Ave Bowen!

Caros e caras,

Depois de receber e aceitar prontamente o convite do meu velho amigo Bruno Pongas para escrever no Spurs Brasil, passamos pelo menos uma semana trocando mensagens tentando criar um nome para a coluna. Cordialmente, ele me deixou à vontade para a escolha e depois de muito pensar, cheguei ao nome de “Interferência”.  E são apenas dois fatos que o justificam: primeiro, algo pessoal, é uma palavra que sempre soou bem aos meus ouvidos; e segundo que este era o nome de um quadro de um programa de rádio que eu escutava onde um sujeito começava a detonar impiedosamente pessoas que ele julgava serem passivas de críticas. Obviamente que não estou aqui para ser carrasco de ninguém, mas o nome pegou.

Na última segunda-feira, o San Antonio Spurs anunciou que irá pendurar, em março, no teto do AT&T Center, a camisa número 12 que Bruce Bowen vestiu durante oito temporadas no Texas. Bowen sempre foi o típico jogador que provocava discussões acaloradas, seus fãs o defendiam com unhas e dentes, enquanto seus críticos lhe batiam sem dó. Em suma, para os primeiros era um gênio da defesa, marcador como poucos e líder do que o Spurs se propôs a fazer durante bons anos, defender, e que ainda funcionava como uma excelente arma ofensiva com sua mão sempre calibrada do perímetro. Para os demais, um dos jogadores mais desleais que já passou pela NBA, adepto de cotoveladas, joelhadas, chutes nos adversários, etc. Tais fatos lhe renderam de seus desafetos o apelido de Bruce Lee Bowen, numa referência ao eterno lutador de artes marciais.

Como fã do jogador e tendo acompanhado de perto todas as temporadas de Bowen em San Antonio, poderia destacar diversas de suas atuações inesquecíveis. Mas quando tomei conhecimento da imortalização de sua camiseta, fato que é simbólico, porém que o coloca num hall de grandes nomes do Spurs, lado a lado com David Robinson, George Gervin, Sean Elliott, Avery Johnson e outros, logo lembrei de uma partida em especial. Foi nos playoffs de 2002/2003, mais precisamente no segundo jogo das semifinais de conferência contra o tricampeão e temido Los Angeles Lakers. O Spurs vinha de alguns fracassos homéricos contra Kobe, Shaq e cia. e com isso ganhara a fama de amarelão. Até mesmo o bi-MVP Tim Duncan era acusado de “sumir” nos momentos decisivos dos jogos. Naquele ano, o Spurs chegara à fase decisiva com a melhor campanha dentre todos os times da Liga e, embora jogasse um basquete “redondinho”, era visto com os olhos da desconfiança e do mal humor dos críticos que o acusavam de praticar o pragmatismo, enquanto se encantavam com o run-and-gun de Sacramento Kings e Dallas Mavericks, a eficiência do Lakers e a genialidade de Jason Kidd e seu New Jersey Nets.

E foi naquele jogo dois que eu tive a dimensão de que enfim o Spurs poderia ganhar seu segundo título. Com uma atuação de gala, Bowen forçou Kobe Bryant a 15 arremessos de quadra errados em 24 tentativas e a cinco desperdícios de posse de bola. Não satisfeito, anotou 27 pontos, 21 deles provenientes de arremessos de três pontos, convertendo sete de oito chutes do perímetro, recorde da franquia que só viria a ser quebrado quatro anos mais tarde por Michael Finley. Bowen foi o cestinha da noite ao lado de Bryant e Shaquille O’Neal e, com o apoio do então calouro Manu Ginóbili e de mais quatro jogadores que anotaram dez ou mais pontos, o Spurs conseguiu uma fácil vitória por 114 a 95 que lhe assegurou o mando de quadra. Alguns dias depois, os texanos fechariam a série em 4 a 2. Frear Kobe naquele momento representava minar o escape do Los Angeles, pois, ainda que Duncan exercesse um bom trabalho na marcação a Shaq, ainda era praticamente impossível segurar o último superpivô que a liga viu. O Spurs precisava de Bowen, mais do que isso, confiava nele, e ele sabendo disso, não se furtou a fazer seu trabalho. E o fez bem, tal como em todos os momentos em que vestiu a camiseta que agora vai para o alto do nosso ginásio. Logo, merecido. Ave Bowen!

Publicado em 26/01/2012, em Interferência e marcado como . Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. Bruno Pongas

    Cara, bem-vindo primeiramente.

    Como eu tinha te falado lá no Face, eu lembro desse jogo contra o Lakers como se fosse hoje. Pelo que eu me lembre a partida passou na ESPN. Eu vibrava a cada cesta do Bowen. Foi emocionante. Quanto à sua aposentadoria (da camiseta 12, eu digo), achei merecidíssima! Bowen era aquele cara que aparecia pouco nos stats e ajudava imensamente. Um ídolo que eu, você e muitos torcedores do Spurs tiveram o privilégio de assistir. Ave Bowen!

    • Rafael Proença

      Cara, obrigado pelas palavras, só vi agora. É isso que você disse, Bowen fazia um trabalho que não aparecia nas estatísticas, para o time e acabou tricampeão sendo peça importante. É um ídolo e merece ser homenageado. Simples.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.