Draft será exceção na história recente do Spurs

Como esperado, o San Antonio Spurs não foi páreo para o Golden State Warriors e acabou derrotado logo na primeira rodada dos playoffs. Com a eliminação, é hora de voltar a atenção para a primeira etapa da reconstrução da equipe rumo à próxima temporada: o Draft de 2018, que acontecerá no dia 21 de junho, no Braclays Center, ginásio do Brooklyn Nets localizado em Nova York. A boa notícia é que o alvinegro venceu o sorteio de desempate contra o Minnesota Timberwolves depois que as duas equipes terminaram a fase de classificação com a mesma campanha. Deste modo, os texanos terão as escolhas 18 e 49 do recrutamento de calouros, muito mais altas do que as possuídas na história recente da franquia.

Spurs não tem escolhas tão altas no Draft desde que selecionou Kawhi Leonard e Davis Bertans no recrutamento de calouros de 2011 (Edward A. Ornelas/San Antonio Express-News)

A escolha 18, especialmente, precisa ser olhada com carinho. Ente todos os 17 jogadores que compuseram o elenco do Spurs nesta temporada, só LaMarcus Aldridge, Pau Gasol, Rudy Gay e Kawhi Leonard foram selecionados em posições mais altas em seus respectivos Drafts:

LaMarcus Aldridge foi selecionado pelo Chicago Bulls na escolha do Draft de 2006;
Pau Gasol foi selecionado pelo Atlanta Hawks na escolha do Draft de 2001;
Rudy Gay foi selecionado pelo Houston Rockets na escolha do Draft de 2006;
Kawhi Leonard foi selecionado pelo Indiana Pacers na 15ª escolha do Draft de 2011;
Tony Parker foi selecionado pelo San Antonio Spurs na 28ª escolha do Draft de 2001;
Dejounte Murray foi selecionado pelo San Antonio Spurs na 29ª escolha do Draft de 2016;
Derrick White foi selecionado pelo San Antonio Spurs na 29ª escolha do Draft de 2017;
Kyle Anderson foi selecionado pelo San Antonio Spurs na 30ª escolha do Draft de 2004;
Darrun Hilliard foi selecionado pelo Detroit Pistons na 38ª escolha do Draft de 2015;
Davis Bertans foi selecionado pelo Indiana Pacers na 42ª escolha do Draft de 2011;
Danny Green foi selecionado pelo Cleveland Cavaliers na 46ª escolha do Draft de 2009;
Patty Mills foi selecionado pelo Portland TrailBlazers na 55ª escolha do Draft de 2009;
Joffrey Lauvergne foi selecionado pelo Memphis Grizzlies na 55ª escolha do Draft de 2013;
Manu Ginobili foi selecionado pelo San Antonio Spurs na 57ª escolha do Draft de 1999;
Brandon Paul não foi selecionado no Draft de 2013;
Bryn Forbes não foi selecionado no Draft de 2016;
Matt Costello não foi selecionado no Draft de 2016.

Na prática, o Spurs não seleciona em uma posição tão alta desde 2011, quando mandou George Hill para o Indiana Pacers em troca de poder controlar as escolhas da franquia de Indianápolis, selecionando Kawhi Leonard em 15º e Davis Bertans em 42º. Desde então:

Com a 26ª escolha do Draft de 2015, o Spurs selecionou Nikola Milutinov;
Com a 28ª escolha do Draft de 2013, o Spurs selecionou Livio-Jean Charles;
Com a 29ª escolha do Draft de 2011, o Spurs selecionou Cory Joseph;
Com a 29ª escolha do Draft de 2016, o Spurs selecionou Dejounte Murray;
Com a 29ª escolha do Draft de 2017, o Spurs selecionou Derrick White;
Com a 30ª escolha do Draft de 2014, o Spurs selecionou Kyle Anderson.

O Spurs não selecionou na primeira rodada em 2012 porque mandou sua escolha ao Golden State Warriors junto com TJ Ford e Richard Jefferson para ter Stephen Jackson em troca.

