Arquivo mensal: junho 2018

Quem o Spurs planeja selecionar no Draft?

Nesta quinta-feira (21), o San Antonio Spurs terá importante oportunidade de começar a construção de seu elenco rumo à temporada 2018/2019 da NBA. Nesta data, ocorre o Draft da liga americana de basquete, e a franquia texana tem posse das escolhas 18 e 49, historicamente altas se levarmos em conta o passado recente do alvinegro. De olho no recrutamento de calouros, o que será que está nos planos de Gregg Popovich, R.C. Buford e companhia?

Troy Brown fez treinos privados com o Spurs (Reprodução/nba.com)

Para isso, é possível juntar informações de três sites para entender o plano do Spurs. O primeiro é o HoopsHype, que compilou quais jogadores fizeram treinos privados com quais franquias. Com o levantamento, é possível perceber que o alvinegro prioriza as alas na primeira rodada, e abre a possibilidade de selecionar alguém para o garrafão na segunda.

A conclusão também é possível graças à posição em que os futuros novatos estão projetados por Jonathan Givony, especialista em Draft da ESPN e talvez o mais bem conceituado do mundo sobre o tema. Por fim, pode-se utilizar a avaliação dos jogadores produzidas pelo The Stepien, uma das mais completas fontes de informação individual sobre os prospectos.

Veja, a seguir, os jogadores que treinaram com o Spurs e suas características:

20 – Donte DiVincenzo

Ala-armador de 21 anos de idade e 1,96m de altura, Donte DiVincenzo acaba de concluir sua terceira temporada no basquete universitário americano, na qual teve médias de 13,4 pontos, 4,8 rebotes e 3,5 assistências em 29,3 minutos por jogo pelo Villanova Wildcats, convertendo 48,1% de seus arremessos de quadra, 40,1% de suas bolas de três pontos e 71% de seus lances livres. É cotado pelo DraftExpress para sair na 20ª escolha, duas abaixo da do Spurs.

DiVincenzo não tem perfil no Stepien, mas o próprio DraftExpress o descreve como alguém que chama atenção por sua valentia e agressividade nos dois lados da quadra. Além disso, se destaca por seu aproveitamento nos arremessos de três pontos. Consequentemente, não precisa ter a bola nas mãos para pontuar. Sua limitação seria seu tamanho, que impede que ele consiga marcar alas maiores com o nível físico de NBA com a eficiência desejada.

21 – Troy Brown

Ala-armador de 18 anos de idade e 2,01m de altura, Troy Brown acaba de concluir sua primeira temporada no basquete universitário americano, na qual apresentou médias de 11,3 pontos, 6,2 rebotes e 3,2 assistências em 31,2 minutos por exibição pelo Oregon Ducks, convertendo 44,4% de seus arremessos de quadra, 29,1% de suas bolas de três pontos e 74,3% de seus lances livres. É cotado pelo DraftExpress para sair na 21ª escolha, três abaixo da do Spurs.

De acordo com o Stepien, o que torna Brown um prospecto interessante é sua versatilidade. No ataque, tem visão de jogo que pode transformá-lo em um sólido condutor de bola. Na defesa, seu tamanho e sua capacidade fazem com que ele seja capaz de marcar jogadores de diferentes posições. Além disso, a energia com que atua faz com que ele possa se tornar facilmente um favorito de seus treinadores. Como ponto fraco, está seu arremesso de três pontos, que precisa melhorar muito para que o jovem consiga explorar o seu potencial.

24 – Josh Okogie

Ala-armador de 19 anos de idade e 1,93m de altura, Josh Okogie acaba de concluir sua segunda temporada no basquete universitário americano, na qual apresentou médias de 18,2 pontos e 6,3 rebotes em 36,4 minutos por exibição defendendo as cores do Georgia Tech Yellow Jackets, convertendo 41,6% de seus arremessos de quadra, 38% de suas bolas de três pontos e 82,1% de seus lances livres. É cotado pelo DraftExpress para sair na 24ª colocação, o que mostra que o jogador provavelmente estará disponível na primeira rodada para o Spurs.

