Arquivo diário: 10/05/2017

Spurs (3) vs. Rockets (2) – No sufoco

 

110×107

Após perder o jogo 4 na estrada, o San Antonio Spurs voltou para o AT&T Center, onde recebeu o Houston Rockets nessa terça-feira (9), valendo o desempate da semifinal da Conferência Oeste, e venceu na prorrogação por 110 a 107, com direito a toco decisivo de Manu Ginobili sobre James Harden. Confira, a seguir, os destaques do jogo:

Ginobili não deixou a idade pesar e fez sua primeira enterrada no ano (Jesse D. Garrabrant/NBA/Getty Images)

Teste para cardíacos

Já dizia o sábio: playoffs separam os homens dos meninos. O Spurs é uma mistura dos dois, de experientes como Ginobili a novatos como Jonathon Simmons. Antes de falar do individual, vale destacar como foi o jogo. De um lado, os mandantes ditavam o ritmo, quase sempre à frente do placar. Do outro, os visitantes contavam com James Harden e suas jogadas individuais, além dos chutes de longa distância de todo o time, que colocava o Rockets sempre em busca da virada. O jogo foi para o último quarto seguindo o roteiro das parciais anteriores, com as duas equipes alternando liderança, mas sem abrir larga vantagem.

A prorrogação foi um verdadeiro teste para cardíacos. Com as duas equipes desperdiçando bolas importantes, foram os chutes de longa distância que fizeram a diferença a favor do alvinegro de San Antonio. Ora Danny Green, Manu Ginobili e Patty Mills, ora Ryan Anderson, Eric Gordon e James Harden. No fim, o Spurs conseguiu colocar três pontos de frente e contou com uma bola e presa e um toco histórico para concretizar a vitória em casa.

Foi na metade do terceiro quarto que Kawhi Leonard machucou seu tornozelo esquerdo e permaneceu em quadra mancando, mas quando sentou no último período não voltou mais. Era jogar ou entregar. E o time escolheu jogar. Por exemplo, Danny Green, que é bastante cobrado por sua contribuição, principalmente nas bolas de três pontos, fez sete dos seus 16 pontos na prorrogação. Mas, o destaque fica para Jonathon Simmons. O ala-armador teve a tarefa de substituir o astro na marcação sobre Harden e cumpriu seu dever com louvor. É elogiável a atuação de um atleta tão jovem em um momento tão importante, quando a experiência pode ser decisiva. Vale destacar que o reserva também foi muito bem no ataque.

Sobre a situação de Leonard, o ala disse no fim da partida que não é nada sério e que estará em quadra para o jogo 6, que será realizado em Houston, nesta quinta-feira (11).

O toco que entrou para a história (Ronald Martinez/Getty Images)

Erros bobos

Como não poderia deixar de ser, o time de San Antonio sofre ofensivamente com a ausência de Tony Parker. Patty Mills talvez não seja o nome mais indicado para assumir o lugar do francês, mas foi quem iniciou a partida como titular pela primeira vez desde que o camisa #9 lesionou o joelho esquerdo.

A ausência de Parker evidenciou alguns erros que foram fundamentais para situações de sufoco que poderiam ser evitadas. O já citado Mills é um dos pontos. O armador é bem mais eufórico que o francês, e tal exaltação custa caro em determinados momentos. Exemplo disso quando o Bala queimou uma bola de contra-ataque após boa atuação da defesa, devolvendo assim a posse para o Rockets. Em outro momento, Aldridge conquistou um rebote de ataque e passou para o ex-reserva, que muito mal e porcamente fez rápido giro e arremessou da zona morta, quase sem olhar para a tabela.

Tal jogada poderia ter sido evitada, aproveitando os 24 segundos e reorganizado a equipe. Tais arremessos precipitados do camisa #8 ainda podem causar grandes estragos.

Aldridge também vale ser citado. O ala-pivô foi fundamental, principalmente nos rebotes ofensivos, conquistando nove deles. Porém, em uma jogada onde ninguém entendeu nada, o astro recebeu a bola debaixo do aro – literalmente – e, marcado por um adversário mais baixo, optou por passar a bola para Mills na linha dos três pontos. A jogada poderia muito bem ter sido diferente, com o big man usando seu tamanho para concretizar dois pontos que seriam importantes naquela altura e quem sabe até conquistado um arremesso de bonificação.

Pau Gasol é um caso mais sério que os anteriormente citados. O experiente pivô espanhol sumiu de quadra, cometendo erros grotescos, evitando contato e raramente aparecendo para o jogo. David Lee foi uma alternativa e, em determinando momento, Popovich optou até por jogar com apenas Aldridge no garrafão, com Mills, Ginobili, Green e Simmons em quadra. O ápice foi quando, na última bola do último quarto, o espanhol ficou no garrafão sem nada a contribuir enquanto o australiano, marcado por Harden, teve dificuldades e arremessou a bola quando o tempo já havia esgotado. O comandante alvinegro demonstrou toda insatisfação no momento com o veterano e com razão, já que o camisa #16 que poderia ter feito um corta-luz.

Precisamos falar sobre Ginobili

O tempo. Dizem que o tempo é o melhor remédio. Voltando ao primeiro tópico, no qual faltou falar sobre Ginobili, parece que o veterano não liga muito para o tempo, seja seus 39 anos de idade (completa 40 em 28 de julho) ou os décimos que faltavam quando deu toco em Harden.

Após o jogo 4, Ginobili disse em entrevista que o Spurs teria de dar a vida na partida seguinte e que o time tinha perdido a grande oportunidade da série na segunda partida em Houston, que empatou a série. O argentino cumpriu com a sua palavra e foi de fundamental importância, principalmente na organização da equipe nos momentos mais importantes.

Foi a experiência falando alto, e o corpo surpreendentemente correspondendo à altura. Na questão de raça, talvez no elenco do Spurs não tenha nenhum outro atleta como Ginobili.

Destaques da Partida

San Antonio Spurs

Kawhi Leonard – 22 pontos, 15 rebotes, 4 assistências, duas roubadas de bola e dois tocos

Patty Mills – 20 pontos e 4 assistências

LaMarcus Aldridge – 18 pontos e 14 rebotes

Danny Green – 16 pontos, 5 rebotes e 3 assistências

Manu Ginobili – 12 pontos, 7 rebotes e 5 assistências

Jonathon Simmons – 12 pontos e 3 roubos de bola

Houston Rockets

James Harden – 33 pontos, 10 assistências e 10 rebotes

Patrick Beverley – 20 pontos e 4 rebotes

Ryan Anderson – 19 pontos e 7 rebotes

Eric Gordon – 11 pontos, 6 rebotes e 3 assistências