Arquivo mensal: novembro 2012

Pequeno passo para muitos, grande salto para o Brasil

Primeiramente, vou dizer que não sou fã de campanha para votar em um jogador para ir ao All-Star Game somente por ele ser de seu país, assim como acontecia com Yao Ming na China, sempre o mais popular na eleição. Porém, neste ano acho muito válido pedir Varejão na partida. No inicio da temporada, Dwight Howard, o melhor pivô do Leste nos últimos anos, se transferiu do Orlando Magic para o Los Angeles Lakers, do Oeste, deixando assim o cargo aberto em sua antiga conferência.

Chegou então o dia em que a votação para o quinteto titular do jogo das estrelas é aberta, e, pelo menos eu, estava muito curioso para ver as opções de pivô do lado Leste. Porém, me deparo com uma grande surpresa: o modo de votação foi modificado. A NBA, inteligentemente, visando lucros, mudou o tipo da votação, que antes era com dois armadores, dois alas e um pivô de cada conferência. Neste ano, com a mudança, você escolhe dois armadores e três “jogadores de força”, sendo alas ou pivôs. Ou seja, é possível formar uma equipe no Leste com Rajon Rondo, Dwyane Wade, Carmelo Anthony, LeBron James e Paul Pierce, um time sem pivô, já que, inicialmente não tínhamos nenhum nome à altura de um All-Star Game.

Porém, agora não só eu, mas todos, se deparam com uma grande surpresa: o Leste tem sim um nome com condições de jogar um All-Star Game. E esse nome é Anderson Varejão! O pivô brasileiro do Cleveland Cavaliers está em sua nona temporada na NBA, e está com suas melhores medias da carreira. Jogando 35 minutos por jogo, Anderson faz 14.5 pontos, 15 rebotes, três assistências e 1,5 roubos de bola por exibição, tem 78% de aproveitamento da linha do lance livre e 52% de aproveitamento dos arremessos de quadra.

Varejão pegando um rebote e já anotando mais 2 pontos. (NBA Photos)

O jogador que antes era apenas conhecido e valorizado por fazer um excelente “trabalho sujo” no garrafão vem chamando muita atenção nesta temporada em todos os aspectos do jogo. Com seu jogo aparecendo muito, seu técnico soltou as seguintes palavras: “He is best center in the NBA right now. By far the best in the Eastern Conference.” (Ele é o melhor pivô da NBA hoje. De longe o da conferencia Leste). A manchete do site em que li a noticia questionava as palavras de Byron Scott, técnico dos Cavs. Vamos analisar: comparando Varejão com o considerado melhor pivô da NBA nas últimas temporadas, Dwight Howard, podemos ver que essa temporada vem sendo do brasileiro. Os únicos aspectos no qual Anderson fica atrás são o de pontos por jogo, com dois a menos, e tocos, com dois a menos também. Porém, Varejão pega mais rebotes (não só mais que Dwight, mas mais do que todos os da liga! Sim, ele é o líder em rebotes da NBA), dá mais assistências (quesito do qual ele é um dos cinco melhores considerando não armadores), rouba mais bolas e tem melhor aproveitamento, além de ter melhor eficiência (algo que o brazuca é apenas pior que os All-Stars LeBron James e Kevin Durant). Vale lembrar ainda que, Dwight tem Steve Nash, Kobe Bryant, Metta World Peace e Pau Gasol junto com ele no quinteto, enquanto Varejão tem Alonzo Gee, Tristan Thompson, Daniel Waiters e Kyrie Irving.

Ou seja, Varejão vem jogando melhor que todos os homens de garrafão da liga. Se a votação do jogo das estrelas continuasse como antigamente, o brasileiro teria muitas chances de pegar a vaga de 5 no time. Porém, com esse novo método de votação, Anderson pode ficar de fora do quinteto titular por não ser tão popular nos Estados Unidos como outros alas que agora podem pegar a vaga do pivô. Mas, eu acredito que o técnico escolhido para dirigir esse timaço chamaria ele para o banco se ele não for pelo público, basta ser somente um pouco sensato.

A tabela abaixo consegui no site da ESPN, e ele mostra os melhores reboteiros nos primeiros 13 jogos da temporada nos últimos 10 anos, e Varejão aparece em quarto.

Temporada Jogador Time Rebotes
2007-08 Marcus Camby Nuggets 201
2011-12 Dwight Howard Magic 194
2004-05 Kevin Garnett Timberwolves 194
2012-13 Anderson Varejao Cavaliers 191
2007-08 Dwight Howard Magic 187

Enfim, o que para algumas pessoas ou países seria apenas uma convocação ao All-Star Game, para ele, e para nós, brasileiros, seria muito mais do que isso. Seria a primeira vez que um jogador do país iria ao evento, e, sem dúvidas, seria o melhor momento para que isso ocorresse. Estamos em um momento muito importante do nosso basquete, com uma liga nacional cada ano mais forte, jogadores nossos brilhando na Europa e com seis deles na NBA, sendo um líder de rebotes e terceiro mais eficiente, além de muitas outras coisas. E esse é o momento em que o Brasil voltará a ser uma potencia mundial, como já foi. Esse momento é o exato momento para que isso aconteça, e que para nosso basquete continue nessa evolução que está. Boa sorte, Anderson, e conte conosco nos votos.

