Arquivo diário: 29/01/2012

Blair luta para reencontrar antigo basquete

O DeJuan Blair que chegou ao Spurs em 2009 era um jogador empolgante. Sua primeira temporada na liga profissional norte-americana foi ótima, cheia de enterradas, rebotes e bandejas mirabolantes. Mesmo baixo para jogar de pivô, Blair se valia da agilidade (sim, ele ainda é ágil apesar de parecer gordo) e da força para marcar seus pontos.

Acontece que o Blair dos dois últimos anos mudou – e para pior. Nesta temporada, o camisa 45 até tem números melhores que os de 2009 (10,4 pontos e 5,8 rebotes contra 7,8 pontos e 6,4 rebotes), mas seu desempenho em quadra é decepcionante. Seu principal problema é a instabilidade. DeJuan é aquele tipo de jogador que vai marcar 15 pontos e 12 rebotes num jogo e zerar na partida seguinte. Isso é péssimo para qualquer atleta, ainda mais para quem tem uma sombra de peso no banco de reservas.

A má fase do pivô já é assunto comentado há tempos na imprensa texana. Blair está contra a parede e sabe que precisa fazer alguma coisa para voltar a ser aquele jogador explosivo de três anos atrás. “Tenho de me encontrar e ser o DeJuan Blair novamente”, disse ele, em entrevista recente.

O técnico Gregg Popovich convive diariamente com essa crise de identidade e dá seu recado. “Apenas seja você mesmo”. O treinador sente um pouco de culpa pela má fase de seu atleta e acha que pode ter “estragado” aquele pivô promissor o ensinando táticas e mais táticas. “Você tenta ensiná-lo e acaba o colocando em parafusos”, disse. “Depois de um tempo, tive que aprender a ficar quieto e deixá-lo jogar. DeJuan é instintivo, por isso é melhor deixar com que ele atue à sua maneira para extrair todo seu potencial”, completou.

Blair discorda de seu mentor, acha que ainda é muito novo e que ainda tem uma longa estrada a percorrer. “Sou jovem e continuo aprendendo a cada dia. Vou continuar jogando. Estou encontrando meu espaço e chegarei lá”, afirmou.

Quem também dá seus conselhos ao pivô é o armador Tony Parker, que também já foi jovem e inconstante. “O que nós queremos do DeJuan é que ele seja consistente todas as noites. Alguns jogos ele vai muito bem, em outros nem tanto. Quando você é jovem, o mais difícil é jogar bem sempre”, avaliou o francês.

Hoje à noite, contra o Dallas Mavericks, o camisa 45 terá mais uma oportunidade de mostrar seu valor. A cidade de Dallas, aliás, traz grandes lembranças a ele. Durante o All-Star Game dos novatos, em 2010, Blair marcou 22 pontos e pegou 23 rebotes. Mais tarde, numa partida da temporada regular, contra o Mavs, ele foi titular (Duncan foi poupado) e, apesar da derrota, deixou a quadra com 27 pontos e 23 rebotes.

Anúncios