Segundo o Stepien, Okogie tem potencial para contribuir com defesa e bolas de três pontos, além de ter visão de jogo capaz de torná-lo um condutor de bola interessante. Para isso, no entanto, precisa melhorar o controle de bola. Além disso, apesar do aproveitamento de 38% de longa distância, sua mecânica de arremesso causa preocupação, e uma possível queda de desempenho na tradução para a liga profissional pode fazer com que seu valor despenque.

26 – Dzanan Musa

Ala bósnio de 19 anos de idade e 2,06m de altura, Dzanan Musa já atua pelo time profissional do Cedevita Zagreb, da Croácia, há três temporadas. Na última, apresentou médias de 12,4 pontos e 3,5 rebotes em 23,1 minutos por exibição, convertendo 47% de seus arremessos de quadra, 31,3% de suas bolas de três pontos e 80,4% de seus lances livres. É cotado pelo DraftExpress para sair na 24ª escolha, o que mostra que é provável que ainda esteja disponível para o Spurs.

Segundo o Stepien, a combinação de altura com agilidade e controle de bola torna Musa um prospecto interessante. Resta saber se as virtudes continuarão quando o ala tiver de enfrentar adversários com o tamanho e atleticismo médio que os jogadores da posição têm na NBA.

28 – Moritz Wagner

Pivô de 21 anos de idade e 2,11m de altura, Moritz Wagner acaba de concluir sua terceira temporada no basquete universitário americano, na qual teve médias de 14,6 pontos e 7,1 rebotes em 27,6 minutos por jogo pelo Michigan Wolwerines, convertendo 52,8% de seus arremessos de quadra, 39,4% de suas bolas de três e 69,4% de seus lances livres. É cotado pelo DraftExpress a 28ª posição, o que torna provável que ele esteja disponível na 19ª.

Segundo o Stepien, Wagner tem grande potencial ofensivo. O pivô tem capacidade de criar enfrentando seu adversário de frente e de arremessar de três, o que faz com que ele também possa render sem ter a bola na mão. Além disso, na última temporada, mostrou evolução nos rebotes, no controle de bola e na marcação. Mesmo assim, as exigências da NBA moderna fazem com que ele provavelmente seja um defensor ruim, o que limita sua cotação.

30 – Jalen Brunson

Armador de 21 anos de idade e 1,91m de altura, Jalen Brunson acaba de concluir sua terceira temporada no basquete universitário americano, na qual teve médias de 18,9 pontos, 4,6 assistências e 3,1 rebotes em 31,8 minutos por jogo pelo Villanova Wildcats, convertendo 52,1% de seus arremessos de quadra, 40,8% de suas bolas de três pontos e 80,2% de seus lances livres. É cotado pelo DraftExpress para sair na 30ª colocação, entre as duas escolhas do Spurs.

De acordo com o Stepien, o potencial de Brunson é baseado em sua inteligência, sua força e seu jogo ofensivo completo. No entanto, seu tamanho e sua falta de ferramentas físicas fazem com que seja difícil imaginar que o jogador consiga algo além de um papel de reserva na NBA. É o único armador presente nesta lista de prospectos observados pelo Spurs.

43 – Gary Trent Jr.

Ala-armador de 19 anos de idade e 1,98m de altura, Gary Trent Jr. acaba de concluir sua primeira temporada no basquete universitário americano, na qual teve médias de 14,5 pontos e 4,2 rebotes em 33,9 minutos por jogo pelo Duke Blue Devils, convertendo 41,5% de seus arremessos de quadra, 40,2% de suas bolas de três e 87,6% de seus lances livres. É cotado pelo DraftExpress para a 42ª posição, o que mostra que, com sorte, ele pode sobrar na 49ª.

De acordo com o Stepien, o tamanho de Trent Jr. e sua confiança para arremessar fazem com que ele tenha capacidade para se tornar um jogador de perímetro que contribui com defesa e bolas de três pontos. Para isso, no entanto, o ala-armador precisa mudar sua mentalidade, já que atuou mais como pontuador no basquete universitário, e não terá essa possibilidade na liga profissional americana caso sua capacidade ofensiva não aumente consideravelmente.

