Arquivo diário: 12/09/2011

Lorbek lidera Eslovênia no Eurobasket


Nesta segunda (12), dois jogadores que têm seus direitos ligados ao San Antonio Spurs entraram em quadra no Eurobasket. A competição na Lituânia já caminha para suas quartas-de-final, que começam na quarta-feira (14).

Erazem Lorbek, jogador adquirido pelo San Antonio Spurs no último Draft, liderou a Eslovênia na vitória contra a Finlândia. O pivô foi o cestinha da partida com 14 pontos, mesma pontuação do finlandês Petteri Koponen. Lorbek também contribuiu com seu time pegando seis rebotes, e ainda distribuiu duas assistências. Depois de oito jogos disputados na competição, as médias do pivô são de 11,4 pontos e 5,4 rebotes por jogo.

Eslovênia de Lorbek está classifica. | Foto: FIBA Europe

Com a vitória, a Eslovênia passa para as quartas-de-finais e irá enfrentar a Espanha na quarta-feira (14). Nesse duelo, poderemos ver se o esloveno consegue enfrentar pivôs da NBA de igual para igual. O desempenho de Erazem contra os irmãos Gasol poderá nos mostrar se seria ele o pivô que nos falta na rotação.

Quem também entrou em quadra foi a Geórgia, do ala Viktor Sanikidze, que também tem seus direitos ligados ao Spurs. O jogador fez uma partida razoável na derrota de sua seleção. Sua contribuição foi de seis pontos, cinco rebotes e duas assistências em 30 minutos em quadra. A Geórgia foi eliminada do Eurobasket-2011.

Final Feliz

Essa foi a última semana de jogos da temporada regular da WNBA. Ontem (11/09), apenas o Los Angeles Sparks e o Washington Mystics não jogaram. Ambos foram adversários do San Antonio Silver Stars nessa rodada que antecede a chegada dos playoffs.

Becky Hammon provou, mais uma vez, seu poder de decisão e desequilíbrio no confronto contra o time de Candace Parker, e foi esse o jogo que entregou a quarta posição do Oeste para Dan Hughes e suas jogadoras e eliminou o histórico grupo californiano. A camisa 25 marcou 37 pontos e foi a responsável pela grande diferença no placar: 82 a 65. Além de ter atingido sua maior pontuação na temporada, a veterana contribuiu de outra maneira com a franquia, mas isso vai ficar para o final desta edição, pois merece destaque especial.

No sábado (10/09), o Washington Mystics, que já estava eliminado, foi até o AT&T Center e perdeu mais uma vez (82 a 74). Ontem (11/09), o Tulsa Shock ameaçou ganhar, mas o San Antonio foi superior e Danielle Robinson anotou 36 pontos na vitória por 102 a 94 para o time fechar a temporada regular com campanha 18-16. Com esse número, “DRob” deixou seu nome da lista de maior pontuação de novatas na história da WNBA e está atrás apenas de Candace Parker, que fez 40 pontos em um jogo de sua primeira temporada como profissional.

A garantia de vaga nos playoffs chegou na terça-feira, e bastava apenas um jogo do Phoenix Mercury para saber contra qual time seria a fase eliminatória do Stars. Com a vitória do esquadrão de Diana Taurasi, foi confirmado que para o time texano continuar vivo, terá que vencer o Minnesota Lynx duas vezes.

O desafio é grande. Nas quatro vezes que esses times se enfrentaram, o San Antonio saiu derrotado. Todos esses compromissos foram equilibrados e decididos nos últimos minutos (nos dois primeiros, nos últimos segundos).

Apesar de todos os reveses, esse ainda é um dos poucos times que conseguem dificultar a atuação do Minnesota Lynx, apesar da superioridade delas na maioria das posições em quadra.

As armas mais perigosas do próximo adversário são:

Duelo mais do que interessante entre Becky Hammon e Lindsay Whalen, duas armadoras com características parecidas que misturam técnica e habilidade. Foto: D. Clarke Evans/NBAE/Getty Images

Lindsay Whalen: armadora experiente, que vem marcando aproximadamente 12 pontos por partida. Seu estilo em quadra é muito parecido com o de Becky Hammon, que tem boa visão de jogo e distribui ótimas assistências. Além disso, ela chega com facilidade à tabela. Porém, Becky tem vantagem nos arremessos de três pontos. Na defesa, Hammon também está na frente, com 1,5 contra 1,1 de roubos de bola nessa temporada.

Seimone Augustus: muito habilidosa, seu forte é o jump shot. É difícil marcá-la porque ela tem controle muito forte sobre a bola.

