Arquivo diário: 28/05/2012

“Serei Spurs para sempre!”, afirma Tim Duncan

Mito!

Em entrevista recente concedida ao Yahoo! Sports, o ala-pivô Tim Duncan revelou que pretende continuar em San Antonio nos próximos anos. Vale lembrar que o contrato do camisa 21 com a franquia texana se encerra ao final desta temporada.

“Tenho de ameaçá-los dizendo que vou embora”, brincou o jogador durante a entrevista. “Mentira. Estou aqui e serei um Spur para a vida toda”, completou o astro, que fez 36 anos no último mês de abril.

Timmy, no entanto, havia cogitado se aposentar quando seu vínculo com o Spurs acabasse. Segundo ele, a temporada 2010/2011, a pior de sua carreira em números, foi frustrante.

“Eu estava deprimido e chateado. Meu corpo deixou de me obedecer”, explicou. “Sou um competidor, quero ser fundamental para a equipe. Quando isso mudou, obviamente fiquei sentido, mas encontrei um jeito de voltar a ser parte desse time”, pontuou.

Sabendo que precisava fazer alguma coisa para voltar a ser dominante, Duncan começou a perder peso e emagreceu nove quilos de uma temporada para a outra, como revelou à ESPN o amigo Bruce Bowen.

“Fininho”, Timmy apresentou um salto de qualidade visível em seu jogo. O ala-pivô, que havia registrado médias de 13,5 pontos e 8,9 rebotes em 201/2011, pulou para 15,4 pontos e nove rebotes em 2011/2012.

E mais…

Tim Duncan se tornou o líder da NBA em rebotes defensivos na história playoffs com 1.644 ressaltos coletados. O fato ocorreu no Jogo 1 da série contra o Oklahoma City Thunder. Timmy também é o recordista entre todos os jogadores em atividade quando o assunto é rebotes em geral, totalizando 2.260.

Anúncios

Destaque do primeiro jogo, Ginobili ressalta força defensiva

Essa bandeja foi simplesmente sensacional!

Manu Ginobili foi o grande jogador do San Antonio Spurs na primeira partida da final da Conferência Oeste contra o Oklahoma City Thunder. Com 26 pontos, cinco rebotes e três assistências, o argentino ajudou o time texano a cortar uma vantagem de nove pontos que havia sido construída por Kevin Durant e companhia ao longo do terceiro período.

“Manu foi grandioso. Foi algo inacreditável”, disse Tim Duncan, sobre o desempenho do camisa 20. “Começamos a confiar em seu jogo e ele realmente cumpriu um bom papel. Ginobili ficou de fora dos três duelos contra eles (na temporada regular) e foi muito bom vê-lo sendo efetivo”, completou.

Após a partida, o ala-armador revelou ter ficado surpreso com o que foi apresentado dentro de quadra. “Apenas aconteceu. Em nenhum momento do ano eu cheguei a fazer isso, mas aconteceu agora e eu fiquei muito feliz”, afirmou.

Para o argentino, o foco da equipe no último quarto foi ainda mais importante que a experiência dos veteranos do Spurs. “A experiência nem sempre conta”, disse. “Nós apenas fomos muito bem defensivamente no final. Tentamos perder menos a bola do que no começo da noite. Quando você comete 14 turnovers num único tempo e vai para o intervalo perdendo só por um ponto, basta que você corrija algumas coisas para se dar bem. Foi o que aconteceu”, finalizou.

Por fim, quem falou sobre o camisa 20 foi James Harden, um dos principais encarregados de marcar Manu. “Ele é canhoto, habilidoso e fez jogadas importantes no período final”, elogiou. “Temos de fazer um trabalho melhor sobre ele e obrigá-lo a passar a bola. Vamos tentar controlá-lo e voltaremos prontos para o Jogo 2”, concluiu.

Popovich cobrou e jogadores atenderam. Nós agradecemos!

Era isso que Popovich queria!

O San Antonio Spurs bateu o Oklahoma City Thunder por 101 a 98 na primeira partida da final da Conferência Oeste. Apesar do triunfo, os texanos passaram por maus bocados ao longo do jogo e viram Kevin Durant e companhia abrirem uma vantagem confortável de nove pontos no terceiro período, após dar branco no time da casa no início da parcial.

Foi aí que entrou a figura de Gregg Popovich. Durante um dos pedidos de tempo, o treinador da equipe de San Antonio se direcionou aos jogadores e pediu: “I want some nasty”. A palavra nasty, em português, pode ter mais de um significado, mas o Coach Pop queria um pouco mais de virilidade por parte de seus comandados durante o duelo.