45 – Omari Spellman

Pivô de 20 anos de idade e 2,06m de altura, Omari Spellman acaba de concluir sua primeira temporada no basquete universitário americano, na qual apresentou médias de 10,9 pontos e oito rebotes em 28,1 minutos por exibição pelo Villanova Wildcats, convertendo 47,6% de seus arremessos de quadra, 43,3% de suas bolas de três pontos e 70% de seus lances livres. É cotado pelo DraftExpress para sair na 45ª posição, o que o torna um alvo possível para a 49ª.

Spellman não tem perfil no Stepien, mas outras avaliações mostram que ele é um pivô com ferramentas físicas impressionantes e com perícia nos arremessos de longa distância. Sua falta de agilidade, no entanto, é preocupante com as atuais exigências da NBA.

Sem ranking – Alize Johnson

Ala-pivô de 22 anos de idade e 2,06m de altura, Alize Johnson acaba de concluir sua segunda temporada no basquete universitário americano, na qual apresentou médias de 15 pontos e 11,6 rebotes em 31,2 minutos por exibição pelo Missouri St Bears, convertendo 43% de seus arremessos de quadra, 28,1% de suas bolas de três pontos e 75,9% de seus lances livres. Não está entre os sessenta cotados para o recrutamento de calouros no DraftExpress e tem poucas avaliações individuais ao redor dos sites especializados em prospectos do Draft.

Sem ranking – Brandon McCoy

Pivô de 20 anos de idade e 2,13m de altura, Brandon McCoy acaba de concluir sua primeira temporada no basquete universitário americano, na qual apresentou médias de 16,9 pontos e 10,3 rebotes em 28,8 minutos por exibição pelo UNLV Rebels, convertendo 54,5% de seus arremessos de quadra, 33,3% de suas bolas de três pontos e 72,5% de seus lances livres. Não está entre os sessenta cotados para o recrutamento de calouros no DraftExpress.

Johnson não tem perfil no Stepien, mas outras avaliações dizem que o jogador tem nas ferramentas físicas seu ponto forte. No entanto, como ocorre com outros pivôs, a falta de agilidade faz com que ele seja um encaixe difícil se consideradas as exigências da NBA.

Anúncios

Gay declina opção e se torna agente livre, diz jornalista

Segundo reportagem de Chris Haynes, jornalista da ESPN americana, Rudy Gay decidiu não exercer sua opção de renovação com o San Antonio Spurs para 2018/2019. Com isso, o ala se torna agente livre irrestrito e pode negociar com qualquer franquia a partir de dia 1º.

Gay se tornará agente livre dia 1º (Reprodução/clutchpoints.com)

Gay tinha opção de renovar unilateralmente com o Spurs para a próxima temporada para receber US$ 8.826.300,00 no período. A recusa, no entanto, não necessariamente significa que o ala vai deixar a franquia texana, já que ele pode negociar um novo contrato com o alvinegro.

Ala de 31 anos de idade, Gay acaba de concluir sua primeira temporada pelo Spurs. Na campanha, apresentou médias de 11,5 pontos e 5,1 rebotes em 21,6 minutos por exibição.

O que o Spurs pode conseguir em troca de Leonard?

Nesse sábado (16), surgiu na imprensa americana a notícia de que Kawhi Leonard deseja deixar o San Antonio Spurs. Embora ainda exista a cada vez menor possibilidade de Gregg Popovich, R.C. Buford e companhia convencerem o jogador a continuar na equipe, cada vez mais a franquia texana precisa planejar o seu futuro sem contar com o camisa #2. Para isso, uma pergunta é importantíssima: o que é possível conseguir em troca do ala?

Leonard pode estar de saída do Spurs (Eric Gay/Getty Images)

Para responder à essa questão, primeiramente é preciso medir qual o valor de mercado de Leonard. O ala é um jogador adequado às exigências da NBA moderna e, aos 26 anos de idade, já tem um título, um MVP das Finais, dois prêmios de melhor defensor da temporada e o prêmio de maior ladrão de bolas da temporada 2014/2015. Além disso, já foi eleito duas vezes para o All-Star Game, duas para o time ideal da NBA, três para o time ideal de defesa da NBA, uma para o segundo time ideal de defesa da NBA e uma para o time ideal de novatos da NBA.

