Arquivo diário: 05/06/2014

Spurs (0) vs Heat (0) – Final da NBA

San Antonio Spurs vs Miami Heat – Final da NBA

Data: 05/06/2014

Horário: 22h00 (Horário de Brasília)

Local: AT&T Center

Na TV: ESPN

Cotação no Apostas Online: Spurs 1,53 (favorito) vs Heat 2,51

Um ano depois, o San Antonio Spurs volta à decisão da NBA, contra o mesmo Miami Heat, que em 2013 frustou a festa texana por um título que escorreu pelos dedos literalmente por apenas alguns segundos. Jogando um basquete envolvente – para muitos especialistas o melhor da NBA na atualidade – a equipe comandada pelo técnico Gregg Popovich tem a missão de evitar a terceira conquista seguida do time da Flórida (o chamado Three Peat). Para isso, conta com a boa forma de Manu Ginobili, um Tim Duncan sempre eficiente e um esquema tático com coadjuvantes que cumprem o plano de jogo com maestria. A grande dúvida paira sobre a situação física de Tony Parker, que durante a semana fez tratamento intensivo para se recuperar de dores no tornozelo esquerdo. Já a franquia da Flórida tem em seu Big Three, formado pro LeBron James, Dwyane Wade e Chris Bosh, a base para buscar mais um troféu da liga profissional americana, desta vez sem o mando de quadra na decisão.

PG – Tony Parker

SG – Danny Green

SF – Kawhi Leonard

PF – Tim Duncan

C – Tiago Splitter

Fique de Olho – Eleito peça-chave do Spurs pelos blogueiros do Spurs Brasil, Tony Parker treinou na última quarta-feira (4) e vai para o jogo no AT&T Center. Se estiver em boa condição, pode desequilibrar principalmente com sua habilidade nas infiltrações. Contra uma equipe de garrafão leve como o do Heat, que costuma jogar sem um homem fixo embaixo da cesta, o caminho para as bandejas dos francês estará muito mais tranquilo do que quando teve de enfrentar Serge Ibaka, na série contra o Oklahoma City Thunder.

PG – Mario Chalmers

SG – Dwyane Wade

SF – LeBron James

PF – Rashard Lewis

C – Chris Bosh

Fique de Olho – A posição de ala-pivô é a única dúvida na escalação inicial do quinteto do Heat. Diante do Indiana Pacers, na final da Conferência Leste, Rashard Lewis foi acionado e assumiu a titularidade contra uma equipe de garrafão mais alto, e cumpriu bem o papel de arremessador de longa distância, terminando com 18 e 13 pontos nos jogos 5 e 6 da série. Ambientado em jogar aberto, se continuar com boa pontaria nas bolas de três forçará o Spurs a abdicar da formação com dois pivôs, fazendo Tiago Splitter dar lugar a Boris Diaw ou Matt Bonner. Se a mão estiver descalibrada, ai será o time de Miami quem terá que fazer ajustes, já que o atleta encontrará problemas para lidar com jogadores mais altos e fortes na defesa. Quem fizer a balança pender a seu favor primeiro largará em vantagem. Outras opções que o técnico Erik Spoelstra pode utilizar ao lado de Chris Bosh são Shanne Battier e Udonis Haslem, titulares em outras partidas dos playoffs, e Chris Andersen, que costuma sair do banco.

Prévia de Spurs x Heat – Final da NBA

Pra cima deles, Parker! (NBAE/Getty Images)

Vem aí a segunda revanche seguida? Depois de vencer o Oklahoma City Thunder, algoz de 2012, na final da Conferência Oeste, o San Antonio Spurs agora encara na grande decisão o Miami Heat, carrasco do ano passado. A franquia texana chega a esta fase tendo passado por Dallas Mavericks e Portland TrailBlazers antes de derrubar Russell Westbrook, Kevin Durant e companhia. A equipe da Flórida, por sua vez, superou Charlotte Bobcats, Brooklyn Nets e Indiana Pacers em sua trajetória na pós-temporada.

Spurs e Heat começam a se enfrentar nesta quinta-feira, no AT&T Center. Ao longo da temporada regular, as duas equipes mediram forças duas vezes, com uma vitória para cado lado. Relembre a seguir:

26/01/2014 – Spurs 101 @ 113 Heat

Sem poder contar com Danny Green, Kawhi Leonard e Tiago Splitter, machucados, o Spurs saiu derrotado no primeiro duelo oficial entre as equipes desde as finais do ano passado. O destaque do time texano foi Tim Duncan, que anotou 23 pontos. O Heat, por sua vez, teve o cestinha da partida: Chris Bosh, que marcou 24.

