Arquivo diário: 16/03/2012

Stephen Jackson estará em quadra contra o Mavericks

Mais uma surpresa envolvendo a vinda de Stephen Jackson para o San Antonio Spurs. Quem esperava que sua reestreia com a camisa preto e prata acontecesse apenas na próxima quarta-feira, contra o Minnesota Timberwolves, se enganou.

Em sua página oficial no Twitter, o Captain Jack confirmou que estará em quadra no jogo deste sábado contra o Dallas Mavericks. “Indo para Dallas. Sim, eu jogarei a partida. Muito empolgado“, disse o camisa 3.

E mais…

Spurs pode contratar Anthony Carter

Anthony Carter - Toronto RaptorsMais um rumor pingou nos corredores do AT&T Center. Segundo Chris Tomansson, colunista da Fox Sports, o Spurs pode ser um dos candidatos a trazer o armador Anthony Carter. Segundo o agente do jogador, Bill Duffy, Carter está conversando com Spurs e Minnesota Timberwolves. Carter, de 37 anos, teve passagem discreta por San Antonio na temporada 2003/2004.

Eric Dawson ganha novo contrato de dez dias

A diretoria texana voltou a oferecer um contrato de dez dias ao ala-pivô Eric Dawson. Em sua primeira passagem pela equipe, em fevereiro, Dawson registrou médias de 4,5 pontos e 3,5 rebotes em quatro jogos disputados. No Austin Toros, franquia filiada ao San Antonio Spurs na D-League, o atleta tem médias bem melhores – 16,9 pontos, 10,4 rebotes e 2,4 assistências por noite.

O que muda com Stephen Jackson

Quase dez anos depois...

Caros leitores do Spurs Brasil,

Hoje é um dia muito feliz para a maioria dos torcedores do San Antonio Spurs. Quem segue o time há mais tempo e teve a felicidade de acompanhar os dourados anos de Stephen Jackson no Texas com certeza está radiante. Mas o que de fato muda com a chegada do Captain Jack? A troca foi mesmo positiva? Vamos analisar!

Para que a franquia texana pudesse contar com o jogador, Gregg Popovich e R.C. Buford prepararam um pequeno pacote. Na bagagem eles colocaram Richard Jefferson, o aposentado T.J. Ford e uma escolha de primeira rodada que já vale para o draft da próxima temporada (o Lucas Pastore explica melhor esse trâmite neste post aqui).

Old, but gold!

Sendo assim, podemos analisar a troca sob duas perspectivas diferentes: a financeira e a esportiva. Vamos começar pelas cifras!

Stephen Jackson tem um contrato atual de US$ 9,2 mi e ganhará US$ 10,06 mi na próxima temporada. É um salário pomposo para um atleta que está prestes a completar 34 anos, mas nada se compara à bomba que era o contrato do Richard Jefferson, que ganha os mesmos US$ 9,2 mi nesta temporada e outros US$ 10,1 mi em 2012-13 e US$ 11,04 mi em 2013-14 (aqui temos uma player option, ou seja, o jogador tem o poder de decidir se mantém o vínculo com a equipe, mas acredito que ele deverá ser anistiado antes de completar esse ciclo na Califórnia).

Financeiramente, o negócio foi extremamente vantajoso para o Spurs, já que os dirigentes conseguiram desfazer a maior cagada (desculpem o baixo nível) recente da história da franquia. O que parece ter incomodado um pouco alguns torcedores, no entanto, foi a escolha de primeira rodada envolvida nessa brincadeira toda. Trata-se de um ponto polêmico, é verdade, mas quem almeja um título tem que abdicar de certas coisas de vez em quando. Isso sem falar que temos uma porrada de atletas promissores atuando no basquete europeu que podem ser muito úteis no futuro. No meu ponto de vista, Popovich e Buford acertaram em cheio novamente, assim como fizeram quando trocaram o queridinho George Hill por Kawhi Leonard.

Se financeiramente fomos bem, esportivamente a coisa foi ainda melhor. O San Antonio Spurs está perdendo um jogador omisso, obsoleto e estático. Em troca, o elenco ganha um pontuador eficiente (se bem comandado), um defensor sólido e um líder nato. Tem como ser melhor? Pior que tem! Stephen Jackson já jogou em San Antonio e criou um laço quase fraternal com o técnico Gregg Popovich. Ele conhece muito bem o estilo do treinador e o esquema tático do time, portanto só terá que fazer pequenos ajustes para se adaptar 100%.

Velhos amigos...

É importante lembrar, contudo, que o Captain Jackson que estamos recebendo nem de longe vai ser aquele jogador que brilhou jogando pelo Indiana Pacers e pelo Golden State Warriors. Como já disse anteriormente, o ala está prestes a completar 34 anos e já entrou na curva descendente de sua carreira. Ainda assim, ele mantém médias de 10,5 pontos, 3,2 rebotes e 3,0 assistências em 27,4 minutos por jogo nesta temporada.

