Arquivo diário: 17/09/2012

T-Mac? Não, obrigado

No último sábado (15), nosso blogueiro Lucas Pastore fez ótima análise sobre a possível vinda do pivô Kyrylo Fesenko ao San Antonio Spurs. Concordo com ele. Eficiente e de uma posição na qual o time é carente, o ucraniano faria a cotação da equipe subir entre aquelas que disputarão os playoffs da temporada. E junto dele poderia vir o veterano ala Tracy McGrady. Mas aí as coisas não funcionam da mesma forma. Se Fesenko seria totalmente útil para o elenco, T-Mac soaria mais como uma adição nada inteligente.

Lá vai T-Mac correndo e... machucou?

Lá vai T-Mac correndo e… machucou?

Dentro de sua safra de jogadores, McGrady sempre foi bem visto e, por muito tempo, segurou nas costas o Orlando Magic e o Houston Rockets. Não pelo peso que colocavam em seus ombros, mas o ala se machucou e nunca mais foi o mesmo. Algo comum e que tem como um dos exemplos o tenista brasileiro Gustavo Kuerten. Guga jogava em alto nível, se lesionou e arrastou sua carreira até o final. Parecido com o que T-Mac faz. O que um jogador desse adicionaria ao elenco do Spurs?

Dentro de quadra, saudável, ele é ótimo. Pontuador, viria do banco e faria uma dupla e tanto com Manu Ginobili. Mas o Spurs já tem problemas médicos suficientes para trazer ao elenco mais um caso. O próprio argentino sempre requer atenção especial da comissão técnica, assim como Tim Duncan, sempre por conta da idade. McGrady não seria um substituto confiável. Há cinco anos não sabemos mais se ele entrará em quadra e fará 20 pontos ou se passará desapercebido. T-Mac perdeu a hora de parar.

Claro que a grana faz a diferença e o salário mínimo para veteranos torna a aposta em McGrady mais atraente para uma diretoria que não tem mundos e fundos para gastar. Mas o quanto o barato pode sair caro quando falamos de um jogador com certa idade, que vive convivendo com lesões e que na última temporada teve média de nem seis pontos por jogo? E no Atlanta Hawks, seu útimo time, tinha como função exatamente descansar os all-stars da equipe sem perder o nível.

Prefiro que o Spurs aposte em seus jovens. Para o perímetro nós estamos bem servidos, talvez seja o setor com a renovação mais bem feita. Tony Parker é cada vez mais o franchise player, Patrick Mills deverá ganhar cada vez mais tempo e Manu parece mais saudável, impressão que tive nos Jogos Olímpicos. McGrady não viria para somar. Sua chegada seria mais motivo de preocupação do que de alívio.

O Spurs precisa investir em jogadores novos e, preferencialmente, de garrafão. Foi isso que faltou na decisiva série contra o Oklahoma City Thunder, nas finais da Conferência Oeste da última temporada.

3 pontos

– Sim, o departamento médico do Spurs é um dos melhores da liga. Mas o quanto vale dar mais trabalho para ele a troco de nada?

– T-Mac foi um dos jogadores mais impressionantes que vi jogar, assim como Guga foi e é meu tenista favorito – não o melhor que vi. Mas lesões crônicas não são fáceis de resolver.

– Se abaixasse o salário, Leandrinho seria boa pedida caso o Gregg Popovich queira um jogador apenas para sair do banco e pontuar, sem se importar muito com a defesa. Duvido.

Splitter não se assusta com Lakers e vê Spurs na briga

Um dos principais assuntos da offseason da NBA até aqui foi a montagem do time estrelar do Los Angeles Lakers, que contratou Steve Nash e Dwight Howard para ajudarem Kobe Bryant e Pau Gasol a tentar levar o time de novo ao título. No entanto, para o pivô Tiago Splitter, do San Antonio Spurs, a franquia texana tem elenco suficiente para enfrentar a reformulada equipe anegelina de igual para igual.

Splitter sem medo!

“Todos nós sabemos que o time no papel não ganha jogo. O Los Angeles Lakers montou um grande time, assim como o Oklahoma City Thunder, que manteve seus principais jogadores. Na minha opinião, nós temos condições de enfrentar de igual para igual essas equipes”, disse Splitter, em entrevista ao site Basketeria.

“Sabemos que temos que nos esforçar nos treinamentos, para que possamos estar bem na temporada. O Gregg Popovich está montando um plantel bem parecido com o do ano passado e isso nos ajuda. Mesmo assim, sabemos que os Spurs nunca são favoritos para nada pela imprensa (risos)”, completou o pivô brasileiro.

Por fim, Splitter voltou a elogiar Tim Duncan e disse que os treinos que os dois fizeram juntos durante o locaute o ajudou a desenvolver seu jogo.

“O Tim Duncan é peça chave no nosso time. Ele é um cara fantástico e que me ajuda muito. Durante o locaute, treinamos muito tempo juntos e eu pude evoluir meu jogo em alguns aspectos. Agora, na offseason, também estamos treinando junto e isso só me ajuda a melhorar cada vez mais”, afirmou o pivô.