Reconstruindo o Spurs – Pivôs

Termina hoje a série Reconstruindo o Spurs, especial de colunas Na Linha dos 3 feita para discutir possíveis movimentações e contratações que o San Antonio Spurs pode fazer quando o locaute terminar. Depois de falarmos das posições 1 e 2 e da ala, chegou a ver de analisar o ponto do elenco texano que mais me preocupa: o garrafão.

Na última temporada, o Spurs foi eliminado, principalmente, porque não encontrou resposta para Zach Randolph e Marc Gasol, dupla de garrafão titular do Memphis Grizzlies. Se não bastasse o estrago, Antonio McDyess, que terminou a última temporada como titular, deve se aposentar nesta temporada. Por isso, imagino que deve ser nesta função que a franquia deve gastar seus principais recursos – seja trazendo jogadores da Europa ou gastando a MLE (mid-level exception) em um reforço de peso.

Juntos, que tal?

Vamos então analisar as opções que o Spurs tem para melhorar sua situação no garrafão:

1) O elenco

Primeiramente, falarei dos jogadores que terminaram a temporada no elenco texano. Além do aposentado Dice, são mais cinco – sendo que, ao meu ver, apenas dois deles terminaram a temporada em alta. Confira os nomes a seguir:

Tim Duncan – The Big Fundamental não exibe mais a forma física do começo da carreira. Mesmo assim, sua técnica e seu posicionamento, adquiridos com o tempo, permitem que o lendário ala-pivô seja titular até o último segundo de sua carreira. Triste é saber que esse momento está chegando. Na última temporada, Duncan sofreu com lesões e foi poupado por Gregg Popovich em alguns jogos – teve média de 28,4 minutos por partida, a mais baixa de sua carreira. O camisa #21 tem mais um ano de contrato com a franquia, e tudo indica que essa pode ser sua última campanha antes de se aposentar.

Tiago Splitter – Apesar das lesões e da insistência de Pop em não usar muito seus novatos, o brasileiro fez uma temporada sólida. No decorrer dos playoffs, foi, aos poucos, ganhando alguns minutos na rotação da equipe – o que, volto a afirmar, é raro para jogadores que fazem seu primeiro campeonato pelo Spurs. Tirando Duncan, Splitter é o melhor defensor de garrafão do elenco texano, e, por isso – e com a aposentadoria de McDyess – pode até mesmo virar titular. Eu torço para isso.

DeJuan Blair – De todos os jogadores do elenco texano, Blair foi o que mais caiu durante a última temporada. Sem dúvidas o ala-pivô tem um bom jogo ofensivo e uma capacidade impressionante de pegar rebotes, principalmente se levarmos em conta sua altura. Ele tem potencial – mas não parece disposto a explorá-lo. Sua falta de dedicação na defesa e nos treinamentos deixou Pop insatisfeito, e, após começar a temporada como titular, Blair perdeu espaço para Dice, que assumiu seu lugar no quinteto titular, e até para Splitter como reserva imediato. Precisa mudar imediatamente sua postura e voltar a desenvolver seu basquete para recuperar sua importância na rotação.

Matt Bonner – Bom… quem me acompanha aqui no blog e no meu Twitter tem certeza de uma coisa: eu não gosto do Bonner. Até admiro sua dedicação, e o vejo como um bom arremessador, qualidade rara para jogadores de garrafão. A questão é que essa é sua única qualidade. Não acho que vale a pena manter um jogador em quadra só por isso, principalmente quando ele compromete em outros fundamentos importantíssimos, como rebote e defesa – principalmente se levarmos em conta que ele marca jogadores que atuam bem perto da cesta. Mas a má notícia é que terei de aturar o ala-pivô por um bom tempo: seu contrato vai até o fim da temporada 2013/2014 – é o segundo mais longo de todo o elenco, só perde para Tony Parker – e duvido que alguém o leve em uma troca.

Steve Novak – Contratado para compor elenco na última temporada, também é um bom arremessador, e até correspondeu bem quando a equipe precisou dele – principalmente na época da contusão de Duncan. Mas não vejo motivos para o jogador, que é free agent nesta offseason, continuar no elenco texano. Vale o mesmo que eu falei com Bonner – só arremessar bem, na minha opinião, não garante ninguém, especialmente no garrafão.