Essas médias poderiam ser melhores se levarmos em conta que Jackson perdeu muito espaço no mês de fevereiro em Milwaukee. Enquanto em janeiro ele registrou média de 13,5 pontos em pouco mais de 33 minutos, no mês seguinte essa estatística caiu para 6,2 pontos em 19 minutos. Ou seja, alguma coisa extra-quadra pode ter acontecido entre o jogador e o técnico Scott Skiles.

E o que muda na prática a partir de agora? Bem, essa é uma pergunta difícil de responder, mas eu aposto que o camisa 3 herdará o posto de titular de Richard Jefferson. O provável quinteto inicial do San Antonio Spurs nos playoffs será: Tony Parker, Manu Ginobili (ou Danny Green, caso Popovich opte por usar o argentino como sexto-homem), Stephen Jackson, DeJuan Blair e Tim Duncan. Em partidas disputadas contra adversários mais fortes, o treinador poderá montar uma verdadeira fortaleza defensiva. Imaginem Ginobili, Leonard, Jackson, Duncan e Tiago Splitter em quadra ao mesmo tempo? Em outro cenário, contra equipes baixas, Popovich terá um small ball pra lá de interessante: Parker, Ginobili (Green), Jackson, Leonard e Duncan (Splitter). Nada mal…

É por essas e por outras (aguardo os comentários na caixinha abaixo) que a vinda de Stephen Jackson me deixou extremamente animado. Me lembrou um pouco quando Michael Finley chegou ao Spurs. Finley tinha 32 anos quando deixou o rival Dallas Mavericks e desembarcou em San Antonio trazendo experiência e capacidade de contribuir igualmente no ataque e na defesa. Sua trajetória com a camisa preto e prata foi belíssima e culminou com um título inédito em sua carreira. Eu, como torcedor, espero que o Captain Jackson construa uma história semelhante – ou melhor, dê continuidade à grande história que ele já pavimentou no Texas.

Saudades? Magina...

Spurs (28-13) @ Thunder (33-10) – Temporada Regular

San Antonio Spurs @ Oklahoma City Thunder – Temporada Regular

Data: 16/03/2012

Horário: 22h30 (Horário de Brasília)

Local: Chesapeake Energy Arena

Hoje é dia de jogaço! Os dois primeiros colocados da Conferência Oeste se enfrentam em Oklahoma City no que promete ser um grande embate. O Spurs venceu quatro dos sete duelos que fez em casa após a pausa para o All-Star Game e fará sua primeira partida como visitante desde então. A equipe texana já não terá Richard Jefferson, trocado para o Golden State Warriors, mas ainda não contará com Stephen Jackson, que só deverá estrear na quarta-feira. O Thunder, por sua vez, será um adversário complicado. A equipe venceu sete dos seus últimos dez compromissos, sofreu apenas três derrotas nas 21 partidas que fez em casa e está quatro jogos na frente do Spurs na liderança da conferência.

Confrontos na temporada (1-1)

08/01/2012 – Spurs 96 @ 108 Thunder

O Spurs teve Gary Neal, que anotou 18 pontos, como cestinha, mas não encontrou resposta para Kevin Durant. O camisa 35 deixou a quadra com 21 pontos e dez rebotes. Nesta partida, Kawhi Leonard fez o primeiro double-double de sua carreira.

04/02/2012 – Spurs 107 vs 96 Thunder

Sem Manu Ginobili, Tony Parker colocou a bola embaixo do braço e fez história no AT&T Center. O armador francês, em noite memorável, deixou a quadra com 42 pontos, nove assistências e três rebotes.

San Antonio Spurs

PG – Tony Parker

SG – Manu Ginobili

SF – Danny Green/Kawhi Leonard

PF – DeJuan Blair

C – Tim Duncan

Fique de Olho – Já sem Jefferson e ainda sem Jackson, Leonard deverá ter importância ampliada nos próximos jogos do Spurs. Nesta sexta, por exemplo, o novato deverá receber a difícil tarefa de tentar limitar Kevin Durant. Nesta temporada, o jogador do Spurs tem médias de 7,5 pontos e cinco rebotes em 23,4 minutos por jogo.

PG – Russell Westbrook

SG – Thabo Sefolosha/James Harden

SF – Kevin Durant

PF – Serge Ibaka

C – Kendrick Perkins

Fique de Olho – Aproveitando-se da atenção que Westbrook e Durant recebem das defesas adversárias, Harden tem feito a melhor temporada de sua carreira. Até aqui, o sexto homem do Thunder tem médias de 17,2 pontos, 4,1 rebotes e 3,6 rebotes em 31,8 minutos por exibição.

“Trocar Jefferson foi muito difícil”, diz Buford

"Você está demitido!"

General Manager do San Antonio Spurs, R.C. Buford disse, logo após a troca que trouxe Stephen Jackson de volta ao Texas após quase dez anos, que foi muito difícil optar pela saída de Richard Jefferson.