Dito isso, é muito difícil imaginar que o valor de mercado de Leonard esteja no auge depois de tudo o que aconteceu recentemente envolvendo o jogador e o Spurs. Certamente, qualquer outra franquia da NBA tem dúvidas sobre o estado físico do ala, que jogou apenas nove jogos na última temporada enquanto lidava com uma lesão no quadríceps da perna direita. Além disso, problemas de relacionamento com uma das agremiações mais bem conceitadas da NBA e com um dos técnicos mais bem relacionados da liga certamente não ajudam na causa.

Além disso, Leonard só tem mais um ano de contrato garantido, com opção de renová-lo unilateralmente para a temporada 2019/2020. Certamente, o rumor de que ele gostaria de jogar na Califórnia, preferencialmente no Los Angeles Lakers, fará com que muitas franquias tenham medo de trocar por ele para 12 meses depois vê-lo partir de graça para os angelinos.

Basta ver o que aconteceu com Paul George. Um dos melhores jogadores da NBA, vivendo seu último ano de contrato e com rumores de que gostaria de jogar no Lakers, foi enviado pelo Indiana Pacers para o Oklahoma City Thunder em troca de Victor Oladipo e Domantas Sabonis, retorno de baixo valor. E o ala estava saudável, o que não é certeza com Leonard.

Avaliando todo este cenário, Victor Camargo, do site Two-Minute Warning, ajudou o Spurs Brasil a bolar cenários de troca realistas envolvendo Leonard no mercado da NBA. Confira abaixo possíveis parceiros na transação e o que o Spurs pode ganhar de retorno.

Boston Celtics – Terry Rozier, Jaylen Brown e escolha de 2019

Terry Rozier terminou a última temporada com médias de 11,3 pontos e 4,7 rebotes em 25,9 minutos por exibição, convertendo 38,1% de seus arremessos de três pontos. Jaylen Brown, por sua vez, terminou a última temporada com médias de 14,5 pontos e 4,9 rebotes em 30,7 minutos por exibição, convertendo 39,5% de seus arremessos de três pontos. Os números mostram que os dois teriam excelente encaixe com Dejounte Murray e LaMarcus Aldridge no time titular do Spurs. Para tornar a troca ainda mais atrativa, o armador tem 24 anos de idade e mais duas temporadas do seu contrato de novato pela frente, enquanto o ala tem 21 anos de idade e mais três temporadas do seu contrato de novato pela frente. O Celtics ainda poderia enviar a escolha de primeira rodada de 2019 do Sacramento Kings, ativo interessante que daria ainda mais potencial ao núcleo jovem da equipe texana. A franquia de Boston ainda teria de bater salários para fazer a transação funcionar, o que poderia dar certo se envolvesse contratos expirantes como os de Greg Monroe e Aron Baynes, que vencem no dia 30 deste mês.

Dallas Mavericks – Harrison Barnes e a 5ª escolha

Na rotação do Spurs, Harrison Barnes poderia exercer a função de Leonard, se tornando um ala pontuador que ajuda Danny Green a defender os astros adversários no perímetro. Claro que faria o papel com muito menos qualidade. Por isso, a franquia texana receberia como recompensa a valiosa quinta escolha do Draft deste ano. A troca seria ainda mais atrativa se Luka Doncic ainda estivesse disponível. Aos 19 anos de idade, o esloveno é um ala-armador muito criativo, com carreira já vitoriosa jogando pelo Real Madrid e pela seleção do seu país e que acertou 32,9% de seus arremessos de três pontos na última temporada. Ele poderia tanto dividir a responsabilidade com Murray na armação quanto vir do banco de reservas em função semelhante à que Manu Ginobili exerceu no auge a serviço do alvinegro. Nesta posição, ainda pode ser possível selecionar Mohamed Bamba, pivô de grande potencial mas que também carrega grande possibilidade de risco dadas as exigências da NBA moderna.