Spurs (12-3) @ Magic (5-8) – Temporada Regular

San Antonio Spurs @ Orlando Magic – Temporada Regular

Data: 28/11/2012

Horário: 22h00 (Horário de Brasília)

Local: Amway Center

TV: NBA Pass (Sky Brasil)

Cotação no Apostas Online: Spurs 1,3 (favorito) x Magic 3,53

O San Antonio Spurs parece não sentir pressão nenhum ao jogar na casa do adversário. São quatro vitórias seguidas fora de casa e, nesta quarta-feira (28), a equipe texana espera conseguir o quinto triunfo em sequência. Como o próximo adversário do alvinegro é o Miami Heat, o técnico Gregg Popovich pode optar por poupar alguns jogadores ou cortar drasticamente seus minutos. Tim Duncan é o mais cotado para receber esse privilégio.

PG – Tony Parker

SG – Garry Neal

SF – Danny Green

PF – Boris Diaw

C – Tim Duncan/Tiago Splitter

Fique de Olho – Tiago Splitter está ganhando cada vez mais espaço na rotação do Spurs. O brasileiro chegou muito próximo a conseguir um triplo-duplo em sua última atuação, contra o Washington Wizards. Caso Tim Duncan seja realmente poupado, o pivô deve ganhar muito minutos.

PG – Jameer Nelson

SG – Arron Afflalo

SF- Moe Harkless

PF – Glen Davis

C – Nikola Vucevic

Fique de Olho –  O armador Jameer Nelson fez 42 pontos no últimos dois jogos e é um dos mais experientes do jovem elenco do time de Orlando. O camisa 14 do Magic apresenta médias de 12.4 pontos e cinco assistências por jogo na atual temporada.

Spurs (12-3) @ Wizards (0-12) – Pobre Wizards!

118x92

Na noite desta segunda-feira (26), a equipe do San Antonio Spurs derrotou o Washington Wizards por 118 a 92 jogando fora de casa. O time texano contou com um ótimo trabalho de dois pivôs vindos do banco: Boris Diaw e Tiago Splitter. O francês, antes titular, foi o cestinha da equipe com 16 pontos anotados. Já o brasileiro fez a sua melhor partida com a camisa alvinegra nesta temporada 2012/2013, anotando 15 pontos e 12 rebotes nos 23 minutos que esteve em quadra.

Senhoras e senhores, Tiago Splitter! (Ned Dishman/NBAE/Getty Images)

Quem gostaria de ver um duelo no garrafão entre os pivôs brasileiros Nenê e Splitter ficou na vontade. O camisa 42 do Wizards foi poupado por causa de uma lesão no pé esquerdo e assistiu do banco seu time perder a décima segunda partida nesta temporada. Isso mesmo; o time da capital norte-americana ainda não venceu nenhum jogo até agora.

Boa, Timmy! (Ned Dishman/NBAE/Getty Images)

Em relação à partida, os dois primeiros quartos foram bem disputados. A primeira etapa terminou com uma pequena vantagem do time texano: 29 a 25.

Já na segunda parte, o jogo só começou a se tranquilizar depois de um arremesso de três convertido pelo ala-armador argentino Manu Ginobili, que abriu dez pontos de vantagem no placar em relação ao time da casa, restando somente um minuto e 25 segundos para o termino deste primeiro tempo.

No segundo tempo de jogo, abriu-se a vantagem. O Wizards não conseguiu conter o ataque do time de San Antonio e, a partir disso, a partida começou a ficar mais tranquila para os visitantes.

Depois da assistência de Ginobili para o arremesso certeiro de três pontos do armador australiano Patrick Mills faltando dois minutos e 38 segundo para o final da terceira etapa, o jogo já se encontrava em 85 a 62 a favor do Spurs.

Logo no começo da última parte do jogo, o Wizards já estava praticamente derrotado e o jogo entregue. De novo, o astro argentino fez uma verdadeira pintura: roubou a bola na quadra de defesa, puxou o contra-ataque e, na hora da definição, deixou todos no ginásio procurando a bola quando fingiu um passe para Matt Bonner e converteu a bandeja. A partir desse ponto, o jogo se transformou em um show. Assim, o cestinha da partida Jordan Crawford e o Wizards não detiveram o Spurs, que ganhou a partida por 118 a 92. O time texano volta a entrar em quadra quarta-feira, contra o Orlando Magic, mesma data em que o Wizards vai receber o Portland Trailblazers.

Tim Duncan 

O veterano camisa 21 foi eleito o jogador da semana da Conferência Oeste devido ao seu excelente papel nos últimos quatro jogos do Spurs. The Big Fundamental apresenta médias de 22 pontos, 12,8 rebotes, três assistências e 1,3 tocos por partida, além de ter alcançado a marca de 2.500 bloqueios na carreira na vitória sobre o Toronto Raptors. Contra o Wizards, Duncan conferiu 14 pontos, cinco rebotes e quatro assistências.