Já na segunda rodada, o Spurs não tem uma escolha tão alta desde 2011, quando selecionou Davis Bertans na 42ª posição, também oriunda da troca com o Pacers. Desde então:

Com a 55ª escolha do Draft de 2015, o Spurs selecionou Cady Lalanne;
Com a 58ª escolha do Draft de 2013, o Spurs selecionou Deshaun Thomas;
Com a 58ª escolha do Draft de 2014, o Spurs selecionou Jordan McRae;
Com a 59ª escolha do Draft de 2011, o Spurs selecionou Adam Hanga;
Com a 59ª escolha do Draft de 2012, o Spurs selecionou Marcus Denmon;
Com a 59ª escolha do Draft de 2017, o Spurs selecionou Jaron Blossomgame;
Com a 60ª escolha do Draft de 2014, o Spurs selecionou Cory Jefferson.

Em 2016, o Spurs não selecionou na segunda rodada porque havia enviado sua escolha para o Sacramento Kings em troca de Ray McCallum. Por outro lado, selecionou duas vezes em 2014 porque havia recebido escolha do New Orleans Pelicans em troca de Curtis Jerrells.

Em outras palavras, o Spurs tem duas boas oportunidades para suprir carências de seu elenco com jogadores baratos. Claro que hoje é difícil prever qual será esse elenco. Apenas LaMarcus Aldridge, Kawhi Leonard, Pau Gasol, Patty Mills, Manu Ginobili, Derrick White e Dejounte Murray têm contratos garantidos com a franquia para a temporada 2018/2019. Danny Green, Rudy Gay e Joffrey Lauvergne têm opção unilateral de renovação com os texanos. Bryn Forbes tem contrato não garantido, o que significa que pode ser dispensado a qualquer momento sem custos extras. Kyle Anderson, Davis Bertans e Bryn Forbes são agentes livres restritos, o que dá ao alvinegro o direito de igualar quaisquer propostas que receberem para mantê-los. Por fim, Tony Parker, Darrun Hilliad e Matt Costello vão se tornar agentes livres irrestritos, ficando livres de qualquer tipo de vínculo a partir de dia 1º de julho.

Mesmo entre os jogadores com contrato garantido, ao menos dois deles representam incertezas: Kawhi Leonard vive suposta crise de relacionamento e pode ser trocado, enquanto Manu Ginobili, que completa 41 anos de idade dia 28 de julho, pode se aposentar.

Isto posto, o Spurs que entrou em quadra contra o Warriors desfalcado de Kawhi Leonard tinha duas carências claras: alas com altura para defenderem jogadores da posição 3 e ajudarem a espaçar a quadra para Dejounte Murray e LaMarcus Aldridge com arremessos, já que Danny Green era o único jogador do elenco que cumpre os dois seguidos, e um pivô que possa defender no perímetro após trocas nos minutos em que o camisa #12 descansa, já que Pau Gasol é alvo fácil para jogadores mais velozes e Joffrey Lauvergne passou longe de conseguir se firmar até aqui. Para supri-las, a franquia texana tem algumas opções.

A primeira delas, óbvio, é resolver a situação com Kawhi Leonard, o que praticamente acabaria com os problemas do time na rotação para as alas. A segunda seria tentar achar soluções em escolhas de Draft antigas ligadas à franquia, como Adam Hanga, Nemanja Dangubic ou Jaron Blossomgame para o perímetro e Nikola Milutinov ou Cady Lalanne para o garrafão. A terceira é buscar talento no recrutamento de calouros deste ano, a quarta é investir na contratação de agentes livres e a quinta é tentar trocas com outras franquias.

Se decidir olhar para o Draft na tentativa de reforçar estas posições, o Spurs tem algumas opções interessantes. Na primeira rodada, Robert Williams parece ser ótima alternativa para o garrafão. O pivô de 20 anos de idade e 2,06m de altura é descrito como jogador de qualidade nos tocos e nos rebotes ofensivos com facilidade para pontuar atacando o aro ofensivo e finalizando após pick-and-rolls, o que levanta comparações com Clint Capela e DeAndre Jordan. Na última temporada, sua segunda no basquete universitário americano, apresentou médias de 10,4 pontos, 9,2 rebotes e 2,6 tocos em 25,6 minutos por exibição jogando por Texas.

