Arquivo mensal: junho 2013

SOS

De fato, a situação está feia para o San Antonio Silver Stars. Eu gostaria muito de trazer boas notícias aos leitores nesta semana, mas o quadro lá no Texas não está muito bonito.

Davellyn White foi uma das poucas atletas em quadra neste domingo (Reprodução/wnba.com/silverstars)

Uma imagem clara dessa má fase do Silver Stars foi o elenco escalado para o jogo deste domingo (30), contra o Atlanta Dream. A começar pelas jogadoras que ficaram de fora da quadra, já é possível formar quase um bom time inteiro: Becky Hammon, Sophia Young, Shenise Johnson, DeLisha Milton-Jones e Jayne Appel.

Hammon segue se recuperando da lesão no dedo do meio da mão direita. Seu retorno deve acontecer na próxima semana, mas não há notícias sobre o andamento do tratamento. Apesar de já participar de treinos, sua liberação para as quadras demanda um certo tempo.

Young é um sonho distante para essa temporada. O mês para o qual seu retorno está marcado é agosto, porém, se a equipe continuar com esse desempenho, a volta da quarta escolha do Draft de 2006 não vai adiantar muita coisa. A atleta também já participa dos treinos, mas é de extrema importância que a ala mantenha distância do jogo de verdade por segurança, já que se trata da lesão no ligamento cruzado anterior.

Appel pode ficar fora o tempo que for necessário. O Silver Stars lançou o seu Media Guide para essa temporada, no qual diversos dados sobre a equipe são disponibilizados para a imprensa, inclusive os recordes em pontos e assistências, entre outros fundamentos, por exemplo. A pivô aparece com um máximo de 11 pontos, feitos em uma partida contra o Chicago Sky, em 2010. É simplesmente inaceitável que o técnico Dan Hughes gaste o seu orçamento com uma jogadora que não produz e ainda apresenta diversas falhas de fundamento.

Por outro lado, é uma pena ver Johnson sem fazer parte da turma em quadra. Neste ano, dentre aquelas que podem preencher o vazio deixado pelas principais jogadoras do time, a jovem garota é uma das principais armas. Milton-Jones, super veterana, também deixa um buraco enorme na formação do elenco.

O Silver Stars ocupa, hoje, a quinta posição na Conferência Oeste, com três vitórias e sete derrotas. A fase é difícil, isso é inegável, e aquela esperança deixada por boas atuações no começo da temporada está cada vez mais distante. Neste ano, a pedra, ou melhor, as pedras no caminho são exatamente essas: as lesões.

Felizmente, nessa semana há apenas um jogo marcado na agenda do Silver Stars, contra o Los Angeles Sparks, no sábado (6). Vale lembrar que, na primeira partida contra o esquadrão de Candace Parker, o resultado foi uma bela vitória. Já, no confronto seguinte, entre as mesmas equipes, as texanas tiveram uma das piores atuações da franquia e perderam por 84 a 48. Acredito, ainda, que possa surgir uma boa conquista no próximo fim de semana.

Anúncios

Spurs torna Neal e Splitter agentes livres restritos

Aparentemente, o San Antonio Spurs tem vontade de continuar com Gary Neal e Tiago Splitter. Segundo reportagem do site americano Spurs Nation, a franquia exerceu, neste domingo (30), a opção de qualifying offer, prevista nos contratos do ala-armador e do pivô. Com isso, os dois serão agentes livres restritos a partir de segunda-feira, na abertura do mercado, e a equipe texana terá o direito de igualar qualquer proposta feita por eles para mantê-los.

Será que eles ficam? (Aaron M. Sprecher/EFE)

O Spurs exerceu a opção na data limite para fazê-lo. Se decidisse por abrir mão da cláusula prevista no contrato, os jogadores seriam agentes livres irrestritos e estariam livres para decidir aonde jogar a partir da temporada 2014/2015.

Na última temporada, Splitter assumiu a função de pivô titular do Spurs e apresentou médias de 10,3 pontos e 6,4 rebotes em 24,7 minutos por exibição. Nos playoffs, esses números se transformaram em 6,1 pontos e 3,1 rebotes em 20,4 minutos por partida. Nesta offseason, o brasileiro já despertou o interesse de Atlanta Hawks, Dallas Mavericks e Portland TrailBlazers, franquias da NBA, e até do Real Madrid, da Espanha.

Neal, por sua vez, sustentou médias de 9,5 pontos e 2,1 rebotes em 21,8 minutos por jogo na última temporada e 6,8 pontos e 2,1 rebotes em 18,6 minutos por exibição nos playoffs.

Veja quem pode chegar e quem pode deixar o San Antonio Spurs

Spurs de olho em Vitor Faverani?

O San Antonio Spurs, que teve o pivô Tiago Splitter nas últimas três temporadas, pode estar de olho em outro brasileiro que atua no basquete espanhol. Aparentemente, o ala-pivô Vitor Faverani esteve no Texas para uma sessão de treinos com a franquia local.

