Arquivo diário: 09/03/2013

Parker na defesa? Sim senhor!

Enfim, chegou o inevitável dia em que a falta de Tony Parker faria diferença. Depois de vencer os dois primeiros jogos após a lesão do armador, o San Antonio Spurs sofreu uma das maiores derrotas de sua história diante do Portland TrailBlazers, na noite de sexta-feira (8). Com a boa fase do camisa #9, todos sabiam que, em algum momento, sua eficiência nas infiltrações, sua precisão nos arremessos de média distância e sua excelência no comando do ataque do time texano fariam falta. O inesperado, no entanto, é ver o impacto que a ausência do francês tem causado na defesa.

Volta logo, craque! (Reprodução/melty.fr)

Claro que o jogo contra o Blazers é uma amostra pequena, ainda imprecisa para uma análise mais profunda. Mesmo assim, os números assustam: nunca antes na história do AT&T Center o Spurs havia tomado 136 pontos. Além disso, foi a partida em que o time texano mais sofreu pontos na temporada – o recorde era do Houston Rockets, que marcou 126 pontos contra o rival local, mas levou 134 e acabou derrotado na prorrogação – coincidentemente, no jogo em que Parker anotou seu primeiro triplo-duplo na carreira.

O resultado aconteceu com Damian Lillard, armador titular do Blazers, aproveitando-se da ausência do francês para marcar 35 pontos, ficando a apenas dois de seu recorde pessoal na NBA. Tudo isso atuando diante de Cory Joseph e Patrick Mills, que, supostamente, são melhores marcadores do que o camisa #9. Mas não é o que os números mostram.

Com Parker em quadra, o Spurs leva 97 pontos a cada 100 posses de bola do adversário na temporada, contra 102,9 de Mills e 105,5 de Joseph. Os números do armador francês também são melhores do que os dos demais jogadores que atuaram na posição no campeonato: Gary Neal apresenta 100,8, contra 102,4 de Nando De Colo.

Os números de Parker também aparecem no coletivo. O francês está nos cinco quintetos utilizados pelo técnico Gregg Popovich que mais marcam pontos em relação aos adversários, o que mostra bom trabalho dos dois lados da quadra. Mills aparece pela primeira vez apenas no sexto time mais eficiente, De Colo no sétimo e Joseph no 13º. Neal figura no segundo e no quinto, mas atuando na posição 2. Como comandante do ataque, somente no nono.

Na temporada, o Spurs costuma ceder 96,2 pontos por jogo para seus adversários. Nos três primeiros jogos sem Parker, esse número subiu para 98. Que o armador francês faria falta, todos imaginávamos. Só não esperávamos que fosse na defesa.

Spurs (48-15) vs Blazers (29-32) – Dura derrota em casa

106 vs 136

O San Antonio Spurs perdeu para o Portland TrailBlazers, na noite desta sexta-feira (8), em pleno AT&T Center. Mas não foi uma derrota simples, como em dezembro, quando os texanos foram superado por oito pontos. Dessa vez, a equipe visitante impôs um placar com 30 pontos de diferença, deixando todo torcedor do time de camisa preto e prata com saudades do armador Tony Parker, ausente por contusão. Os 136 pontos feitos pela franquia de Oregon significaram a maior pontuação sofrida pelos donos da casa, que marcaram apenas 104 pontos, no ginásio.

O nome do jogo, por sua vez, foi o armador do outro time. Damian Lillard anotou 35 pontos, nove assistências e nenhum desperdício de bola.

Difícil de acreditar! Pior derrota do Spurs no AT&T Center (D. Clarke Evans/NBAE/Getty Images)

Primeira metade, segunda metade

O jogo pode ser separado em dois momentos. Para serem notados, não precisa muita observação, já que a divisão deles coincide com a o intervalo. Em um primeiro momento, durante os dois primeiros quartos, de um jogo bastante acirrado.

O primeiro quarto foi vencido pelo Spurs, 29 a 27. Já o segundo pelo Blazers, 30 a 28. Com tamanha igualdade no primeiro tempo de jogo, esperava-se que o segundo seguisse assim até o fim da partida. Não foi o que aconteceu. O time de Portland dominou todo o segundo tempo, ganhando o último quarto por um vantagem humilhante de 46 a 24. Foi a segunda derrota da equipe texana desde a volta para casa após a Rodeo Road Trip a primeira foi na partida contra o Phoenix Suns.

Noite para ser esquecida (D. Clarke Evans/NBAE/Getty Images)

Recordes negativos

O jogo de sexta-feira já entrou para a história do Spurs. Nunca os fãs haviam visto a equipe texana sofrer tantos pontos no AT&T Center. Aliás, a maioria nem viu. Ao fim do jogo, poucos torcedores ainda se encontravam no ginásio. Também foi a pior derrota do time em San Antonio desde 1990, quando a franquia ainda jogava na Hemisfair Arena. O revés também foi o pior desde o sofrido por 33 pontos para o Toronto Raptors no Alamodome, em 1997.

Pontuação

Sabe quando se comemora que vários jogadores do time anotaram dois dígitos de pontuação? Pois é, no Blazers, não só cinco jogadores conseguiram isso, como quatro deles ultrapassaram a barreira dos 20 pontos. Além de Lillard, LaMarcus Aldridge anotou 26 pontos, J.J. Hickson fez 23 e Eric Maynor contribuiu com 20.

Derrota dura

O time de San Antonio parecia fadado a perder logo no começo do último quarto, quando os visitantes abriram 19 pontos. Mas, com a qualidade do time, esperava-se que ainda fosse possível uma aproximação. E foi. O Spurs conseguiu abaixar a vantagem em vários momentos, mas foi logo Portland conseguiu abrir de novo. Em dado momento, como de costume, o técnico Gregg Popovich desistiu do jogo e sentou seus principais jogadores. O garbage team, que normalmente não faz feio, sofreu nos minutos finais, deixando o placar ficar do jeito que ficou.

Destaques da Partida

San Antonio Spurs

Tim Duncan – 18 pontos e 8 rebotes

Manu Ginobili – 16 pontos

Kawhi Leonard – 16 pontos e seis rebotes

Cory Joseph – 13 pontos

Danny Green – 10 pontos

Portland TrailBlazers

Damian Lillard – 35 pontos e 9 assistências

LaMarcus Aldridge – 26 pontos e 5 rebotes

J.J. Hickson – 23 pontos e 10 rebotes

Eric Maynor – 20 pontos e 6 assistências

Wesley Matthews – 15 pontos e 4 rebotes