Arquivo diário: 22/05/2014

Spurs estuda quatro prospectos de perímetro

Entre os dias 14 e 18 de maio, aconteceu em Chicago o Draft Combine, evento que reúne representantes de franquias e prospectos de olho no Draft de 2014. Aos poucos, informações sobre os jogadores com quem representantes do San Antonio Spurs conversaram começam a sair e foram compiladas pelos sites americanos 48 Minutes of Hell e Project Spurs. Três atletas foram observados pela franquia texana – todos eles de perímetro.

Gary Harris: alvo possível para o Spurs? (Foto: Leon Halip/Getty Images)

Segundo Alex Kennedy, do site Basketball Insiders, o Spurs se encontrou com Shabazz Napier no evento. O armador de UCONN acaba de terminar sua quarta e última temporada no basquete universitário, na qual apresentou médias de 18 pontos (42,9% FG, 40,5% 3 PT, 87% FT), 5,9 rebotes e 4,9 assistências em 35,1 minutos por partida. O nbadraft.net aponta a liderança e a maturidade como pontos fortes e compara seu estilo ao de Mike Bibby. O atleta deve sair no máximo até a 15ª escolha, e também se reuniu com Brooklyn Nets, Denver Nuggets e Golden State Warriors. A seguir, veja vídeo feito pelo DraftExpress sobre ele:

De acordo com o site mlive, Gary Harris foi entrevistado pelo Spurs. O ala-armador de Michigan State acaba de terminar sua segunda temporada no basquete universitário, na qual apresentou médias de 16,7 pontos (42,9% FG, 35,2% 3 PT, 81% FT) e quatro rebotes em 32,3 minutos por partida. O nbadraft.net aponta a velocidade como seu ponto forte e a altura e o controle de bola como fraquezas, e compara seu estilo ao de OJ Mayo. O atleta deve sair antes do meio da primeira rodada. A seguir, veja vídeo feito pelo DraftExpress sobre ele:

Segundo Adam Zagoria, jornalista da TV americana SNY, o Spurs também entrevistou o ala Kyle Anderson. O jogador de UCLA acaba de terminar sua segunda temporada no basquete universitário, na qual apresentou médias de 14,6 pontos (48% FG, 48,3% 3 PT, 73,7% FT), 8,8 rebotes e 6,5 assistências em 33,2 minutos por exibição. O nbadraft.net aponta a altura como seu ponto forte e a velocidade como ponto fraco, e compara seu estilo aos de Jalen Rose e Lamar Odom. O atleta deve sair entre o meio e o fim da primeira rodada do recrutamento de calouros, e também foi entrevistado por Chicago Bulls, Dallas Mavericks, Denver Nuggets, Golden State Warriors, Los Angeles Clippers, Minnesota Timberwolves, Philadelphia 76ers e Toronto Raptors. A seguir, veja vídeo feito pelo DraftExpress sobre ele:

Vale lembrar que o Spurs também se reuniu com o armador Elfrid Payton.

O Draft acontece no dia 26 de junho, no Bracleys Center, ginásio do Brooklyn Nets, e a franquia texana terá as escolhas 30, 58 e 60 no recrutamento de calouros.

Anúncios

Spurs (2) vs Thunder (0) – Atropelou!

112×77

35 pontos. Este foi o tamanho da surra que o San Antonio Spurs aplicou sobre o Oklahoma City Thunder, nesta quarta-feira (21), no segundo jogo da final da Conferência Oeste. O amplo domínio sobre o rival garantiu a defesa do mando de quadra, com o time abrindo 2 a 0 no placar da decisão deste lado do país, e deu aos texanos uma importante vantagem na luta para voltar a brigar pelo título da NBA. Vamos, a seguir, aos destaques do confronto.

