Diante das adversidades, como manter torcedores?

O San Antonio Silver Stars passa por uma fase muito ruim, e isso não é mistério para ninguém. No entanto, existe uma cultura muito forte dentro das ligas norte-americanas de transformar uma franquia em um grande negócio. Normalmente, os times não são apenas uma forma de diversão para a sociedade, pois por trás de todo o entretenimento oferecido existe uma empresa com o objetivo de produzir, como toda sociedade capitalista, lucro. Quando isso não acontece, ou existe uma mudança de localidade – tal qual o Seattle SuperSonics hoje é o Oklahoma City Thunder na NBA e o Detroit Shock se tornou o Tulsa Shock na WNBA – ou as portas são fechadas definitivamente – caso do Sacramento Monarchs na liga feminina.

No caso do San Antonio Silver Stars, a empresa que controla as ações da equipe é a Spurs Sports & Entertainment Executives. Ou seja, os mesmos donos do San Antonio Spurs. Apesar de Gregg Popovich e Dan Hughes serem os comandantes dos times, o “cara da grana” é Peter Holt. Esse é o motivo para tanto o esquadrão feminino quanto o masculino dividirem o mesmo estádio como “casa”, o AT&T Center, terem as mesmas cores e seus jogadores apoiarem os títulos um do outro – por exemplo, quando Becky Hammon tirou uma foto com troféus da NBA em homenagem ao Spurs na última final da NBA.

A situação dos “irmãos”, porém, é diferente da das garotas. O Spurs não precisa de muito esforço para atrair torcedores, que são, consequentemente, consumidores, tanto por meio da aquisição de ingressos como de camisas e outras coisinhas que todo fã gosta de ter – chaveiros, adesivos, bobbleheads de jogadores e estandartes, entre outros. Raramente uma franquia da NBA corre o risco de se extinguir, principalmente as mais tradicionais e vencedoras, como o Spurs. Já na WNBA, a cada ano existe um temor por parte dos admiradores de que seu time chegue ao fim. Já aconteceu com equipes importantes, como o Sacramento Monarchs e o Detroit Shock, mencionados acima.

O Seattle Storm quase teve de se desligar do campeonato recentemente, até que um grupo de torcedoras – isso mesmo, apenas mulheres – assumiu as despesas do time, que hoje é um dos que tem o maior sucesso e investimento na liga. No caso do Silver Stars, existe uma grande sorte pelo fato de o grupo responsável por suas ações ter bastante dinheiro e os torcedores fieis do Spurs apoiarem as garotas. Em menor escala, é claro, mas há fãs incontestáveis.

Para que essa base de apoiadores se mantenha, principalmente os conhecidos Season Ticket Holders – os que compram ingressos com lugar cativo para a temporada inteira –, o time investe em jogadoras e em atividades que envolvam aqueles que estão nas arquibancadas. O Silver Stars tem atletas queridas e que levam resultado: Becky Hammon, Sophia Young, Danielle Robinson, DeLisha Milton-Jones, Jia Perkins e Danielle Adamas, por exemplo. No geral, essas são muito apreciadas pelos torcedores das estrelas prateadas.

O motivo principal para que as pessoas sintam afeição pelas jogadoras é o resultado que essas trazem em quadra, o que não tem acontecido em 2013 com a equipe texana. Na WNBA existe, ainda, o fator “beleza”. Muitos homens acompanham alguns times devido à aparência das atletas. Neste ano, os rapazes foram presenteados com Elena Delle Donne e Skylar Diggins, que além de serem monstros com a bola são lindas – sim, recalque da colunista aqui. Não duvido nada que o Chicago Sky e o Tulsa Shock tenham uma nova safra muito forte de torcedores para os próximos anos.

Um tipo de ação que acontece com frequência na WNBA para que a comunidade se aproxime do time de sua cidade, e mais consumidores sejam atraídos, são encontros periódicos, do tipo “Meet&Greet“, nos quais as jogadoras se colocam à disposição para tirar fotos, dar autógrafos e trocar uma ideia com os mortais que as acompanham. O Silver Stars manda muito bem nisso, e já promoveu compromissos informais com torcedores em um boliche, casas de fast food, festas para os Season Ticket Holders, um campo de golf e leilões beneficentes, por exemplo. Sem contar as aparições na imprensa, como participação em publicações fora do segmento esportivo (Jayne Appel e Davellyn foram capa da revista Texas Dogs And Cats Magazine deste mês) e rádios regionais (Becky Hammon é a que mais participa deste tipo de entrevista). Outro exemplo: no começo da temporada, Sophia Young foi escolhida para comentar um dos jogos da final do Spurs no Twitter do Silver Stars.

Jayne Appel e Davellyn Whyte no ensaio fotográfica para a capa da revista Texas Dogs And Cats Magazine (Divulgação)

Jayne Appel e Davellyn Whyte no ensaio fotográfica para a capa da revista Texas Dogs And Cats Magazine (Divulgação)

Afora essas atividades escolhidas individualmente pelas franquias, existe o WNBA Cares, no qual todos os times da liga devem estar envolvidos obrigatoriamente a fim de promover ações beneficentes em sua comunidade.

Danielle Adams e Davellyn White em uma ação da WNBA Cares (Divulgação)

Assim é que o Silver Stars tem sobrevivido em 2013, com a aproximação de seus torcedores, mostrando que eles podem, de alguma maneira, participar da vida da franquia.

Dan Hughes em um evento particular para os Season Tickets Holders do San Antonio Silver Stars, no Zoológico de San Antonio (Katie Funk/sasilverstars.com)

Uma ação que envolve treinos em cidades diferentes deu uma oportunidade de aproximação de novos torcedores (Annie Werner – sasilverstars.com)

Na semana que se passou, as estrelas prateadas perderam dois jogos e ganharam um. Agora, têm um período de descanso, no qual enfrentarão apenas o New York Liberty, na quinta-feira.

Um olhar mais profundo

Elena Delle Donne não cansa de se destacar em sua primeira temporada como profissional. Ao final da votação pelas titulares das conferências Leste e Oeste do All-Star Game de 2013 da WNBA, a novata ficou em primeiro lugar e passou a ser a única primeiranista a ficar no topo da enquete pública na história da liga.

Os times foram definidos desta maneira:

Leste – Cappie Pondexter (New York Liberty), Epiphanny Prince (Chicago Sky), Elena Delle Donne (Chicago Sky), Tamika Catchings (Indiana Fever) e Angel McCoughty (Atlanta Dream)

Oeste – Diana Taurasi (Phoenix Mercury), Seimone Augustus (Minnesota Lynx), Candace Parker (Los Angeles Sparks), Maya Moore (Minnesota Lynx) e Brittney Griner (Phoenix Mercury)

Publicado em 22/07/2013, em San Antonio Silver Stars, Vestiário Feminino e marcado como , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s