Arquivo diário: 02/06/2013

O nome dele é Dan Hughes

Conhecido por ter gravatas excêntricas, pavio curto e talento inegável para coisas novas. Esse é Dan Hughes, o carismático, apesar de paradoxal, técnico do San Antonio Silver Stars (Stacy Bengs/AP)

“Eu não sei como fazer as coisas darem certo quando Becky Hammon e Sophia Young estão fora do elenco. Mas se tem alguém que consegue resolver isso, é Dan Hughes”. Essa foi a frase que um dos comentaristas dirigiu ao público antes do início de San Antonio Silver Stars contra Los Angeles Sparks ontem (01). O resultado do jogo? Vitória do time texano.

A aptidão de Dan Hughes realmente é notável. Capaz de encontrar talento onde poucos conseguem enxergar e canalizar toda a qualidade de sua equipe para um melhor aproveitamento no ataque, o técnico coleciona conquistas importantes em seu currículo, o que justifica os seus longos anos com o San Antonio Silver Stars.

Eleito duas vezes o melhor técnico da WNBA

Em 2001, a honra o foi concedida quando ainda era o cabeça do Cleveland Rockers. Sua segunda conquista foi em 2007, com o San Antonio Silver Stars.

Na primeira vez, Hughes liderou sua equipe ao primeiro lugar da Conferência Leste, com uma campanha de 22 vitórias e dez derrotas. Não chegaram à final da divisão, mas foi o suficiente para que merecesse o prêmio. Por quê? Em 1999, um ano antes de assumir o esquadrão, o time teve uma terrível temporada, com sete vitórias e 25 derrotas. Já no campeonato seguinte (2000), conseguiu uma recuperação para 17-15, até alcançar os playoffs em 2001 (22-10). Seis anos depois, na estratégia que levou o San Antonio Silver Stars à sua primeira final de conferência, o treinador também recebeu o título de Técnico do Ano.

Escolha de jogadoras importantes – e uma troca genial

Em 2006, Dan Hughes foi responsável pela escolha de Sophia Young no Draft. No ano seguinte, moveu uma troca que fez com que Becky Hammon chegasse à equipe texana. Outros nomes importantes que foram resultado dos bons olhos do técnico foram Tully Bevilaqua, Chamique Holdsclaw, Vickie Johnson, Delisha Milton-Jones, Tangela Smith, Ruth Riley e Jia Perkins. E como não mencionar Danielle Robinson e Danielle Adams, frutos da seleção de universitárias do ano passado?

Esses são apenas alguns exemplos para o sucesso de Dan Hughes, e a justificativa para o contrato de extensão oferecido pelo San Antonio Silver Stars ainda na offseason.

Então, para os torcedores da equipe texana, as preocupações podem ser menores quando os elementos responsáveis por liderar o time dentro e fora das quadras, enquanto as principais jogadoras estão machucadas, possuem um belo histórico e uma capacidade notável, e a partida contra o Los Angeles Sparks, com um elenco saudável e um atuação de 27 pontos de Candace Parker, foi um ótimo exemplo disso.

Um olhar mais profundo

Nesta semana, o Indiana Fever recebeu seu anel de campeão da temporada de 2012 em uma cerimônia antes de enfrentar o Atlanta Dream em sua própria arena.

Anel desenhado e produzido pela Herff Jones. No dia da entrega, cada torcedor presente na arena recebeu uma cópia do adereço

Anúncios