Arquivo diário: 29/10/2015

Spurs (0-1) @ Thunder (1-0) – Mais cuidado, Green!

106×112https://i2.wp.com/content.sportslogos.net/logos/6/2687/thumbs/khmovcnezy06c3nm05ccn0oj2.gif 

Não foi exatamente o início de campeonato que o torcedor do San Antonio Spurs sonhava, é verdade. Mas a derrota desta quarta-feira (28) para o Oklahoma City Thunder, pelo placar de 112 a 106, tem que ser relativizada. Começando que esta não era mesmo uma partida fácil. Um revés, fora de casa, para o adversário completo pode ser considerado um resultado normal em qualquer estágio da campanha. Além disso, a equipe texana estreava algumas novidades no elenco que mudam consideravelmente o jeito de jogar e exigem tempo para adaptação e aprendizado das movimentações. Além disso, se não fosse uma enorme besteira de Danny Green no final, o resultado até poderia ter sido outro…

Green e um jogo para apagar da memória (Layne Murdoch Jr./NBAE Getty Images)

O que foi isso?

Se por um lado podemos justificar a derrota desta quarta-feira pelos motivos citados no primeiro parágrafo, por outro o erro cometido por Green nos segundos finais é inexplicável. Perdendo por dois pontos (108 a 106), o Spurs teria a bola final nas mão para empatar o jogo ou até mesmo virar. Mas o camisa #14 – com um recém-renovado contrato de 44 milhões de dólares por quatro anos, vale lembrar – enterrou as chances de vitória do time de San Antonio.

Ele recebeu a bola das mão de Tim Duncan, saindo do bloqueio, e faltando ainda 15 segundos no relógio, subiu para o arremesso de três pontos marcado por Steven Adams. A bola foi curta e nem sequer tocou o aro. Um erro gravíssimo de leitura da defesa adversária por parte do ala, que até então havia errado todas os quatro tiros de longa distância que tentara.

Aldridge precisa se entrosar (Layne Murdoch Jr./NBA Getty Images)

Estreia

LaMarcus Aldridge, principal contratação texana para a temporada, teve um início bem discreto. Ainda buscando o entrosamento com os companheiros, teve um volume de jogo bem menor do que costumava ter no Portland TrailBlazers. Chutou apenas 12 bolas, acertando somente quatro delas. Pouco diante do que ele pode fazer, sabemos. Outro que debutou com a camisa texana foi David West, atuando por 18 minutos e deixando a quadra com oito pontos e dois rebotes.

O menino Kawhi

Uma coisa parece ter ficado bem clara desde já. O Spurs de 2015/2016 é o time de Kawhi Leonard. O ala, de 24 anos de idade, teve atuação soberba dos dois lados da quadra. No ataque, chamou a responsabilidade e pontuou de todas as maneiras, sobre quem quer que o marcasse. Na defesa, limitou Kevin Durant a apenas 31% de aproveitamento nos arremessos de quadra. Se escapar das lesões, tem tudo para figurar no próximo All-Star Game.

Acabou o gás?

Se Kawhi mostrou estar “na ponta dos cascos”, a situação de Tony Parker preocupa. Depois de jogar o Eurobasket pela França em nível bem abaixo do seu usual, o armador parece estar sentindo o peso da idade. Aos 33 anos e após 14 temporadas na NBA, o astro não parece mais mostrar aquela velocidade em direção a cesta e o poder de infiltração de antigamente. Na defesa, a lentidão foi fatal diante de um explosivo Russell Westbrook, que deitou e rolou.

Com um Parker cada vez mais limitado, recairá sobre Kawhi uma responsabilidade ainda maior na pontuação, e até mesmo no início das jogadas, quebrando a primeira linha de defesa, antes atribuição do armador com seus dribles em velocidade. Na defesa, o francês terá que ser “escondido”, deixando nas mãos de Green ou até mesmo do camisa #2 a responsabilidade de guardar armadores velozes como Westbrook, Chris Paul ou Stephen Curry, só para citar jogadores de rivais diretos da Conferência Oeste.

Destaques da partida

San Antonio Spurs

Kawhi Leonard – 32 pontos, 8 rebotes e 3 roubos de bola

Manu Ginobili – 11 pontos e 7 assistências

LaMarcus Aldridge – 11 pontos e 5 rebotes

Oklahoma City Thunder

Russell Westbrook – 32 pontos e 10 assistências

Kevin Durant – 22 pontos e 6 rebotes

Enes Kanter – 15 pontos e 16 rebotes