Arquivo diário: 27/10/2012

Josh Powell é dispensado pelo Spurs

O plantel do San Antonio Spurs que iniciará a temporada regular terá mesmo 14 jogadores. Isso porque, neste sábado (27), a equipe anunciou a dispensa do ala-pivô Josh Powell, que atuou em seis partidas com a camisa texana na pré-temporada.

Fica para a próxima…

Em 13,7 minutos por jogo na fase preparatória, Powell acumulou médias de 5,8 pontos e 3,8 rebotes, com um aproveitamento de 60,9% nos arremessos de quadra. No último jogo, diante do Washington Wizards, no entanto, o jogador foi pouco acionado e ficou em quadra apenas 4:40 minutos, sem pontuar.

Com a dispensa, o elenco do Spurs que estreia pela temporada regular no dia 31, contra o New Orleans Hornets, será formado por Tony Parker, Patrick Mills, Cory Joseph, Danny Green, Manu Ginobili, Gary Neal, Nando De Colo, Kawhi Leonard, Stephen Jackson, Boris Diaw, DeJuan Blair, Tim Duncan, Matt Bonner e Tiago Splitter.

Joseph e Leonard têm contratos prorrogados

O San Antonio Spurs também anunciou, neste sábado (27), que prorrogou por mais uma temporada os contratos do armador Cory Joseph e do ala Kawhi Leonard. Selecionados no Draft do ano passado, os jogadores caminham para o segundo campeonato no time texano, e agora têm vínculos garantidos até, pelo menos, o fim da temporada 2013/2014.

Spurs (4-3) vs Wizards (3-5) – Vitória no fim da pré-temporada

               100x85

Depois da derrota para o Orlando Magic, a equipe do San Antonio Spurs voltou para Texas e terminou a pré-temporada com uma vitória em cima do Washington Wizards, por 100 a 85, nesta sexta-feira (26).

Tim Duncan foi bem (D. Clarke Evans/NBAE/Getty)

O time texano não contou com o astro argentino Manu Ginobili que foi poupado pelo técnico Gregg Popovich por sentir dores nas costas. Do lado do Wizards, os ausentes foram John Wall, Nenê, Trevor Ariza, Emeka Okafor e Jannero Pargo.

Boa, capitão! (D. Clarke Evans/NBAE/Getty)

No geral, não foi um jogo muito tranquilo. No primeiro quarto, o Wizards deu certo trabalho e ganharam dos donos da casa por 25 a 21. Já no segundo período, o Spurs começou a reagir depois de uma bela jogada do armador Tony Parker. Além do francês, outro jogador que começou a ajudar a equipe texana com pontos e rebotes foi o nosso velho conhecido Tim Duncan. Naquela altura, o ala-pivô já anotava 11 pontos e sete rebotes (três ofensivos e quatro defensivos). Mesmo assim, no intervalo o Wizards vencia por 50 a 47.

A reação texana continuou no terceiro período, quando Duncan anotou mais um rebote de defesa e ligou um contra-ataque com Boris Diaw, que converteu uma bandeja e colocou o Spurs na frente por 61 a 59. O jogo seguia acirrado para o último período, mas foi então que outro nome surgiu para contribuir com o time da casa: o ala Stephen Jackson.

O camisa 3 marcava 11 pontos para a equipe e, a essa altura, Duncan já anotava 13 rebotes, sendo nove deles de defesa. Com o jogo praticamente ganho, o pivô brasileiro Tiago Splitter entrou em quadra no último quarto e não fez feio, anotando sete pontos e sete rebotes nos dez minutos que esteve em quadra.

O San Antonio Spurs começa a temporada regular contra a equipe do New Orleans Hornets no próximo dia 31 de outubro, enquanto o Washington Wizards enfrenta o Cleveland Cavaliers, dia 30, na abertura do campeonato.

Destaques da Partida

San Antonio Spurs

Tim Duncan – 16 pontos e 13 rebotes (nove defensivos e quatro ofensivos)

Stephen Jackson – 16 pontos e quatro rebotes

Tony Parker – 14 pontos e quatro assistências

Kawhi Leonard – 11 pontos e nove rebotes

Patrick Mills – Dez pontos e três assistências

Danny Green – Dez pontos

Washington Wizards

A.J. Price – 13 pontos e duas assistências

Jan Vesely – 13 pontos e quatro rebotes

Earl Barron – 12 pontos e dez rebotes

Jordan Crawford – 11 pontos e quatro assistências

Está tudo bem, Kawhi!

Do atual elenco do San Antonio Spurs, Kawhi Leonard é, talvez, o jogador que traz as melhores perspectivas para o futuro da franquia. Ciente disso, o técnico Gregg Popovich disse, recentemente, que quer aumentar o papel de seu pupilo no ataque do time. No entanto, na pré-temporada, primeira experiência do ala com suas novas responsabilidades, o resultado não foi dos melhores: pouco menos de 27,1% de aproveitamento nos arremessos de quadra. Preocupante? Não. Nada poderia ser mais natural.

Ensina ele, Pop!

Leonard ainda está no início de sua curva de aprendizado. Vai começar apenas sua segunda temporada na NBA e, vale lembrar, a preparação para a última foi encurtada pelo locaute, que atrapalhou principalmente os novatos, que tiveram pouco tempo de adaptação ao sistema tático de suas equipes. Mas o ala se beneficiou de ter um papel relativamente simples no time: defender o astro adversário e, no ataque, ficar parado no perímetro, esperando que as infiltrações de Tony Parker e Manu Ginobili e dobras em Tim Duncan o deixassem livre para arremessos de três pontos.

Para cumprir à risca o papel que lhe foi dado, Leonard mostrou que é daqueles que aprende fácil. Após trabalhar com Chip Engelland, membro da comissão técnica do Spurs especialista em arremessos, o ala, que havia acertado 29,1% de seus tiros do perímetro em seu último ano no basquete universitário, saltou para 37,6% de aproveitamento em sua primeira temporada com o time texano. Nada mal, certo?

Agora, depois de um ano vendo seus companheiros abrirem espaço para seus tiros, Leonard precisa aprender a criar seu próprio arremesso no nível de o jogo exigido pela NBA. O processo já começou na Summer League de Las Vegas, quando o jovem apresentou médias de 25 pontos (47,2% FG, 25% 3 PT, 73,7%), seis rebotes e três assistências por partida nos dois jogos que disputou na competição.

No entanto, jogando contra times, de fato, da NBA, era natural que Leonard encontrasse dificuldade. O ala recebeu liberdade no ataque e tentou 8,1 arremessos por partida na pré-temporada, contra 6,3 do último campeonato. Isso significa que, provavelmente, precisou definir bolas mais difíceis. Normal o aproveitamento cair.

Por isso, creio que Pop saberá dosar a quantidade de tiros que Leonard dará por jogo. O processo de aprendizado do jogador, que hoje tem função semelhante à de Bruce Bowen, pode se dar de maneira lenta porque o Spurs conta com Parker, Manu e Duncan tomando conta do ataque. E, para que isso um dia aconteça, o ala pode errar o quanto quiser hoje.