Destaques da Partida

San Antonio Spurs

Boris Diaw – 16 pontos e duas assistências

Tiago Splitter – 15 pontos (7-8 FT), 12 rebotes, sete assistências, duas roubadas de bola e dois tocos

Tony Parker – 15 pontos e duas assistências

Tim Duncan – 14 pontos, cinco rebotes e quatro assistências

Gary Neal – 13 pontos e três rebotes

Manu Ginobili – 12 pontos, cinco rebotes e cinco assistências

Matt Bonner – 11 pontos

Washington Wizards

Jordan Crawford – 19 pontos e quatro rebotes

Kevin Seraphin – 18 pontos e sete rebotes

Martell Webster – 16 pontos e quatro rebotes

A.J. Price – 11 pontos e sete assistências

Fundamental

Quanta diferença faz uma bronca. Gregg Popovich cansou da apatia do armador Tony Parker no começo da temporada e resolveu, de forma tranquila, chamar sua atenção ao longo da última semana. Deu certo. Muito certo, na realidade. O atleta deixou de lado jogos sem muita agressividade e passou a ser a principal válvula ofensiva do San Antonio Spurs na temporada ao lado de Tim Duncan. Com a melhora, o time cresceu e desde então só venceu. Muitos fatores colaboram para o crescimento do francês.

Parker começa a crescer quando o time precisa dele

Em primeiro lugar, a água subiu e chegou ao pescoço dos atletas do Spurs em uma hora em que ninguém esperava. Sabendo das dificuldades do Los Angeles Lakers de se arrumar no começo da temporada, os texanos tinham o dever de vencer bem no início para acumular gordura. O fizeram até com recorde, mas logo de cara perderam duas peças importantíssimas por lesão: os alas Kawhi Leonard e Stephen Jackson. A situação forçou Parker a aparecer mais. Somada à bronca de Popovich, foi crucial.

Na sequência, temos a mudança de posicionamento, se assim podemos dizer, do armador em quadra. Pelo menos sua função mudou bastante em relação aos primeiros jogos. Estamos acostumados a ver um Parker bastante agressivo, que batia para dentro e fazia das infiltrações a sua principal jogada, sempre combinada com uma boa dose de faltas conquistadas. No começo de 2012/2013, porém, o francês tentou ser mais cerebral. Em alguns momentos, confesso, me lembrou Chris Paul, do Los Angeles Clippers, em mentalidade – veja bem, estilo de pensar em quadra, não comparando o talento dos dois.

A bronca de Popovich teve influência direta com a mudança dele dentro de quadra. Parker passou a atacar mais a cesta, ser mais agressivo e se viu livre para somar mais pontos sem ter que dividí-los com Jackson e Leonard. Como todos sabíamos, ele não havia desaprendido a fazer isso. Pelo contrário. Nas vitórias sobre o Indiana Pacers e o Toronto Raptors, por mais que o time tenha feito apresentações bem abaixo do esperado, o francês brilhou e, em ambos os duelos, passou dos 30 pontos. Crucial para as importantes vitórias fora de casa.

Se Tim Duncan foi eleito o jogador da semana na Conferência Oeste e tem sido essencial nesta temporada – por saber se reinventar e não se limitar à idade –, Parker cada vez mais aparece para ser o jogador da franquia, aquele que decide e carrega a bola o jogo todo. Depois de erros bobos e atuações até duvidáveis, o francês voltou a fazer a diferença. Essencial para um time em crescimento franco, que, com a má fase do Lakers, ascende cada vez mais ao campo dos favoritos do ano.

Tim Duncan é nomeado jogador da semana do Oeste

Sempre ele!

Parece não haver limites para o que o lendário ala-pivô Tim Duncan possa alcançar em sua carreira. Aos 36 anos, The Big Fundamental vem tendo um início de temporada espetacular, o que lhe rendeu a nomeação de melhor jogador da semana da Conferência Oeste, juntamente com Al Horford, que ganhou a premiação pela Conferência Leste.

Timmy foi um dos principais responsáveis pelas três vitórias em quatro jogos do Spurs na última semana e registrou médias de 22 pontos, 12,8 rebotes, três assistências e 1,3 tocos por partida no período. Além disso, o camisa 21 atingiu a marca de 2.500 bloqueios na carreira na vitória sobre o Toronto Raptors.

Confira as atuações de Duncan na semana:

19 de novembro: Spurs 87 vs 92 Clippers 20 pontos e 14 rebotes

21 de novembro: Spurs 112 @ 100 Celtics20 pontos, 15 rebotes e quatro assistências

23 de novembro:  Spurs 104 @ 97 Pacers 22 pontos e 17 rebotes

25 de novembro: Spurs 111 @ 106 Raptors – 26 pontos, seis assistências, cinco rebotes e três tocos

Joga bola o velhinho hein?