Los Angeles Clippers – Tobias Harris, a 12ª escolha e a 13ª escolha

Embora os rumores dizem que Leonard prefira o Lakers, o Los Angeles Clippers pode se empolgar e tentar formular uma proposta pelo ala. A mais atrativa envolveria Tobias Harris, que poderia servir como um moderno companheiro de garrafão para Aldridge, empurrando o camisa #12 definitivamente para a posição de pivô. Além disso, com as escolhas 12 e 13, o Spurs ainda poderia qualificar seu núcleo jovem com mais dois prospectos, como o armador Collin Sexton, o ala-armador Lonnie Walker IV, o ala Miles Bridges e o moderno pivô Robert Willams.

New York Knicks – Frank Ntilikina e a 9ª escolha

Com apenas 19 anos de idade e com 1,96 de altura, Frank Ntilikina pode ser desenvolvido para se tornar o parceiro ideal de Murray na armação: um segundo condutor de bola que defende bem no perímetro e arremessa de três pontos – em sua primeira temporada na NBA, o francês converteu 31,8% de suas bolas de longa distância. Isso empurraria definitivamente Green para a posição de ala. Além disso, a nona escolha do Draft pode render jogadores promissores como os alas Kevin Knox e Mikal Bridges. Para fazer a transação funcionar em termos de salários, o Knicks provavelmente teria de enviar ainda o contrato expirante de Enes Kanter, pivô que tem uma player option para a próxima temporada. Outra opção seria envolver o ala-armador Courtney Lee, que ainda tem dois anos de contrato e pode ser útil na rotação da equipe texana.

Philadelphia 76rs – Markelle Fultz, Robert Covington e a 10ª escolha

Primeira escolha do Draft de 2017, Markelle Fultz viveu drama semelhante ao de Leonard durante o ano, centrado em uma lesão, e bizarramente desaprendeu a arremessar, mesmo após curar o ombro machucado. Isso faz com que ele se torne um encaixe difícil com Murray, mas não dá para negar que se trata de um armador de imenso potencial – e de apenas 20 anos de idade. Além disso, o arremesso costuma ser o fundamento em que o Spurs tem mais facilidade de desenvolver em seus jogadores. Na transação, os texanos ainda receberiam Robert Covington, ala defensivo de 2,06m de altura que acertou 36,9% de suas bolas de três pontos na última temporada. A transação seria completa com a décima escolha, que, além dos já citados Knox e Bridges, poderia virar o ala-armador Shai Gilgeous-Alexander. Para completar a transação, seria preciso enviar um pequeno salário para o 76ers, como o expirante de Bryn Forbes.

Phoenix Suns – Josh Jackson, Dragan Bender e a 16ª escolha

Na última temporada, sua primeira na NBA, Josh Jackson converteu apenas 26,3% de suas bolas de três pontos, o que a princípio tornaria o encaixe com Murray e Aldridge complicado. Mesmo assim, trata-se de um ala de 21 anos de idade, 2,03 de altura e com médias de 13,1 pontos e 4,6 rebotes em 25,4 minutos por exibição em seu ano como novato. Talento e potencial não faltam, e, como já citado, o Spurs costuma ter excelência ao desenvolver o arremesso de seus jogadores. Dragan Bender, por sua vez, é um pivô de 20 anos de idade inteiramente adequado às exigências da NBA moderna: é ágil para defender no perímetro e converteu 36,6% de suas bolas de longa distância na última temporada. A troca ficaria ainda mais atrativa se Robert Williams, raro pivô moderno com agilidade que o faz ser comparado a Clint Capela, estivesse disponível na 16ª escolha do Draft. O ala Zhaire Smith seria outra opção interessante nesta altura do recrutamento de calouros. Porém, a transação seria difícil de funcionar, já que o Suns teria de mandar salários ingratos como o de Tyson Chandler ou o de Jared Dudley ou uma combinação de Tyler Ulis e Troy Daniels, dois jovens jogadores que podem ser úteis.

Lauvergne deve deixar o Spurs, diz jornal

De acordo com reportagem do jornal americano San Antonio Express-News, Joffrey Lauvergne deve deixar o San Antonio Spurs. O pivô francês planeja voltar a atuar no basquete europeu.

