Arquivo diário: 16/09/2012

A ninja do Texas

Ao pensar em ninjas, a primeira coisa que passa por nossas cabeças são guerreiros japoneses vestidos de preto, com o corpo inteiro coberto, sobrando apenas os olhos à mostra. Os ninjas também são altamente inteligentes, flexíveis, rápidos e silenciosos. Eles passam anos treinando, dedicando todo o seu tempo às artes que os ajudarão a trazer a glória ao seu país. Certo. Mas o que isso tem a ver com um time de basquete feminino dos Estados Unidos?

Sophia Young, a camisa 33 do San Antonio Silver Stars

Durante esta temporada, que se encontra perto do fim de sua fase regular, o San Antonio Silver Stars abrigou uma jogadora que apresentou características parecidas com as dos ninjas. De quem estou falando? Se você pensou que fosse a Becky Hammon, está enganado. O nome em pauta é Sophia Young.

Enquanto na offseason a maioria das jogadoras foi para a Europa representar times do Velho Continente a fim de ganhar dinheiro, a ala permaneceu no Texas. Em seu cronograma, fisioterapia para se recuperar de uma lesão e treinamentos físicos particulares a preparavam para o início de uma temporada que não parecia muito animadora para as Silver Stars: o mesmo elenco do ano anterior, que entrou nos playoffs com campanha abaixo dos 50% de aproveitamento e caiu de primeira para o Minnesota Lynx (que terminou como campeão da liga).

Hoje, a média de pontos de Young está 1,2 maior do que a de sua carreira (16,8). Nas três últimas partidas, no meio dessa fase de instabilidade do San Antonio, seus números foram (pontos + rebotes) 20 + 8 (Minnesota Lynx – derrota), 16 + 8 (Tulsa Shock – vitória), 19 + 9 (Seattle Storm – vitória) e 15 + 8 (Tulsa Shock – derrota). Sua estabilidade é um dos pilares da equipe.

Becky Hammon e Sophia Young: Inseparáveis dentro e fora de quadra, as caras da franquia texana

Um de seus brilhos em quadra é a parceria com Becky Hammon. Juntas, elas fazem uma das melhores duplas de ataque da WNBA, não tão popular e assediada quanto Sue Bird e Lauren Jackson (que, vale ressaltar, está deixando a desejar neste ano). Uma das jogadas mais simples do basquete, com as duas, se torna um verdadeiro Renoir da categoria: o pick-and-roll. É raro isso não dar certo entre elas.

A versatilidade de Sophia Young também é uma de suas principais armas. O arremesso de curta distância e a movimentação rápida no garrafão, por mais que sejam características de longa data, surpreendem as adversárias. O motivo? À medida que sua carreira avança, eles são aperfeiçoados como resultado de treinamentos fortes e dedicação.

Para terminar, a última característica que assemelha a ala aos ninjas é o quanto suas qualidades conseguem fugir dos holofotes. Young faz um rebuliço em quadra, é participativa nas redes sociais, promove eventos de moda, mas continua na dela. É discreta.

Depois de Becky Hammon, Sophia Young é a jogadora mais importante do San Antonio Silver Stars. Sem ela, o time não é completo. Seja por sua atuação em quadra, seu carisma ou sua dedicação, a franquia não é a mesma sem ela. Durante uma conversa com um amigo hoje, confessei estar em dúvida sobre qual das duas merece o MVP: a armadora ou a ala. Se fosse para escolher um elemento do Stars, minha balança ficaria bem equilibrada.

Splitter diz aprender com Duncan e elogia liderança de Pop

Tiago Splitter está em São Paulo para participar de um evento promovido pela NBA no Parque Villa Lobos. Durante sua estadia no Brasil, o pivô do San Antonio Spurs, que está prestes a começar sua terceira temporada na liga profissional americana, concedeu uma entrevista à Rádio Bradesco Esportes FM na qual elogiou o ala-pivô Tim Duncan e disse estar aprendendo com o ídolo da franquia texana.

Aprendendo com um dos melhores (Darren Abate/The Express-News/SA)

“O trabalho que ele (Duncan) faz todos os dias com 30 e muitos anos que ele tem já (36), a paciência que ele tem para jogar, o timing, o talento que ele tem… É claro que isso não se ensina, mas o resto tudo você pode beliscar um pouco e aprender, tentar colocar isso no seu jogo”, declarou Splitter.

O pivô brasileiro ainda elogiou a liderança que o técnico Gregg Popovich exerce sobre a franquia. Splitter levou uma bronca pública do treinador nos playoffs, durante a série contra o Oklahoma City Thunder, mas o caso já parece resolvido.

“Gregg Popovich acho que é o maestro do que acontece em San Antonio. É quem manda lá, é o manda chuva, faz chover, faz fazer sol e vai ser assim por muito tempo. Ele tem uma forma de ser, uma forma de montar o time e a gente espera que continue assim”, afirmou.

* Informações gentilmente cedidas por Murilo Borges, da Rádio Bradesco Esportes FM