Arquivo diário: 06/06/2014

Parker é eleito para o segundo time ideal da NBA

Nesta quarta-feira (4), o San Antonio Spurs anunciou, por meio de seu site oficial, que Tony Parker foi indicado para o segundo time ideal da temporada 2013/2014 da NBA, em eleição que contou com a participação de 125 jornalistas dos Estados Unidos e do Canadá. Foi a quarta vez que o francês foi eleito para uma seleção da liga, a terceira seguida.

Parker em ação no jogo 1 da final contra o Heat (NBAE/Getty Images)

Na eleição em questão, cada participante podia elencar três jogadores para cada posição: o primeiro recebia cinco pontos, o segundo três e o terceiro, um. Parker recebeu 14 votos para figurar entre os armadores titulares e terminou com 210 pontos.

O primeiro time foi formado por Chris Paul, do Los Angeles Clippers, com 540 pontos; James Harden, do Houston Rockets, com 502; Kevin Durant, do Oklahoma City Thunder, com 625; LeBron James, do Miami Heat, com 623; e Joakim Noah, do Chicago Bulls, com 551.

Ao lado de Parker no segundo time, aparecem Stephen Curry, do Golden State Warriors, com 489 pontos; Blake Griffin, do Los Angeles Clippers, com 350; Kevin Love, do Minnesota Timberwolves, com 237; e Dwight Howard, do Houston Rockets, com 226.

Por fim, o terceiro time contempla Damian Lillard, do Portland TrailBlazers, com 115 pontos; Goran Dragic, do Phoenix Suns, com 115; Paul George, do Indiana Pacers, com 171; LaMarcus Aldridge, do Portland TrailBlazers, com 159; e Al Jefferson, do Charlotte Bobcats, com 191.

Mais dois jogadores do Spurs receberam votos na eleição: Tim Duncan, que terminou com 63 pontos, e Kawhi Leonard, que teve apenas um.

Nesta temporada, Parker apresentou médias de 16,7 pontos e 5,7 assistências em 29,4 minutos por exibição. Foi a quarta vez seguida que o francês liderou a equipe tanto em produção ofensiva quanto em passes decisivos em uma fase de classificação. Além disso, nesta campanha, ele se tornou o quarto jogador do Spurs a superar a marca de 16 mil pontos pela franquia, se juntando a Tim Duncan, David Robinson e George Gervin.

Foi a 39ª vez que um jogador do Spurs figura em uma seleção da NBA, o que aconteceu 19 vezes para o primeiro time, 11 para o segundo e nove para o terceiro. Os líderes em aparições são justamente Duncan, com 14; Robinson, com dez; e Gervin, com sete.

Anúncios

Spurs (1) vs Heat (0) – O inferno é aqui!

110×95

O San Antonio Spurs abriu com vitória a decisão da NBA sobre o Miami Heat, nesta quinta-feira (5), ao impor o placar de 110 a 95. Em partida marcada pelo intenso calor dentro do ginásio, resultado de uma falha no sistema de ar-condicionado do AT&T Center, os texanos abusaram dos erros, mas mesmo assim conseguiram o resultado positivo graças a um desempenho irretocável no último quarto, quando LeBron James sofreu com cãibrãs e não atuou nos minutos finais. Confira, a seguir, o que de mais importante aconteceu no confronto.

Com pontos e assistências, Manu ditou o ritmo do Spurs (Andrew D Bernstein/NBAE Getty Images)

Com pontos e assistências, Manu ditou o ritmo do Spurs (Andrew D Bernstein/NBAE Getty Images)

Pode vir quente…

“Heat”, em inglês, significa calor. Mas, ironicamente, a equipe de Miami acabou sendo vítima do que carrega como nome. Uma falha elétrica no sistema de ar-condicionado do AT&T Center transformou o ginásio em um “inferno”. Se aproximando do verão e localizada em uma região árida, San Antonio apresentava 28ºC de temperatura no momento da partida (iniciada às 20h no horário local). Dentro da arena, que contou com 18.500 torcedores, o termômetro chegou a marcar 32ºC, o que fez com que cartazes e folhetos do público se transformassem em “leques”.