Perguntado sobre a “bronca” após o embate, Popovich explicou que seus atletas estavam sem confiança, inseguros, e por isso sentiu a necessidade de “cobrá-los”. O técnico queria vontade, raça e também tranquilidade – coisas que faltaram ao San Antonio Spurs ao longo dos três primeiros quartos.

Felizmente esse cenário mudou no último período. Comandado pelo argentino Manu Ginobili, o time texano atropelou o rival na parcial, vencendo por 39 a 27. É por essas e por outras que Gregg Popovich é, atualmente, o melhor treinador da NBA. Nós agradecemos!

Spurs (1) vs Thunder (0) – Time de velhinhos sim, senhor!

101×98

O San Antonio Spurs saiu na frente na decisão da Conferência Oeste! Neste domingo (27), jogando em casa, a equipe texana contou com grande atuação de seus veteranos para vencer o Oklahoma City Thunder por 101 a 98 e abrir 1 a 0 na série. Os dois times voltam a se encontrar na terça-feira, novamente no AT&T Center.

Mitos! (Tom Pennington/Getty Images)

Show dos “velhinhos”

Titulares ao longo da temporada e nos playoffs, os jovens Danny Green e Kawhi Leonard ajudaram o Spurs a se livrar um pouco do rótulo de time envelhecido. Mas, neste domingo, foram os veteranos que comandaram o triunfo. O principal deles foi Manu Ginobili, que deixou a quadra com 26 pontos, cinco rebotes e três assistências e foi o cestinha do time.

Tim Duncan, com 16 pontos e 11 rebotes, e Gary Neal – que enfim foi aproveitado como ala-armador, sua posição de origem -, com 12 pontos, também brilharam no ataque. Na defesa, o show foi de Stephen Jackson, que ajudou a limitar Kevin Durant. O ala do Thunder foi o principal pontuador do jogo, com 27 tentos, mas acertou somente 8 dos 19 arremessos de quadra que tentou.

Duncan foi bem dos dois lados da quadra (Photo by D. Clarke Evans/NBAE via Getty Images)

O apagão voltou!

Estavam com saudades daquela época em que o Spurs sempre jogava mal no início do terceiro quarto? Pois é, eu também não. Mas isso voltou a acontecer neste domingo. A equipe texana marcou somente 16 pontos na parcial e permitiu que o Thunder anotasse 24. Com isso, o time da casa chegou a estar perdendo por nove, o que assustou a torcida local.

A péssima atuação no terceiro período foi compensada com frieza e experiência no último quarto. Primeiro com Tiago Splitter, que se recuperou após um airball em um lance livre e anotou os cinco primeiros pontos do Spurs na parcial. Depois, Manu assumiu o contole e guiou o triunfo da equipe texana, que chegou a estar vencendo por dez. No fim, o Thunder ainda acertou três bolas de longe e diminuiu o prejuízo.

Bem nos rebotes, mal nos arremessos

Quem achou que o garrafão formado por Serge Ibaka e Kendrick Perkins poderia complicar o Spurs se enganou – pelo menos neste Jogo 1. A equipe texana somou 50 rebotes, contra 43 do Thunder. Por outro lado, uma arma do time da casa não funcionou na partida.

O Spurs acertou somente oito dos 24 tiros de três pontos que tentou durante o duelo. Danny Green (0-5) e Matt Bonner (0-2), dois dos principais nomes do time no fundamento durante a temporada, decepcionaram. Por sorte, Ginobili (3-5) e Neal (2-4) estavam calibrados. Mas vale destacar ainda o péssimo aproveitamento do time texano na linha dos lances livres: 68%, contra 82,6% do Thunder, por exemplo.

Destaques da partida

San Antonio Spurs

Manu Ginobili – 26 pontos, cinco rebotes e três assistências

Tony Parker – 18 pontos, oito rebotes, seis assistências e duas roubadas de bola

Tim Duncan – 16 pontos e 11 rebotes

Gary Neal – 12 pontos

Oklahoma City Thunder

Kevin Durant – 27 pontos, dez rebotes, quatro assistências e três tocos

James Harden – 19 pontos, seis rebotes e duas roubadas de bola

Russell Westbrook – 17 pontos, cinco assistências, cinco rebotes e dois tocos

Derek Fisher – 13 pontos (6-8 FG)