Arquivo diário: 30/03/2013

O Spurs na hora de decidir

Na sexta-feira (29), o San Antonio Spurs venceu o Los Angeles Clippers graças a uma cesta convertida nos instantes finais da partida por Tim Duncan. Recentemente, a equipe texana também teve a bola nas mãos nos últimos segundos na derrota para o Houston Rockets e no triunfo diante do Denver Nuggets e não encontrou sucesso. Por isso, resolvi pesquisar: como tem sido o desempenho da franquia nos momentos decisivos ao longo da temporada 2012/2013? Os resultados foram mais animadores do que eu imaginava.

Parker e Duncan: decisivos? (D. Clarke Evans/NBAE/Getty)

No campeonato, Duncan tem sido, ao lado de Manu Ginobili, a principal opção do Spurs para o fechamento de partidas. Antes de decidir o jogo contra o Clippers com uma cesta e falta, o ala-pivô havia errado um arremesso que poderia ter dado a vitória ao time sobre o Rockets depois que a jogada desenhada por Gregg Popovich, que deveria terminar com passe para o ala-armador, não deu certo. E, contra o Nuggets, foi o argentino quem não conseguiu pontuar após tentar uma infiltração – por sorte, Andre Miller não conseguiu virar na jogada seguinte.

De acordo com a página de estatísticas do site oficial da NBA, o Spurs marcou 357 pontos nesta temporada no chamado clutch time – ou seja, quando o time está ganhando ou perdendo por até cinco pontos de diferença restando cinco minutos para acabar um jogo. É a sétima maior marca na temporada – o líder é o Nuggets, com 441. Nessa situação, a equipe texana acerta 43% de seus arremessos de quadra, sendo a oitava mais eficiente da liga.

O mais animador é ver que, no clutch time, o Spurs marcou 58 pontos a mais que seus adversários ao longo da temporada 2012/2013 da NBA. É a segunda melhor marca do campeonato, perdendo apenas para os assustadores 129 do Miami Heat. Isso mostra que, sim, a equipe ainda sabe vencer jogos apertados.

Mas o que fazer naquele arremesso que decide a sorte da equipe após 48 desgastantes minutos de basquete? Para quem deve ir a bola? Os números mostram que, no mesmo clutch time, o Spurs marca 50 pontos a mais que seus adversários com Duncan em quadra, 37 com Tony Parker e apenas sete com Ginobili. Nessa situação, o ala-pivô já tem 78 pontos, com 48,3% de aproveitamento nos arremessos; o armador anotou 101, convertendo 49,4%; e o ala-armador soma 53, acertando 39%.

Manu é craque, já provou que pode ser decisivo e, nessa temporada, já brilhou em momentos decisivos ao levar o jogo contra o Golden State Warriors, que acabou em derrota, para a prorrogação. Mas os números mostram que, talvez, seja a hora de confiar em Parker, que já nos deu vitória contra o Oklahoma City Thunder, nos lances finais. Dá no francês!

Spurs (55-17) vs Clippers (49-24) – Na conta do Duncan

                             

104 x 102

Na noite de sexta-feira (29), tivemos um grande duelo de potências da Conferência Oeste, entre o primeiro colocado e o terceiro. Jogando em casa, o San Antonio Spurs é muito difícil de ser batido, e, mais uma vez, provou isso em um jogo que Galvão Bueno descreveria como “teste pra cardíaco”. Já vindo de duas partidas decididas nos segundos finais – a derrota para o Houston Rockets e o triunfo sobre o Denver Nuggets -, o time texano bem que gostaria de ter uma folguinha e uma partida mais fácil, mas não foi isso que aconteceu diante do Los Angeles Clippers. Vamos aos pontos da partida:

Tim Duncan para a vitória (D. Clarke Evans/NBAE/Getty)

Começando mal

Nos início da partida, o Spurs teve uma péssima notícia. Em uma infiltração no garrafão angelino, Manu Ginobili acabou se contundindo, sofrendo uma falta de DeAndre Jordan, e não voltou mais para a partida. Gregg Popovich afirmou que o ala-armador fez falta no primeiro tempo, porque ele é o líder da equipe reserva. O treinador também mencionou que o argentino não deve jogar no domingo, contra o Miami Heat.

Parker fez mais um bom jogo (D. Clarke Evans/NBAE/Getty)

Domínio no garrafão

No pré-jogo, eu já havia dito que uma  das chaves para a vitória seria anular o jovem garrafão do Clippers, e assim foi feito. A dupla titular de pivôs texanos, Tim Duncan e Tiago Splitter, somou 48 pontos, contra 27 de Blake Griffin e DeAndre Jordan. Apesar disso, os angelinos venceram no numero de rebotes, mas isso não foi suficiente para parar a equipe texana.

Mais uma vez Tim

Tim Duncan vem fazendo uma temporada espetacular, e ontem teve seu melhor jogo nela. Dominando no ataque e na defesa, o ala-pivô acabou o jogo com 34 pontos (melhor marca da temporada para ele), 11 rebotes, três assistências e dois tocos, além de ter feito a cesta que deu a vitória ao seu time.

Destaques da partida

San Antonio Spurs

Tim Duncan – 34 pontos, 11 rebotes, 3 assistências e 2 tocos

Tony Parker – 24 pontos, 8 assistências e 3 rebotes

Tiago Splitter – 14 pontos e 3 rebotes

Los Angeles Clippers

Blake Griffin – 18 pontos, 7 rebotes e 4 assistências

Jamal Crawford – 16 pontos e 3 assistências

Chris Paul – 14 pontos, 12 assistências e 5 rebotes