Com a alta temperatura naturalmente provocando um desgaste extra para os jogadores, quem mais sentiu foi LeBron James. Aparentando um cansaço muito maior que o comum, o ala do Heat sentiu-se bastante incomodado no último quarto, ficou sentado boa parte do período decisivo e, quando tentou ir para a quadra, sentiu uma forte câimbra na perna esquerda, desfalcando sua equipe nos quatro minutos finais. Dwyane Wade foi outro que demonstrou desgaste acima do normal na partida, especialmente quarto derradeiro.

Sem desculpas

O calor incomodou torcedores e atletas, mas o Heat não tentou transformar a condição em desculpa” para o revés fora de casa. “Eu tentei jogar, mas qualquer passo que eu dava, piorava. O melhor que eu podia ter feito era não me mexer. Foi frustrante… É horrível estar fora de seu time, justamente nesse momento da temporada. Mas, no fim, não há nenhum descrédito para o que eles fizeram. Ele foram muito bem”, disse LeBron, após o jogo.

Uma possível ação proposital dos texanos também foi descartada pelo técnico Erik Spoelstra: “Teria que ter uma mente incrível para planejar uma coisa dessa”, afirmou.

Green despertou no último quarto (Andrew D Bernstein/NBAE Getty Images)

Green despertou no último quarto (Andrew D Bernstein/NBAE Getty Images)

Mais cuidado!

Apesar da vitória, o Spurs não fez uma de suas melhores exibições na pós-temporada. A equipe abusou dos desperdícios de bola, especialmente no terceiro período, quando errou em oito oportunidades e cedeu a virada ao rival. Ao todo, foram 22 erros, sendo 20 deles nos três primeiros quartos, frutos, principalmente, das dobras de marcação aplicadas pelo Heat, que atrapalharam a troca de passes. Se voltar a errar tanto contra um rival desse porte, provavelmente Tim Duncan (cinco erros), Tony Parker (quatro) e companhia não terão a mesma sorte.

Ufa

O Spurs conseguiu, com relativo sucesso, punir o adversário aproveitando o seu ponto fraco: o garrafão. Duncan, e até mesmo Tiago Splitter, quando conseguiam receber a bola e fugiam da marcação dupla, finalizavam quase sem contestação, resultando em um aproveitamento combinado de 14 acertos em 16 tiros. Mas o placar só deslanchou no último quarto, quando o foco se tornou os arremessos de três.

A desvantagem chegou a sete pontos, restando nove minutos para o fim, mas um velho conhecido do Heat “acordou”. Danny Green, até então com só dois pontos, lembrou o desempenho da decisão de 2013 (na ocasião, bateu o recorde de bolas de três certas em uma série final da NBA, com 25) e converteu três arremessos do perímetro, e mais uma enterrada em contra-ataque, em curto intervalo. O camisa #4 terminou com 13 tentos. Os visitantes tomaram a virada e, sem LeBron, apenas viram a vantagem aumentar.

Só domingo

As equipes, agora, terão dois dias de descanso pela frente e voltam a se enfrentar no domingo (8), de novo no AT&T Center, desta vez com o ar-condicionado funcionando. “Estou certo que as duas equipes estão felizes por termos alguns dias (de descanso), e espero que possamos pagar nossas contas (do ar-condicionado)”, brincou o técnico Gregg Popovich.

Destaques da partida

San Antonio Spurs

Tim Duncan – 21 pontos (9-10 FG) e 10 rebotes

Tony Parker – 19 pontos e 8 assistências

Manu Ginobili – 16 pontos, 11 assistências, 5 rebotes e 3 roubos

Tiago Splitter – 14 pontos

Miami Heat

LeBron James – 25 pontos e 6 rebotes

Dwyane Wade – 19 pontos

Chris Bosh – 18 pontos e 9 rebotes