Arquivo diário: 19/04/2012

Com bela enterrada, Adam Hanga ganha destaque na Espanha

Hanga (dir.) vem jogando melhor do que era esperado

O ala-armador húngaro Adam Hanga, recrutado em 2011 pelo San Antonio Spurs, vem jogando bem na Liga Endesa – o Campeonato Espanhol de basquete. Vestindo a camisa do Assignia Manresa, o atleta tem médias de 7,6 pontos, três rebotes e duas assistências em pouco mais de 20 minutos por noite.

Embora esteja se saindo bem em seu primeiro ano na Espanha, o jogador ainda é muito cru para tentar a sorte na NBA e deverá permanecer por mais alguns anos no basquete europeu. Pelo que podemos observar, no entanto, um dos seus pontos fortes é o atleticismo. Dá só uma olhada na enterrada que ele deu recentemente por lá (a jogada é a primeira deste vídeo).

E mais…

Tudo bem com Manu Ginobili

Manu Ginobili - San Antonio SpursManu Ginobili assustou os torcedores durante a partida de quarta-feira (18) contra o Sacramento Kings. No quarto período, o argentino se chocou feio com Tyreke Evans. O camisa 20 foi imediatamente para os vestiários e lá ficou até o final do embate. Apesar do susto, Ginobili sofreu apenas um pequeno corte abaixo da orelha e deverá atuar na sexta, contra o Los Angeles Lakers.

Sexta tem Twitcam do Spurs Brasil!

Sexta-feira (20) é um dia que deverá mexer com os torcedores do San Antonio Spurs. No AT&T Center, a equipe texana receberá o Los Angeles Lakers na terceira partida contra o rival na temporada – será a chamada “nega”, já que cada time venceu uma vez. E dessa vez eles virão com Kobe Bryant! O jogo será transmitido no Brasil pela ESPN.

A partida terá início às 22h30. Duas horas antes, a partir das 20h30, os blogueiros Bruno Pongas e Lucas Pastore estarão reunidos na casa do hater oficial de Matt Bonner para uma Twitcam de aquecimento para o embate! Imperdível para os torcedores do Spurs.

Além do jogo contra o Lakers, a Twitcam falará sobre a briga pelo primeiro lugar com o Oklahoma City Thunder, sobre os possíveis adversários na primeira rodada dos playoffs e sobre o que mais for perguntado para os blogueiros. Imperdível!

Chamem os Globetrotters

Mesmo com mudanças, Spurs ainda é tido como pragmático

Respeitável público,

Um elenco mesclado entre jogadores experientes e consagrados e jovens que despontam para o futuro da NBA, técnico e comissão técnica multicampeões e uma diretoria capacitada. Essa é uma sinopse do San Antonio Spurs, agora líder da Conferência Oeste após ultrapassar o Oklahoma City Thunder. Dono do terceiro melhor ataque da Liga com 102 pontos por noite, o Spurs permite a seus oponentes a marca de 96 pontos a cada partida, o que atesta a vontade de jogar e de deixar o adversário jogar. Em outras épocas, fazer 90 pontos no Spurs não era uma tarefa tão fácil, enquanto alcançar os 100 era fato raro. Na mesma toada, o ataque texano também não era dos mais produtivos.

Desde que venceu o seu primeiro título, em 1999, o Spurs passou por transformações. Por mais que isso seja uma obviedade, o óbvio precisa ser dito e neste caso é interessante, pois a base que sustenta o jogo da equipe ainda é a mesma. Gregg Popovich – discípulo de Larry Brown, um ferrenho adepto do jogo baseado na defesa – ainda é o treinador e Tim Duncan, o ponto central do que o Spurs faz. Mas então por que mudou-se? Em nenhuma das quatro vezes em que foi campeão o Spurs foi o mesmo. O Spurs já fora mais técnico, mais forte fisicamente, veloz, jogou sem pivô ou com dois alas de força… Muitas foram as combinações. No entanto, a defesa sempre foi motivo para Pop se descabelar, e hoje já não é. Se isso é bom ou ruim, é do gosto de cada um.

Mesmo tendo evoluído bastante no quesito “vistosidade do jogo”, o Spurs ainda não conta com a boa vontade da crítica e do público. Outro dia, assistia a um programa da ESPN Internacional e, para minha surpresa, o comentarista falava sobre a ascensão do time e dizia que o Spurs era uma equipe que “não encantava”.

