Arquivo diário: 06/02/2012

Parker é eleito o jogador da semana na Conferência Oeste

Parker dança break para comemorar escolha

Tony Parker está em alta. O armador foi anunciado nesta segunda-feira (6) como o jogador da semana na Conferência Oeste. Pelo Leste, o escolhido foi o ala Paul Pierce, do Boston Celtics.

O francês ajudou o San Antonio Spurs a conquistar quatro vitórias na última semana. Nos quatro embates, Parker registrou médias de 22 pontos, oito assistências e 1,5 roubos de bola.

A cereja do bolo foi o desempenho contra o Oklahoma City Thunder, quando o camisa 9 anotou 42 pontos, distribuiu nove assistências e ainda por cima se tornou o maior passador do Spurs em todos os tempos, ultrapassando Avery Johnson.

Spurs (16-9) @ Grizzlies (12-12) – Temporada Regular


San Antonio Spurs @ Memphis Grizzlies – Temporada Regular

Data: 06/02/2012

Horário: 23h00 (Horário de Brasília)

Local: FedEx Forum

O San Antonio Spurs inicia hoje sua Rodeo Trip buscando mais uma vitória contra o Memphis fora de casa. O triunfo contra o líder da conferência, Oklahoma City Thunder, fez bem para o Spurs. O time não sabe o que é perder há quatro jogos e vencer Kevin Durant e companhia serviu para mostrar que os texanos não estão abaixo de ninguém nessa temporada. Uma vitória contra o Memphis, que vem de duas derrotas, provaria que o Spurs também pode jogar bem fora de casa. Foram apenas três vitórias em oito jogos fora de San Antonio.  Com o início da Rodeo Trip, o Spurs precisa apresentar uma melhora longe de seus domínios para se manter no topo da tabela. 

Confrontos na Temporada (2-0)

26/12/2011 – Spurs 95 vs 82 Grizzlies

Na estreia do San Antonio Spurs na temporada, a equipe texana, jogando em casa, contou com Manu Ginobili (24 pontos, cinco rebotes e quatro assistências) e Tony Parker (15 pontos, sete assistências e quatro rebotes) para espantar o fantasma dos últimos playoffs.

30/01/2012 – Spurs 83 @ 73 Grizzlies

Com um jogo coletivo, o Spurs contou com bom desempenho da dupla Matt Bonner (15 pontos e três rebotes) e Tim Duncan (14 pontos, seis rebotes e quatro assistências) para triunfar em Memphis.

San Antonio Spurs

PG – Tony Parker

SG – Kawhi Leonard

SF – Richard Jefferson

PF – DeJuan Blair

C – Tim Duncan

Fique de Olho – Tony Parker está com tudo. Além de estar comandando o ataque do Spurs com 18,1 pontos por jogo, o armador tornou-se o maior passador da história da franquia no último duelo. Foram 4.477 assistência do armador francês. A última noite fraca do camisa 9 foi exatamente contra o Memphis, com apenas cinco pontos em 38 minutos. Porém, nos últimos três jogos, Tony marcou 84 pontos (42 só na última partida) e tem tudo para continuar com a boa fase.

PG – Mike Conley

SG – Tony Allen 

SF – Rudy Gay

PF – Marreese Speights

C – Marc Gasol

Fique de Olho – Principal estrela do Memphis Grizzlies, Rudy Gay foi o único jogador que se salvou na derrota para o Boston Celtics. Com 21 pontos, sete rebotes e três assistências, o ala mais uma vez se sobressaiu no time.

Solucionando o problema

As queixas relacionadas à ala do San Antonio Spurs eram pauta antiga de boa parte da torcida. Mais precisamente, as reclamações vêm desde que o antigo titular absoluto, Bruce Bowen, começou a cair de rendimento, após o título conquistado em 2007. Quase cinco anos depois, a posição 3 do time texano parece enxergar uma luz no fim do túnel, que cada vez aumenta e brilha mais forte.

