Quando a persistência dá resultado…

Entre uma bronca e outra, Danny Green vai se tornando peça fundamental

Danny Green veio da tradicional Universidade da Carolina do Norte – a mesma que revelou Michael Jordan para o mundo do basquete -, mas teve poucas chances de mostrar seu trabalho na NBA. Draftado pelo Cleveland Cavaliers na segunda rodada de 2009, Green jogou apenas 20 partidas em sua temporada de novato.

A verdade é que ele tinha pouco espaço em Cleveland; era ofuscado pelo astro maior, LeBron James. “Largado” no banco de reservas, Green via o tempo passar sem esperança de ganhar uma oportunidade. Essa chance realmente nunca veio, já que o ala foi dispensado durante o training camp da temporada seguinte.

“As semanas passavam e eu sequer tinha ideia do que ia acontecer”, disse o jogador, que havia assinado um “contrato de risco” antes do começo da fase regular. “Você fala com seu agente, espera alguns telefonemas, treina duro e espera uma chance aparecer”, completou, lembrando que a carreira de jogador de basquete nem sempre rende fama e dinheiro.

Mas Green se lembra de alguns bons momentos em Ohio, como a convivência com atletas mais experientes. “Me diverti bastante no meu primeiro ano em Cleveland. É uma grande franquia e tive grandes companheiros de time. Só esperava que eu fosse encontrar um novo lugar para chamar de casa mais rápido”, explicou.

Demorou mesmo. Danny perambulou pela D-League antes de finalmente achar seu lugar para chamar de casa. No entanto, custou para que ele encontrasse seu espaço no Texas. Nesse meio tempo, as idas e vindas do ala para a liga de desenvolvimento da NBA eram constantes. Green só conseguiu se firmar em San Antonio nesta temporada, justamente depois que Manu Ginobili se machucou. Gregg Popovich até testou James Anderson antes dele, mas foi o ala de North Carolina que “conquistou” o treinador.

Titular absoluto, o camisa 4 voltou a Cleveland na noite de terça-feira (3) e mostrou para os dirigentes do Cavs que poderia ter sido melhor aproveitado enquanto esteve esquentando banco por lá. Danny Green teve sua vingança – anotou 19 pontos e ajudou o San Antonio Spurs a conquistar sua terceira maior vitória fora de casa na era Gregg Popovich, que começou em 1996.

Apesar da pontaria calibrada no ataque, foi sua garra na defesa que ganhou elogios; e olha que foram elogios de peso. “Danny vem sendo muito sólido defensivamente”, analisou Tim Duncan. “Na verdade, ele tem feito muito mais do que acreditamos que ele seria capaz. É realmente uma grande surpresa para nós”, finalizou.

Green, assim como Jeremy Lin e tantos outros, é mais uma prova de que empenho e persistência trazem resultado. Ele pode estar longe de ser um craque, mas sua raça dentro de quadra faz com que ele tenha espaço garantido e um lugar para chamar de lar.

Anúncios

Sobre Bruno Pongas

Acompanha o San Antonio Spurs desde 1998, já escreveu para o Spurs Brasil de 2008 a 2012, criou o Destino Riverwalk e agora volta à velha casa para dar seus pitacos sobre o San Antonio Spurs.

Publicado em 04/04/2012, em Na linha dos 3 e marcado como . Adicione o link aos favoritos. 6 Comentários.

  1. Francisco Neto

    Grata surpresa mesmo. Ele era basicamente cheerleader do Lebron em Cleveland.

    Pelo menos temos Early Bird rights e podemos cobrir qualquer oferta pra mantê-lo pro ano que vem.

    abraço

    • Bruno Pongas

      Verdade! É importantíssimo manter esses caras. Acho que o desafogo do salário do Duncan vai ser bem útil pra isso.

  2. Essa temporada melhor que ele só o Leonard!

  3. K-delmondes

    Esse ano promete

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s