O time campeão de 99 sofreu menos com a acusação de “jogar feio”. Os críticos preferiam falar da temporada reduzida e do asterisco “gentilmente” criado por Phil Jackson para diminuir o título. Já as equipes de 2003 e 2005 sofreram na pele com a má vontade dos que os acusavam sem dó de serem pragmáticos, enquanto os tetracampeões não tiveram tempo de assim serem chamados, pois em 2007 o Spurs era o time “sujo” e ajudado pela arbitragem. Mesmo com Tim Duncan, David Robinson, Avery Johnson, Sean Elliott, Manu Ginóbili, Tony Parker, Robert Horry, Michael Finley e tanta gente boa que passou por San Antonio, nossos títulos sempre foram altamente contestados. A reclamação de quem perde é normal, porém repito: sempre fomos altamente contestados. E com todas as mudanças ocorridas desde o talentoso time de 99, passando pelo qualificado elenco do bicampeonato, pela encorpada e forte defesa tricampeã e culminando no “camaleão” do tetra, capaz de se adequar ao jogo do adversário, nunca gozamos de grande prestígio perante à mídia. Hoje, o Spurs é um time que gosta de atacar e já não defende tanto, tem três craques no elenco e um punhado de excelentes jogadores. Ainda assim, isso é pouco. Possivelmente a única saída pra essa rejeição é vestir a camisa do espalhafatoso time do Globetrotters. Talvez assim iremos agradar.

Spurs (45-16) @ Kings (20-42) – Nova maratona superada

127×102

Nesta quarta-feira (18), o San Antonio Spurs venceu o Sacramento Kings por 127 a 102, jogando fora de casa, e terminou a sequência de três embates seguidos com três vitórias. Agora, a equipe texana acumula cinco triunfos desde a última derrota para o Los Angeles Lakers, no dia 11 de abril.

Bem, vamos ao jogo: o Kings começou destruindo, abrindo 6-0 no placar. Gregg Popovich logo tratou de brecar o adversário e pediu um tempo. O puxão de orelha surtiu efeito e logo os visitantes passaram na frente por 7 a 6. A disputa foi apertada até a descida para os vestiários. No final, os texanos tiveram um melhor aproveitamento nos arremessos e consagraram-se vitoriosos.

Diaw veio para ajudar na maratona de jogos (© 2012 NBAE Photo by Noah Graham/NBAE via Getty Images)

Terceiro período turbinado

Ao contrário dos costumeiros apagões, os texanos voltaram com o modo turbo ligado depois do intervalo – foram 39 pontos no terceiro período. Coincidência ou não, foi o quarto em que o novato Kawhi Leonard anotou seus primeiros pontos, totalizando nove tentos na parcial. O camisa 2 também foi o principal responsável pela marcação sobre Tyreke Evans, que terminou com um aproveitamento de apenas 25% (2-8).

Quero voltar logo para casa! (AP Photo/Rich Pedroncelli)

Blair em quadra; Duncan no banco

Depois de DeJuan Blair ficar no banco contra o Lakers, desta vez quem descansou foi Tim Duncan. O camisa 45 iniciou a partida como titular. Mas, no final, quem se destacou como pivô foi o brasileiro Tiago Splitter, liderando o time com 17 pontos e sete rebotes.

Reis desanimados

O Kings, já desclassificados para os playoffs, anotou 28-29-29 pontos respectivamente nos três primeiros quartos, mas desanimou-se ao ver que precisariam lutar muito para conseguir uma vitória. Com muitos reservas de luxo, os visitantes forçaram uma defesa rápida em cima dos adversários, não permitindo uma reação no final.

Que choque!!!

No último período, Manu Ginóbili e Tyreke Evans tiveram uma colisão muito forte. O argentino não retornou para o jogo e pode ser uma preocupação para a franquia. Esperamos que não seja nada grave!

Back-to-back-to-back

Três noites seguidas jogando não é moleza não, e fazer isso duas vezes na mesma temporada é pior ainda. Mas o Spurs venceu o primeiro desafio que coincidiu com a chegada do francês Boris Diaw. Para dificultar ainda mais nosso serviço, a segunda sequência foi fora de casa – os premiados (ou seriam azarados?) foram os times californianos: Warriors, Lakers e Kings. Mas este desafio também foi vencido com sucesso. A idade vai batendo e Gregg Popovich sabe muito bem disso – o técnico conseguiu poupar o astro Tim Duncan sempre no terceiro jogo destas maratonas.

Próximos jogos

O Spurs, que continua líder da Conferência Oeste, volta para San Antonio e enfrenta o Lakers pela terceira vez em abril, enquanto o Kings permanece em casa e duela contra o Oklahoma City Thunder.

Destaques da partida

San Antonio Spurs

Tiago Splitter – 17 pontos (6-8 FG) e sete rebotes

Gary Neal – 17 pontos (8-9 FG)

Tony Parker – 15 pontos e oito assistências

Kawhi Leonard – 13 pontos, cinco rebotes, quatro assistências e duas roubadas de bola

Sacramento Kings

Isaiah Thomas – 21 pontos e oito assistências

Marcus Thorton – 20 pontos

DeMarcus Cousins – 18 pontos e nove rebotes