Arquivo diário: 07/01/2012

Leonard treina para melhorar arremesso

Kawhi Leonard chegou ao San Antonio Spurs com fama de defensor implacável. Nos primeiros jogos, de fato, o ala demonstrou potencial na tábua defensiva. No entanto, há um buraco em seu jogo que precisa ser consertado logo: o arremesso.

Enquanto Leonard justifica a fama de bom defensor, no ataque ele deixa muito a desejar. Para solucionar esse problema, o jogador está trabalhando duro com Chip Engelland, treinador do Spurs especialista em arremessos. Ao longo dos anos, atletas como Tony Parker, DeJuan Blair e Tiago Splitter passaram por Engelland e obtiveram bons resultados.

“Estou treinando bastante com os técnicos do Spurs”, revelou o novato. “Basicamente, tenho que adquirir confiança no meu arremesso e ir para os treinos todos os dias pensando em melhorar”, complementou.

Desde a saída de Bruce Bowen, na temporada 2008/2009, Gregg Popovich nunca mais conseguiu encontrar um jogador com suas qualidades. Bowen nunca foi muito talentoso com a bola, mas tinha um tiro de três do canto da quadra mortal. Mesmo tendo pouca intimidade para “sair jogando”, esses arremessos precisos o ajudaram a se tornar um grande ídolo (além da defesa espetacular, claro). Leonard surge agora como forte candidato a ocupar o posto deixado pelo ex-camisa 12, mas para isso precisa trabalhar – e muito – para ser efetivo também no ataque.

Anúncios

Confiem em Danny Green!

A contusão de Manu Ginobili foi assustadora, claro. O ala-armador é um dos jogadores mais importantes do elenco do San Antonio Spurs e com certeza fará muita falta até voltar. Mas, graças às características do plantel, o argentino talvez seja o membro do big three mais substituível. Pensei isso após a lesão do astro, já que a equipe texana tinha James Anderson e Gary Neal em sua reserva. Mas eu realmente não contava com uma coisa: que a ausência do craque abriria espaço para a aparição de uma força improvável do grupo, o versátil Danny Green.

Conheça o "novo" rosto do San Antonio Spurs

Gregg Popovich seguramente sabia que tinha um jogador de potencial, principalmente defensivo, em mãos. Prova disso é que Green ficou no elenco após uma série de testes na posição – ao contrário de Bobby Simmons, Ime Udoka, Larry Owens e Da’Sean Butler, que receberam oportunidades mas não conseguiram se firmar. Mas acho que nem o mais fervoroso dos fãs do jovem ala esperava um desempenho tão sólido e decisivo diante do Golden State Warriors.

É bem verdade que a vitória do Spurs sobre os californianos foi facilitada por conta da lesão de Stephen Curry. Mas isso de forma alguma tira os méritos de Green, único de toda a rotação que conseguiu exercer uma boa marcação sobre Monta Ellis – que marcou impressionantes 39 pontos no embate. Confiante por conta de seu sucesso defensivo, o ala do time texano ainda anotou oito pontos, alguns importantíssimos na reta final do duelo.

Green está acostumado a assistir grandes jogos do banco. Antes de chegar ao Spurs, o ala atuava no Cleveland Cavaliers de LeBron James. Porém, ao invés de deixar o tempo como reserva o desmotivar, o jovem parece ter tomado isso como lição, e, contra o Warriors, mostrou que sabe o que é preciso no último quarto de um jogo equilibrado – perícia defensiva e frieza no ataque. Uma mostra da maturidade do atleta, que, em entrevista concedida ao Spurs Brasil durante o locaute, mostrou que parece ser um cara inteligente e disciplinado – ou seja, tem o perfil que agrada Pop.

Sem contar com Ginobili, o técnico do Spurs tem usado três jovens jogadores – além de Green, James Anderson e Kawhi Leonard – para marcar as estrelas de perímetro do adversário. Hoje, contra o Denver Nuggets, provavelmente os três ficarão na cola do italiano Danilo Gallinari. A vantagem de Green é que ele é mais leve e ágil que os outros dois jogadores do Spurs. Por isso, Pop pode até mesmo arriscar e colocá-lo para marcar Ty Lawson no jogo de logo mais, dependendo do estrago que o armador estiver causando.

Para Green conseguir definitivamente uma vaga na rotação, só falta seus companheiros confiarem mais nele. Contra o Dallas Mavericks, após ganhar um rebote de ataque, o ala se posicionou livre no perímetro e ficou pedindo a bola para Tony Parker, que preferiu esperar que todo o ataque do Spurs se posicionasse para começar uma nova jogada. Mas o jovem não reclamou. Ao invés disso, simplesmente começou a movimentação que lhe cabia na jogada chamada pelo francês. Mais uma prova de sua maturidade.

A lamentar apenas o espaço que Anderson perdeu. Com Green em alta, o ala-armador, que tem no arremesso de três sua maior arma, mal entrou em quadra contra o Mavericks depois de ter sido titular contra o Warriors. Que ele se espelhe em seu companheiro e continue lutando para não virar uma eterna promessa – afinal, potencial ele tem de sobra.

Spurs (5-2) vs Nuggets (6-2) – Temporada Regular

San Antonio Spurs vs Denver Nuggets – Temporada regular

Data: 07/01/2011

Horário: 23:30 (Horário de Brasília)

Local: AT&T Center

Mesmo sem Manu Ginobili, o San Antonio Spurs conseguiu uma bela vitória sobre o Dallas Mavericks para ganhar moral e assumir o terceiro lugar na Conferência Oeste. O adversário deste sábado é o surpreendente Denver Nuggets, que ocupa a vice-liderança. Ou seja, pode ser considerado um confronto direto nessa altura do campeonato. A equipe de Nenê vem apostando em um jogo coletivo nessa temporada, que vem funcionando.

San Antonio Spurs

PG – Tony Parker

SG – Gary Neal

SF – Richard Jefferson

PF – DeJuan Blair

C – Tim Duncan

Fique de Olho Gary Neal está de volta! Depois de passar o começo da temporada machucado e de fazer uma estreia discreta contra o Golden State Warriors, o ala-armador cumpriu sua função contra o Mavs e acertou quatro dos sete arremessos de três que tentou, deixando a quadra com 12 pontos.

PG – Ty Lawson

SG – Arron Afflalo

SF – Danilo Gallinari

PF – Nenê

C – Timofey Mozgov

Fique de OlhoEnvolvido no esquema coletivo do Nuggets, Nenê continua sendo uma das principais opções ofensivas da equipe, mas agora também tem responsabilidades na defesa. Até aqui, suas médias são de 12,5 pontos e 7,3 rebotes por noite.