Candice Wiggins: é preciso tomar cuidado principalmente com seus arremessos de três pontos. Ela é rápida e marca bem. Wiggins entrou na WNBA no fortíssimo Draft de 2008, com Candace Parker e Sylvia Fowles. Normalmente, seu duelo é contra Becky Hammon (essa joga tanto na posição 1 quanto na 2, e por isso pode marcar Whalen e Wiggins).

Taj MacWilliams-Franklin: uma mulher de 40 anos que consegue se sobressair contra meninas de 25. Ela é uma potência embaixo do garrafão, e sua presença em quadra sempre é um biotônico para o Lynx. Consegue passar facilmente pela reserva Jayne Appel, mas não encontra tanta facilidade contra Ruth Riley.

Maya Moore deixou toda a defesa do San Antonio para trás em confronto no AT&T Center. Foto: D. Clarke Evans/NBAE/Getty Images

Maya Moore: em seu primeiro ano como profissional, levou o Minnesota para a primeira aparição nos playoffs nos sete anos de existência da franquia. Ela é uma jogadora forte, por isso tem vantagem no garrafão, mesmo não sendo pivô, e também arremessa bem da linha de três pontos. A adversária pessoal dela no Stars é Danielle Adams, sendo que a novata do San Antonio só não tira os prêmio de Rookie of the Year das mãos da ex-UConn por causa da lesão que a deixou um tempo fora das quadras. E Adams não é titular, diferente de Moore.

Os jogos da primeira fase dos playoffs entre San Antonio e Minnesota, começam na sexta-feira (16/09), em Minneapolis. O segundo confronto será no domingo (18/09), às 18h, no AT&T Center. Se for necessário, a terceira partida, a que define quem vai para a final da conferência, está marcada para o dia 20 de setembro (terça-feira), fora de casa e ainda está sem horário definido.

A semana foi ótima para o San Antonio Silver Stars quanto à atuação dentro das quatro linhas, mas do lado de fora delas uma notícia também agradou muito a todos os que têm algum envolvimento com a equipe texana. Becky Hammon assinou um contrato de extensão, no dia 10 de setembro, e fica em San Antonio até se aposentar. A WNBA não informou quantos anos foram determinados, mas ela havia dito que queria continuar por mais três ou quatro temporadas jogando com o corpo saudável. Então, pode-se dizer que ele é de pelo menos dois anos. Linda Estepe, administradora de seu site oficial, afirmou que ela não sai do grupo por qualquer motivo, previsto ou não.

A continuação de Becky Hammon favorece o Spurs Sports & Entertainment em diversas esferas. Ela traz força dentro das quadras, atrai fãs e ajuda a vender mais ingressos, como os Season Ticket Holders, que ganharam uma festa especial nessa semana. Foto: John Robbins

Ótimo clima para começar a pós-temporada, não!? A peleja vai ser complicada, mas o Stars ainda tem grandes chances de vencer.

Na semana que vem, essa coluna pode ter o resulto derradeiro dessa disputa de semifinal. Bastam apenas mais dois jogos para saber se o San Antonio Silver Stars vai para a estrada novamente, ou se as meninas já começam a preparar as malas para a offseason.

Até mais!
Roberta, #GoStarsGo

Ryan Richards vai jogar na Suíça

Richards (à direita) vai jogar na Suíça

De acordo com reportagem do site Sportando, o ala-pivô Ryan Richards vai jogar na Suíça na próxima temporada. O destino do big man, selecionado pelo San Antonio Spurs na 49ª escolha do Draft de 2010, será o Lugano Tigers.

Richards passou toda a última temporada se recuperando de uma contusão no ombro. O ala-pivô voltou às quadras para a disputa da Divisão B do Europeu Sub-20. Jogou sete partidas no torneio, apresentando médias de 22,3 pontos (46,7% FG, 37,9% 3 PT, 76,3% FT) e 8,1 rebotes em 28,1 minutos por exibição. Chegou a ser convocado para a seleção principal da Grã-Bretanha, mas foi cortado antes do Eurobasket.

Antes de se machucar, Richards já havia jogado no basquete suíço. No início de 2010, disputou seis partidas pelo BBC Monthey, apresentando médias de 13,3 pontos (56% FG, 16,7% 3 PT, 91,3% FT) e 5,2 rebotes por exibição.

E mais…

Brett Brown classifica a Austrália para os Jogos Olímpicos

Comandada por um dos assistentes técnicos de Gregg Popovich no San Antonio Spurs, Brett Brown, a Austrália conseguiu se classificar para a Olimpíada de Londres-2012. A seleção venceu a Nova Zelândia por 81 a 64 na final do Pré-Olímpico da Oceania. “Fizemos isso com a nossa defesa, temos muito orgulho por priorizar o programa defensivo. Em jogos como esse, se você não marcar não terá chance”, disse Brown, mostrando que implantou na equipe nacional uma filosofia semelhante à que funciona no Spurs.