Arquivo diário: 26/05/2012

Green será um dos candidatos a “parar” Westbrook

Contra Chris Paul, Danny Green forçou turnovers decisivos

O San Antonio Spurs enfrentou um dos melhores armadores da NBA durante o duelo contra o Los Angeles Clippers, válido pela semifinal da Conferência Oeste.

Para dar conta de Chris Paul, o técnico Gregg Popovich experimentou diversos defensores. Tony Parker, Kawhi Leonard, Manu Ginobili e Danny Green foram testados contra o brilhante jogador angelino – e alguns deles conseguiram bons resultados.

Green foi um dos que mais obteve sucesso nessa tarefa. Mais alto e mais forte que o jogador do Clippers, o camisa 4 texano foi responsável por forçar alguns turnovers decisivos no Jogo 4 da série. Após esse bom trabalho, estaria Danny Green preparado para um duelo com Russell Westbrook?

O Oklahoma City Thunder é um time rápido e que se aproveita dessa velocidade para pontuar nos contra-ataques. Para o ala do Spurs, será inevitável duelar com Westbrook ao longo das partidas.

“Em qualquer contra-ataque você pode ter de marcar alguém diferente do que havia sido planejado”, disse. “Como armador, você tem de estar preparado para defender qualquer jogador de perímetro. Eles correm muito; temos de estar prontos para marcarmos qualquer adversário”, completou.

Por fim, o camisa 4 teceu muitos elogios a Russell Westbrook. “Ele é muito explosivo e faz pontos com facilidade”, analisou. “Aquele seu arremesso em velocidade é muito bom. Além disso, ele é muito atlético quando ataca a cesta. Temos de fazer um bom trabalho para pará-lo”, concluiu.

Anúncios

Blair pode ter “última chance” contra o Thunder

Chegou a hora de voltar a mostrar serviço!

DeJuan Blair está em baixa em San Antonio. Depois de ser titular durante grande parte da temporada regular, o pivô virou reserva na primeira rodada dos playoffs, contra o Utah Jazz, e mal pisou em quadra na semifinal diante do Los Angeles Clippers.

Apesar da má fase, Blair poderá ter uma nova – e última – chance na grande final da Conferência Oeste. Isso porque o camisa 45 tem um retrospecto excelente contra Kevin Durant e companhia.

Em dez partidas contra o Oklahoma City Thunder na carreira, nosso pivô tem médias de 11 pontos e 6,9 rebotes, além de um ótimo aproveitamento de 61,5% nos arremessos. Isso tudo em pouco menos de 20 minutos por noite.

Em 2010, Blair anotou 28 pontos e 21 rebotes contra os comandados de Scott Brooks (vídeo abaixo). Contra o mesmo Thunder, no último dia 16 de março, ele contribuiu com 22 tentos e 11 ressaltos.

Perguntado sobre a possibilidade de utilizá-lo na série, Gregg Popovich foi categórico. “Claro, você tem dee pensar em tudo e certamente sabemos desse retrospecto positivo”, afirmou o treinador.

O jogador tem uma Team Option ao fim desta temporada, o que quer dizer que o San Antonio Spurs pode optar por mantê-lo por mais um ano ou simplesmente deixá-lo “testar o mercado”. Sendo assim, essa pode ser a chance derradeira de DeJuan Blair na franquia texana. O que vocês acham, leitores?

Ajuda o Kawhi, capitão!

Todos sabemos o quanto Kawhi Leonard será importante para o San Antonio Spurs na final da Conferência Oeste contra o Oklahoma City Thunder. O ala será o principal responsável por tentar, ao menos, minar a produção ofensiva de Kevin Durant, um dos melhores pontuadores de perímetro da NBA. Mas, talvez, para obter 100% de sucesso nesta função, o novato pode precisar de um pouco de ajuda. E essa ajuda pode muito bem vir do banco de reservas e atender pelo nome de Stephen Jackson.

Esta cena será comum a partir de domingo

Nas finais do Oeste do ano passado, o Dallas Mavericks deu uma aula de como defender o Thunder. Uma boa estratégia é tentar limitar Durant o máximo possível para que a equipe dependa mais de Russell Westbrook, que, apesar de cada vez mais maduro, tende a cometer muitos erros quando pressionado. E o mais indicado para marcar o ala adversário é Leonard, o melhor defensor de perímetro da equipe texana – até por isso, o novato foi eleito uma das peças-chave da final na prévia feita pela equipe do Spurs Brasil.

A questão é que Durant tem jogado quase 41 minutos por noite nos playoffs. Leonard, por sua vez, tem ficado em quadra apenas por 24,4. E o ideal é que sempre haja alguém descansado, com fôlego para minar o astro adversário com total intensidade a cada posse de bola. E, no banco texano, o Capitão Jackson me parece ser o homem ideal para o papel.

Na temporada regular, o Spurs encontrou sucesso na execução da estratégia que descrevi acima. Antes dos playoffs, Durant apresentou médias de 28 pontos por jogo, acertando 49,6% dos arremessos que tentou. Nas três partidas contra o time texano, no entanto, esses números caíram para 22,7 pontos por exibição, com 46,8% nos tiros de quadra.

Leonard foi, em grande parte, responsável pelo sucesso defensivo sobre Durant. Usando estatísticas avançadas, o astro do Thunder anotou 20,2 pontos a cada 36 minutos, acertando 57% dos arremessos, enquanto o novato estava no banco. Com o jovem ala do Spurs em quadra, o número de pontos sobe para 23,7, mas o aproveitamento nos tiros de quadra cai drasticamente para 43%.

Jackson, por sua vez, chegou ao Spurs no dia 15 de março. Com isso, o ala enfrentou o Thunder apenas pelo Mikwaukee Bucks nesta temporada. E os números do capitão foram o exato contrário dos de Leonard: com ele no banco, Durant fez 36 pontos a cada 36 minutos, acertando 40% dos arremessos. Com o veterano em quadra, o astro do Thunder anotou “apenas” 25,3 pontos a cada 36 minutos, mas o aproveitamento subiu para 58%.

A partir de domingo, esses números serão colocados à prova quando Leonard e Jackson colarem em Durant. Como visto acima, os dois ainda precisam melhorar a marcação em alguns pontos. Se conseguirem se superar na defesa do astro rival, o Spurs estará mais perto da final da NBA.