Arquivo mensal: janeiro 2014

Spurs (33-11) @ Rockets (29-17) – Temporada Regular

San Antonio Spurs @ Houston Rockets – Temporada Regular

Data: 28/01/2014

Horário: 23h00 (Horário de Brasília)

Local: Toyota Center

Na TV: SPORTS+

Cotação no Apostas Online: Spurs 2,02 @ Heat 1,80 (favorito)

Sem Tiago Splitter, Danny Green e Kawhi Leonard, Gregg Popovich, técnico do San Antonio Spurs, terá de arquitetar um bom esquema para parar o Houston Rockets de James Harden e companhia. Tim Duncan terá de se esforçar para garantir que os rebotes não caia nas mãos dos pivôs rivais. Os donos da casa têm levado a melhor sobre o alvinegro texano nesta temporada, vencendo dois jogos em pleno AT&T Center. Será preciso conseguir duas vitórias na casa do adversário para empatar a série. A reação começa nesta terça?

Série na temporada (0-2)

30/11/2013 – Spurs 106 vs 112 Rockets

Em casa, o Spurs conseguiu grande reação e, comandado por Tony Parker, que anotou 27 pontos, oito assistências e seis rebotes, conseguiu virar um jogo em que chegou a estar perdendo por 23 pontos de diferença. Porém, no quarto período, o Rockets, que contou com 31 pontos, sete rebotes e seis assistências de James Harden, levou a melhor.

30/11/2013 – Spurs 98 vs 111 Rockets

Liderados mais uma vez por James Harden, o “barba do capeta”, o Rockets conseguiu mais uma vitória como visitante. Dwight Howard fez um duplo-duplo, com 15 pontos e 20 rebotes.

PG – Tony Parker

SG – Cory Joseph/Manu Ginobili

SF – Marco Belinelli

PF – Boris Diaw

C – Tim Duncan

Fique de Olho – Manu Ginobili pode voltar ao time titular para reforçar a marcação desde o início. Na temporada, o astro vem produzindo abaixo da sua média, com 12,1 pontos por jogo.

PG – Patrick Berveley

SG – James Harden

SF – Chandler Parsons

PF – Terence Jones

C – Dwight Howard

Fique de Olho – No último confronto, ninguém do Spurs conseguiu parar James Harden, o “barba do capeta”, que estava voltando de uma contusão. Ele lidera o Houston com 23,7 pontos, 5,5 assistências e 1,3 roubadas de bolas por partida.

Spurs (33-11) @ Heat (32-12) – Vingança adiada

101×113

Pela primeira vez desde a derrota no jogo 7 da final de 2013, o San Antonio Spurs voltou à American Airlines Arena, neste domingo (26), para encarar o Miami Heat em uma partida oficial. Mas se algum torcedor texano esperava por uma vingança na Flórida, terá mesmo esperar um possível novo confronto na decisão da liga, já que o segundo e último duelo das equipes na temporada regular será disputado no AT&T Center. Com o elenco abalado por desfalques, o time comandado por Gregg Popovich acabou derrotado com facilidade por 113 a 101.

Sem Leonard, Diaw ficou encarregado da marcação sobre LeBron (Foto: NBAE/Getty Images)

Remendado

Nunca é demais lembrar que o Spurs atuou sem três titulares, e assim deve continuar por ao menos mais duas semanas. Tiago Splitter, com problema no ombro, Danny Green, com lesão no punho, e Kawhi Leonard, com fratura no dedo da mão, estão fora de combate, o que atrapalha, principalmente, o rendimento defensivo da equipe. Com as ausências, o time titular foi formado por Tony Parker, Cory Joseph, Marco Bellinelli, Boris Diaw e Tim Duncan.

Já o Heat atuou com o que tem de melhor. Depois de quatro jogos afastado se recuperando de dores em diversos locais, Dwyane Wade voltou ao time, que contou com força máxima.

Spurs foi dominado na batalha do garrafão (Foto: NBAE/Getty Images)

Podia ser pior

A diferença de 12 pontos acabou ficando barata. Apesar de ter conseguido até equilibrar o confronto no primeiro tempo – porém sempre atrás no marcador -, o Spurs chegou a estar em desvantagem de 29 pontos no início do último quarto. Os donos da casa, então, tiraram o pé e permitiram a aproximação.