O presente e o futuro, lado a lado

Em 2009, Bowen foi envolvido em uma troca – e logo depois encerrou sua carreira – que trouxe Richard Jefferson para o Texas. Parecia que tudo estava resolvido, já que o novo ala do Spurs vinha de ótimas temporadas com o New Jersey Nets e o Milwaukee Bucks. Mas não foi bem o que aconteceu. Jefferson não conseguiu repetir o mesmo desempenho e despertou a ira de muitos torcedores.

Não que ele tenha ido tão mal assim. Em sua primeira temporada com a camisa prata e preto, ele registrou médias de 12,4 pontos e 4,4 rebotes. Mas a queda de rendimento nos playoffs e a derrota para o Phoenix Suns, antigo freguês, por 4 a 0 nas semifinais do Oeste fizeram com que a torcida elegesse Jefferson como culpado.

Desde então, o camisa 24 andava às voltas com boatos de troca, mas contou com a confiança da diretoria texana e recebeu uma extensão contratual. Depois, superou rumores de que seria anistiado pela equipe, o que acabou não se concretizando. Hoje, as críticas a Jefferson aparecem em tom mais ameno. Talvez porque, após duas temporadas sem tanto brilho, não se espere mais tanto assim dele.

Mas outra razão para as críticas terem diminuído é que hoje o Spurs conta com outras duas ótimas opções para a posição de SF e, com isso, a responsabilidade de Jefferson diminuiu. Tanto que sua média de pontos (10,4) e rebotes (3,4) na atual temporada são as menores desde que chegou a San Antonio, mas não se fala muito nisso. Com Danny Green e o novato Kawhi Leonard tendo atuações consistentes e conquistando a confiança de Gregg Popovich, Jefferson pode jogar com muito menos peso em suas costas.

Sem muito alarde, a direção texana conseguiu resolver o problema na posição 3, que hoje conta com três bons jogadores como opções. Durante a offseason, os rumores de que o Spurs estava atrás de um ala foram frequentes. Caron Butler, Tayshaun Prince, Grant Hill, Shane Battier e até Josh Howard foram sondados segundo a imprensa americana. Nenhum deles chegou, a temporada começou e com ela as boas surpresas de Green e Leonard.

https://spursbrasil.files.wordpress.com/2012/01/danny-green-victory.jpgGreen tem 24 anos, está em sua terceira temporada na NBA, mas só agora começa a mostrar seu potencial. Nos dois anos anteriores, passou quase despercebido por Cleveland Cavaliers e pelo próprio San Antonio Spurs. Iniciou a temporada 2011/2012 apenas como parte do garbage team – aqueles que entram nos minutos finais quando tudo já está decidido -, mas com um bom trabalho defensivo e sendo consistente no ataque (7,8 pontos por jogo), já registra médias de 21,4 minutos jogados por partida. Se contabilizarmos apenas os últimos dez jogos, esse número sobre para 26,2.

Leonard é ainda mais jovem. Com apenas 20 anos, faz sua primeira temporada na NBA e chegou a San Antonio sob alguns olhares desconfiados. A dúvida era se realmente teria valido a pena se desfazer de George Hill em troca da escolha de Draft que o trouxe ao Texas. Se na hora muitos ficaram sem entender tal troca, hoje Leonard deve, pelo menos, dar um alento aos corações texanos que ficaram partidos com a saída de Hill.

Sabemos que Popovich não é um grande fã de novatos, que costumam ter que trabalhar duro para mostrar ao treinador que merecem mais chances e mais tempo de quadra. Mas Leonard parece, de cara, ter ganho a confiança do chefe. Com a lesão de Manu Ginobili, ele deixou Gary Neal para trás na corrida pela titularidade, muito em função de sua defesa contra os alas rivais. Hoje, ele acumula uma média de 23,6 minutos em quadra e 7,2 pontos por partida.

Além disso, com sua enorme envergadura, contribui com 5,0 rebotes e 1,1 roubos, desperdiçando apenas 0,6 bolas por jogo. Nada mal.

Com Jefferson, Green e Leonard, o Spurs está bem servido de alas para as próximas temporadas. Com um problema a menos para resolver, a direção texana poderá voltar suas atenções a outro setor que vem passando problemas nos últimos anos: o garrafão. Mas isso é assunto para um outro dia…