Merci, Boris!

Ele chegou quando muitos dos torcedores sonhavam com a contratação de Chris Kaman. Mas, aos poucos, Boris Diaw foi conquistando os torcedores do San Antonio Spurs. Titular do garrafão da equipe texana nos playoffs, o ala-pivô francês tem mostrado um grande trabalho defensivo, uma técnica apurada na hora de passar a bola e uma importante experiência que o tornaram, em pouco tempo, peça importante na equipe.

Cutuca, Diaw!

Por enquanto, é possível dizer que a inteligência é o principal triunfo de Diaw em San Antonio. Isso porque, dos jogadores ativos na rotação dos playoffs, ele é o que menos conhece o sistema tático da equipe – foi uma das últimas contratações da franquia, ao lado de Stephen Jackson e Patrick Mills, mas o primeiro já havia jogado em San Antonio e o segundo pouco tem entrado em quadra na pós-temporada.

Para suprir a falta de conhecimento, Diaw tem apostado em duas de suas melhores características. A primeira delas é a movimentação de bola. Na pós-temporada, o francês já soma 17 assistências e fica atrás somente de Tony Parker, que distribuiu 42, e de Manu Ginobili, que conseguiu 26. Ter um bom passador alto ajuda a acionar jogadores que se posicionem bem perto da cesta – além de Duncan, Kawhi Leonard e Tiago Splitter têm essa característica no elenco texano.

A segunda maneira que Diaw tem encontrado para minimizar seu desconhecimento do sistema tático é jogar aberto. Desde que chegou ao Spurs, o ala-pivô entendeu a importância das bolas de três para o time. Por isso, tratou de melhorar no fundamento – errou seus cinco primeiros tiros de longa distância com a camisa do San Antonio, mas, desde então, registra aproveitamento de 80% (12-15). Para se ter ideia da importância do francês jogar no perímetro e abrir a quadra, o Spurs ainda não perdeu nenhum jogo em que Diaw tentou ao menos um arremesso de três (14-0). Nos duelos em que o ala-pivô esteve tímido no perímetro, o aproveitamento foi menor (12-2).

Com inteligência para movimentar a bola e precisão nos tiros de três pontos, Diaw consegue espalhar os marcadores adversários com mais qualidade do que Matt Bonner, que é apenas um arremessador. Mas, mesmo teoricamente atuando mais afastado da cesta, o francês consegue cumprir as duas principais funções que o Spurs precisa em um ala-pivô: rebotes e defesa.

Diaw soma 35 rebotes na pós-temporada e, no elenco texano, fica apenas atrás de Duncan, que já coletou 50. Mas, na tábua ofensiva, o francês lidera a estatística com folga: são 13 importantes ressaltos, que deram ao Spurs oportunidades de se manter no ataque. Como base de comparação, The Big Fundamental, segundo colocado, pegou “apenas” nove.

Mas é na defesa o principal impacto de Diaw até aqui. Após ter feito bom trabalho contra o garrafão do Utah Jazz na primeira rodada dos playoffs, o jogador tem repetido o sucesso contra o Los Angeles Clippers, especialmente defendendo Blake Griffin. Usando estatísticas avançadas, o astro angelino tem médias de 18,4 pontos, com 32% de aproveitamento, a cada 36 minutos quando Diaw está em quadra. Quando o francês vai para o banco, esses números se transformam em 21,3 pontos, com 35% nos arremessos de quadra. Que tal?

Isso sem falar no sucesso que Diaw tem conseguido na missão de afastar Griffin da cesta. O astro do Clippers teve média de 10,9 rebotes por jogo na temporada regular, número que caiu para 6,4 na série contra o Memphis Grizzlies. Contra o Spurs, no entanto, são apenas cinco ressaltos por partida!

Inteligência para rodar a bola, precisão nos tiros de três, sucesso nos rebotes e competência na defesa. O único lado ruim de tudo isso é saber que Diaw será agente livre na próxima offseason. Que R.C. Buford e companhia mantenham o ala-pivô francês, que já uma peça importante para o sucesso do Spurs.

Anúncios

Sobre Lucas Pastore

Um dos fundadores do Spurs Brasil, seu maior orgulho na carreira jornalística. Formado em Jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie em 2010, é redator do UOL. Cobriu o basquete olímpico na Olimpíada de 2016 pelo LANCE!. Trabalhou também para Basketeria e mob36.

Publicado em 19/05/2012, em Na linha dos 3, Playoffs 2012 e marcado como . Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. Sem falar que contra o Clippers ele vem roubando 1.5 bolas por jogo. É um grande jogador, que tenha sorte em SA!

  2. esse período de trocas foi um dos melhores dos últimos tempos. Nos livramos de um naba e trouxemos Diaw, Jackson e Mills, todos tendo impacto positivo na temporada regular e tornando nosso elenco bastante sólido. Buford e Pop sempre se destacando nos bastidores.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s