Rebotes

Capturar rebotes não é bem a especialidade do Spurs, que, com uma média de 42,8 por partida, ocupa apenas a 19ª colocação no ranking da NBA. Mas se os texanos têm problemas para resgatar as sobras, o time da Flórida costuma ser ainda pior, com apenas 36,8 por confronto, pior média da liga.

No duelo deste domingo, entretanto, o Heat aplicou uma verdadeira “lavada” no fundamento. Foram 37 rebotes coletados ao longo dos 48 minutos de partida, contra apenas 28 do Spurs, que teve o reserva Ayron Baynes como o melhor no quesito, com seis.

Que venha o clássico

A derrota, até certo ponto já esperada, pode ser esquecida na terça-feira (28), quando o time texano volta a entrar em quadra. A partida será um clássico local, contra o Houston Rockets, no Toyota Center. James Harden e companhia levaram a melhor nos dois confrontos realizados até agora na temporada. Será a hora de vencer?

San Antonio Spurs

Tim Duncan – 23 pontos

Boris Diaw – 15 pontos

Marco Bellineli – 12 pontos

Miami Heat

Chris Bosh – 24 pontos

LeBron James – 18 pontos, 7 rebotes e 6 assistências

Mario Chalmers – 16 pontos e 7 assistências

Spurs (33-10) @ Heat (31-12) – Temporada Regular

San Antonio Spurs @ Miami Heat – Temporada Regular

Data: 26/01/2014

Horário: 16h00 (Horário de Brasília)

Local: American Airlines Arena

Cotação no Apostas Online: Spurs 2,46 @ Heat 1,55 (favorito)

O domingo (26) será um dia para os torcedores do San Antonio Spurs reencontrarem fantasmas antigos. A franquia texana retorna para a American Airlines Arena para disputar seus primeiros jogos oficiais contra o Miami Heat desde as traumáticas derrotas nos jogos 6 e 7 das finais do ano passado, que foram disputados na Flórida. Antes disso, a equipe alvinegra retornou ao fatídico cenário na pré-temporada, perdendo por 121 a 96 para os atuais campeões. Os visitantes vão desfalcados de Danny Green, Kawhi Leonard e Tiago Splitter, lesionados. Os donos da casa, por sua vez, devem ter todo o elenco à disposição.

PG – Tony Parker

SG – Cory Joseph

SF – Marco Belinelli

PF – Jeff Ayres

C – Tim Duncan

Fique de Olho – Nos playoffs do ano passado, ainda com a camisa do Indiana Pacers, Jeff Ayres teve importante desempenho defensivo em duelo com Josh Smith na série contra o Atlanta Hawks. Neste domingo, sem Danny Green e Kawhi Leonard, o Spurs precisará de candidatos a marcador de LeBron James. Será que o ala-pivô será um deles?

PG – Mario Chalmers

SG – Dwyane Wade/Ray Allen

SF – LeBron James

PF – Shane Battier

C – Chris Bosh

Fique de Olho – No ano passado, Ray Allen foi o autor do fatídico arremesso no jogo 6 que nunca mais vai sair da cabeça dos torcedores do Spurs. Nesta temporada, o ala-armador tem médias de 9,5 pontos e 3,1 rebotes em 26,7 minutos por exibição, com 34% nos arremessos de três pontos, e segue sendo uma das peças mais importantes do banco de reservas do Heat.

A vingança nunca é plena, mata a alma e envenena

Um rebote ofensivo.

Sim, foi um simples rebote ofensivo, restando 9,3 segundos para o fim do jogo 6 das finais do ano passado, pego por Chris Bosh, na Flórida, que determinou o bicampeonato do Miami Heat e fez grande parte da torcida do San Antonio Spurs xingar, reclamar, chorar ou até desmaiar. Milhares de torcedores do alvinegro estavam reunidos no Riverwalk prontos para comemorar o pentacampeonato da franquia em 14 anos, mas tiveram que voltar para suas casas com o sabor amargo da derrota. Muitos já pressentiam que provavelmente o título tivesse escapado ao fim da partida, na qual a equipe texana perdeu por 103 a 100.

Por que o rebote de Bosh foi determinante? Espera aí Adonis, esse foi só o jogo 6… O Spurs ainda teve os 48 minutos da última partida para reverter o resultado. Você está doido?

