Arquivo diário: 16/06/2012

O homem que o Spurs queria

Pela segunda temporada consecutiva, Shane Battier tem feito uma excelente pós-temporada. Na quinta-feira (14), na vitória do Miami Heat sobre o Oklahoma City Thunder, que empatou a final da NBA em 1 a 1, o ala do time da Flórida anotou 17 pontos, convertendo cinco dos sete tiros de três pontos que tentou. E pensar que, antes do início da temporada, o San Antonio Spurs esteve perto de contratá-lo

Battier no Spurs: sonho de um ano atrás

Antes mesmo do campeonato começar, a franquia texana já demosntrava interesse em se desfazer de Richard Jefferson. A intenção era anistiar o camisa 24 e contratar um agente livre para a ala. Além de Battier, foram tentados nomes como Caron Butler, Tayshaun Prince, Grant Hill, Josh Howard e Vince Carter.

Apesar do assédio do Spurs, Battier preferiu se juntar ao Heat. O ala começou sua trajetória na Flórida de maneira discreta – na temporada regular, apresentou médias de 4,8 pontos (33,9% 3 PT) e 2,4 rebotes em 23,1 minutos por exibição. Porém, nos playoffs, a importância do veterano aumentou consideravelmente – principalmente após a contusão de Chris Bosh. A partir daí, o jogador assumiu a condição de titular e não decepcionou – na pós-temporada, seus números saltaram para 6,8 pontos e 3,1 rebotes em 33,2 minutos por partida, com aproveitamento de 37,1% nos tiros de três.

Nos dois primeiros jogos da final, então, o desempenho de Battier tem sido incrível. Além de tentar limitar Kevin Durant – tarefa quase impossível – o ala tem apresentado média de 17 pontos por partida, acertando 69,2% dos arremessos de três. É mole!?

É a segunda boa participação seguida de Battier nos playoffs da NBA. Lembram-se dele no ano passado? Pois é… o ala acertou bolas de três importantes que ajudaram o Memphis Grizzlies a eliminar o Spurs na primeira rodada. Naquela pós-temporada, o jogador sustentou médias de 5,5 pontos e quatro rebotes por noite.

O bom desempenho me faz pensar o que teria acontecido se Battier tivesse se juntado ao Spurs. Isso porque o jogador tem as características perfeitas para o que o treinador Gregg Popovich precisa em um ala: defesa forte no perímetro e tiros de três afiados, principalmente da zona morta.

Claro que a simples presença de Battier não tornaria o Spurs um time campeão automaticamente. Mas, sem ele, a franquia texana não teria adquirido Stephen Jackson no fim da temporada regular, já que Jefferson teria sido anistiado antes do início do campeonato. O capitão foi o destaque do time na série contra o Thunder, mas, vale lembrar, ainda tem mais uma temporada de salário salgado.

A presença de Battier no lugar de Jackson poderia acelerar o processo de renovação do Spurs. Provavelmente o ala teria assinado por apenas um ano, o que colocaria a franquia texana definitivamente na briga pela contratação de Nicolas Batum nesta offseason. Será que valeria a pena?