06/03/2014 – Spurs 111 x 87 Heat

Recebendo o adversário no AT&T Center, o Spurs atropelou o Heat, que tinha LeBron James limitado por uma fratura no nariz. Os destaques foram os mesmos do primeiro confronto: pelo Spurs, Tim Duncan, com 23 pontos e 11 rebotes; e pelo Heat, Chris Bosh, com 24 pontos e sete rebotes.

Agora, chegou a hora do Spurs medir forças com o adversário pelos playoffs de 2014. A seguir, os blogueiros do Spurs Brasil contam o que esperam da série e dos jogadores que poderão ajudar a decidi-la. Confira as análises abaixo:

Lucas Pastore

Palpite: Heat 4 a 3
A série de 2013 mostra como pequenos detalhes podem decidir um confronto entre duas equipes tão fortes. Em relação ao ano passado, alguns destes detalhes dessa vez pesam a favor do Spurs, como o mando de quadra, a melhor fase de Manu Ginobili e a situação física de Dwyane Wade, que, com problemas nos joelhos, jogou apenas 54 partidas no campeonato, contra 69 na temporada 2013/2014. Porém, pesam contra a equipe texana a maior facilidade encontrada nos playoffs pelo adversário, que chega mais descansado para a decisão, e os problemas de Tony Parker, que segue lutando contra contusões. No duelo entre os astros neste mata-mata, o armador francês tem médias de 17,2 pontos e 4,9 assistências em 30,2 minutos por exibição, enquanto o ala-armador do Heat apresenta 18,7 pontos, 4,3 assistências e 3,9 rebotes em 34,7 minutos por partida. Entre os dois, quem estiver mais perto da forma ideal pode ser o fiel da balança que decidirá o campeonato.
Peça-chave do Spurs: Tony Parker
Peça-chave do Thunder: Dwyane Wade

Robson Kobayashi

Palpite: Spurs 4 a 3
São poucas mudanças nas equipes desde as finais de 2013, mas Tiago Splitter e Danny Green melhoraram muito em relação à temporada passada. Desta vez, o Spurs é mandante, enquanto o Heat corre por fora. O time de Miami também tem um garrafão relativamente fraco – apesar da presença de Greg Oden no banco, o pivô adversário ainda não tem jogado o suficiente para satisfazer as necessidades da equipe. Será que a dupla Dwyane Wade e LeBron James superará o jogo coletivo dos texanos? Creio que não.
Peça-chave do Spurs: Tim Duncan
Peça-chave do Heat: LeBron James

Renan Belini

Palpite: Spurs 4 a 3
Uma batalha de muitas alternativas e dilemas. O primeiro é qual será a formação utilizada pelos treinadores. Creio que Gregg Popovich vá iniciar com Tiago Splitter, que apesar de ser um pivô, tem a agilidade necessária para contestar os chutes do veteraníssimo Rashard Lewis, provável escolha de Erik Spoelstra, além de levar larga vantagem no ataque. Boris Diaw é um coringa que pode até marcar LeBron James, e deve ser importante. Mas o fator determinante para a equipe de San Antonio levar a melhor é a saúde de Tony Parker. As infiltrações do francês serão decisivas contra um time que defende mal nesse quesito. Do outro lado, quem pode tornar-se fator de desequilíbrio é Chris Bosh, que, além de ter um chute de média distância mortal, se aprimorou nos chutes da linha dos três, que dificilmente serão bem contestados por Tim Duncan, que não tem a mesma velocidade de outrora. Aposto no Spurs por três motivos: a sede de vitória, após o revés ano passado; a vantagem do mando de quadra e a maior quantidade de peças para se reinventar dentro de uma série, como mostrado contra o Thunder Porém, o Heat tem o jogador mais completo da liga, que pode atuar praticamente em todas as posições e mudar a história. Torcemos para que Kawhi continue iluminado e limite ao máximo o camisa #6!
Peça-chave do Spurs: Tony Parker
Peça-chave do Heat: LeBron James

Sergio Neto

Palpite: Spurs 4 a 3
Apesar da repetição dos times da final do ano passado, dessa vez é diferente. O pesadelo de beliscar a trave no jogo 6 do ano passado não vai se repetir para o Spurs. Espero um Spurs intenso na defesa e comprometido no ataque. As bolas de três de Danny Green e companhia vão novamente fazer a diferença, mas também não é o único recurso a ser usado. Não vejo um jogador em especial como destaque, mas sim um cara que fica de terno e braços cruzados quase que o jogo inteiro: Gregg Popovich. Assim como virou a mesa nos últimos dois jogos contra o Thunder, o treinador pode estar preparando algo diferente contra o Heat. Claro que não podemos esquecer de LeBron James, Dwyane Wade e Chris Bosh. Porém, para mim, o que vai ser fundamental é a rotação defensiva que deve ser feita contra esses jogadores. The King pode ser “o cara” do oponente, mas pra mim, o ala-armador do time adversário representa tanto ou até mais perigo do que o camisa #6.
Peça chave do Spurs: Tim Duncan
Peça chave do Heat: Dwyane Wade