Lauvergne em ação pelo Spurs (Reprodução/eurohoops.net)

Lauvergne tem a opção unilateral de renovar contrato com o Spurs para a temporada 2018/2019 para ganhar US$ $1.656.092,00 no período. O jogador deve abrir mão deste direito, já que acredita que pode conseguir propostas mais lucrativas de clubes da Europa.

Assim, Lauvergne pode se transformar na segunda baixa no elenco para a próxima temporada. Segundo relatos da imprensa americana, Kawhi Leonard também deseja deixar o Spurs.

Na última temporada, sua primeira com a camisa do Spurs, Lauivergne disputou 55 jogos pela equipe texana, apresentando médias de 4,1 pontos e 3,1 rebotes em 9,7 minutos por exibição.

Kawhi Leonard teria pedido para ser trocado

Por Pedro Vinícius

A paciência de Kawhi Leonard com o San Antonio Spurs aparentemente acabou. Depois de decepcionante temporada em que o ala fez apenas nove jogos em meio ao tratamento de uma lesão no quadríceps da perna direita, o jogador, segundo reportagem da ESPN americana, pretende solicitar para a franquia texana uma troca. O camisa #2 gostaria de ser enviado para uma equipe da região da Califórnia, preferencialmente o Los Angeles Lakers.

Leonard deve estar de saída (Thearon W. Henderson/Getty Images)

O jogador, obtido por meio de troca com o Indiana Pacers em 2011, em negocio que envolveu George Hill, teve números formidáveis nas últimas duas temporadas. Seus 23,4 pontos e 6,3 rebotes por exibição, com 50% de aproveitamento nos arremessos de quadra e 41% nas bolas de três pontos, ajudaram a colocar os Spurs nos playoffs em dois anos seguidos. Além disso, o ala foi eleito o melhor defensor da liga em 2014/2015 e 2015/2016.

O repórter Chris Haynes, da ESPN, publicou que “o ala estaria insatisfeito pela forma como a franquia lidou com sua lesão”. Consolidando essa informação, o repórter Adrian Wojnarowski informou que Los Angeles Lakers e Boston Celtics estariam dispostos a negociar pela estrela.

Mas porque Leonard aparentemente decidiu sair dos Spurs? Porque o jogador que foi considerado o futuro da franquia desistiu do plano e deseja uma troca?

A recuperação após a lesão foi um verdadeiro desastre. A franquia de San Antonio e o grupo de apoio de Leonard não cooperaram entre si, e a única coisa que aconteceu foi uma prolongação do período em que Leonard ficou afastado das quadras durante a temporada.

Matéria publicada pela ESPN deu indícios que explicavam o problema. Leonard nunca foi um jogador da mídia, sempre esteve quieto e cooperando para o bem da franquia. Porém, nesse caso o seu entorno apareceu para debater com o Spurs formas de recuperar o atleta.

A franquia nunca recebeu de bom grado palpites externos, e os métodos emplacados por Gregg Popovich e sua comissão sempre foram suficientemente satisfatórios. Com tal ação, o Spurs, em palavras proferidas por seu técnico, era uma organização impotente e frustrada, aguardando que o principal jogador da franquia e seu estafe dissessem o que viria pela frente.

Apesar da questão ter sido tratada internamente, algumas declarações ajudam a entender o que acontece nos bastidores. Segundo relatos da imprensa americana, houve reunião de jogadores em que Tony Parker, Manu Ginobili, Danny Green e Rudy Gay participaram para entender o que passava na cabeça de Leonard. Em declaração pública, o armador francês afirmou que sua lesão foi “100 vezes pior” do que a do camisa #2, deixando vazar certa insatisfação com o astro.

Popovich sempre saía em defesa do ala publicamente, mas também fazia declarações contra o grupo de Leonard, como em dezembro. “Vocês vão ter que perguntar para o grupo dele”, disse o técnico, quando questionado sobre quando o ala voltaria a jogar. Mesmo assim, sempre existiu entre os torcedores a esperança de que o treinador pudesse resolver a questão.

No início dessa semana, foi noticiado que Popovich e Leonard estavam tentando marcar uma reunião para aparar as arestas e tentar ajustar o relacionamento. No entanto, antes que o encontro pudesse acontecer, surgiu a informação de que o ala deseja deixar o Spurs.