defensor on-ball que off-ball.

No geral, White é um jogador muito melhor que suas médias indicam: trata-se de um glue guy, jogador que faz um pouco de tudo de forma muito eficiente, e creio que seja capaz de ser titular (ou talvez até o terceiro melhor jogador) em um contender, mesmo que não uma estrela. O camisa #4 é capaz de ser um armador primário (apesar de não ser fantástico no papel pela falta de arremesso do drible) devido à sua capacidade de cuidar da bola, de infiltrar e operar pick and rolls, e também pode ser usado como jogador off-ball, com seu bom arremesso de catch and shoot. No outro lado da quadra, ele se projeta como um excelente defensor de armadores adversários, se saindo muito bem marcando jogadores com a bola e tendo tido sucesso contra várias estrelas.

Patty Mills

Patty Mills (Reprodução/facebook.com/pattymillsforstarter)

O arremesso é o ponto mais importante do jogo do australiano, que tem um perfil típico de shooters: Mills teve excelente aproveitamento da zona morta (46% em 87 tentativas) e razoável no restante dos tiros de três (36,3% em 314 tentativas). Se saiu melhor em arremessos de catch and shoot, tendo acertado 40,2% das suas 244 tentativas (contra 34,5% em 142 nos arremessos do drible). O jogador também se destaca em arremessos de handoffs, registrando 1,11 pontos por posse em 93 tentativas.

Mas Mills não vive apenas de seu arremesso: por mais que o armador tenha tido dificuldades de chegar na área restrita (93 arremessos em toda a temporada), ele converteu com bom aproveitamento: 67,1%, além de ter tido bons números em drives, por mais que em volume baixo: converteu 56,1% dos seus arremessos infiltrando.

Esses números de infiltração também servem como prenúncio para sua boa capacidade de operar um pick and roll: Patty teve 1 ponto por posse em 186 tentativas, um número excelente (como falamos na parte de White) para o contexto da jogada.

Defensivamente, o caso do armador é curioso: Mills se sai bem marcando no um contra um e em pick and rolls, mas cede muitos pontos em spot ups (1,14 pontos por posse), algo que pode indicar que, por sua baixa estatura, ele pode ter dificuldades em fazer closeouts e contestar bolas de três.

De qualquer modo, sua presença não piora a defesa do Spurs: na realidade, a mesma é quatro pontos por 100 posses melhor com ele em quadra (provavelmente isso está associado a outros fatores, mas indica que ele não tem um impacto negativo significativo defensivamente), e o mesmo acontece ofensivamente. No geral, o Net Rating do australiano é o segundo maior da franquia texana: 9,2 (isto é, o time vence em média por 9,2 pontos cada 100 posses com Mills em quadra).

Mills é um excelente role player: Ótimo arremessador para catch and shoot, capaz de arremessar de handoffs e de comandar o ataque em momentos (bom operador de pick and roll e que tem um pull up digno), se tornando um perfeito sexto homem. Defensivamente não prejudica, apesar da dificuldade com closeouts.

Sobre Equipe Spurs Brasil

Seu site de notícias sobre o San Antonio Spurs em português. Ativo desde fevereiro de 2008.

Publicado em 08/11/2020, em Análises, Artigos. Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.