Faverani: mais um brasileiro no Spurs? (Reprodução/es.globedia.com)

No último dia 22, a agência de notícias EFE publicou uma nota dizendo que o Valencia, clube que Faverani defendeu na última temporada, deu permissão para que o brasileiro viajasse para os Estados Unidos para passar por sessões de treinos com franquias locais. O contrato do ala-pivô com a equipe espanhola é válido até o fim da temporada 2014/2015, mas possui uma cláusula que permite a liberação caso o jogador receba uma proposta da liga americana.

Por meio de seu Twitter pessoal, Faverani falou sobre os treinos no começo do fim de semana. E o serviço de localização da rede social indicou que o brasileiro estava em San Antonio.

Faverani, de 25 anos de idade e 2,10m de altura, joga na Espanha desde 2005. Na última temporada, pelo Valencia, apresentou médias de 6,7 pontos (54,8% FG, 60,9% FT) e 3,4 rebotes em 13,3 minutos por exibição na Eurocopa, segundo torneio continental mais importante da Europa, e 9,3 pontos (55% FG, 18,8% 3 PT, 79,3% FT) e 4,6 rebotes em 17 minutos por partida na Liga ACB, o campeonato nacional local.

Veja quem pode chegar e quem pode deixar o San Antonio Spurs

Draft de apostas, não de certezas

Circulava entre especialistas a opinião de que o Draft de 2013 da NBA estava longe de ser aquele com a maior gama de talentos da história. E o San Antonio Spurs, com seu elenco vice-campeão da liga, cheio de opções em praticamente todas as posições, tinha escolhas baixas nas duas rodadas: a 28ª na primeira e a 58ª na segunda. Por isso, a franquia texana resolveu investir em apostas. Ao selecionar os alas Livio Jean-Charles e DeShaun Thomas, a equipe pode não assinar com nenhum dos dois para a próxima temporada e deixá-los se desenvolvendo na Europa enquanto poupa espaço salarial. Me parece uma boa opção.

Jean-Charles é mais uma aposta do Spurs (Reprodução/lnb.fr)

Desde antes do Draft, estava claro que a intenção do Spurs era recrutar Jean-Charles, ala de 2,04 de altura e apenas 19 anos de idade. O francês, na última temporada, vestiu a camisa do ASVEL, clube de seu país que tem o armador Tony Parker, astro da franquia texana, como um de seus acionistas, e apresentou médias de 3,3 pontos (54% FG, 42,9% 3 PT, 58,8% FT) e 2,7 rebotes em 13,8 minutos por exibição no campeonato nacional.

Não se deixe enganar pelas médias modestas de Jean-Charles no Campeonato Francês. O ala acaba de fazer sua segunda temporada no basquete profissional, e, naturalmente, ainda sofre um pouco na transição e tem pouco espaço na rotação do ASVEL. No entanto, é possível notar que ele é um prospecto que vem tendo um desenvolvimento para lá de satisfatório. Em 2012, o atleta teve médias de 8,8 pontos (46,1% FG, 35,7% 3 PT, 82,4%) e 6,8 rebotes em 25,2 minutos por exibição pela seleção sub-20 de seu país, que sagrou-se vice-campeã europeia – perdeu a final para a Lituânia. Neste ano, nos dois primeiros jogos que fez pelo Turgut Atakol Tournament, campeonato da mesma categoria, esses números já subiram para 12 pontos (36,8% FG, 57,1% 3 PT, 100% FT) e 6,5 rebotes em cerca de 27,7 minutos por partida.

Além disso, neste ano, Jean-Charles se destacou no dia 20 de abril, em Portland, no Nike Hoop Summit, jogo amistoso que reúne um time de prospectos americanos e um com jogadores internacionais e que já contou com Derrick Rose, Kevin Durant, Kevin Garnett, Tony Parker e Dirk Nowitzki, entre outros. O ala brilhou com 27 pontos e 13 rebotes, foi o cestinha da partida e levou o prêmio de melhor em quadra. Confira, abaixo, um vídeo feito pelo DraftExpress com lances do francês e com uma entrevista do atleta feita durante o evento.

O próprio DraftExpress, meu site preferido sobre prospectos, fez um relatório sobre a participação de Jean-Charles no Nike Hoop Summit. No texto, o ala é visto como um jogador com potencial para se estabelecer na NBA graças à sua versatilidade – já que ele pode atuar nas posições 3 e 4 -, sua boa movimentação sem a bola, sua velocidade nos contra-ataques, o bom uso de sua envergadura e a intensidade com que joga dos dois lados da quadra. O jogador se destacou no ataque pontuando após rebotes ofensivos e como o homem que estabelece no bloqueio para o pick-and-roll, e na defesa combatendo infiltrações no mano-a-mano e contestando arremessos perto do aro na cobertura.

Como pontos fracos do ala, o DraftExpress aponta a força física, principalmente se ele tiver de defender jogadores da posição 4 na NBA, e a falta de um tiro confiável de três pontos. Mas esse é o menor dos problemas. Vale lembrar que Kawhi Leonard teve aproveitamento de 29,1% nas bolas de longa distância em sua última temporada no basquete universitário e, em seus dois primeiros anos com a equipe texana, esse número já saltou para 37,5%. Tudo graças à competência de Chip Engelland, assistente técnico especialista em arremessos.

