Arquivo diário: 01/10/2012

Eddy Curry vestirá a camisa do Spurs na pré-temporada

O San Antonio Spurs surpreendeu no anúncio da lista de jogadores que participarão dos jogos da pré-temporada do time. A franquia divulgou que contará com o pivô Eddy Curry em seu elenco. Conhecido pelos problemas de peso, o atleta vai para a sua décima temporada na NBA.

Divulgação

A fatídica lista. Curry vai ser o número 52. Homenagem ao número provável que ele veste?

Selecionado pelo Chicago Bulls como quarta escolha Do draft para a temporada de 2001/2002, Curry entrou na NBA envolto por muita expectativa. Pontuador, o atleta nunca se acertou na defesa e definhou nos últimas anos. Na últimas três temporadas – nas quais defendeu o New York Knicks e o Miami Heat – o pivô atuou em apenas 24 partidas. Em toda sua carreira Curry, tem médias 13 pontos e 5.2 rebotes por partida disputada.

Na teoria, a chegada de Curry é uma aposta do Spurs para uma posição carente do elenco. Mas as pouquíssimas partidas disputadas pelo pivô nos últimos três anos não são fruto de pouca coisa. Além do problema com peso, o jogador é tido como preguiçoso pelos treinadores dos times pelos quais passou.

Na última temporada, Curry fez parte do elenco do Miami Heat, que levantou a taça no fim da temporada. Mas esse não é exatamente o que os torcedores queriam dizer quando clamaram por um pivô campeão para que o Spurs figurasse entre os favoritos ao título.

Leia mais: veja quem pode chegar e quem pode deixar o San Antonio Spurs

E mais…

Sherron Collins também é integrado ao elenco de pré-temporada

Além de Eddy Curry, foi anunciada outra novidade em relação ao elenco de 18 jogadores inicialmente divulgado pelo San Antonio Spurs: Sherron Collins. O armador teve uma pequena experiência na NBA: disputou 20 partidas pelo Charlotte Bobcats na temporada 2010/2011, apresentando médias de 0,8 pontos e 0,4 assistências em 3,3 minutos por jogo. Na equipe, foi companheiro de Stephen Jackson, Derrick Brown e Boris Diaw. O atleta disputou o  último campeonato turco pelo Hacettepe Üniversitesi, obtendo, em média, 10,6 pontos e 2,8 assistências em 28,9 minutos por exibição.

Vale o quanto pesa?

Não, não vale. Hoje, a relação é inversamente proporcional, aliás. Falo de DeJuan Blair, o garoto-problema do San Antonio Spurs. Não porque ele seja adepto de baladas ou porque foi pego com drogas. Mas porque o pivô parece jogar pela janela uma chance que poderia agarrar com mais facilidade do que qualquer rebote. O time texano precisa de um jogador da posição, mas ele faz questão de não querer ser notado para isso.

Divulgação

Não, Blair, nada de deitar e descansar no meio do jogo. Vai suar!

Blair chegou à NBA baleado. Seus joelhos, sabia-se desde os tempos de universidade, não eram bons o suficiente para aguentar o ritmo da liga. Mas nem com isso ele teve de se preocupar, já que não se lesionou com muita gravidade em nenhuma de suas três temporadas. Mas criou outro problema físico: peso. Tal qual um garoto que não tem controle sobre seus atos, engordou muito com o passar dos jogos, fato absurdo se levado em conta que Blair é um atleta profissional.

Mas mesmo com todos esses problemas, ele não deixou de ser uma esperança. E a próxima temporada poderá confirmar isso. Descontente com os comentários maldosos que torcedores e jornalistas fizeram sobre seu peso, Blair resolveu agir da maneira mais simples de todas: foi para a academia. Sua pré-temporada começou muito antes da dos colegas, com exercícios em casa e participação nos treinos da seleção norte-americana antes das Olimpíadas de Londres-2012. Para quem quer (precisa) emagrecer, ótimo começo.

E mais do que o começo, Blair se mostra motivado para continuar. Posta fotos diárias em suas redes sociais com sua malhação. O pivô já aparenta estar mais magro, mais em forma. Sua técnica, é claro, só tem a ganhar com isso. O Spurs também. Caso realmente se mantenha magro e mostre o foco necessário, e que até agora vem sendo seu forte nessa pré-temporada, Blair pode ser o maior reforço do time – que pouco contratou e não achou nenhum pivô de ofício no mercado.

Se seus problemas nos playoffs – queda de rendimento, resumindo – persistirão, não podemos saber. Mas poderemos nos dar por satisfeitos se Blair aparecer mais magro e, principalmente, mais motivado. Ele deu o primeiro passo. Se Popovich acreditar nele, o restante da caminhada parece óbvio. E aí ele vai continuar sem valer o quanto pesa – mas com uma inversão significativa: peso menor, valor maior.