2) O Draft

Das quatro escolhas que o Spurs tinha no Draft deste ano, nenhuma foi usada em jogadores de garrafão – de maneira até surpreendente, na minha opinião. Porém, na troca que enviou George Hill para o Indiana Pacers – executada na noite do recrutamento de calouros – a equipe texana, entre outras coisas, ganhou os direitos de um ala-pivô esloveno. Conheça-o melhor a seguir:

Erazem Lorbek – Selecionado pelo Indiana Pacers na 42ª escolha do Draft de 2005, o esloveno foi trocado para o Spurs na noite do recrutamento de calouros dessa temporada. Após a transação, o big man foi elogiado por R.C. Buford, General Manager da franquia texana, que disse que planeja contar com seu basquete. Porém, isso não deve acontecer tão cedo, já que Lorbek renovou por uma temporada com o Regal F.C. Barcelona. Na última Euroliga, atuando pela equipe espanhola, o jogador disputou 20 partidas, e obteve médias de 8,4 pontos (47,15% FG, 37,1% 3 PT, 72,2% FT) e 3,6 rebotes por exibição. Quem quiser conhecê-lo melhor vai poder vê-lo em ação no Eurobasket, torneio de seleções classificatório para a Olimpíada de Londres, que começará a ser disputado no dia 31/08.

3) Na Europa

Para reforçar seu elenco, o Spurs pode recorrer a dois big men draftados pela franquia texana que jogam na Europa. Um é um jovem e promissor ala-pivô britânico, e o outro é um experiente pivô lituano. Veja quem são a seguir:

Ryan Richards – Depois de passar a última temporada inteira se recuperando de uma contusão no ombro, Richards voltou às quadras para a disputa da Divisão B do Europeu Sub-20, e se destacou na seleção britânica. Em sete partidas, apresentou médias de 22,3 pontos (46,7% FG, 37,9% 3 PT, 76,3% FT) e 8,1 rebotes em 28,1 minutos por jogo – desempenho que lhe rendeu uma convocação para a seleção principal. De todos os jogadores que o Spurs tem na Europa, o ala-pivô, na minha opinião, é aquele que está mais perto de integrar o elenco texano – talvez ao lado de Nando de Colo. Poderia chegar para exercer a função que Splitter teve na última temporada – um novato, que fica como quinta ou sexta opção para o garrafão enquanto desenvolve seu jogo. Potencial ele parece ter.

Robertas Javtokas – O pivô lituano foi selecionado pelo Spurs na 55ª escolha do Draft de 2001 – sabe-se lá porque, a franquia texana manteve os direitos sobre o big man até hoje. Na última temporada, o jogador – que já passou por Lituânia, Grécia e Rússia – atuou pelo Valência, da Espanha, onde recebeu o apelido de “tubarão”. Disputou 36 partidas na Liga ACB, e obteve médias de 7,8 pontos (59,6% FG, 53,5% FT) e 5,7 rebotes em 24,5 minutos por jogo. Nesta offseason, acertou a transferência para o BC Zalgiris, da Lituânia. Javtokas é conhecido na Europa por sua boa defesa – no último Mundial, foi o responsável pela marcação individual que limitou Luis Scola a 13 pontos nas quartas de final. Para ser ter uma ideia, o argentino terminou o torneio com média de 27,7 pontos por partida. Essa vocação defensiva poderia até render alguns minutinhos na rotação do Spurs…

4) No Mercado

Como disse no começo do texto, acredito ser no garrafão que o Spurs tem de gastar seus recursos nesta offseason. Vale lembrar que a franquia texana já está acima do teto salarial, e deve ter apenas a MLE para gastar – que girar em torno de US$ 5,5 milhões na próxima temporada. Entre reforços de peso ou jogadores para compor elenco, veja a seguir os Free Agents em que a equipe pode depositar este dinheiro:

David West – Grande pontuador e excelente na execução do pick-and-pop, West é, na minha opinião, um dos jogadores mais underrated de toda a NBA. Como o New Orleans Hornets vive problemas financeiros, não acredito que a equipe seja capaz de oferecer um salário muito grande para o ala-pivô, que pode acabar tentado por uma proposta de um time mais forte. Acho que West casaria bem com o estilo de armação de Tony Parker.

Glen Davis – Tudo bem que o ala-pivô não é exatamente o que o Spurs procura – a franquia texana precisa, principalmente, de jogadores que atuem na defesa, e Davis é mais um pontuador. Mas seu bom arremesso e sua ajuda nos rebotes seriam bem-vindos em um elenco que tem dificuldades nesta posição. Resta saber se ele toparia apenas a MLE.

Joel Przybilla – Não é a contratação dos sonhos dos torcedores texanos, mas pode quebrar um belo galho e ajudar Duncan e Splitter na defesa e nos rebotes – principalmente nos dias em que Pop resolver poupar o camisa #21. Resumindo, é um pivô decente – coisa rara hoje em dia. Como o Charlotte Bobcats está em processo de reconstrução, ele pode acabar sobrando, e seria uma boa contratação se topasse um salário pequeno.