Victor Moraes

Palpite: Spurs 4 a 2
O sabor ruim da derrota em 2013 certamente ainda incomoda os jogadores do Spurs, que batalharam ao longo de mais de 100 partidas para chegar outra vez a este momento. Encarar o Heat novamente na decisão era o grande desejo, e não há motivação maior para os comandados de Gregg Popovich do que “dar o troco”. Desta vez, o cenário parece mais favorável aos texanos, que detêm o mando de quadra e sofreram menos alterações que o rival. Se por um lado a franquia perdeu Gary Neal, por outro adicionou Marco Belinelli e conta com a evolução de Patty Mills, além do melhor momento de Manu Ginobili, enquanto o adversário perdeu Mike Miller – que na última final acabou tendo desempenho decisivo com bolas de três – e tem Dwyane Wade e Shanne Battier convivendo com problemas físicos. Além disso, as contratações de Greg Oden e Michael Beasley não engrenaram. Se em 2013 por apenas alguns segundos – e uma bola milagrosa de Ray Allen – o time de San Antonio não foi campeão no sexto jogo da série, desta vez palpito pela vingança completa com título no jogo 6, em plena American Airlines Arena.
Peça-chave do Spurs: Tony Parker
Peça-chave do Heat: Dwyane Wade

Vinicius Esperança

Palpite: Spurs 4 a 1
E novamente as finais vão ocorrer entre Heat e Spurs. Os texanos, vindos de ótima série contra o Thunder e de uma das melhores temporadas da equipe em toda sua história na liga, chegam com grande confiança para o confronto frente a LeBron James e companhia. O fator Tony Parker pode pesar contra, pois o francês vem baleado para as finais e corre o risco de ficar alguns jogos fora, ou mesmo ter sua carga de trabalho diminuída, deixando tempo de quadra nas mãos de Patrick Mills e Cory Joseph. Não acredito que essa troca tenha tanto impacto, visto que Tim Duncan e Manu Ginobili, além de Kawhi Leonard, vêm em grande parte ditando a frequência da equipe treinada por Gregg Popovich. Além de todos os fatores de dentro de quadra, outro importante pode ser considerado. O alvinegro vem com a faca nos dentes esse ano, após perder o campeonato por segundos para o adversário em 2013. Outro fator que pesa é que os camisas #20 e #21 estão prestar a se aposentar, e todos sabem disso, o que poderá ser um incentivo maior para os dois. Por fim, e não menos importante, o Spurs melhorou seu elenco, enquanto as peças trazidas como suporte para o oponente (Greg Oden e Michael Beasley) não se desenvolveram. Como teoria é uma coisa e prática é outra, e como estaremos enfrentando nada menos que um time repleto de astros, não espero menos do que confrontos duros e complicados, mas minha confiança de torcedor, após as difíceis séries enfrentadas até aqui, me fazem crer em um 4 a 1.
Peça-chave do Spurs: Tim Duncan
Peça-chave do Heat: Chris Bosh

Olho neles!

Com três votos cada, Tony Parker e Tim Duncan foram eleitos pelos blogueiros as peças-chave do Spurs no confronto. Enquanto o armador tenta ficar 100% para comandar a equipe em quadra, o ala-pivô procura explorar a baixa estatura do Heat no garrafão para pontuar. O camisa #9 teve médias de 14 pontos e 5,5 assistências em 27,7 minutos por exibição na temporada regular contra a equipe de Miami, contra 23 pontos e sete rebotes em 28,9 minutos por partida de The Big Fundamental.

Com três dos seis votos dados por blogueiros do Spurs Brasil, Dwyane Wade foi eleito a peça-chave do Heat nesta final de NBA. Os recentes problemas em seus joelhos fazem com que sua situação física seja colocada em dúvida, mas, se estiver 100%, o ala-armador se torna fundamental para desafogar LeBron James e, ao lado de Ray Allen e Chris Bosh, ajudar a tornar seu time praticamente imarcável. Na temporada regular, o camisa #3 teve médias de 12 pontos, seis rebotes e três assistências em 29,9 minutos por exibição contra o Spurs.