Outro possível alvo para reforçar o garrafão do Spurs seria Mitchell Robinson. O pivô de 20 anos de idade e 2,13m de altura é elogiado por sua incrível capacidade física, com bom tamanho, atleticismo acima da média, perícia na proteção do aro e tempo apurado para tocos, mas é considerado cru. Como decidiu não jogar basquete universitário nesta temporada, deve demorar um pouco mais que os demais prospectos para conseguir contribuir na NBA.

No entanto, é difícil acreditar que Williams ou Robinson possam sobrar na escolha 19. Se não for o caso, talvez o Spurs precise voltar suas atenções para seus problemas no perímetro. Assim, o principal alvo poderia ser Jacob Evans. O ala de 20 anos de idade e 1,98m de altura acaba de concluir sua terceira temporada no basquete universitário americano, na qual apresentou médias de 13 pontos, 4,7 rebotes e 3,1 assistências em 30,8 minutos por exibição por Cincinnati, convertendo 37% dos suas bolas de três pontos. É elogiado por sua versatilidade, sua capacidade de defender múltiplas posições e por sua perícia nos arremessos de longa distância.

Há quem diga que Dzanan Musa possa ser bom encaixe. Na última temporada, o ala bósnio de 18 anos de idade e 2,06m de altura teve médias de 10,5 pontos, com 36,4% de aproveitamento nas bolas de três, e 3,2 rebotes em 20,2 minutos por jogo nas 16 partidas que disputou pelo KK Cedevita na Eurocopa e tem capacidade ofensiva elogiada. Porém, sua inoperância na defesa e sua personalidade forte fazem com que ele combine pouco com o Spurs.

Outra alternativa seria Troy Brown, ala de 18 anos de idade e 1,98m de altura que acaba de concluir sua primeira temporada no basquete universitário americano, obtendo, em média, 11,3 pontos, 6,2 rebotes e 3,2 assistências em 31,2 minutos por exibição jogando por Oregon. Jovem, é elogiado por sua versatilidade, sua habilidade nos passes, na condução de bola e na defesa. No entanto, não é muito atlético e ainda precisa desenvolver seu arremesso: converteu apenas 29,1% de suas bolas de três na NCAA. No entanto, sua baixa idade e a facilidade com que o Spurs faz jogadores melhorarem no fundamento podem pesar a seu favor.

Na escolha 49, o Spurs ainda pode achar bons reforços. Gary Trent Jr, Jalen HudsonSviatoslav Mykhailiuk, Jarrey Foster e Kevin Hervey são opções para a ala, e Moritz Wagner, Raymond Spalding e Brandon McCoy são opções para o garrafão.

Claro que dependendo do caminho que a franquia tomar, as carências podem ser outras, o que mudaria totalmente o foco no Draft. Além disso, o Spurs não costuma titubear ao pegar o jogador mais talentoso disponível, independentemente da posição. Fato é que selecionar com a escolha de 18 é uma exceção se levarmos em conta o histórico recente da franquia, e isso pode ajudar no processo de reconstrução do elenco do alvinegro de San Antonio.

Anúncios

Sobre Lucas Pastore

Um dos fundadores do Spurs Brasil, seu maior orgulho na carreira jornalística. Formado em Jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie em 2010, é redator do UOL. Cobriu o basquete olímpico na Olimpíada de 2016 pelo LANCE!. Trabalhou também para Basketeria e mob36.

Publicado em 26/04/2018, em Análises, Artigos. Adicione o link aos favoritos. 5 Comentários.

  1. Vamos torcer por uma boa escolha acho que o Spurs nao vai desperdiçar uma pick tao alta (para os padrões Spurs) vem coisa boa ai … e se sobrar o Wagner na 59 seria um baita steal

  2. raphaelcastrosouza

    Precisa de um armador, Murray não pode ser o titular do time.

  3. Tão importante quanto achar um bom talento no draft, é arrumar uma forma de se livrar do Gasol. Peso morto.

    • Exatamente. A melhor escolha que o Spurs pode fazer nessa temporada é se livrar do contrato de Gasol.
      Creio que a movimentação do draft irá girar em torno da definição do caso Leonard.

  1. Pingback: Quem o Spurs planeja selecionar no Draft? | Spurs Brasil

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s