Kenyon Martin – O ala-pivô já não é o mesmo jogador da época do Nets – principalmente ofensivamente, já que sente falta dos excelentes passes de Jason Kidd. Mas, na defesa, ainda é um carrapato, além de ser versátil e poder marcar até no perímetro – na última temporada, quando Duncan estava machucado, Martin passou todo o quarto quarto marcando Manu Ginobili. Essa capacidade defensiva seria fundamental no Spurs – ele poderia exercer a função que Dice fez na última temporada, um titular com foco na defesa, deixando o ataque a cargo de Parker, Manu e Duncan. Mas, para isso, deve topar uma drástica redução em relação ao seu último salário.

Leon Powe – Após viver seu auge no Cleveland Cavaliers, Powe sofreu com lesões e não conseguiu mais reencontrar seu bom basquete. Mas, sem dúvidas, é um jogador com algum potencial, e, caso não consiga trazer mais ninguém, o Spurs poderia estudar oferecer um contrato mínimo para o jogador, que, em forma, pode ser útil.

Nenê – Meu predileto dessa lista, o pivô brasileiro é, talvez, o Free Agent mais cobiçado desta offseason. Por isso, deve receber propostas mais tentadoras que a MLE que o Spurs tem a oferecer – o que não diminui minha esperança de contar com ele. Primeiro porque, no Denver, o jogador sempre declarou sua vontade de brigar pelo título, e sua chegada transformaria o time texano em um dos favoritos. Segundo porque quando o Spurs contratou Splitter, Nenê disse que estava com inveja do compatriota, que ia jogar em uma franquia modelo. Será que é tão impossível termos um garrafão verde e amarelo?

Samuel Dalembert – Sólido, o pivozão pode ajudar na defesa e nos rebotes, e não em muito mais do que isso. Ganhou uma fortuna na última temporada, mas não deve continuar no Sacramento Kings – principalmente porque a equipe deve querer abrir espaço para o jovem DeMarcus Cousins. Se aceitar uma redução drástica em relação ao seu último salário, pode ser útil no plantel texano.

Tyson Chandler – Fez uma temporada impecável pelo Dallas Mavericks, talvez a melhor de sua carreira. Foi o líder defensivo da marcação por zona 2-3 que o técnico Rick Carlisle implantou, e que foi um dos principais trunfos durante a campanha que levou nosso rival texano ao título. Por isso, é de se esperar que o bilionário Mark Cuban, dono do Mavs, pague um salário gordo para o pivô. Mas, para nós, não custa sonhar, não é?

Yi Jianlian – O chinês faz muitas coisas bem, mas nenhuma muito bem. Poderia ajudar, principalmente, por conta da sua altura e seu bom posicionamento nos rebotes. Como outros desta lista, não é a contratação dos sonhos dos torcedores do Spurs, mas, em todo o caso, pode acabar tendo uma função sólida no elenco texano – vale lembrar que a franquia tem histórico de sucesso para jogadores estrangeiros.

Anúncios

Sobre Lucas Pastore

Um dos fundadores do Spurs Brasil, seu maior orgulho na carreira jornalística. Formado em Jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie em 2010, é redator do UOL. Cobriu o basquete olímpico na Olimpíada de 2016 pelo LANCE!. Trabalhou também para Basketeria e mob36.

Publicado em 13/08/2011, em Na linha dos 3. Adicione o link aos favoritos. 8 Comentários.

  1. Esse próximos meses serão tristes pra mim no esporte. Torcedor do Palmeiras e do Spurs que sou, perderei meus dois maiores ídolos nos dois esportes que mais aprecio, Marcos e Duncan encerarão as suas carreias. Tomara que consigamos montar uma boa equipe que possa ajudar Timmy a ganhar seu ultimo título da NBA.

  2. Ótima analise.

  3. K-delmondes

    Chora não porcada, sou Fã do Marcão ele é um Rogerio Ceni um pouco mais piorado, mais não deixa der ser fodastico.
    Detallhe: Bonner>>>>>>>>>>>>>>>>ALL
    KKKKK

  4. O cara além de bambi é fã do Bonner.

    Suicide Solution.

  5. Falando sobre o post, acho que nosso garrafão tem jeito sim, Splitter vai dar conta do recado, é claro que não será um Duncan mas é ótimo jogador. Richards também me parece um jogador muito promissor e acho que poderia chegar já à San Antonio. Blair pode ser um ótimo reserva, com bons minutos e Lorbek acho que também poderia vir mostrar se tem pontencial. Tim Duncan é insubstituível, mas com esses caras e talvez mais um bom Free Agent esse ano ou no próximo vamos estar bem servidos no garrafão. Tenho medo é de quando Ginobilli parar(e está perto) não vejo jogadores com a cara do Spurs e com a qualidade dele jogando por ai.

Deixe uma resposta para Edu Cancelar resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s