Arquivo diário: 19/04/2013

Jackson diz que desentendimento causou sua dispensa

No último dia 12, a dispensa de Stephen Jackson, liberado pelo San Antonio Spurs, pegou o mundo da NBA de surpresa. Gregg Popovich, técnico da franquia texana, comentou sobre o caso, sem, no entanto, dar muitos detalhes. Logo surgiram rumores que o Capitão estaria insatisfeito com seu papel na rotação por se achar melhor que outros jogadores do plantel e que um desentendimento com o treinador culminou em seu desligamento. E, de acordo com reportagem do site americano Project Spurs, o ala deu força a esses rumores.

A relação azedou (Reprodução/footbasket.com)

“Tivemos um desentendimento. Ele queria que eu concordasse que jogadores eram melhores do que eu, e eu não concordei. Estive na NBA por um bom tempo, então é simplesmente algo com que eu não concordo e que eu não tenho o controle”, disse Jackson, em entrevista à revista americana Sister 2 Sister.

“Ele é o técnico. Ele controla quem joga e ele controla o time, algo que eu respeito. Ao mesmo tempo, sei o que eu posso fazer e o que eu venho fazendo por toda a minha carreira, e eu estou longe de estar pronto para me aposentar. Então, não posso deixar alguém me dizer em que estágio eu estou com 35 anos de idade. Para mim, simplesmente não faz sentido”, completou o atleta, campeão da NBA em 2003 com o Spurs.

Nesta temporada, Jackson apresentou médias de 6,2 pontos (37,3% FG, 27,1% 3 PT, 70% FT) e 2,6 rebotes em 19,5 minutos por exibição – no perímetro, teve menos tempo de quadra do que Tony Parker (32,9 minutos por jogo), Kawhi Leonard (31,2), Danny Green (27,5), Manu Ginobili (23,2) e Gary Neal (21,8).

Por ter sido liberado após o dia 1º de março, Jackson não poderá disputar os playoffs por nenhuma outra equipe. A data da dispensa parece ter causado certo incômodo no jogador.

“Foi conversado antes do All-Star Game, antes da data limite para trocas… sobre eu não querer estar aqui e sobre minha ida para outros times, mas eles não queriam fazê-lo na época. Se eles tivessem feito, eu estaria em outro time agora”, declarou o Capitão.

Prévia de Spurs x Lakers – Primeira rodada dos playoffs

Duelo de gerações (Mark J. Terrill/AP)

Enfim, está chegando a hora! Depois de intermináveis 82 jogos na temporada regular, vão começar os playoffs da NBA. O San Antonio Spurs, que terminou o campeonato na vice-liderança da Conferência Oeste, com 58 vitórias e 24 derrotas, vai enfrentar o Los Angeles Lakers, com recorde de 45-37. O time angelino venceu o Houston Rockets na quarta-feira (17) e passou o adversário, assumindo o sétimo lugar e entrando no caminho do alvinegro texano.

A série Spurs x Lakers começará a ser disputada no domingo (clique aqui e confira a agenda completa do confronto). Ao longo da temporada, as equipes se enfrentaram três vezes, com os texanos vencendo dois jogos e os angelinos vencendo a partida mais recente. Relembre:

13/11/2012 – Spurs 84 @ 82 Lakers

No primeiro duelo entre as equipes na temporada, o Spurs foi até Los Angeles e venceu graças a uma cesta de três pontos de Danny Green no fim do jogo. O comandante texano naquela noite foi Tony Parker, que deixou a quadra com 19 pontos, sete assistências e quatro rebotes.

09/01/2013 – Spurs 108 vs 105 Lakers

Mesmo sem contar com Pau Gasol e Dwight Howard, o Lakers deu trabalho na única partida da temporada em que os dois times mediram forças no Texas. No entanto, os angelinos acabaram derrotados pelo Spurs, que mais uma vez foi comandado por Tony Parker – o armador francês anotou 24 pontos e seis assistências.

14/04/2013 – Spurs 86 @ 91 Lakers

Tim Duncan foi bem, com 23 pontos, dez rebotes, quatro assistências e três tocos, mas recebeu pouca ajuda na única derrota do Spurs para o Lakers na temporada. Já sem Kobe Bryant, machucado, os angelinos apostaram em Dwight Howard, que correspondeu ao conseguir 26 pontos e 17 rebotes.