É possível notar que a carreira de Jean-Charles está avançando. Mas o francês, talvez, ainda não esteja pronto para a NBA. Pode ser bom negócio para o Spurs esperar o ala estabelecer-se na rotação do ASVEL e adquirir mais experiência entre os profissionais antes de trazê-lo.

Junto com Jean-Charles, o Spurs selecionou DeShaun Thomas. O ala, de 2,01m de altura e 21 anos de idade, acaba de concluir sua terceira temporada no basquete universitário, atuando pelo Ohio State Buckeyes e apresentando médias de 19,8 pontos (44,5% FG, 34,4% 3 PT, 83,4% FT) e 5,9 rebotes em 35,4 minutos por exibição. O jogador chamou a atenção no Draft Combine, evento que reuniu prospectos entre os dias 15 e 19 de maio em Chicago, e foi entrevistado por membros da franquia texana. A parte curiosa da história é que ele se negou a dar seu telefone para os representantes da equipe de San Antonio.

De acordo com o DraftExpress, Thomas, assim como Jean-Charles, também pode atuar nas posições 3 e 4. O americano, no entanto, se destaca por sua eficiência ofensiva. No basquete universitário, o atleta anotou, em média, 1,02 pontos por posse de bola, uma das melhores marcas de todos os prospectos inscritos no Draft, e cometeu turnovers em apenas 7,7% das jogadas em que participou na última temporada. Por outro lado, a agilidade do jogador é apontada como ponto fraco, principalmente se ele tiver de defender alas na NBA.

Mesmo parecendo um pontuador pronto para atuar no nível da NBA, é de se esperar que o Spurs mande Thomas para se desenvolver por pelo menos uma temporada no basquete europeu. Isso porque, de acordo com reportagem do site americano Project Spurs, a franquia texana gostaria de ter selecionado James Southerland, que chegou a treinar em San Antonio antes do Draft, na 58ª escolha. Porém, ao saber que passaria um ano atuando no Velho Continente, o atleta e seu agente recusaram a possibilidade.

O perfil de jogadores que o Spurs buscou no Draft parece bem claro. Além de selecionar possíveis reservas para Kawhi Leonard, única vaga em aberto que o elenco tem atualmente, a franquia texana recrutou atletas que possam atuar como falsos alas-pivôs, transitando pelo perímetro, mas que mesmo assim não deixem a desejar nos rebotes. Foi assim com Jean-Charles, foi assim com Thomas, seria assim com Southerland e, em 2011, foi assim com Davis Bertans, que segue se desenvolvendo na Europa antes de se mudar para o San Antonio. Os diretores parecem atentos às novas tendências da liga, já que as equipes utilizam cada vez menos jogadores clássicos de garrafão – vide o campeão Miami Heat.

A aposta de manter Jean-Charles e Thomas na Europa poderia casar com a aposentadoria de Tim Duncan. Os dois ficariam um ano na Europa, viriam para a temporada 2014/2015 para aprenderem e jogarem pouco em sua temporada de novato, seguindo a cartilha do treinador Gregg Popovich e, depois disso, com o possível fim da carreira do ala-pivô, seriam personagens de um time mais veloz e moderno, com pouco uso de jogadores de garrafão. Uma nova identidade para a equipe texana pode estar mais perto após o Draft de 2013.

Spurs contrata Jim Boylen para a comissão técnica

A reformulação na comissão técnica do San Antonio Spurs continua. Na sexta-feira (28), a franquia anunciou, por meio de seu site oficial, a contratação do assistente Jim Boylen, que, nas duas últimas temporadas, estava no Indiana Pacers.

Jim Boylen (ao centro) era assistente de Frank Vogel (à direita) no Pacers (NBAE/Getty Images)

Boylen já tem 27 anos de experiência em comissões técnicas nos Estados Unidos. Sua trajetória na NBA começou no Houston Rockets, franquia em que ele trabalhou entre 1992 e 2003 e sagrou-se campeão em 1994 e 1995. Ele ainda passou por Golden State Warriors, entre 2003 e 2004, e por Milwaukee Bucks, entre 2004 e 2005.

O novo assistente técnico do Spurs também tem experiência no basquete universitário. Boylen foi assistente técnico do Michigan State Spartans entre 1987 e 1992 e entre 2005 e 2007 e treinador principal da Universidade de Utah de 2007 a 2011.

A chegada de Boylen acontece em meio a uma reformulação da comissão técnica do Spurs. A franquia texana já perdeu Mike Budenholzer, que será treinador principal do Atlanta Hawks, e pode perder Brett Brown, que, segundo rumores da imprensa americana, pode assumir o comando do Boston Celtics ou do Philadelphia 76ers. Outra opção da equipe de San Antonio para suprir as saídas dos assistentes é o ex-pivô argentino Fabricio Oberto.