Torcedores lamentam a derrota na final (Eric Gay/AP)

Ok, vamos por partes. Primeiro, o rebote que Bosh pegou não alterou o placar, mas o ala-pivô passou a bola para Ray Allen – o melhor arremessador de 3 da história dos playoffs da NBA –, que, marcado de perto por Tony Parker, conseguiu converter a cesta de três pontos que empatou o jogo em 95 a 95 e o levou para a prorrogação. Antes do lance, muitos torcedores já se abraçavam e gritavam histericamente com a provável vitória do Spurs. A jogada foi um banho de água fria para o time texano, que perdeu o tempo extra por oito a cinco.

Quem já jogou esporte profissional e de alto nível sabe que, em um jogo decisivo, o fator mais importante para um atleta ou uma equipe é o psicológico. Estar tão perto de colocar as mãos na taça no jogo 6 foi frustrante para os jogadores, que não conseguiram encaixar seu melhor desempenho contra um inspirado Heat e sua inflamada torcida, que, depois do susto de quase perder, viram a chance de conquistar o bicampeonato na partida seguinte em um caldeirão chamado American Airlines Arena. O Spurs tinha condições técnicas de ganhar o jogo 7? Acho que sim. O Spurs tinha condições psicológicas de ganhar o jogo 7? Acho que não.

Neste domingo, é a primeira vez que o time texano irá voltar para a American Airlines Arena em um duelo de temporada regular, depois do jogo 7 das finais de 2013 – o Spurs perdeu para o Heat, fora de casa, na pré temporada por 121 a 96. Particularmente, eu acho que o duelo será um separador de águas para as ambições da franquia texana. Uma derrota significaria que realmente a equipe não tem aquele gás extra para competir contra as maiores potências.

Por outro lado, uma vitória mostraria que os “velhos” Tony Parker, Manu Ginobili e Tim Duncan ainda estão vivos, e ainda pensam em uma futura vingança…

Spurs (33-10) @ Hawks (22-20) – Vitória com desfalques

105×79

Na estrada após perder, em casa, para o Oklahoma City Thunder, o San Antonio Spurs mais uma vez evitou sofrer a segunda derrota seguida, algo que não aconteceu nenhuma vez ainda na temporada. O time texano visitou o Atlanta Hawks na noite desta sexta-feira (24) e deu um baile na equipe da casa, mesmo sem poder contar com Danny Green, Kawhi Leonard e Tiago Splitter, todos afastados por lesões. A seguir, confira alguns pontos sobre a partida.

Diaw teve grande atuação pelo Spurs (Getty Images)

Dominio do garrafão

Mesmo sem Tiago Splitter, que tem grande contribuição para os rebotes do Spurs, o garrafão do time de preto e prata foi incrivelmente superior ao do Hawks, agarrando 18 rebotes a mais: 56 a 38. Grande parte desses ressaltos caíram nas mãos de Tim Duncan, que coletou 16.

Mills estava calibrado em Atlanta (NBAE/Getty Images)

Domínio do banco

Obviamente que, sem três jogadores titulares, os reservas teriam que ajudar mais, o que acabou acontecendo. Boris Diaw e Patty Mills começaram a partida no banco, mas aproveitaram todos os minutos cedidos a eles. Em 22 minutos, o ala-pivô francês fez 21 pontos e pegou cinco rebotes, acertando três das quatro bolas que arriscou da linha dos 3. Já o armador australiano fez 18 pontos, com 6 arremessos de longe convertidos, em 23 minutos.

Equilíbrio

O time de Gregg Popovich tem fama de sempre fazer todos jogarem, e contra o Hawks tivemos mais uma prova disso. Todos os jogadores pontuaram e pegaram rebotes. Além disso, só Cory Joseph não cometeu uma falta, equilibrando elas entre os outros atletas. Os mais “indisciplinados” foram Jeff Ayres e Nando de Colo, com três faltas cada. Assim, o time texano não teve problemas em controlar os minutos e administrar sua rotação durante o duelo.

Destaques da partida

San Antonio Spurs

Boris Diaw – 23 pontos e 5 rebotes

Patty Mills – 18 pontos

Tim Duncan – 17 pontos, 16 rebotes e 4 tocos

Atlanta Hawks

Paul Millsap – 15 pontos, 8 rebotes,  4 roubos de bola e 2 tocos

Louis Williams – 12 pontos e 7 assistências