Agora, chegou a hora do Spurs medir forças com o rival nos playoffs. A seguir, os blogueiros do Spurs Brasil contam o que esperam da série e dos jogadores que poderão ajudar a decidi-la. Confira as análises abaixo:

Leonardo Sacco

Palpite: Spurs 4 a 2
Enfrentar o Lakers poderia ser a pior das hipóteses para qualquer time da parte de cima da tabela. Deixou de ser com a lesão de Kobe Bryant. Para o Spurs, a missão de vencer a tradicional franquia californiana parece ainda mais simples. Sem o veneno do Black Mamba vindo do perímetro, “sobram” os pivôs Pau Gasol e Dwight Howard, notavelmente melhores após a contusão do ala-armador. Mas o time texano tem Tim Duncan em uma das melhores fases dos últimos anos. Nenhum atleta de garrafão fez frente a The Big Fundamental nesta temporada. Eis a chave para a vitória. Aos californianos, resta que D12 faça como já fez com o Orlando Magic, quando levou o time da Flórida à final: muitos rebotes, muitos pontos e algumas assistências ao afunilar o jogo no garrafão e achar os chutadores livres – no caso, Steve Nash e Steve Blake. E é sempre bom lembrar o quanto Tony Parker costuma se sobressair ao encontrar o armador canadense na pós-temporada. Dá Spurs, sem muitos problemas.
Peça-chave do Spurs: Tim Duncan
Peça-chave do Lakers: Dwight Howard

Lucas Pastore

Palpite: Spurs 4 a 2
Abril talvez tenha sido o pior mês para o Spurs na temporada regular. Com Tony Parker e Manu Ginobili baleados, o time teve dificuldades para manter o basquete vistoso apresentado entre o começo e o meio do campeonato. Agora, a franquia texana enfrentará um time que conta com Dwight Howard, peça ideal para fechar a porta para as infiltrações do francês e do argentino e para dominar fisicamente o garrafão do alvinegro. Mas não custa lembrar que os adversários estarão sem Kobe Bryant – acho difícil que Mike D’Antoni consiga reformular o ataque sem sua principal referência em tão pouco tempo. Por isso, aposto em vitória da equipe de San Antonio, mas sem moleza.
Peça-chave do Spurs: Tiago Splitter
Peça-chave do Lakers: Dwight Howard

Pedro Suaide

Palpite: Spurs 4 a 1
O Spurs vem de mais uma ótima temporada, terminando em segundo na Conferência Oeste, e vai pegar o forte time do Lakers, que não convenceu ao longo do campeonato – e ainda por cima sem Kobe Bryant. Não acredito que os californianos serão varridos, pois têm um elenco forte, mesmo indo mal na primeira fase, mas o time texano é mais experiente, mais entrosado, está com mais moral e não terá de marcar o Black Mamba, que consegue ficar melhor ainda nos playoffs. Agora sim, separaremos meninos de homens, Duncans de Howards, Parkers de Nashs e assim por diante.
Peça-chave do Spurs: Tim Duncan
Peça-chave do Lakers: Dwight Howard

Sergio Neto

Palpite: Spurs 4 a 1
Eu acho que o Lakers tenta, mas não para o Spurs nos playoffs. Os jogos serão acirrados, com nenhum resultado apresentando mais de 15 pontos de diferença. O Lakers sentirá  falta de uma liderança e Howard não conseguirá suprir tal necessidade.
Peça-chave do Spurs: Tim Duncan
Peça-chave do Lakers: Dwight Howard

Victor Moraes

Palpite: Spurs 4 a 2
Apesar de ter garantido vaga nos playoffs apenas na última partida da temporada, o Los Angeles Lakers possui tradição vencedora e um elenco com talentos individuais que não podem ser desprezados – mesmo com a ausência de Kobe Bryant. Dwight Howard e Pau Gasol causarão problemas no garrafão, principalmente nos rebotes. No perímetro, Tony Parker pode tirar vantagem da fragilidade defensiva de Steve Nash e Steve Blake e dominar partidas, mas vale também ficar de olho em como atuarão Manu Ginobili, voltando de lesão, e o recém-chegado Tracy McGrady.
Peça-chave do Spurs: Tony Parker
Peça-chave do Lakers: Dwight Howard

Vinicius Esperança

Palpite: Spurs 4 a 3
O Spurs não vem mostrando seu melhor basquete e, com Manu Ginobili voltando de lesão, Tony Parker ainda não engrenando e Tracy McGrady chegando somente agora à franquia, o time pode se complicar. Jogar contra uma equipe com Dwight Howard e Pau Gasol não vai ser fácil. Minha teoria é de um jogo centralizado em Steve Nash, passando a bola para os dois pivôs pontuaram com facilidade.
Peça-chave do Spurs: Manu Ginobili
Peça-chave do Lakers: Steve Nash

Olho neles!

Três dos seis blogueiros do Spurs Brasil que participaram da prévia apontaram Tim Duncan como o cara mais importante do time texano na série contra o Lakers. Com Tony Parker e Manu Ginobili ainda baleados, o ala-pivô deverá ser a principal referência da equipe. Além disso, The Big Fundamental terá a responsabilidade de tentar conter Dwight Howard no garrafão.

Quase que por unanimidade, Dwight Howard foi apontado por nós como maior ameaça do Lakers na série. O pivô da franquia angelina se transformou na principal referência do time no ataque e na defesa após a contusão de Kobe Bryant, e será importante para fechar o garrafão contra as infiltrações de Tony Parker e Manu Ginobili e para combater Tim Duncan no garrafão.