Arquivo diário: 19/01/2012

Paciência é a palavra da vez para Manu Ginobili

Volta logo, Manu!

Manu Ginobili é o popular workaholic. Se pudesse, o argentino participaria de todos os jogos mesmo machucado. Sua realidade, no entanto, é outra. Com o braço imobilizado, nossa principal estrela se recupera de uma cirurgia e só deverá voltar às quadras no final de fevereiro.

Inquieto, Manu já voltou a trabalhar, mas ainda falta muito tempo para o sonhado retorno. Por isso, a palavra de ordem agora é paciência. “O tempo estimado para a minha volta é de cinco ou seis semanas”, recordou. “Até agora, já se passaram quase duas semanas. Tenho que ser paciente”, completou o camisa 20.

Apesar de tudo, o argentino está se recuperando muito bem e falou sobre isso em entrevista à imprensa texana. “Tudo está acontecendo conforme foi planejado”, disse. “12 dias se passaram depois da cirurgia e ontem (quarta) eu já tirei os pontos. Devagar eu tenho feito exercícios e me sinto melhor, com mais mobilidade, mas tenho de me curar logo”, finalizou.

Ontem, ainda sem Ginobili, o San Antonio Spurs conquistou sua primeira vitória fora de casa na temporada. A vítima foi o Orlando Magic.

Anúncios

Spurs (10-5) @ Magic (10-4) – Jogo ruim, vitória sofrida

85X83

O San Antonio Spurs conquistou sua primeira vitória fora de casa nesta temporada ao derrotar o Orlando Magic por 85 a 83 na quarta-feira (18). Apesar do placar modesto, o jogo foi decidido apenas no tempo-extra. Vamos aos detalhes da noite.

Parker e Neal salvaram o Spurs!

Jogo feio!

Acompanho o Spurs há mais de dez anos e confesso que esse foi um dos jogos mais feios que eu já assisti. O primeiro tempo, sobretudo, foi horripilante. Tudo bem que as duas equipes vinham de um back-to-back (duelos em noites seguidas), mas o nível técnico foi sofrível – parecia uma partida entre os piores times do NBB. Os comandados de Gregg Popovich acertaram apenas 42,9% dos arremessos de quadra e, quem pensa que isso é ruim, ficará abismado com o aproveitamento de 33,3% do Orlando Magic. A coisa foi bem feia…

Rebotes

Ao ver os números acima a pergunta que fica é: como o Magic foi bem pior e mesmo assim permaneceu vivo no marcador? A resposta é simples. O time da casa trucidou o Spurs nos rebotes e, consequentemente, criou segundas oportunidades para marcar suas cestas. No primeiro tempo, me irritei numa posse de bola em que deixamos eles pegarem quatro rebotes seguidos debaixo da nossa cara. Para se ter uma ideia, Orlando pegou 60 rebotes na partida contra somente 41 de San Antonio. Dwight Howard foi soberano nesse fundamento. Dos 60 ressaltos, 25 foram pra conta do superpivô.

A bronca de Gregg Popovich surtiu efeito...

Tony Parker

Nosso armador principal ficou em quadra por quase 44 minutos e, depois de um péssimo primeiro período, foi ele quem chamou a responsabilidade. No último quarto, só deu Tony Parker. O francês marcou 14 de seus 25 pontos na etapa decisiva e ainda por cima ficou bem próximo de um triple-double (dois dígitos em três fundamentos). Além dos 25 tentos, TP também contribuiu com nove assistências e sete rebotes.

Gary Neal

Podemos dizer que Gary Neal vive uma fase inconstante. Sua principal arma, o tiro de longa distância, está com defeito. Apesar do aproveitamento superior a 40% na temporada, nos últimos jogos esses arremessos raramente têm funcionado. Ontem, por exemplo, Neal tentou cinco bolas longas e acertou apenas uma. Ele saiu de quadra com três míseros pontos. Pouco, né? Mais ou menos, na verdade. Adivinhem quem acertou o arremesso mais difícil da noite para o Spurs? Faltando 30 segundos para o fim do tempo-extra, o marcador apontava empate em 81 pontos. Foi aí que Gary Neal entrou em cena. O camisa 14 acertou um tiro de três pontos certeiro e colocou o time visitante à frente por 84 a 81.

Emocionante até o fim

E quem pensou que essa cesta do Gary Neal colocaria números finais à partida se enganou. O Orlando Magic teve a última bola do jogo quando o placar mostrava 85 a 83 para os texanos. J.J. Redick arremessou de longe e fez a cesta que daria a vitória à sua equipe. Acontece que Redick atirou quando o cronômetro já havia zerado. Só assim para conseguirmos nosso primeiro triunfo longe do AT&T Center…

Destaques da Partida

San Antonio Spurs

Tony Parker – 25 pontos, sete rebotes e nove assistências

Tim Duncan – 17 pontos e dez rebotes

Richard Jefferson – 11 pontos

Tiago Splitter – Dez pontos e seis rebotes

Orlando Magic

Dwight Howard – 24 pontos e 25 rebotes

Ryan Anderson – 17 pontos e 11 rebotes

Von Wafer – 15 pontos

J.J. Redick – 13 pontos