Arquivo diário: 03/09/2012

E o Texas?

Em uma época não tão distante, o Texas poderia se orgulhar de ser o estado com maior número de representantes de peso na NBA. San Antonio Spurs, Houston Rockets e Dallas Mavericks, seus três times, vinham sempre fortes para a temporada regular e chegavam ainda melhores para os playoffs. Os títulos recentes de Spurs e Mavs provam isso. Mas e hoje? O que o Texas pode falar sobre suas franquias na liga?

O cenário na última temporada não foi dos melhores. Mesmo defendendo o título inédito, o Mavericks fez péssimo mercado, perdeu peças importantes – principalmente o pivô Tyson Chandler – e rendeu muito abaixo do esperado na busca pelo bicampeonato. Para 2012/2013 o time de Mark Cuban parece, aos poucos, acertar os ponteiros. Mesmo assim não se coloca, como foi em outros anos, como um dos favoritos ao título.

Não vai ser fácil para o alemão na próxima temporada...

Não vai ser fácil para o alemão na próxima temporada…

O Dallas possui hoje um time honesto. E só. A chegada de Chris Kaman e a reprodução do garrafão da Alemanha com ele e Dirk Nowitzki não me parece tão impressionante quanto para outras pessoas. Mesmo com os jogadores se completando, ficará faltando algo. Kaman não chega aos níveis de defesa que Chandler teve na campanha que culminou com o título. Também não é nenhuma máquina no ataque. A equipe seguirá dependendo do ala-pivô, já que não tem no perímetro alguém tão confiável para auxiliá-lo ofensivamente – defensivamente, Shawn Marion vem realizando um trabalho interessante.

Já em Houston a situação é um pouco diferente. Depois de perder Yao Ming para as lesões e apostar em um time reformulado que não deu em nada, o Rockets volta a mirar suas atenções para a China. Trouxe o armador Jeremy Lin, sensação do New York Knicks na última temporada. Mercadologicamente, uma transição interessante. Dentro de quadra, superestimada como é o próprio jogador. Lin fez no ano passado uma série de ótimos jogos e se machucou. Os holofotes em Nova York brilham mais e o atleta viu seu jogo ganhar contornos que não são reais.

Jeremy Lin: hype ou craque?

Jeremy Lin: hype ou craque?

Ao lado do pivô Omer Asik, Lin custou caro ao Rockets. Nenhum dos dois jogadores, porém, é capaz de aumentar tão significativamente o nível da equipe dentro de quadra. Asik seria ótimo reserva, como era no Chicago Bulls. O tipo de pivô que faz o jogo sujo, que defende mais do que ataca. Mas Houston anistiou Luis Scola e viu seu melhor jogador em termos ofensivos ir embora de graça – o dinheiro foi usado quase que por inteiro nas duas contratações. A franquia ainda conta com o scorer Kevin Martin, que ainda não se adaptou por lá, e com o argentino Carlos Delfino, que já mostrou em outras oportunidades não encaixar no estilo de jogo da NBA.

Sobra para o Texas o Spurs. Sobra em modo de falar. Porque é o melhor time do estado. Mantém a base e, mesmo com a renovação a passos lentos, é a única das franquias locais que tem chances reais de ir longe na temporada. Se o título é difícil, deverá ser aquela equipe que os favoritos Los Angeles Lakers e Oklahoma City Thunder gostarão – e muito – de evitar no caminho até a grande final. Caso Tony Parker mantenha o nível da última temporada, Manu Ginobili consiga se manter inteiro e os reservas assimilem sua devida importância, é o time a ser batido no estado.

Os tempos mudaram e o Texas parece ter parado um pouco no tempo em relação a basquete. Em comum, vejo três times com dificuldades de se organizar em torno de necessidadas renovações. Para o presente, o Spurs ainda é o melhor. Para o futuro, o Rockets se apresenta como candidato caso consiga manter o time e adicionar um all-star ao elenco. E o Mavericks parece estacionado, admirando a inédita taça, que fica cada vez mais longe de ser repetida.

