Arquivo diário: 31/08/2013

Cory Joseph joga mal e Canadá perde a primeira

No segundo jogo do Canadá na Copa América, disputada em Caracas (VEN), Cory Joseph, armador do San Antonio Spurs, não conseguiu repetir a boa atuação que teve na primeira partida e sua seleção caiu diante da forte equipe de Porto Rico neste sábado (31), perdendo pelo placar de 83 a 67. Em duelo disputado ponto a ponto durante os três primeiros quartos, o período final foi decisivo e definiu a derrota para os caribenhos.

Joseph não foi bem contra Porto Rico (Marcelo Figueras/Fiba Americas)

Joseph não foi bem contra Porto Rico (Marcelo Figueras/Fiba Americas)

CoJo atuou durante 32 minutos, anotando quatro pontos, seis rebotes e três assistências. Durante o tempo em que ficou em quadra, ele foi responsável por segurar o ímpeto de outro armador da NBA, o portorriquenho JJ Barea, do Minnesota Timberwolves.

Defensivamente, o jogador do Spurs jogou atuou bem e conseguiu anular seu adversário, mas ofensivamente pouco produziu – muito em razão do esquema da equipe norte-americana, que, diferentemente do time de San Antonio, concentra suas jogadas no garrafão com os pivôs e pouco utiliza a rotação de bola no perímetro.

Com a queda de rendimento da sua equipe, Joseph ficou apagado ao longo do último quarto, ficando os minutos finais no banco de reservas.

O atleta do Spurs jogará novamente no domingo, contra a o Brasil, às 12h30 (de Brasília).

Anúncios

Foco: reserva reboteiro de Leonard

Restando 39 dias para seu primeiro amistoso de pré-temporada, o San Antonio Spurs ainda tem uma vaga aberta em seu elenco de olho na temporada 2013/2014 da NBA. E, de acordo com os últimos rumores envolvendo agentes livres, a busca da franquia texana se dá para suprir a maior carência do plantel no momento: um reserva para Kawhi Leonard. Entre todos os jogadores do alvinegro, o camisa #2 é o único ala de origem. Por isso, as notícias de que James Johnson e Josh Childress passarão por treinos de avaliação com a equipe animam, mostrando que diretoria e comissão técnica estão atentas à questão.

Johnson será avaliado pela comissão técnica do Spurs (Cary Emondson/US Presswire)

A princípio, talvez, uma contratação nem seja necessária. O Spurs pode se dar ao luxo de usar Tony Parker, Danny Green e Kawhi Leonard como titulares no perímetro. Na segunda unidade, Cory Joseph (ou Nando De Colo), Marco Belinelli, recém-contratado, e Manu Ginobili podem fazer o time funcionar muito bem no ataque. Na defesa, Boris Diaw e o próprio Danny Green mostraram contra o MVP LeBron James, na recente final da NBA, que podem defender muito bem a posição 3 nos minutos de descanso do único ala do elenco. Mas, mais do que isso, a chegada do 15º jogador pode dar uma opção a mais para o técnico Gregg Popovich montar seus quintetos durante os jogos.

Como disse na minha última coluna, em que sugeri a contratação de Viktor Sanikidze, o Spurs perde força nos rebotes quando precisa utilizar formações mais baixas. De todas as opções que Pop tem para montar seu time no small-ball – incluindo Boris Diaw e Matt Bonner -, só Kawhi Leonard é um reboteiro confiável. Na última temporada, de acordo com o NBA Stats, o ala coletou 11,3% dos ressaltos do time texano enquanto esteve em quadra, contra 8,8% do francês e 8,2% do Red Rocket. Em parte, a chegada de Jeff Pendergraph ajuda a sanar isso – o ágil ala-pivô ex-Indiana Pacers pegou 14,8% dos rebotes da equipe enquanto esteve em quadra pela franquia de Indianápolis no último campeonato.

No entanto, Pendergraph, assim como Bonner, é pesado demais para a posição 3, embora tenha agilidade acima da média para a 4. Segundo o site 82games, o Red Rocket ocupou apenas 1% da rotação da equipe texana na ala na última temporada, contra 0% do ex-jogador do Pacers em Indianápolis. Por isso, a princípio, o Spurs precisa de um jogador que possa entrar em quadra nos minutos de descanso de Leonard, mas que também possa dividir a quadra com ele, preferencialmente sem fazer com que a equipe perca força nos rebotes.

Johnson parece ser esse jogador quando olhamos para suas estatísticas. Na última temporada, com o Sacramento Kings, o jogador ocupou 13% da rotação da ala e 8% da rotação da posição 4 pela equipe. Além disso, coletou 9,4% dos rebotes do time enquanto estava em quadra. Para atuar pelo Spurs, no entanto, o atleta precisa melhorar seu tiro de longa distância – nada que Chip Engelland não possa resolver. Mas seu gráfico de arremesso do último campeonato mostra sua dificuldade em converter bolas do perímetro.

Reprodução/http://stats.nba.com

Reprodução/stats.nba.com

Childress também parece mais uma opção interessante – mas mais pelo seu passado do que por sua carreira recente. Na última temporada, o ala disputou apenas 14 partidas pelo Brooklyn Nets e ocupou somente 2% da rotação de ala – também disputou alguns minutinhos como ala-armador e ala-pivô. No pequeno período, coletou 7,8% dos rebotes disponíveis do time enquanto estava em quadra. No entanto, o jogador converteu 33,3% de seus tiros de três pontos na última temporada, contra apenas 9,5% de Johnson.

De qualquer modo, os dois aparecem como opções válidas para o Spurs. Childress, mais habilidoso com a bola nas mãos, poderia empurrar Leonard para a posição 4 em formações mais baixas, enquanto Johnson, que aposta mais na força física, seria o ala-pivô do small-ball do time. Qualquer um dos dois, se contratados, desde que por uma quantia barata, podem dar ao time a última pecinha que falta no elenco.