Arquivo diário: 28/04/2012

All that Jazz?

Se há um lado bom em um trauma é que ele nos deixa mais previnidos. Pelo menos, é assim que funciona comigo: de todos os blogueiros, eu fui o menos otimista na prévia que o Spurs Brasil fez da série San Antonio Spurs x Utah Jazz, que começa neste domingo (29). Pudera; depois de sermos eliminados no ano passado pelo Memphis Grizzlies, que tinha os rebotes ofensivos como arma, novamente enfrentaremos uma equipe com garrafão imponente. Mas até que ponto os pivôs de Salt Lake City são comparáveis a Marc Gasol e, principalmente, Zach Randolph, algozes nos últimos playoffs?

O principal responsável por impedir que o pesadelo se repita

A frontcourt do Jazz para os playoffs deverá ser formada pelo ala-pivô Paul Millsap, pelo pivô Al Jefferson e pelo reserva Derrick Favors. Enes Kanter, clássico pivô da posição 5, ainda é um novato e provavelmente participará pouco da pós-temporada.

Se olharmos simplesmente para os números, iremos nos assustar. Na temporada passada, o Grizzlies pegava pouco menos de 40 rebotes por jogo e era apenas o 16º na liga neste fundamento. O Jazz, por sua vez, coleta mais de 44 ressaltos por partida no atual campeonato, terceiro melhor time nesse quesito. Complicou?

Não necessariamente. Primeiro porque, vale lembrar, o Grizzlies foi uma equipe que se acertou apenas após o All-Star Game. Não foi dominante durante toda a temporada. O Jazz, por sua vez, se destacou nos rebotes desde a primeia partida do campeonato.

Além disso, vale lembrar que o garrafão texano está mais forte do que nos playoffs de 2011. Tim Duncan está indiscutivelmente mais saudável e Tiago Splitter amadureceu bastante. Por fim, Boris Diaw já mostrou que pode fazer um bom trabalho marcando alas-pivôs que jogam mais afastados da cesta – como Dirk Nowitzki e Pau Gasol – e deve ser o escolhido para acompanhar Millsap. Aposto, inclusive, no técnico Gregg Popovich utilizando o francês como titular no lugar de DeJuan Blair.

Para esta temporada, o Spurs ganhou também ajuda do perímetro na briga pelos rebotes. Deixaram a equipe George Hill, que coletava 2,6 por partida no último campeonato, e Richard Jefferson, que pegava 3,8. Agora, chegaram Kawhi Leonard, com média de 5,1, e Stephen Jackson, com 3,9. Isso sem falar no crescimento de Danny Green, que ajuda com 3,5 ressaltos por exibição.

A verdade é que é tudo uma questão de match-up. No ano passado, o Spurs simplesmente não encontrou resposta para Randolph e Gasol nos playoffs. Dessa vez, há esperança de que isso seja diferente. Durante a temporada regular, Jefferson tinha médias de 19,2 pontos e 9,6 rebotes por partida. Contra o time texano, esses números passaram para 18 pontos e 10,5 rebotes. Millsap, por sua vez, que apresentou 16,6 pontos e 8,8 rebotes por noite, conseguiu apenas 11 pontos e 7,8 rebotes contra a equipe de San Antonio.

Ainda é preciso deixar claro que o jogo não será decidido apenas embaixo da cesta. No ano passado, Tony Allen ajudou a conter Manu Ginobili – que já estava limitado por uma lesão – e a defesa dos Grizzlies anulou Tony Parker e Duncan. Não vejo no Jazz capacidade para repetir a marcação sufocante. E, mesmo se isso acontecer, os coadjuvantes do garrafão texano são melhores nesta temporada. Acho que o trauma não se repetirá.

Em tempo: não sou a favor de títulos em inglês. Mas este é também o nome de um filme bacana, que ficou legal como trocadilho. Achei que valia a exceção!

Anúncios

Equipe do Spurs Brasil faz prévia da série contra o Jazz

Começa neste domingo (29) a série San Antonio Spurs e Utah Jazz, válida pela primeira rodada dos playoffs. A equipe texana, que se classificou com a melhor da Conferência Oeste, tentará espantar o trauma do ano passado, quanto também avançou como líder e acabou derrotada pelo Memphis Grizzlies. Desta vez, novamente o adversário terá como ponto forte um garrafão de respeito. Confira o que os blogueiros do Spurs Brasil têm a dizer sobre o confronto:

Bruno Alves

Palpite: Spurs 4 x 0
A linha de frente do Utah Jazz é muito forte, superior à do Spurs, mas Pop já provou que pode vencer garrafões poderosos com a força do elenco e uma ajudinha nos rebotes de jogadores do perímetro, como Kawhi Leonard e Stephen Jackson. Na temporada regular, só perdemos um jogo e estávamos sem Parker, Ginóbili e Duncan – por pouco ainda não vencemos. Com força máxima, prevejo uma varrida no time de Utah.
Peça-chave do Spurs: Kawhi Leonard
Peça-chave do Jazz: Al Jefferson

Bruno Pongas

Palpite: Spurs 4 x 1
Por mais que o Utah Jazz tenha bons pivôs, acredito que o San Antonio Spurs leva essa série por ter um elenco muito melhor. Se ninguém se machucar no meio do caminho, a tendência, no meu ponto de vista, é ganharmos o confronto com certa tranquilidade.
Peça-chave do Spurs: Tim Duncan
Peça-chave do Jazz: Paul Millsap

Juliano Medeiros

Palpite: Spurs 4 x 1
O Spurs não deve ter problemas contra o Utah Jazz. Jogando um basquete envolvente, que inclui o time titular e o banco, o time texano é franco favorito e, diferente do ano passado, o elenco está completamente saudável. Se no garrafão o Jazz leva alguma vantagem, fora dele o Spurs é bem superior.
Peça-chave do Spurs: Tony Parker
Peça-chave do Jazz: Al Jefferson

Lucas Pastore

Palpite: Spurs 4 x 2
O Spurs melhorou muito em relação à temporada passada, principalmente no que diz respeito à defesa de garrafão. Mas o Jazz tem uma rotação de respeito no setor, formada pelo ala-pivô Paul Millsap, pelo pivô Al Jefferson e pelo reserva Derrick Favors. A eficiência do time texano em limitar os rebotes ofensivos do trio ditará a facilidade da série.
Peça-chave do Spurs: Tim Duncan
Peça-chave do Jazz: Paul Millsap

Rafael Proença

Palpite: Spurs 4 x 0
Depois do fiasco de 2011, o Spurs passará sem sustos pela primeira rodada e seguirá rumo ao título. Apesar de ter alguns jogadores talentosos e de terminar a temporada regular com cinco vitórias seguidas, o Jazz não tem força para segurar os comandados de Gregg Popovich. Ainda assim, é bom tomar cuidado nos jogos na EnergySolutions Arena, onde os donos da casa perderam apenas oito vezes este ano, sendo uma delas pro Spurs.
Peça-chave do Spurs: Tim Duncan
Peça-chave do Jazz: Al Jefferson

Robson Kobayashi

Palpite: Spurs 4 x 1
O Spurs tomará um susto perdendo uma em casa, mas, depois das chicotadas do técnico Gregg Popovich, vai levar o embate a sério e vencer a série.
Peça-chave do Spurs: Tony Parker
Peça-chave do Jazz: Al Jefferson

Victor Moraes

Palpite: Spurs 4 x 1
O Spurs não deve encontrar facilidade pela frente. Apesar da oitava colocação, a equipe do Utah Jazz já mostrou que pode complicar partidas mesmo contra adversários teoricamente melhores. Muito disso se deve à boa dupla de pivôs da equipe, formada por Al Jefferson e Paul Millsap. Mas o time de San Antonio tem um elenco mais qualificado e isso fará a diferença nesta série.
Peça-chave do Spurs: Tiago Splitter
Peça-chave do Jazz: Al Jefferson

Olho Neles!

Nada como um mito para brigar de igual para igual com os pivôs do Utah Jazz. Tim Duncan vem fazendo uma temporada fantástica e tem tudo para manter esse ritmo contra o time de Salt Lake City. The Big Fundamental recebeu três dos sete votos da equipe do Spurs Brasil – também foram lembrados Tony Parker, com dois votos, e Kawhi Leonard e Tiago Splitter, com um.

Al Jefferson sofreu com lesões na carreira, mas sempre que jogou se mostrou dominante. Alto e forte, o pivô é importante na defesa e no ataque, onde possui um considerável arsenal de jogadas. Apensas pela segunda vez disputando os playoffs, tem tudo para travar ótimos duelos contra Tim Duncan no garrafão. O pivô recebeu cinco votos do Spurs Brasil, contra dois de Paul Millsap.

Confira o calendário completo da série Spurs vs Jazz:

29/04, domingo, às 14h: Spurs vs Jazz
02/05, quarta-feira, às 20h: Spurs vs Jazz
05/05, sábado, às 23h: Spurs @ Jazz
07/05, segunda-feira, sem horário definido: Spurs @ Jazz
09/05, quarta-feira, sem horário definido: Spurs vs Jazz*
11/05, sexta-feira, sem horário definido: Spurs @ Jazz*
13/05, domingo, sem horário definido: Spurs vs Jazz*

* Se necessário