3 pontos

1 – A questão da anistia de Scola é completamente financeira. Por alguns momentos, tive a esperança de que o Spurs pudesse contar com o jogador que draftou, mas passou de graça ao Rockets.

2 – O problema de times parados no tempo não se enquadra apenas aos citados. A dinâmica da NBA mudou e a inversão de favoritos aconteceu. Dos times que eram considerados fortes há cinco anos, apenas Spurs e Lakers se mantiveram no bolo. Thunder e Heat apareceram com ótimas movimentações de mercado.

3 – Em breve teremos aqui no Spurs Brasil uma ótima entrevista que fiz com o Alex Garcia, na qual ele fala sobre seleção e, é claro, sua passagem pelo Spurs.

De olho no futuro

Depois de uma forte série de 12 vitórias seguidas, que rendeu uma classificação adiantada para os playoffs, o San Antonio Silver Stars desacelerou. Dos cinco últimos jogos, quatro não foram bem-sucedidos. Porém, não é preciso se preocupar.

Como já disse em uma edição da Vestiário Feminino, mesmo que todos os próximos jogos terminem em derrota, não há chance de desclassificação para a segunda fase. Além disso, os placares negativos não querem dizer que, de repente, a equipe parou de funcionar. Dessas cinco partidas, duas foram feias de verdade (contra o Los Angeles Sparks e o Connecticut Sun), uma foi vencida (Tulsa Shock – por favor, dispensem as ironias), e duas não foram positivas por pouco (Minnesota Lynx e Phoenix Mercury). Essas duas últimas aconteceram na última semana.

O duelo contra o Minnesota Lynx teve placar apertado em todo o momento, tanto que só foi decidido na prorrogação. Nos últimos minutos, as campeãs não deram chance alguma e o tempo extra teve o resultado de 17 a cinco. No sábado, contra o Phoenix Mercury, o San Antonio precisou se esforçar para deixar a vantagem de Diana Taurasi e suas companheiras menos larga e, pelo menos nisso, fez um bom papel. Quase venceu, mas, usando o velho trocadilho, nesse dia a ala, que vinha acumulando desculpas para não jogar, ressurgiu das cinzas e fez todo o Mercury, dentro e fora de quadra, vibrar.

Sophia Young

Agora, três semanas separam as equipes do momento mais esperado da temporada: os playoffs. A partir daí, tudo o que foi feito de bom precisa ser melhorado, e o que foi ruim precisa ser consertado. É por isso que essa é a hora certa de Dan Hughes chamar a atenção para o aperfeiçoamento, principalmente das mais novas (Shenise Johnson, Ziomara Morrison, Danielle Robinson e Danielle Adams). Também é preciso dar um tempo de descanso para Becky Hammon. A impressão é de que ela voltou com tudo das Olimpíadas, fez partidas espetaculares, foi a responsável pela conquista da vaga nos playoffs e cumpriu a primeira parte de sua missão. Sophia Young continua sendo incrível nas jogadas próximas à cesta e em seus arremessos. Seria legal, porém, treinar da linha de três pontos. Em jogos em que Hammon é muito segurada na defesa, a ala poderia ser uma opção forte, já que é a segunda mais consistente do esquadrão.

A melhor parte desse time, da temporada de 2012, é que existe uma equipe na qual se pode confiar, e o peso não fica somente na dupla mais conhecida (Hammon-Young).

Os jogos dessa semana não serão fáceis. Na sexta-feira (7, um viva ao feriado!), o adversário será o Indiana Fever, e no domingo (9) o Minnesota Lynx. Ótimas chances de estudar novas oportunidades de ataque para os playoffs.

Quem aqui está animado para a próxima fase? Eu não vejo a hora de chegar. Pela primeira vez desde 2008, há uma chance real de o San Antonio Silver Stars encostar no troféu de campeão, e não há dúvida de que cada elemento do time está sedento por essa conquista.

Até a semana que vem!