Parker foi cestinha com 22 pontos e ajudou Spurs a aplicar uma ‘lavada’ (Foto: NBAE/Getty Images)

Passou por cima

Dos 48 minutos de jogo, apenas os 18 iniciais podem ser considerados equilibrados. O Thunder começou bem a partida, igualando as ações, e chegou a encerrar o primeiro quarto na frente, 26 a 24, mas o que se viu a partir da metade do segundo período foi um Spurs simplesmente demolidor. Abrindo vantagem e sem dar a menor chance ao rival, os texanos renderam dois recordes negativos ao adversário: os 35 pontos de diferença igualam a pior derrota já sofrida pela franquia de Russell Westbrook, Kevin Durant e companhia em uma partida de playoffs, enquanto os 77 pontos anotados igualam a menor pontuação registrada em um jogo de mata-mata desde a mudança da franquia de Seattle para Oklahoma City.

Green pôs a mão na forma após início ruim nos playoffs (Foto: NBAE/Getty Images)

Big Three forever

Tony Parker, Manu Ginobili e Tim Duncan formam, há mais de uma década, o vitorioso núcleo do Spurs. E após muitos anos de grandes campanhas chegando longe no campeonato, o trio se tornou o mais vitorioso da história da NBA em partidas de playoffs. Com a vitória desta quarta, a trinca chegou a 111 triunfos em partidas de mata-mata, superando o recorde anterior, que pertencia aos lendários Magic Johnson, Kareem Abdul-Jabbar e Michael Copper, que marcaram época no Los Angeles Lakers nos anos 80 e, juntos, tinham 110.

7×3 = Danny Green

Lá pela primeira ou segunda série do ensino fundamental, você deve ter aprendido e decorado qual era a tabuada do 3. Esta, provavelmente, devia ser a lição preferida de Danny Green, que neste jogo 2 fez sua melhor aparição nos playoffs no quesito bolas de longa distância. Foram sete arremessos certeiros – de um total de nove da equipe -, resultando em um total de 21 pontos.

O ala-armador também ajudou na marcação durante a ausência de Kawhi Leonard, que logo no início do primeiro quarto cometeu duas faltas e atuou por apenas 16 minutos.

Depois de um desempenho bem abaixo da média na série contra o Dallas Mavericks, Green parece ter recuperado o ritmo a confiança em seu arremesso, sem dúvida uma arma fundamental para abrir as defesas. Quando está calibrado, é capaz de desequilibrar com sequências de dois ou até três bolas longas consecutivas – basta lembrar do estrago que o camisa #4 fez durante a final da temporada passada, contra o Miami Heat.

Sem solução

O Thunder sofre para encaixar seu jogo sem Serge Ibaka no garrafão. Mais uma vez, Nick Collison e Kendrick Perkins tiveram atuações pífias – o segundo chamou mais atenção por suas faltas e encontrões propositais. Perry Jones, mais leve e ágil que a dupla, também pouco fez. Só quem conseguiu produzir alguma coisa foi Steven Adams, que deixou a quadra com razoáveis nove pontos e oito rebotes. Os outros três, somados, tiveram seis pontos e dez rebotes. Muito pouco para quem contou com 12,3 pontos e 7,3 rebotes por jogo apenas de Ibaka nas duas séries anteriores. O congolês, naturalizado espanhol, era a terceira via ofensiva e o terceiro maior reboteiro do time do mata-mata, atrás só de Durant e Westbrook.

Sob controle

Na prévia da série, apontei Westbrook como o jogador chave para o Thunder. A lógica é a seguinte. Impedir Durant de marcar pontos é uma missão praticamente impossível, então um caminho a ser seguido é buscar limitar ao máximo a produção do armador, que apesar do potencial físico impressionante não costuma tomar decisões muito inteligentes em quadra. Apesar de já ter alcançado 40 pontos somando os dois jogos da série realizados até agora, o camisa 0 acertou somente 16 de 45 arremessos disparados, um aproveitamento de 35,5%, além de ter desperdiçado a bola em sete ocasiões. Nos tiros de três pontos, apenas dois acertos em nove tentativas. Se a estratégia do Spurs é mesmo manter o jogador sob controle, ela vem sendo seguida a risca e surtindo resultados animadores.

Destaques da partida

San Antonio Spurs

Tony Parker – 22 pontos e 5 assistências

Danny Green – 21 pontos

Tim Duncan – 14 pontos e 12 rebotes

Oklahoma City Thunder

Russell Westbrook – 15 pontos, 5 rebotes e 5 assistências

Kevin Durant – 15 pontos