Arquivo diário: 25/09/2011

Fim da linha

Tully Bevilaqua foi contratada neste ano para ajudar o San Antonio Silver Stars a conquistar o primeiro título da franquia na WNBA, mas mesmo sendo uma das melhores jogadoras de defesa, não conseguiu cumprir seu objetivo principal. FOTO: David Sherman/NBAE/Getty Images

2011 começou como o melhor ano de todos os tempos do San Antonio Silver Stars desde os anos remotos da franquia, até como Utah Starzz. Todos comentavam que esse era o time que mais estava surpreendendo e que a equipe tinha de tudo para ganhar o a temporada, principalmente porque seu elenco tinha encontrado a química que foi perdida nas finais de 2008 contra o Detroit Shock. Mas não foi bem assim. O primeiro mês (junho), tudo bem, terminou com campanha 7-1. No segundo (julho), a produção já começou a diminuir, e o resultado foi 5-4. O terceiro foi um desastre. Agosto terminou em 3-9. O fim da temporada regular, em setembro, foi mais confortante, e o time fechou em 4-1.

No dia 16 deste mês, os playoffs começaram. O San Antonio ficou com a quarta vaga da conferência Oeste e por isso enfrentou o Minnesota Lynx (primeiro lugar) na semifinal. Todos sabiam que seriam difícil; ainda assim, muitos acreditavam que o Stars era um dos poucos times capazes de derrubar o todo-poderoso Lynx dessa temporada, e isso aconteceu no segundo jogo da série, no AT&T Center (como foi postado aqui neste blog na semana passada). Os ânimos voltaram a florescer para a partida decisiva.

Nem o talento e a experiência de Becky Hammon conseguiram manter o Stars na temporada. FOTO: David Sherman/NBAE/Getty Images

Nessa terça-feira (20/09), Becky Hammon e suas companheiras voltaram a Minneapolis para salvarem a chance de prosseguir na temporada e brigar pelo primeiro título do time. Não deu certo. O placar final foi 85 a 67, espelho da dificuldade do San Antonio de segurar a equipe adversária no segundo quarto. Esse foi o período mais desequilibrado do jogo (parciais de 18×19, 26×17, 22×20 e 19×11, com pontos do Minnesota aparecendo primeiro).

Seria errado dizer que o time visitante entregou a partida, mas nos últimos quartos era o que parecia. A maioria das jogadas eram de longe do garrafão (Becky Hammon teve 5/14 nos arremessos) porque a defesa do Lynx não deixava nada passar. Em contrapartida, tudo que era do Minnesota dava certo, inclusive uma disputa depois de bola presa entre Sophia Young e Lindsay Whalen. A ala (Young), de 1,85m, pulou para devolver a bola ao San Antonio. A armadora (Whalen), de 1,75m, nem se esforçou para tentar tirar a chance da rival, apenas correu na direção em que o tapa levaria a bola, e a interrompeu de chegar nas mãos de Danielle Robinson. Em rápida jogada, o Minnesota converteu mais dois pontos (veja essa cobrança no resumo em vídeo desse jogo. Lindsay Whalen foi super inteligente).

Por volta da meia-noite do dia 20 de setembro de 2011, o San Antonio sofreu sua terceira eliminação consecutiva na primeira rodada dos playoffs da WNBA. Nos anos anteriores, o carrasco foi o mesmo time nas duas vezes, o Phoenix Mercury. Em 2008, o time chegou à grande final, mas perdeu logo os três primeiros jogos para o famigerado Detroit Shock, que hoje é o Tulsa Shock. Não havia mais chances. Assim como elas já se esgotaram na presente temporada.

Danielle Adams foi a maior surpesa da WNBA esse ano. Ela foi campeã da NCAA, mas conseguiu apenas a vigésima colocação no Draft. Dentro de quadra, proporcionou viradas importantes para o San Antonio e mostrou que sabe fazer quase tudo nas quatro linhas. FOTO: David Sherman/NBAE/Getty Images

Mas o fim da trajetória do San Antonio neste ano não significa o fim dessa coluna. Enquanto a offseason passar, trarei para vocês novidades das Silver Stars na Europa. Um dos assuntos que pode tomar conta é se Becky Hammon voltará ou não a defender a Rússia nas Olimpíadas. Em 2008 houve polêmica muito forte quanto a isso. Em relação a Sophia Young, nesse mês ela conseguiu a nacionalidade norte-americana (segundo um tweet de seus agentes), e isso pode levá-la a uma convocação do técnico Geno Auriemma.  Danielle Robinson e Danielle Adams tiveram boa atuação em suas temporadas, mas podem não conseguir uma vaga no Dream Team feminino agora porque os jogos de Londres estão muito perto, mas, para o próximo mundial e no Rio, em 2016, ambas têm boas chances de jogarem ao lado de Diana Taurasi.

Além das novidades fora das Estados Unidos, também trarei na próxima semana um resumo das mudanças que o San Antonio têm que fazer para a próxima temporada.

Sem mais jogos, me despeço.

Até mais!
Roberta.

Anúncios