Arquivo diário: 29/07/2013

Convocação de Joseph para o Canadá é formalizada

Nesta segunda-feira (29), Jay Triano, treinador da seleção canadense masculina de basquete, e Steve Nash, armador do Los Angeles Lakers e General Manager da federação local, anunciaram uma lista de 18 pré-convocados para a disputa da Copa América. Entre os relacionados, está Cory Joseph, armador do San Antonio Spurs.

Joseph durante treino com a seleção do Canadá (Reprodução/facebook.com/CanadaBasketball)

Já era sabido que Joseph faria parte da convocação. Além dele, Andrew Nicholson, ala-pivô do Orlando Magic, e Tristan Thompson, ala-pivô do Cleveland Cavaliers, estavam na mesma situação e eram presenças certas na relação. A lista conta ainda com mais dois jogadores que estiveram na NBA na última temporada: o ala Kris Joseph, recentemente dispensado pelo Boston Celtics, e o pivô Joel Anthony, do Miami Heat.

Entre os cinco, Joseph é o único armador, o que indica que ele deve ser titular da seleção.

A Copa América será disputada entre 30 de agosto e 11 de setembro, em Caracas, na Venezuela. Até lá, Triano precisará fazer seis cortes, já que cada seleção pode levar 12 jogadores no elenco. Clique aqui e confira a convocação completa do Canadá.

Um outro olhar – Análise de Jeff Pendergraph

Nesta offseason, uma das principais movimentações do San Antonio Spurs foi a contratação de Jeff Pendergraph. O ala-pivô, que disputou a última temporada pelo Indiana Pacers, é, no entanto, um jogador pouco conhecido pelo grande público que acompanha a NBA. Por isso, o Spurs Brasil convidou Kaique Quadros, autor do atualmente inativo blog Pacers Brasil, para fazer um texto opinativo sobre o atleta. Confira, a seguir, a análise dele:

Pendergraph é uma das caras novas do Spurs (NBAE/Getty Images)

O que dizer do Jeff Pendergraph? Na última temporada, ele não teve muitos minutos em quadra para podermos dizer que exista algo de bom ali. Abro esse raciocínio dizendo que o garrafão reserva do Indiana Pacers, formado por Tyler Hansbrough e Ian Mahinmi, foi horripilante! Mostra que não havia mesmo talento no jogador.

Pelo pouco que podemos analisar em sua passagem pelo Pacers, Pendergraph não passa de um total energy guy, aquele cara que sai do banco com dedicação e vibração para contagiar seus companheiros em quadra. Sabe apanhar rebotes decentemente? Sim, porém não de forma eficaz. Pode trazer alguma resistência defensiva para um cara mais rápido? Talvez. Mas se fosse algo contínuo, ele seria mais utilizado.

Acho que o auge de Pendergraph foi a série de primeira rodada dos playoffs deste ano, contra o Atlanta Hawks. Al Horford e Josh Smith conseguiram empatar a série em 2 a 2 jogando em seus domínios de forma incrível, e o ala-pivô, ainda pelo Pacers, foi utilizado como marcador do hoje reforço do Detroit Pistons. Uma iniciativa inteligente do técnico Frank Vogel, visto que a equipe de Indiana passou de fase e que Smith não foi mais tão impressionante como tinha sido nos outros jogos. Essa combinação de marcação, disposição e uma certa velocidade é o que acredito que possa ser a justificativa para o Spurs contratá-lo.

Você pode se perguntar se eu não estou sendo muito duro e pessimista sobre Pendergraph. Será mesmo que ele não tem uma noção ofensiva? Mas sou categórico nessa análise e não vi talento nenhum do jogador no ataque durante sua passagem pelo Pacers. Ele é atlético e tudo o mais, mas pouco sabe usar isso a seu favor. Vê-lo bater bola é um pesadelo, e suas tentativas de arremessos de meia distância são algo doloroso de se ver.

No entanto, e se aparecer uma série como a do Pacers contra o Hawks? E se ele conseguir ajustar a marcação em um cara mais rápido e forte, coisa que Paul George e David West não conseguiram diante da equipe de Atlanta? E se o Spurs obtiver sucesso utilizando-o em um confronto desse tipo? A franquia texana já poderá considerar a aquisição um acerto? Fica a pergunta para os torcedores do time de San Antonio.