Três formas de parar Curry e o irresistível Warriors

16 vitórias em 16 jogos, melhor início da história da NBA…

Esse é o Golden State Warriors de Stephen Curry, que vem pulverizando rivais e já ameaça o recorde do Chicago Bulls de 72 vitórias e dez derrotas, conquistado em 1995/1996.

Quem vai pará-lo? (Foto: Getty Images)

Quem vai pará-lo? (Getty Images)

O assunto da moda na imprensa internacional é quem vai parar a franquia californiana e quando isso vai acontecer. Isso pode ocorrer a qualquer momento, claro, mas pelo que o Warriors vem jogando até aqui, vai ser difícil esse recorde cair facilmente.

Na onda do tema, comecei a pensar em como parar esse time que já é um dos melhores da história da liga, sobretudo já visando o confronto do próximo 25 de janeiro contra o nosso San Antonio Spurs e uma eventual série de playoffs entre as duas equipes.

Pensei em três formas que um time pode usar para minimizar (porque pará-lo é impossível) sua principal estrela, o armador Stephen Curry. Vamos lá?

1. Reduzir seu volume com jogo físico e dobras

Stephen Curry é o cérebro do time. Ele arma, cria, arremessa, envolve seus companheiros… faz de tudo um pouco. Um caminho para minimizar o impacto seria pressioná-lo no fundo quadra – dobrando se preciso – e obrigá-lo a passar a bola o quanto antes.

A estratégia seria dobrar sempre que ele recebesse a bola, reduzindo assim seu volume de jogo e deixando seus companheiros com mais liberdade durante a partida. É uma estratégia arriscada, principalmente se pensarmos que o elenco da franquia californiana é bastante profundo e conta com outros jogadores de elite, mas poderia funcionar.

Na final da última temporada, contra o Cleveland Cavaliers, os momentos de maior sucesso de LeBron James e companhia aconteceram quando o camisa #30 foi seguidamente dobrado ou quando teve de lidar com uma defesa que o incomodou fisicamente, dando trombadas e o acompanhando o tempo todo sem se importar com os outros atletas em quadra. Veja alguns exemplos do bom trabalho defensivo do armador australiano Matthew Dellavedova:

sc01

sc02

sc03

sc04

sc05

sc06

2. Dar a bola a Stephen Curry

O oposto do item anterior também seria uma estratégia válida. Dar espaço para o armador ter um alto volume de jogo e evitar que seus companheiros pontuem com facilidade pode funcionar, especialmente se Curry estiver em uma noite pouco inspirada (o que está bem difícil de acontecer). Eventualmente, o astro poderia marcar 30, 40 ou até 50 pontos contra o time que fizesse isso, mas seus colegas pontuariam abaixo de suas médias.

3. Cometendo poucos turnovers e sendo assertivo no ataque

Um dos carros-chefe do camisa #30 é a bola de três pontos no contra-ataque. Já cansamos de vê-lo pontuar aproveitando-se de adversários voltando descoordenados para a defesa após um turnover ou depois de um ataque mal executado.

Soa até meio clichê, mas evitar desperdícios será crucial para quem quiser batê-los. Trabalhar bem o ataque também é fundamental, pois uma ofensiva mal pensada fatalmente acarretará em contra-ataque com aquela bola de três mortal, como você pode ver a seguir:

sc07

sc08

Já funcionou no passado…

O tipo de defesa física e com dobras que mencionei no item 1 funcionou especificamente no jogo entre Spurs e Warriors no último dia 5 de abril. Observe como Kawhi Leonard usa sua envergadura para desarmar o camisa #30 repetidas vezes.

sc09

sc10

sc11

sc12

Sozinho, Leonard nem sempre vai conseguir minimizar Curry, pois leva desvantagem contra rivais mais rápidos (vide Chris Paul nos últimos playoffs). No entanto, seu porte e físico e envergadura definitivamente devem ajudar a atrapalhá-lo. A chave, além disso, é usar Tony Parker e sobretudo Patrick Mills em papel semelhante ao que Dellavedova fez nas finais.

Ou seja, o Spurs tem boas armas para reduzir o impacto do camisa #30, mas claro que isso vai depender muito de quanto Curry vai estar inspirado nos duelos, já que o armador é daqueles gênios que em dias iluminados nem a melhor defesa do mundo consegue parar.

Anúncios

Sobre Bruno Pongas

Acompanha o San Antonio Spurs desde 1998, já escreveu para o Spurs Brasil de 2008 a 2012, criou o Destino Riverwalk e agora volta à velha casa para dar seus pitacos sobre o San Antonio Spurs.

Publicado em 27/11/2015, em Artigos. Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. ESPORA PENTACAMPEAO

    Curry?
    só metendo a porrada mesmo.
    mas tem que ser para quebrar, porque se for pra linha do ft não erra um também

  2. Esse cara irrita de tão bom. Para parar esse time aconselho assistir jogos do pistons 88/90 de Dumars e Rodman a era bad boy dos caras, aprender como marcar esse warriors.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s