O camisa 24, que estava em San Antonio desde 2009, foi enviado nesta quinta-feira (15) junto com o aposentado T.J. Ford e uma escolha de primeira rodada de draft para o Golden State Warriors em troca do veterano Jackson.

“É sempre complicado quando você esteve nas trincheiras com alguém durante tanto tempo e obveteve o sucesso que nós tivemos com Richard. Além disso, ele construiu um relacionamento especial com os companheiros e a comunidade. Trata-se de uma pessoa muito positiva e nunca é fácil quando mudanças acabam sendo feitas desta maneira”, declarou o manda-chuva taxano.

“Apreciamos o grande trabalho que Richard fez enquanto esteve em San Antonio. Ganhamos muitos jogos ao lado dele e estamos buscando novas oportunidades com a chegada de Stephen ao nosso time”, pontuou Buford.

E mais…

Stephen Jackson só na próxima semana

Stephen Jackson - San Antonio SpursQuem está ansioso pela chegada do Captain Jack terá que esperar mais alguns dias para vê-lo em ação. O jogador está fora dos jogos contra Oklahoma City Thunder (hoje) e Dallas Mavericks (sábado). Sua reestreia deverá ser na quarta, quando o Spurs recebe o Minnesota Timeberwolves – data em que Bruce Bowen terá sua camisa aposentada no AT&T Center. Imperdível, hein!?

2003 é agora

Jackson vibra contra o Nets nas finais de 2003

“Traremos Shaquille O’Neal”. A frase de 18 de junho de 2003 é de Stephen Jackson, armador do San Antonio Spurs, algumas horas depois dos texanos vencerem seu segundo título da NBA. Obviamente, o exagerado vaticínio de Jackson não se confirmou, pois naquela altura do campeonato Shaq ainda era intocável no Los Angeles Lakers e financeiramente seria inviável levá-lo a San Antonio para formar um assombroso garrafão ao lado de Tim Duncan. Mas isso nem foi o mais importante. Passada a euforia pelo título, o Spurs acabou não renovando o contrato de Jackson e o voluntarioso jogador acabou se mudando para o Atlanta Hawks, frustrando este torcedor que vos fala.

Pelo Warriors em 2007, melhor momento da carreira fora do Spurs

Dentre tanta gente boa campeã naquela temporada, Jackson era sem dúvida um dos meus atletas favoritos. Mesmo após sua saída, continuei torcendo por seu sucesso e acompanhando de perto seus passos, como jamais havia feito com qualquer outro jogador que não vestisse a camisa do Spurs. Dois momentos da carreira de Jackson longe do Texas são inesquecíveis para mim: primeiro um negativo, a briga generalizada com torcedores do Detroit Pistons, quando Ron Artest e mais alguns jogadores do Indiana Pacers transformaram as bancadas do The Palace of Albums Hill num campo de batalhas. O segundo, a apoteótica série entre Golden State Warriors e Dallas Mavericks nos playoffs de 2007, quando o time da Califórnia, classificado apenas na oitava colocação da Conferência Oeste, eliminou de forma categórica o badalado esquadrão de Dirk Nowitzki. Até hoje foi a série menos cerebral e mais apaixonante que vi desde que comecei a acompanhar a NBA, daquelas que eu teria prazer em sentar no sofá e assisti-la novamente. Por sinal, até hoje tenho o sexto e decisivo jogo guardado em meus arquivos.

Ainda que tenha tido relativo sucesso no Warriors, Stephen Jackson não parece ter se encontrado fora de San Antonio. Explosivo da maneira que é, se mostrou leal e jamais deixou de falar do Spurs com carinho, mesmo após tantos anos longe do Texas. Sempre que perguntado, respondia que o maior companheiro que teve no basquete foi Tim Duncan. O Jackson que volta ao Spurs não é mais um garoto, conhece bem o que é jogar os playoffs e leva grande vantagem sobre o trocado Richard Jefferson, pois tem o sangue desse time nas veias. Sob a tutela de Gregg Popovich e de Duncan, certamente será bastante útil na caminhada rumo ao penta. Com a formal ida do recém aposentado T.J. Ford também para Oakland, o Spurs ganha um espaço em seu plantel e este poderá ser do francês Boris Diaw, em vias de ser liberado pelo Charlotte Bobcats.

Voltando a Jackson, é chegada a hora de reencontrar os velhos companheiros Manu Ginóbili e Tony Parker, além do já citado Duncan. Coincidentemente, em cinco dias o tricampeão Bruce Bowen terá sua camiseta número 12 aposentada no teto do AT&T Center e certamente lá estará o Almirante David Robinson para aplaudir o velho companheiro. Numa liga tão fria onde o sentimentalismo é colocado bem abaixo das cifras, é bom ver esta gente que tantas alegrias nos proporcionou reunida, contribuindo de alguma forma para o Spurs. Tenho esta certeza: 2003 é agora.