Arquivo diário: 09/05/2013

Buford é eleito o quinto melhor executivo da temporada

Nesta quinta-feira (9), a NBA divulgou os resultados da eleição que escolheu o melhor executivo da temporada – Masai Ujiri, do Denver Nuggets, ficou com o prêmio. R. C. Buford, General Manager do San Antonio Spurs, terminou a votação na quinta colocação.

Eis RC Buford (Reprodução/Destino Riverwalk)

Cada pessoa com direito ao voto podia indicar três dirigentes, em ordem de preferência: o primeiro levava cinco pontos, o segundo três e o terceiro um. Buford foi lembrado quatro vezes na primeira colocação, uma na segunda e uma na terceira, terminando como 24 pontos.

Ficaram à frente de Buford Masai Ujiri, do Denver Nuggets (59 pontos); Gary Sacks, do Los Angeles Clippers (28); Daryl Morey, do Houston Rockets (25) e Glen Grunwald, do New York Knicks (25). Pat Riley, do Miami Heat, também terminou com 24 pontos.

Curiosamente, Buford recebeu votos em uma temporada em que as movimentações do Spurs foram discretas. Antes do início da temporada, a franquia texana contratou Nando de Colo, draftou Marcus Denmon e renovou os contratos de Danny Green, Boris Diaw e Tim Duncan. Com o campeonato em andamento, a equipe trouxe Aron Baynes, mas um reforço. A transferência com maior repercussão acabou sendo a dispensa de Stephen Jackson, seguida pela chegada de Tracy McGrady.

Desde que foi criado, o prêmio de executivo do ano foi entregue duas vezes ao Spurs: Angelo Drossos venceu na temporada 1977/1978 e Bob Bass na temporada 1989/1990.

Com isso, Buford se junta à lista de representantes do Spurs que receberam votos para os prêmios da temporada. Tony Parker e Tim Duncan ficaram entre os sete primeiros na eleição do MVP, e o ala-pivô ficou em sexto entre os melhores defensores. Gregg Popovich ficou em quarto entre os técnicos, Manu Ginobili em oitavo entre os reservas e Kawhi Leonard em 15º entre os que mais evoluíram.

Anúncios

Spurs (1) vs (1) Warriors – O que esses caram bebem?

91×100

A grande questão após a derrota do San Antonio Spurs para o Golden State Warriors por 100 a 91, na quarta-feira (8), em partida válida pelas semifinais da Conferência Oeste, é a seguinte: o que os jogadores adversários têm bebido? Seria a água do Michael Jordan no filme Space Jam? Tudo porque é impressionante a quantidade de bolas de três pontos que o rival consegue converter independente de marcação e, no caso desta partida específica, até de arremessador. Foi essa a chave da derrota do alvinegro texano, que tirou da equipe o mando de quadra. Vamos ao que de melhor aconteceu na partida.

Duncan bem que tentou (D. Clarke Evans/NBAE/Getty)

Quem não tem cão…

A marcação do Spurs sobre Stephen Curry foi precisa. O armador adversário se sentiu bem mais pressionado do que na primeira partida, na qual converteu 44 pontos, e acabou errando mais. Na linha dos três pontos, onde é especialista, acertou apenas duas vezes em seis tentativas. No total, saiu de quadra com sete bolas convertidas de 20 tentadas, muito baixo para seus padrões. Mas o Warriors contava com Klay Thompson. E ele foi o responsável por destruir a marcação dos mandantes com absurdas oito bolas de longa distância derrubadas em nove lançadas. Foi o atlera que mais anotou pontos no alvinegro texano em um tempo durante uma partida de playoffs desde a chegada de Gregg Popovich: 29, antes do intervalo.

Manu não fez bom jogo (D. Clarke Evans/NBAE/Getty)

Replay?

Assim como no primeiro jogo da série, o Spurs saiu atrás. Muito atrás. Preguiçoso e até meio perdido, o time levou um passeio do adversário nos dois primeiros períodos. Sem conseguir encontrar um antídoto para Thompson, os texanos cometeram erros infantis na defesa e no ataque, e tentaram reagir apenas após o intervalo. Diferente do que aconteceu na partida anterior, a “tática” não funcionou. Aconteceram algumas aproximações no placar, sempre freadas por tempos pedidos pelo rival.

Que afoboção!

Em um cenário muito ruim no qual se construiu o pior jogo do Spurs nos playoffs, destaque para a afobação do ataque. Jogadas mal trabalhadas e finalizadas culminaram com um desempenho de 35 bolas convertidas em 89 tentativas (!!). E nem mesmo os sete rebotes ofensivos de Kawhi Leonard foram suficientes para amenizar a afobação do time.

Popovich precisa, para os jogos fora, colocar na cabeça do elenco que o maior antídoto para o Warriors é boa marcação e não a tentativa de responder às bolas de três do adversário com a mesma jogada – até porque não se comparam os especialistas dos dois times.

Volta, Tiago!

Tiago Splitter, vindo do banco de reservas, fez sua primeira partida após se recuperar de lesão no tornozelo. Porém, ainda longe de sua melhor condição física, o brasileiro tem feito falta para duelar embaixo do aro com Andrew Bogut. O pivô australiano tem levado a melhor em quase todas as jogadas, tanto com como sem bola. Será importante para o duelo seguinte que Splitter esteja mais apto para jogar e diminuir o tempo de quadra de Matt Bonner, que está longe de ser um problema para os adversários quando defende.

Destaques da partida

San Antonio Spurs

Tim Duncan –  23 pontos e 9 rebotes

Tony Parker – 20 pontos e 6 rebotes

Kawhi Leonard – 11 pontos e 12 rebotes

Golden State Warriors

Klay Thompson – 34 pontos (8-9 3 PT) e 14 rebotes

Stephen Curry – 22 pontos